# # #

Hannah, a minha inocente enteada [Parte 2]

1461 palavras | 7 |4.81
Por

Eu a levei para o quarto e então brincamos como adultos. Hannah gostou mais do que eu poderia ter imaginado.

Depois que Hannah fez um trabalho tão bom punhetando e chupando meu pau, ela queria continuar brincando. Então eu disse a ela que poderíamos brincar, mas teríamos que subir para o quarto porque seria mais confortável se estivéssemos na cama.

Ela ainda estava despida, tendo chutado sua toalha molhada no chão e não estava envergonhada por estar nua, exibindo seu corpinho juvenil com todas as suas belas curvas.

Ela ficou curiosa e se levantou, correu e subiu as escadas rindo; eu a persegui de brincadeira e a alcancei no meio da escada, agarrei-a e a levantei em meus braços e a carreguei pelo resto do caminho.

Entrei no quarto da mãe dela levando-a em meus braços como um marido carregando sua nova esposa. Joguei-a na cama e ela saltou quando bateu no colchão. Eu rapidamente tirei minha roupa e subi na cama, e fazia cócegas nela – eu adorava ouvir sua adorável risada.

Ela estava balançando as pernas e os braços tentando escapar dos meus dedos que faziam cócegas, então eu apenas empurrei minha cabeça entre suas pernas e coloquei minha língua na fenda de sua buceta. Ela instantaneamente parou de se mover e ficou em silêncio, analisando as novas sensações que estava experimentando. Seu corpo relaxou rapidamente e ela fechou os olhos, parecia estar gostando de ter sua vagina lisa lambida – tinha um gosto de sabão porque ela havia tomado banho recentemente, mas ainda tinha assim um gosto bom.

Quando parei de lamber, ela abriu os olhos e ergueu a cabeça para olhar para mim. Parecia desapontada por eu ter parado. Rastejei por seu corpo e plantei meus lábios nos dela e a beijei: ela tinha o menor e mais delicado lábios que eu já experimentei.

“O que você quer tocar?” – lhe perguntei.

“Ele…” – ela respondeu, apontando para o meu pau.

“O quê?” – perguntei.

Ela apontou entre meu pau e sua buceta:

“Coloque ele aqui. Como você faz com a mamãe.”

“Eu não acho que você está pronta para isso. Esse é um grande jogo para meninas, é uma brincadeira de adultos” – eu lhe disse.

“Eu sou uma garota crescida, farei onze anos no mês que vem” – respondeu, então se abaixou e puxou meu pau e sorriu com aquele sorriso lindo dela: e olhando para mim com seus olhos de cachorrinho, implorou: “Pleeeeease!”

Ela era uma menina tão pequena e sua buceta era minúscula, proporcionalmente meu pau era gigantesco em comparação com ela.

“Vai doer, sabe, porque você nunca fez isso antes. Você está pronta para isso?” – perguntei.

“Sim!” – ela respondeu, decidida.

Arrastei-me ainda mais para cima da cama até que sua cabeça estava logo abaixo do meu peito e pressionei a ponta do meu pau na fenda de sua buceta. Pincelei os pequenos lábios de sua buceta macia e olhei para seu rosto:

“Tem certeza você quer que eu continue?”

Ela acenou com a cabeça: “Sim.”

Eu coloquei minha mão sobre sua boca:

“Não tenha medo. Estou apenas cobrindo sua boca porque você provavelmente vai gritar muito alto em um minuto” – expliquei. Ela acenou com a cabeça para me dizer que estava tudo bem.

Eu suavemente balancei meus quadris, lenta e delicadamente martelando a ponta do meu pau contra seu hímen. Ela lentamente começou a gemer ao sentir a cabeça do meu pau batendo em sua entrada. Apertei minha mão com força em torno de sua boca, respirei fundo e empurrei meus quadris para frente em um movimento rápido: não havia como voltar agora, isso estava acontecendo… meu pau rasgou seu hímen e deslizou dentro de sua buceta virgem.

Como previsto, seus olhos se fecharam, sua cabeça inclinou-se para trás e ela gritou muito alto, felizmente sua boca estava tapada e seus gritos foram abafados. Seus braços dispararam para os lados e ela agarrou os lençóis com muita força enquanto lutava contra a dor do meu pau esticando suas entranhas.

Mantive minha mão sobre sua boca enquanto deslizava meu pau para dentro e para fora por alguns minutos para que ela pudesse se acostumar com a sensação. Aos poucos ela parou de gritar e abriu os olhos marejados de lágrimas mas não estava chorando. Retirei minha mão e puder ver sua pequena boca aberta enquanto gemia e engasgava.

“Você quer parar, querida?” – perguntei a ela, só para ter certeza.

Ela balançou a cabeça e engasgou a palavra: “Não.”

Quando eu soube que ela estava bem, continuei a fazer amor com ela num vai-e-vem cadenciado e firme – o tesão estava a mil! Ocasionalmente nos beijávamos, embora fosse difícil arquear minhas costas para abaixar minha cabeça o suficiente para beijá-la… ela parecia tão pequena debaixo de mim… acariciei sua testa enquanto olhávamos nos olhos um do outro. Ela ainda estava ofegando lentamente e eu podia sentir seu hálito quente…

Seus “sucos” vaginais começaram a fluir, criando uma lubrificação perfeita para meu pau, que deslizava para dentro e para fora de sua buceta com pouca resistência. Sua fenda ainda estava muito apertada mas seu interior parecia tão incrível enquanto acariciava meu pau com cada empurrão… Coloquei a palma de minha mão na pele de sua barriga e pude sentir o caroço do meu pau se movendo dentro dela.

Gemíamos juntos: os gemidos de Hannah eram os sons mais agradáveis ​​que eu já ouvi, e eu poderia dizer que ela estava realmente gostando da nossa transa louca.

Depois de incontáveis e deliciosos minutos, estávamos ambos cobertos de suor: pingava de nossas sobrancelhas e minhas bolas estavam encharcadas. Me abaixei para ficar mais confortável, comecei a sugar seus seios em formação e peguei velocidade, deslizando meu pau para dentro e para fora mais profundo e mais rápido.

Hannah estava gemendo mais alto e em um ritmo mais rápido – ela sabia que algo estava acontecendo. Seus braços em volta das minhas costas e suas pernas lentamente levantaram no ar antes de se espalharem, logo ela parecia que estava dando piruetas no ar, era como se ela estivesse se abrindo para que eu pudesse entrar mais fundo nela. Seus gemidos ficaram loucos, incompreensíveis: “Ungh – Ugh – Ungh!” Eu sabia que deveria ter puxado meu pau para fora neste momento, mas não consegui: sua buceta apertada apenas parecia bom demais!!! difícil parar!!!

“Aí, vem…” – anunciei, batendo cada vez mais forte.

“Ungh – Ooh!”

“Oh, Hannah. Oh Hannah. – Hannah! ” – gemi alto.

Não pude mais segurar: a pressão aumentou e meu gozo explodiu para fora do meu pau. Os olhos de Hannah se arregalaram e ela ficou imóvel e não estava respirando. Ejaculei várias vezes, impossível saber quantos jatos foram…

Quando esvaziei minhas bolas em sua buceta, olhei para baixo e a vi, ela aparentemente estava em desfalecida. Fiquei preocupado no começo porque ela parecia não estar respirando.

“Hannah?!” – chamei, sacudindo levemente seus ombros. Felizmente, alguns momentos depois, ela piscou os olhos rapidamente – e respirei fundo.

“Acabou?” – ela perguntou.

“Sim, querida. Acabou.” – respondi. “Você gostou?”

Ela sorriu e jogou os braços em volta de mim novamente:

“Amei” – disse-me, parecendo muito feliz.

Nos abraçamos com força por alguns minutos até meu pau encolher e murchar. Ela bocejou e parecia exausta, só então percebi que já era muito tarde. Eu a carreguei para seu quarto, esperei ela se limpar e colocar seu pijama e a pus na cama. Ela me beijou apaixonadamente e disse que me amava e me desejou boa noite.

Quando apaguei a luz e estava saindo, ela gritou atrevidamente:

“Boa noite, pau gostoso. Te amo”, o que me fez rir.

“Ele também te ama” – respondi.

Voltei ao meu quarto, arrumei-o para não deixar pistas da nossa “brincadeira”, me vesti e então desci as escadas e esperei sua mãe voltar do trabalho.

Enquanto estava sentado na sala eu não conseguia parar de pensar no que acabara de acontecer: fiz sexo com uma garotinha! Nunca em um milhão de anos eu teria pensado que isso iria acontecer, e ver o quanto Hannah gostou foi alucinante.

Nunca mais vou olhar para uma garotinha da mesma maneira. Me pergunto se todas as garotinhas gostam de sexo tanto quanto Hannah.
.
.
Parte 3 em breve (ainda não acabou!)

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,81 de 31 votos)

Por # # #

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder RoXonB

    Esta é uma história ruim. Por favor, pare de escrevê-la.

  • Responder Juju

    Oh se sentem! Perdi meu cabaço com 9 mas queria ter perdido antes, ficava mes esfregando em todo canto de tanto tesao q eu tinha

    • Tio

      quero uma menininha assim pra mim

  • Responder Carlos cruz

    Que delicia eu sinto muito tesão por criança menina cel chinthialove

  • Responder Mamãe de bb

    Não te achei

  • Responder Valmir

    Maravilha!

    • Menina

      E como gostam de sexo mas achei agressivo. Tinha que ser aos poucos até estourar seu cabaço. Engana-se muito quem pensa que menina pequena não sente tesão. E como sentem. Meu padrasto também me fudeu muito gostoso e foi meu primeiro homem.