# # #

Como eu amo ser babá

1252 palavras | 6 |3.91
Por

Amo essa minha profissão de babá. Me rende muitos prazeres kkk

Olá gente, meu nome é Ivoneide e tô aqui pra contar umas coisas que gosto de fazer por ser babá.
Eu já leio contos eróticos a muito tempo, e desde nova eu aprontou. Eu tenho 29 anos atualmente, estou me formando em pedagogia e adoro essa profissão.
Eu conheci esse site recentemente e adorei os contos eróticos daqui. Principalmente os que são de adultos com crianças. Eu amo, por que é isso que apronto desde nova.
Desde minha adolescência eu sempre fui muito safadinha, com meus doze anos eu já conhecia bastante piruzinho nas brincadeiras de pique esconde.
Eu sempre começava as putarias nas brincadeiras. Eu adoro e adorava provocar os meninos que não perdiam tempo em passar as mãos em mim. Sempre tinha umas meninas filhas da puta que ameaçam entregar o que a gente aprontava, então eu pedia para os meninos amedrontarem elas, e eles faziam, e as meninas nada falavam. Muitas saiam da brincadeira, outras ficavam mas nada diziam. Só tinha amiga minha que era mais velha que eu dois anos que participava da putaria. Kelly. A gente vivia se esfregando nós meninos. Era bom demais.
Depois que crescemos um pouquinho, eu e Kelly começamos a transar com os meninos. A gente aprendeu a dar a bundinha bem cedo pra não correr risco de gravidez. Perdi meu cabaço mesmo com 20 anos apenas, mas era louca pra dar, só que o medo não deixava.
Até que ainda bem nova, eu e Kelly começamos a aprontar de outra forma. Colocar os mais novos pra se roçarem. Na nossa época, “brinquei de boneca” até meus 18 anos, e mesmo nessa idade, era normal brincar na rua. Eu e Kelly íamos nos esconder juntas com a criançada mais nova, que era uma forma de as mães se livrarem dos meninos e ter um pouco de sossego. Então a gente aproveitava pra se tocar e aí surgiu a vontade de ver os menores no troca troca. Então a gente juntou uma turminha, ficava um pra contar e o resto ia se esconder. Nisso eu chamei Kelly pra aprontar isso comigo e foi. Falamos que seria uma brincadeira muito boa, mas não podia dizer nada pra ninguém nunca, e aí a gente ensinava pra molecada, e eles olhavam meio estranho, mas fazia depois da gente ameaçar eles de alguma forma kkkk.

Geralmente a gente fazia isso com os meninos. Colocava um pra comer o outro, um pra chupar o outro. Tinha uns que reclamava, mas a gente forçava eles a fazerem. Lembro de muitas vezes Kelly meter a mão debaixo da saia ou dentro do short e se masturbar vendo eles fodendo. Eu fazia o mesmo.
A gente deitava um dos meninos no chão de bundinha pra cima, e cuspia no cuzinho deles, aí pegava o outro e encaixava, e nisso a gente ia fazendo com todos até todos participarem. No final a gente juntava todo mundo e ameaçava de bater neles caso contaçem alguma coisa kkk. No outro dia a gente não chamava, ia na casa deles buscar eles pra brincarem com a gente. As mães achavam uma maravilha, eu e Kelly éramos conhecidas como as babás.

Depois de um tempo só colocando eles pra brincarem de roçar, a gente começou pegar as menininhas também e colocar com os meninos. Era tão gostoso, só que eu queria mais, então falei pra Kelly que a gente precisava evoluir a brincadeira e aí a gente decidiu de fato foder aquelas bundinhas. Bundinhas de 7 anos até 11 era o comum naquela época. Então começamos com um primeiro pra ver como ia ser. Lembro que foi com um priminho de Kelly. Ele tinha uns 9 anos na época. Ele tava com uma pipa, na rua, aí eu e Kelly chamamos ele pra ir pegar manga com a gente num terreno abandonado que tinha no nosso bairro na época. Lembro que quando a gente chegou lá, Kelly pediu pra gente brincar de “peladinhos”, que era o nome que a gente tinha dado para a nossa brincadeira. Ele disse que não queria, que ia soltar pipa e ameaçou gritar pela mãe dele. Kelly pegou ele pela orelha e ameaçou trouxer a orelha dele se ele gritasse. Eu imediatamente tirei o shortinho dele, e Kelly disse que eu podia começar. Eu peguei a rolinha dele e arregacei a cabeça. Uma maravilha, bem rosinha e salgadinha. Ai eu falei pra Kelly começar. Ela perguntou como e eu disse que eu chupadava o rola dele e ela ia no cu. Mas depois de chupar era pra enfiar o dedo todinho no cu dele. Ela disse que podia machucar ele, mas eu disse que não tinha perigo. O dedo dela era fino e não era grande. Então eu falei pra ele que se ele tentasse correr, eu ia bater nele e dizer pra mãe dele o que ele tava fazendo com os outros meninos. Aí ele disse que era mentira minha, que era eu que fazia com eles. Mas eu disse que a mãe dele não ia acreditar e que ia bater nele de novo, então ele deixou e a gente aproveitou. Poucos minutos depois eu vi ele reclamar que tava doendo, Kelly tinha enfiado o dedo do meio no rabinho do primo dela. Lembro que a gente estava de trás de um muro, eu e ela sentadas no chão, e ele no nosso meio. As vezes ela tirava o dedo e lambia o rabinho dele, depois enfiava de novo e dizia que tava gostoso. O menino só queria ir embora e a gente não deixava. Depois a gente trocava, ela chupava o garoto e eu ficava no cuzinho dele. Depois de muito brincar, eu tirei uma moeda que tinha no bolso e dei pra ele, mas se ele contasse a alguém, a gente bateria nele. O menino saiu todo babado da gente kkkk. A safada daquele ainda bateu uma siririca, e lógico que eu também. A gente não usava calcinha, era mais fácil de se vestir caso acontecesse alguma coisa ou viessem alguém nos procurar.

Depois disso, nós pegamos os outros meninos e meninas, e fizemos a mesma coisa com eles, depois pedíamos pra eles fazerem a mesma coisa e só assistíamos enquanto a gente ensinava eles. Falamos onde devia e onde não devia enfiar os dedinhos. Depois, o esconde esconde era só isso. Alguns meninos mais velhos também se juntaram a nós pra disfarçar, e também aproveitavam deles. Era uma suruba só no esconde esconde. Só que depois fomos crescendo, Kelly foi embora do bairro onde morava e eu comecei a trabalhar. E ser babar foi o emprego que eu resolvi seguir só pra continuar fazendo isso. Claro, eu já namorei, já fiz outras coisas da vida, mais é uma tara que tenho. Adoro molestar esses novinhos. Principalmente meninos. Meter o dedo no cuzinho deles e ver o saquinho deles balançando é maravilhoso. Sem contar que dar pra por tudo na boca enquanto fode eles. Eu gosto de pegar os de oito anos pra cima, já são mais evoluídos, da até pra se esfregar neles. Eu tenho alguns casos, e vou contar alguns.

Beijos da Neide!!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,91 de 32 votos)

Por # # #

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Alex

    Continua bb.

  • Responder Gustavao

    Delícia de conto gustavaolindaobb @ Yahoo . Com

  • Responder TH.RJ

    Delícia conta mais

  • Responder Pai safado

    Vc quise pega meu filho

    • Jhon

      Da hora

  • Responder All

    Contaaaa