# #

A menina do sinal na pandemia 3 parte 2

804 palavras | 0 |0.00
Por

Ficamos um tempo parados nós recuperando.
Então esquentei mas um pouco de água para nós limpamos.
Mas eu queria suas perguntas também.
Comecei acariciando seu corpinho e logo começamos a nós beijar.
Passei os dedos entre seus lábios vaginas e percebi que já estava ficando molhadinha novamente.
Fiquei dedilhado carinhosamente e comecei a chupar seus peitinhos ela começou a gemer baixinho minha língua começou a pecorrer seu corpo e logo cheguei em seu grelinho que estava sensível ela suspirava e dava um gemido auto cada vez que minha boca o tocava.
Chupei seu caidinho e comecei a investir em seu butaozinho e como antes seu corpo estremecia quando eu passava minha língua nele.
Fiquei chupando sua bucetinha e cuzinho massageando e forçando meu dedo em seu buraquinho.
Com um pouquinho de dificuldade meu dedo foi entrando e invadindo seu rabinho ela gemia gostoso e por instinto começou a rebolar oq facilitou a entrada.
Fiquei dedilhado seu cuzinho enquanto chupava o melziho de sua bucetinha recém deflorada.
Mel pau já latejava novamente de tesão.
Sentei e a coloquei de quarto pra me mamar de um jeito que dava pra continuar brincando com seu buraco.
Enquanto ela chupava deliciosamente meu pau continuei enfiando meu dedo em seu cuzinho tentei colocar mas um mas ela reclamou.
Aquela menina era totalmente apertadinha oq me deixava com mas tesão.
Peguei novamente a pomada anestésica e lambuzei seu rabinho enquanto ela continuava me chupando eu brincava com seu buraquinho com a ajuda da pomada finalmente consegui colocar o segundo dedo e comecei a ensaiar o terceiro.
Eu já estava doido pra gozar novamente então mesmo sem conseguir colocar o terceiro dedo lambuzei meu pau e seu rabinho com o que sobrou da pomada e me posicionei aceitei em sua entradinha e comecei a força.
Com um pouco de dificuldade a cabecinha começou a invadir seu buraquinho que se abria lentamente.
Ela empinava bem o rabinho e gemia com a cara enfiada no colchão.
Entrou quase a metade e iniciei um vai e vem seu rabinho era tão apertado que tinha até dificuldade pra tirar e colocar novamente.
Depois de um tempo dei um tapinha em sua bundinha e a mandei rebolar ela mexia o rabinho gemendo gostoso com aquilo finalmente consegui colocar mas um pouco em sua bundinha e alimentar um pouco as estocadas.
Me sentei e a coloquei por cima de costas pra min ajeitei na sua entradinha e dos ela começa a quicar e rebolar com seu rabinho.
Aos poucos ela foi pegando o jeito e rebolava gosto eu segurando sua cintura a puxava mas pra baixo fazer que entrasse cada vez mais e não demorou muito pra quelé rabinho engolir tudo.
Aquela safadinha tinha muito tesão no cuzinho ela gemia alto e rebolava feito uma puta.
Ela ia até a cabecinha e guardava meu pau por inteiro em seu cuzinho.
Coloquei ela novamente de quatro e enterrei em sua bucetinha soquei um pouco e voltei pro seu buraquinho.
Fiquei alternando com estocadas firmes por um tempo então voltei a me concentrar só em sua bundinha
Ei dava tapas e mandava ela rebolar chamando ela de putinha e de vadia socando tudo com força ela me obedecia e rebolava gemendo como uma cadela no cio.
Eu nem podia imaginar que aquela garotinha podesse me dar tanto prazer daquele jeito.
Dei um urro de prazer gozando forte em seu rabinho.
Seu corpinho tremeu e se contorceu ao sentir minha porra quente dentro de seu rabinho.
Fiquei um tempo respirando com tudo atolando dentro dela.
Tirei e abri sua bundinha pra ver bem o estrago que fiz fiquei um tempo admirando minha porra escorregando de seu cuzinho completamente arrombado e escorregando pela sua bucetinha que ainda estava inchada e completamente vermelha completamente dilacerada pelas minhas estocadas.
Ela estava imóvel e ofegante.
Eu ainda a puxei e fiz limpar meu pau com sua boquinha.
Nós limpamos novamente e a levei embora no caminho páramos pra comprar mas um lanche e como ela reclamava de dor e ardência fui na farmácia e comprei um analgésico e uma pomada para ela passar.
Dei um troco pra ela nos beijamos e deixei ela .
Cheguei em casa exalto mas realizado.
Sai mas duas vezes com ela que continua bem apertadinha mas não oferece mas tanta difículdade agora que já tenho um lugar que pretendo ajeitar aos poucos tudo fica mas fácil e seguro.
E já estou de olho em outra menina que também vende balas próximo ao meu trabalho que e um pouco mas nova ainda não tem peitinhos mas tem uma bundinha bem grandinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(0 Votos)

Por # #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos