# # #

Violado aos 8 anos de idade por um Judeu

3206 palavras | 13 |2.91
Por

Estou relatando a minha história, minha história real onde aos 8 anos de idade eu fui estuprado e sodomizado por um Judeu

Meu nome é Matheus, sou escritor e estou desempregado. Durante esta pandemia estou escrevendo vários textos curtos inspirados em grandes obras, semana passada eu descobri este site, contos eróticos cnn e por curiosidade comecei a ler os contos dos mais variados que existem por aqui. Muitos de vocês dariam ótimos escritores pois possuem uma grande imaginação que pode ser aproveitada.
Vi que o site permite todo tipo de conto, então vou aproveitar que sou escritor e estou em um site erótico para relatar algo que aconteceu na minha vida, que no futuro pretendo transformar em um livro que irá fazer parte da minha biografia.

Pois bem, aos oito anos de idade eu fui estuprado e sodomizado por um homem judeu, fui forçado a ser sua esposa.
– Quando era criança eu era um pouquinho diferente dos outros meninos na questão genética, isso porque eu nasci com tendências maiores para produzir estrogênio (hormônio feminino) que testosterona (hormônio masculino). De acordo com meu pediatra na época, isso foi devido por causa de uma série de fatores que minha mãe se expor durante a gravidez, porém era possível reverter o quadro e diminuir danos ao meu desenvolvimento quando eu entrasse na puberdade. Eu nunca tive tendências homossexuais e inclusive eu não sou um, mas na época o descontrole hormonal no meu corpo era tão grande que me fazia ficar fisicamente e emocionante muito diferente dos meninos da mesma idade que eu e as diferenças físicas eram bastantes visíveis. Os meus coleguinhas da escola que também estavam na base dos oito anos eram bem agitados,teimosos as vezes agressivos e apesar se serem todos magrinhos, tinham uma tendência a desenvolver músculos muito rápido. Enquanto a mim, eu era bem pacífico, obediente em tudo, não aguentava correr na mesma velocidade que os outros meninos, além disso eu era fisicamente diferente, era mais gordinho,pelo rosada, meus peitos eram um pouco grandes e o maior diferencial de todos; minha bunda era muito grande, o que me vazia virar motivo de piada na escola. Os uniforme escolar masculino era muito fino e para mim ficava bastante apertado e quando eu vestia ele ficava muito justo e colado na minha bunda e marcava a minha cueca, isso me fazia sofrer bullying todos os dias.

Mas claro, meu corpo era diferente dos demais meninos por causa do descontrole hormonal e que me fazia a produzir mais estrogênio que testosterona.
Eu tinha amigos e após o término das aulas todos nós íamos para casa juntos. Em um dia de quarta- feira no caminho para casa
eu e meus amigos encontramos um judeu parado na esquina – eu sabia o que era um judeu pois minha mãe havia me ensinado sobre, porém meus colegas não sabiam o que eram e debocharam da aparência do homem e começaram a apontar o dedo para ele. Neste momento eu disse para eles que se tratava de um judeu e que todos tinham a barba grande e usavam quipá, eles ficaram curiosos e imediatamente nós fomos conversar com ele (o judeu).

Os meninos que estavam comigo perguntaram as mais variadas besteiras, como por exemplo: “por que sua barba é enorme? Ela vai bater no chão? Qual é o nome dessa tampinha na sua cabeça? Por que você está usando preto nesse sol?
O judeu que se apresentou a nós como “Gael”, respondeu todas as perguntas com bom humor, porém eu notei que ele ficou olhando muito para mim, mais do que para os outros garotos. Após conversamos com ele, fomos embora e eu pensei que não tornaria a vê-lo novamente. No dia seguinte após a aula novamente traçamos o mesmo caminho para casa eu e meu grupo de amigos, e encontramos novamente Gael na mesma esquina, dessa vez nós passamos direto sem dar um “oi” para ele. Mas eu notei que ele continuava me olhando até que eu sumisse de sua vista.
Novamente no dia seguinte voltando da aula eu me meus amigos tornamos a vê-lo na esquina e novamente passamos direto, só que desta vez ele me gritou: “ei rapazinho, vem cá”, eu fui até ele enquanto meus colegas ficaram esperando.
Ele disse que tinha gostado de mim, e me bajulou, como eu era criança fiquei todo encantado com os elogios que ele me fez (sabe como é criança não é) – ele disse que eu era diferente dos meus amigos e que provavelmente eu era o mais legal e o mais esperto deles, fiquei me achando e feliz. Ele disse que era para eu começar a sair da escola mais cedo e antes que meus amigos e ir encontrar ele na esquina, pois a partir daquele momento ele iria me dar pipoca e doses todos os dias, então eu topei.
No outro dia de aula eu disse para a diretora que necessitava sair mais cedo pois iria para o dentista, ela concordou. Fui sozinho e diretamente para esquina encontrar o Gael. Cheguei lá e encontrei o Gael, só queele estava dentro de um carro e não mais em pé na esquina, ele mandou eu entrar e disse que a esposa dele tinha preparado um bolo de cenoura para mim, sem pensar duas vezes eu entrei. No caminho para a casa dele foi tudo normal, ele me perguntou qual era meu super herói favorito e eu respondi, “a mulher maravilha”, nesse momento ele deu um sorriso discreto e disse,- ” você é tudo o que eu imaginei que fosse.” Neste momento eu não entendi o significado desta frase, só mais tarde quando cresci um pouco que eu conseguir entender.
Quando nós chegamos na casa dele realmente havia um bolo de cenoura no forno, nós sentamos na mesa e ele repartiu o bolo e me deu . Na mesa nós conversamos sobre muitos assuntos, até que ele falou que eu era uma “maricota linda”, eu não entendi o que ele quis dizer, porém ele continuou:
“Você não se parece muito com um menino, você se parece mais com uma garotinha, se eu não podesse ver essa pequena marca do seu pintinho no seu short eu diria que você era uma bela garota.”
Eu respondi: “minha mãe disse que eu tenho um pequeno problema, mas eu não sei o que é exatamente, eu irei fazer um tratamento mas não sei o que isso significa.”
Nessa hora ele se aproveitou da minha inocência e disse: ” eu não estou acreditando que você é um menino, tira a roupa e deixa eu ver se você realmente tem um pintinho aí” , inocente, eu fiz o que ele mandou,. Abaixei meu short e mostrei meu pinto a ele. Porém ele desconversou e disse que não queria mais ver meu pinto mas sim a minha bunda.
“Vire-se de costas e deixa eu ver sua bundinha, parece que ela é tão grande e gordinha”, então eu me virei e mostrei para ele, nesse momento ele me agarrou no colo e me levou correndo para o quarto e literalmente me jogou com toda força na cama.
Eu fiquei sem entender e perguntei o que ele estava fazendo. Eu vi ele trancando a porta do quarto e começou a tirar a roupa desesperadamente, ficou apenas de cueca na minha frente.
Eu comecei a ficar com medo, então eu disse “sua esposa vai chegar aqui”, ele respondeu-” não tenho esposa, você será a minha esposa agora”. Então ele pulou em cima de mim me agarrando e me mordendo, pressionando o peso do corpo contra o meu.
Eu comecei a gritar incontrolavelmente, e ele me deu um tapa na cara, eu estava chorando. Então ele abriu as minhas pernas e enfiou um dedo no meu cú, depois tirou e enfiou o pênis dele com toda a força. Na minha vida toda até os dias de hoje eu NUNCA sentir uma dor terrível igual aquela! O pênis dele parecia que ia me partir ao meio quando entrou dentro do meu ânus.
Minha cara estava frente a frente com a dele, então ele abriu a boca e enfiou a língua dentro garganta e continuava forçando a entrada do pênis. Ele me virou de bruços e montou em cima de mim como se monta em um animal, cuspiu dentro da minha bunda e começou a socar dentro dentro de mim. A cada penetrada eu sentia como se tudo dentro de mim estivesse se rasgando ao meio. Em um determinado momento do ato eu sentias minhas forças indo embora, então eu já não tinha mais forças para gritar nem para me debater, apenas estava alí, imóvel, esperando tudo aquilo terminar. Até que eu sentir um líquido quente entrando dentro de mim. Naquele momento eu não sabia do que se tratava, só quando cresci que eu soube que ele havia ejaculado e que aquilo era espermatozóides. Após sentir o líquido dentro de mim, eu fiquei enjoado e com vontade de vomitar, porém me encontrava fraco demais para fazer qualquer movimento. Eu estava todo ensanguentado, meu reto estava todo dilacerado e eu sentia uma dor aguda terrível. Após ter terminado comigo, ele me pegou no colo, me levou para o banheiro e me deu banho, ainda estávamos os dois nus, e vi o pênis dele que também estava melado de sangue. Ele me lavava e passava a mão para me limpar, porém eu chorava de dor pois a água caia em cima da minha bunda que estava toda ferida, ardia muito,era insuportável. Após ter terminado de me lavar ele me deixou deitado no chão no canto do banheiro e começou a tomar banho. Eu não tinha forças nas pernas para me levantar, então quando ele terminou me pegou no colo e me levou para o quarto novamente.
No quarto ele se vestiu, e eu, mesmo sentido dor, chorando, sentei na cama e conseguir me vestir também. Ele disse para mim que tinha um plano para meus pais nunca desconfiar que fui estuprado, disse que se eu falasse iria matar meus pais e eu ficaria sozinho no mundo. Como eu não conseguia andar direito, o plano dele era machucar a minha perna para quando meus pais perguntasse porque eu estava mancando, jogar a atenção para o machucado na perna e impedir que eles olhassem o meu traseiro que estava machucado. Assim foi feito. Ele pegou um pneu de uma bicicleta, colocou minha perna direita esticada e arremessou o pneu, mais uma dor, mais uma tortura que eu tive que passar. Ele me deu 40 minutos para parar de chorar e disfarçar todo o choro, em seguida entramos no carro para ir para casa.

Ele me deixou alguns metros perto de casa para não levantar suspeitas, então mancando e me segurando nos objetos que via pela frente eu conseguir chegar em casa. Na realidade estava sentindo apenas uma pequena dor no machucado da perna, a dor maior vinha do meu reto e da região abdominal. Em casa deu tudo certo, meus pais não desconfiaram de nada e eu fiquei livre de ir para escola nos próximos dias. A noite quando meus pais estavam dormindo eu ainda sentia dor no ânus, então eu peguei um papel higiênico e passei, e ainda tinha um pouco de sangue ou estava sangrando, pois estava ferido. Fui dormir chorando e achando que o pesadelo tinha acabado.

No dia seguinte eu estava melhor da dor porém ainda me incomodava muito, meu ânus coçava na maior parte do tempo e as vezes ardia, mesmo assim eu conseguir disfarçar muito bem. Meus pais acreditavam no ferimento da perna, então me deixaram sem ir para escola uma semana.
Uma semana se passou e eu já estava andando melhor, inclusive fui mandado comprar pão em uma padaria do bairro. Ao sair da padaria eu dei de cara com o miserável que me destruiu, ele estava me observando de longe e vigiando meus passos desde o dia que deixou em casa. Com medo eu tentei correr e gritar, porém ele me pegou e mostrou uma faca e disse que mataria minha mãe se eu tentasse qualquer coisa, ele ordenou que eu fosse para casa entregar o pão e dizer para minha mãe que eu “ia para casa de um amiguinho”, e retornasse para onde ele estava. Assim, eu fiz. Voltei, entrei no carro e ele me levou para casa dele novamente. Ao chegar na casa do Gael, ele me deu uma blusinha e uma saia e disse que era para vestir, eu me recusei então ele pegou um pedaço de cipó para me bater, com medo eu vestir imediatamente.
– “Você se parece muito com uma garotinha matheuzinho, se você se vestir como uma, ninguém saberá que você é um menino, nem mesmo eu”.

Então ele revelou seus planos para mim

“De agora em diante eu irei te buscar na sua casa periodicamente, toda vez que eu te trazer para esta casa, antes de entrar você deverá se transformar em uma bela menina, entendeu? Deixe suas roupas do lado de fora e vista roupas femininas e só então entre, OK? Você será a minha esposa toda vez que se montar e entrar nesta casa!”

Eu não tinha outra opção, então com medo concordei.
Ele me deu uma sacola de roupas com vários ítens para que eu me montasse como uma garota, tinha saias,vestidos e calças coladas, além de batom,pulseiras e colares.
Após me vestir de garota e passar batom e colocar uma peruca, ele disse que eu deveria limpar a casa e arrumar as roupas dele e caso eu não cumprisse com as ordens, iria apanhar com o cipó que ele tinha na mão. Então eu fiz faxina, limpei e esfreguei o chão, e dobrei e as roupas dele. Enquanto eu estava no quarto arrumando as roupas no guarda-roupa, ele entrou e deitou na cama, pediu que eu parasse e fosse deitar junto com ele. Então mais uma vez ele fez comigo tudo novamente…..
Mandou que eu tirasse a roupa dele e fizesse oral, assim eu fiz. Tirei a camisa, tirei a calça, abaixei a cueca e começei a fazer oral nele. O pênis dele não cabia direito na minha boca e mesmo assim ele forçava, começou a bater e a cuspir na minha cara e me chamar de puta. Me dava um tapa na cara e dizia: “chupa esse caralho que tá gostoso”. Em seguida ele começou a passar lubrificante no pênis e me colocou de quatro, rasgou a saia que eu estava usando e colocou a calcinha de lado e começou a me penetrar. Ele puxava o cabelo que eu estava usando, nesse caso a peruca, batia na minha bunda e me chamava de cachorra.

-” você está gostando de receber pica né sua puta safada? Me diz que você gosta, vadia”.

Novamente doeu pra caramba e começou asangrar, porém eu conseguir suportar dessa vez, quando ele terminou comigo eu fui até o banheiro e tomei banho. Ele me levou para casa e ninguém desconfiou de nada.
Os abusos se seguiram várias vezes e durou um ano, sempre a mesma rotina. Ele me buscava em casa, eu me montava como mulher, satisfazia os desejos dele e retornava para a minha casa, um ano nessa vida. Em um certo dia, ele enfiou dentro de mim um cabo de vassoura, em outro, enfiou um revólver e me colocou para fazer oral em um vibrador.

Numa manhã de sábado ele foi me buscar em casa, acostumado eu entrei no carro e estava me preparando para mais um dia. Ao chegar na casa dele, estava me preparando para me transformar em uma menina, então ele me impediu e disse que era para entrar assim mesmo. Ao entrar ele começou a chorar desesperadamente e começou a pedir perdão várias vezes seguidas. Chorando ele dizia estar arrependido de tudo o que fez comigo e que não conseguiu dormir na noite passada, então ele se ajoelhou na minha frente e eu lembro quais foram as palavras dele.

-“Me perdoa, por tudo que eu tenho feito a você, eu sei, mas por favor me perdoa Matheus.
Olha, eu não queria ter feito o que fiz, mas só fiz porque você se parece muito com uma menina e me chamou bastante atenção, aguçou a minha curiosidade para saber porque você era assim, me perdoa”.
Ele continuou dizendo que nunca mais eu iria vê-lo novamente pelo resto da vida, se levantou e me deu um envelope. Após ter me pedido perdão um milhão de vezes ele me levou para casa e me disse:
-“Dê esse envelope que eu te dei ao seus pais, diz que é uma recompensa por tudo o que eu fiz. Te garanto que você nunca voltará a me ver.”

Então ele deu a partida e se foi. realmente, aquele foi a última vez que eu tive contato com ele.

Dei o envelope aos meus pais, dentro dele tinha 04 mil reais. Então eu contei tudo o que aconteceu, já é de se imaginar a reação deles né? Após toda a confusão com os meus pais, eles fizeram uma denuncia e abriu-se uma investigação, foram 3 anos de investigação para acha-lo, fizeram um retrato falado dele com base nas minhas palavras, foram na casa onde ele morava para colher materiais genéticos porém nada foi encontrado e o resultado final da investigação foi inconclusiva. Embora os abusos dele para comigo tenham sido provados por meio de exames, Ele não foi achado. A justiça estadual e o governo de Israel colaboraram juntos porém ele também não foi encontrado por lá. Não havia nenhuma foto dele em nenhum sistema tanto do Brasil quanto de Israel, as únicas coisas que se tinham dele eram retratos falados com base no meu depoimento e nada mais.

Devido a ter me penetrado quase todos os dias e ter colocado vários objetos no meu ânus, ficou constatado que eu sofri de um trauma ano-retal, também sofri de um prolapso retal, laceração do reto e também algumas lesões na parede anal.
E quanto ao meu descontrole hormonal, fiz tratamentos e terapia, hoje eu me pareço realmente com um homem, inclusive as vezes me pego comparando as minhas fotos atuais com as da minha infância, realmente tive a melhor evolução.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,91 de 35 votos)

Por # # #

13 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Thi ID:gqauwotzl6

    Por ser um conto ficcional é ótimo

    • Menino violado ID:81rf8eo49ai

      Muito pelo contrario, todos meus relatos são reais.
      Resolvi contar estes relatos para mostrar o que os adultos fazem com as crianças.

  • Responder Osvado ID:gstymfy8j2

    Sou louco pra dar o cu pra um judeu bem dotado

    • Menino violado ID:81rf8eo49ai

      Vai a luta, visite uma mesquita, faça amizade com um Rabino.

  • Responder Capitão Nascimento ID:gqb5vjizkk

    Pra ficar ruim, tem que melhorar muito.

  • Responder O Renovador da Moral ID:5pbartu020il

    Shalom veado,deixou praticarem veadagem com você,é veado então,e sendo veado,eu,John Deere,Matador de Veados,tenho o DEVER moral de bom cidadão dar fim nessa veadagem toda!

    • Menino violado ID:81rf8eo49ai

      Conta pra mim quem foi seu primeiro comedor.

  • Responder Anonimus ID:469cob9o8rdn

    Além de um conto péssimo, o cara ainda é racista. Isso é crime previsto em lei….Será denunciado às autoridades competentes.

    • Minha história ID:1dai1nx6idq

      Que? Racismo onde? Cara, sinceramente, vai tomar no seu cú! Pega e vai denunciar o conto, vai lá vai….. Analfabeto nojento

    • Incógnita ID:830zn1eqrdm

      Deixa o cara em paz, isso não foi racismo, recomendo sair daqui

  • Responder luiz ID:dlns5khrd0

    muito ruim seu conto

  • Responder Anônimo ID:gsus5qhrj2

    Os judeus ja fazem isso a mais de 4000 anos, procure “libelo de sangue”.

  • Responder Dan ID:6suh53i8rio

    Nossa cara, kkkkk, é tão ruim que só pode ser mentira, mas bem vindo ao CNN.