#

Um final de semana muito excitante !

1600 palavras | 0 |4.30
Por

Fui passar um fim de semana com parentes e amigos e acabei excitando minha sobrinha e minha cunhada, e comendo a mulher do meu amigo!

Fomos passar um fim de semana na propriedade rural de um amigo. Fomos minha esposa, minha cunhada(Marcia, 39 anos), minha sobrinha(Betina, 20 anos), a filhinha da Betina de dois anos e eu. Chegando lá fomos recepcionados pelo meu amigo Frederico e sua esposa Paula( 36 anos), que estava muito charmosa, vestia uma legging que salientava suas curvas e quase dividia sua buceta. Estava muito calor e nessa propriedade tem uma barragem que serve para irrigação da lavoura de arroz e é excelente para curtir ou tomar banho. Depois do almoço descansamos um pouco e lá pelas dezesseis horas decidimos ir nos refrescar na água da barragem. Tudo era farra e brincadeira. Levamos uma bola para a filhinha da minha sobrinha brincar, mas como ela dormiu na sombra das árvores, nós pegamos a bola para brincar de bobinho dentro d’água. Começou as três, minha esposa que vestia um maiô azul, ela tem um corpo lindo, Betina encantava com seu biquini minúsculo mostrando seu lindo corpo com seios médios e firmes, coxas grossas, bundinha arrebitada, cabelos soltos abaixo do ombro, e minha cunhada que estava num biquíni mais discreto e aos poucos entrava na bunda conforme caminhava, todas estavam muito atraentes e com isso eu me excitava, elas estavam se jogando a bola e eu no meio de bobinho, precisava pegar a bola para alguma delas ficar no meu lugar, como minha cunhada é baixinha marquei entre ela e a Betina, demonstrando que não deixaria minha sobrinha pegar a bola, minha esposa então passou a bola para a Márcia, saltei na sua direção e ela virou -se para eu não pegar, com ela entre meus braços encostei meu pau na bunda dela e ao evitar que eu pegasse a bola Márcia fazia movimentos que me proporcionava encoxá-la sentindo suas coxas envolvendo meu volume, ela não se afastou e aproveitando a pressão da água esfregou suavemente a xaninha no meu pênis quase tirando meu calção. Após alguns segundos ela lançou a bola para minha sobrinha e eu como se nada tivesse acontecido saí e fui recuperar a bola, como tinha caído perto. Com isso a Betina ficou de bobinho e toda a vez que a bola estava comigo ela se jogava em cima de mim para depois tentar pegar a bola, muitas vezes a encoxava e tocava em seus seios macios deixando ela excitada . Vi que estava dando muito na vista e assim me retirei um pouco da brincadeira. Foi então que a Paula Com um shortinho curto e colado ao corpo e um top, entrou e continuaram brincando. Minha sobrinha convidou as demais para tomarem sol e assim saíram e deitaram na beira da água. Minha esposa percebeu que a filhinha da minha sobrinha acordou e se voluntariou para cuidar dela.
– Mãe! Passa protetor solar em mim!
Minha cunhada não quis e perguntou se eu poderia ajudar a Betina. Alcancei a ela o protetor.
– Tio, passa para mim!
Deitou-se de bruços E eu comecei a passar da nuca até próximo da bundinha dela. Quando parei ela pediu:
– Passa nas minhas coxas tio!
Olhei para a Paula e para Márcia e as duas estavam como a Betina, de bruços e com os olhos fechados. Virei uma porção de protetor solar na mão e fui passando suavemente e massageando aquelas coxas macias. Eu passava da bunda até a panturrilha e voltava várias vezes. Betina abriu levemente as pernas e passei a massagear a parte interna das suas coxas. Betina abriu os olhos, olhou para sua mãe e para Paula e percebendo que as duas estavam alheias, olhou-me e deu um sorrisinho e voltou a relaxar com os olhos fechados. As massagens aos poucos chegavam mais perto da bucetinha dela, com o meu pau duríssimo eu quase não raciocinava mais com muita vontade de transar com ela. Quando senti nos meus dedos a sua vagina fiz movimentos que aos poucos seu biquini ia entrando na rachinha revelando seus lábios vaginais, afastei um pouquinho seu biquini e brincava com o grelinho dela, assim como introduzia meu dedo naquela grutinha. Betina estava com a respiração ofegante e mexia seus quadris . Encostei minha Boca no ouvido dela e introduzi a minha língua em sua orelha deixando minha sobrinha toda arrepiada.
– Te quero muito! – sussurrei no ouvido dela.
– Mas tioo! – Ela balbuciou!
Dei uma chupada na nuca de Betina e ela já estava nas nuvens de tanto tesão. Ouvi um barulho e voltei a realidade, era minha esposa que se aproximava com sua sobrinha- neta. Me levantei e fui encontrá-la e sentindo em meus dedos o cheiro daquela buceta deliciosa. Mais tarde jantamos e fomos para a sala olhar filmes na televisão. Eu estava no sofá pequeno e ao meu lado numa cadeira sentou meu amigo com um copo de caipirinha(cachaça com limão) e de vez enquando me convidava a beber, tomei alguns goles e agradeci, no sofá maior estava a Márcia, a Paula e minha esposa. Betina estava no quarto ajeitando sua filhinha para dormir. Aproximadamente vinte e uma horas, meu amigo se recolheu para seu quarto, arracem tinha começado um filme de aventura prendia a atenção da Paula e da Márcia, lá pela meia noite terminou o filme e com sono minha esposa foi para o quarto. Como iria dar um filme de suspense e eu queria olhar permaneci na sala, até porque eu iria ter que posar no sofá para que minha cunhada dividisse com minha mulher a única cama que sobrava. Estava refrescando e a Paula trouxe uma manta para se abrigar em enquanto olhavam o filme e depois eu usaria para dormir.
– vamos usar tua manta enquanto olhamos o filme, tu não vai dormir ainda né?
– Ah! Não vai estragar nosso barato cunhado! Quando terminar o filme nós saímos do sofá! Kkkkk
– Não! Fiquem a vontade! Não estou com sono, só com frio! Kkkk
– desocupou um lugar aqui, se quiser te tapar com parte da manta! Kkkkk – Paula falou levantando a manta.
Levantei de onde estava e sentei no meio delas nos cobrindo com a manta. E minha cunhada reclamou.
– Engraçadinho, sentou no meio deixando nós nos gelar por falta de manhã!
– Sentem mais perto de mim, assim esquecemos uns aos outros! Kkk
Abracei as duas puxando para mais perto. Paula estava com um shortinho curto e eu sentia sua coxa fria tocando na minha, e Márcia estava de mini saia, mas suas coxas estavam morninhas. Paula curvando-se para arrumar melhor a manta atrás dela, firmou o cotovelo no meu colo sentindo minha ereção e ficou sem jeito. Quando ela se ajeitou a abracei levando minha mão por baixo do braço deixando bem perto do seio dela e ela colocou a mão na minha coxa, discretamente levei minha mão até o seio dela, Paula levantou um pouquinho o braço facilitando e assim comecei acariciar o mamilo dela que ao mesmo tempo acariciava minha coxa pela perna do calção. Márcia se ajeitando no sofá colocou sua coxa sobre a minha. Meu pau estava duro e não tinha como esconder delas. Discretamente Márcia mexia sua perna sentindo meu pau roçar na sua coxa. Eu já nem pensava mais no filme, estava ansioso para ver no que iria dar nós três embaixo daquela manta. Levei minha mão mm os seios da Márcia e os acariciava sem medo. Brincando com os seios das duas sentia respiração delas bem aceleraradas. Não sei o que minha Cunhada pensou, se era errado aquilo ou algo assim, pois alguns minutos depois se retirou.
– Vou me deitar! Fiquem olhando o filme e me contém depois.
Me deu um beijo no rosto, deu Boa noite e foi para o quarto. Minutos depois Paula disse:
– Acho que eu já vou também!
– Vai me deixar sozinho, com frio! Kkk
Quando ela virou para argumentar a beijei enquanto minha mão esquerda continuava acariciando seu seio e a minha mão direita segurava firme sua coxa bem próximo de bucetinha. Paula subiu para o meu colo e segurou com sua mão direita meu pau que já estava quase fora do calção. Com minha mão direita tirei seu shortinho junto com a calcinha e toquei no seu grelinho acariciando. Paula tirou todo o meu pau para fora do calção e se ajeitou fazendo com que entrasse na sua bucetinha, ela rebolava e gemia eufórica, segurei ela pela cintura de costas para mim e com muita maestria Paula fazia sua xaninha sugar meu pau, não demorou muito e o êxtase de prazer tomou conta de nós que Paula virando seu rosto me beijou com volúpia e gozamos intensamente com seus músculos vaginais comprimindo meu pênis e eu ejaculando no seu útero. Ficamos um tempo nos beijando e controlando para normalizar nossa respiração. Tivemos então lucidez da realidade e do perigo de sermos descobertos.
– Adorei nossa loucura!
– Eu também Paula!
Nos beijamos e ela foi sem calcinha para o banheiro. Me deitei e dormi.
Foi um final de semana bem excitante. Logo conto como foi com a Márcia e a Betina.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,30 de 20 votos)

Por #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos