#

Putinha mal comida resolveu trair o namorado comigo

1002 palavras | 2 |4.31
Por

reencontrei uma amiga dos tempos de colégio e descobri ela era uma putinha que curtia uma putaria. namorado otário nem suspeitava que eu comia direto.

tentarei não me estender muito nesse relato. Os fatos aconteceram nos anos de 2018 a 2020.
Atualmente estou com 24 anos (2021). Os nomes estarão trocados.

Conheço Luana desde a época de colégio, ela sempre teve uma quedinha por mim mas minha insegurança me travava e não me permitia tomar uma atitude.
Alguns anos se passaram dês de essa época de colégio e em 2018 eu havia terminado um namoro fazia pouco tempo. Estava sedento por sexo e como um migo meu diz “o diabo é moleque”; reencontrei Luana no instagram e juntou a fome com a vontade de comer.

Meu interesse ao enviar solicitação foi exclusivamente para comer ela. Ela aceitou e pouco tempo depois começamos a conversar. Luana é o tipo de mulher que me deixa tarado. Baixinha, magra, cintura fina, rabo e quadril grande, peito pequeno, e a cor branquinha da pele que me deixa vidrado.

Eu já sabia que ela estava namorando, mas liguei o foda-se. “Se ela não topar, sorte do cara e azar o meu” pensei. Mas foi o contrário.
Durante as conversas eu direcionava o papo à época de colégio e dizia que sabia que ela tinha uma queda por mim, que eu deveria ter aproveitado mas que a insegurança me travava. Ela confirmou que sentia atração por mim e que eu continuava “bonitinho”. A partir daí eu comecei a instigar o assunto para o sexo até ter certeza que ela também estava a fim. Quando por mim as conversas estavam num clima de tensão sexual bom, chamei ela para sair e ela topou.

Fomos a uma praça e lá lanchamos e conversamos, como velhos amigos que se reencontram depois de tantos anos, afinal, era a primeira vez que eu estava vendo ela depois do tempo de colégio e conversando fora do instagram. As horas voaram e ao ir embora acabamos nos beijando.
Sugeri a ela para irmos a um local mais afastado e ela topou. Fomos para uma parte da praça onde era mais escuro, com algumas árvores e carros estacionados. Ali começamos a nos pegar pra valer.

Apertava a bunda dela sem a menor preocupação se alguém poderia ver, e ela parecia não se importar também. Estava atracada em mim chupando minha língua num beijo tão gostoso que fazia meu pau latejar pressionado contra a barriga dela. Resolvi arriscar e coloquei meu pau pra fora da calça, ela segurou e ficou punhetando e me beijando por um tempo até agachar e me mamar ali entre os dois carros estacionados. Chupava com uma vontade que me fez não aguentar e esporrar tudo na boca dela. Ela engoliu tudinho e subiu pra me beijar. Nos recompomos e voltamos para parte movimentada da praça. Depois disso foi dado o sinal verdade para putaria.

Alguns dias se passaram e eu chamei ela para ir a minha casa “assistir um filme” ela topou e eu aguardei ansiosamente. Tamanho era o meu tesão que, antes mesmo dela chegar o meu pau já estava meia bomba só com a situação. Ela mal entrou pela porta e já começamos a nos agarrar. Ah, como eu fudi ela esse dia! Descarreguei toda a minha vontade e tesão. Nos comemos ali na sala mesmo. Fodi ela em pé, com ela de quatro no sofá; o que me proporcionou uma visão linda daquele corpinho branco de cintura fina e um puta rabo empinado. Dei um tapa forte e chamei ela de cadela.

Ela me advertiu dizendo para não deixar muitas marcas por causa do namorado, eu só disse foda-se e comecei a socar com força. Era a primeira vez que ela mencionava o namorado, mas eu não estava nem aí. Fodi com muito prazer aquela puta. Ela gemia, pedia mais forte, pedia pra eu bater e deixar marcada; e se tem uma coisa que eu gosto é ver uma puta branquinha toda marcada. Fodemos como dois tarados até explodirmos em um gozo gostoso. Ficamos deitados e conversando. Perguntei sobre o tal namorado (até então ela não sabia que eu já sabia que ela estava namorando) e ela meio com vergonha disse que tinha namorado e perguntou se tinha problema, respondi que não tinha problema nenhum e que até achava mais excitante.

Passei a foder a Luana quase toda semana e entre esses anos de 2018 a 2020, ela me revelou que não fazia muita coisa com o namorado e que comigo ela podia ser quem ela realmente é; uma puta. Eu adorava isso. Mulher que sabe o que é e do que gosta, me conquista facilmente na cama. Tentei desenrolar um ménage com ela juntamente com um amigo meu, mas acabou não rolando por insegurança dela.

Por fim, Luana acabou confundindo as coisas e eu não queria ser grosso e dizer que meu único interesse com ela era o sexo, (que era bom para ambos). Existia um sentimento da parte dela e eu respeitava, apesar de muitas vezes ela encher o saco querendo “discutir a relação”. Por várias vezes pensei em mandar uma mensagem nesses momentos dizendo: “deixa essa porra DR com o corno do teu namorado, de ti eu só quero sexo e nada mais.” Mas julguei que não seria uma boa.

Comi ela de 2018 a 2020 e o corno nunca suspeitou. Às vezes eu esbarrava com ele na rua e ele nem sonhava que eu comia a namorada putinha dele e muito menos sabia que eu conhecia ela. O mais foda disso tudo é que eu já conhecia ele da faculdade. Fazia o mesmo curso que o meu, porém em outro turno.
Enquanto ele só ficava no papai e mamãe com ela, comigo ela cogitava dar pra dois. Queria mesmo era ver se ela tivesse topado o ménage, lembrar dela com dois paus na boca ao trombar come ele na rua iria ser impagável.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,31 de 16 votos)

Por #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Vantuil OB

    Foda sem graça. Muito fácil

    • Apreciador

      “fácil” porque eu não quis enrolar. No fundo ela tava a fim também, não tinha porque fazer doce. Mas se eu contasse os detalhes desinteressantes, ficaria muito massante ler e escrever.