# # #

Perdi a aposta e virei menina

3261 palavras | 0 |4.43
Por

Eu era um menino normal. Tinha uma irmã mais velha um ano e morava com meus pais. Jogava bola, empinava papagaios, quebrava vidraças com estilingue e aprontava muito na rua onde morava. Entretanto tinha um grande segredo. Tinha uns seis ou sete anos, não me lembro, minha mãe resolveu sair e me deixou em casa de castigo devido a uma vidraça que tinha quebrado com minha bola de basebol. Fiquei trancado em casa sem poder nem ir brincar na rua. Muito bronqueado e com raiva queria aprontar alguma em casa como fazia sempre em situações parecidas. Estava com raiva de minha irmã, afinal ela que tinha me dedado. Fui ate o quarto dela, e procurava algo para quebrar ou sujar. Vi um \vestido de festa que ela tinha usado em um casamento, era armado e com mangas fofas, e sei que ela adorava esse vestido, então resolvi vesti-lo e brincar dentro de casa para suja-lo. Uma coisa muito estranha aconteceu, tirei meu short e minha camisa e vesti com dificuldade. A macies do tecido e minha visão no espelho me fizeram sentir uma sensação muito estranha mais muito gostosa. Era muito bom estar vestindo aquela roupa, era algo que nunca pensei em sentir na vida. Rapidamente tirei minha cueca e abrindo a gaveta dela peguei uma calcinha de seda rosa, e uma meia calça quase do mesmo tom. Maio sem jeito vesti e com dificuldade maior ainda abotoei boa parte dos botõenzinhos que ficavam na parte de traz. Abaixo onde o vestido estava, um par de sapatos rosas com lacinhos de cetim da mesma cor e os calcei. Nossa me senti uma princesinha. Não cansava em me olhar no espelho. As horas se passaram e veio o medo, tirei tudo com cuidado e guardei no armário. Veio-me um arrependimento, e jurei para mim mesmo que nunca mais faria isso.

Os dias se passaram e a vontade de vestir aquela linda roupa aumentava. Depois de algumas semanas não conseguia mais me controlar e novamente provoquei uma situação para ficar sozinho em casa. Novamente me vesti. A cada vez me aperfeiçoava mais e mais. Um brinco de pressão, uns anéis, meias sapatos e coisas assim.

Os anos foram se passando. Quando tinha uns 10 anos, mudamos de escola, meu pai nos colocou em um colégio particular. Todo ano nesta escola no mês de setembro, existiam algumas comemorações, brincadeiras e gincanas. Uma delas, a que eu mais amava, era que um determinado dia os meninos viriam a escola em uniforme das meninas e vice-versa. Como eu era novo na escola, e não conhecia as tradições, é claro que os meninos não me falaram que isso não era obrigatório. Mostrei o comunicado a minha mãe e mostrando desinteresse, pedi para faltar a aula naquele dia, o que foi negado veementemente. Na verdade eu já sabia dessa atitude de minha mãe, e estava louco para poder vestir o uniforme de uma menina.

Um dia antes, as professoras, separavam alunos e alunas que tivessem o mesmo tamanho de roupa, para que pudessem fazer a troca dos uniformes. Uma menina linda, que eu admirava muito, foi a escolhida para fazer par comigo. Foram trocados os endereços para que nossas mães pudessem pegar os uniformes para o dia seguinte.

Nem dormi a noite de tanta exitação. Na manha seguinte logo cedo uma senhora bate a porta trazendo o uniforme de minha amiga, e minha mãe cede o meu para ela. Era uma sainha azul plissada abaixo do joelho, um sapato com uma tirinha e meias ¾ brancas com rendinhas. Uma blusinha branca de gola arredondada com magas levemente fofas ate o cotovelo e justas com babadinhos nos pulsos.

Quando vi quase morri de exitação, mais dando uma de durão fiz um escândalo, dizendo que não ia me vestir assim. Tomei umas palmadas e relutando muito fui me vestir no banheiro. Pra minha sorte encontrei no cesto de roupas uma calcinha de ceda de minha irmã com rendas sem exitar as vesti. Sai do banheiro e minha mãe foi ajeitar meu cabelo com um arco de minha irmã. Estava muito feliz, mais não deixava ninguém notar. O que ninguém sabia é que estava usando ate calcinhas. Foi maravilhoso andar na rua sentindo esse frescor entre as pernas e aquela sensação gostosa de estar vestido como uma garota. O caminho foi um sonho e sem senti o tempo passar. Chegando lá mais da metade dos alunos aderia a brincadeira, mais a outra metade tirava um sarro tremendo, pelo menos ate entrar na sala, pois depois se isso ocorresse, o castigo era de estar uma semana na escola com uniforme de menina. Foi a melhor aula que tive na vida. Sentia-me uma menininha.

Esperava sempre o próximo ano para poder estar assim demovo, eram tempos maravilhosos. Já com uns 16 anos e maravilhado com as roupas das meninas, embora secretamente, pensei que não dava bandeira. Atacava o quarto de minha irmã, sempre que ficava sozinho em casa e vestia de tudo. Mais uma data era muito esperada por mim, o dia das bruxas. Todos os anos o pessoal da rua e alguns amigos da escola saiam fantasiados para pedir doces, na vizinhança.

Eu quase sempre me fantasiava como menina. Aos 11 como Branca de Neve, aos 12 como bailarina, 13 como fadinha, aos 14 como princesa, 15 como debutante, e este ano? Não sabia o que ia vestir, sempre pegava roupas com uma amiga da escola que adorava me emprestar seus vestidos e fantasias, ela fazia balé e teatro. Insistia em me arrumar para que eu não estragasse nenhuma roupa ao vestir. Éramos como que namorados.

Meus pais eram de classe media baixa, entretanto meus amigos de escola, e minha namoradinha eram de classe bem mais rica.

Já com 15 anos a maioria já tinha uma motocicleta para ir a escola e algum ate carro. Queria acompanhar meus amigos, mais minha posição social não me permitia.

Chegou o dia das bruxas, e combinamos de nos trocar na casa de um amigo nosso. Estava curioso para ver o que minha namorada tinha separado para eu usar. Chegando lá quase morri de susto. Era uma roupa de dançarina de can-can. Um espartilho preto, por baixo, um vestido vem decotado na frente e atrás com mangas bufante ate o cotovelo e bem larga ate o pulso umas luvas de renda que iam ate o cotovelo da cor preta, meias 7/8 arrastão pretas e uma bota de couro até o joelho. A saia era bem rodada e era de renda com forro vermelho e com uma cava na lateral cheia de babados em cetim vermelho.

Para minha infelicidade naquele ano os meus amigos estavam todos com fantasias de seu próprio sexo. Fiquei meio sem jeito, apesar de estar morrendo de tesão para usar aquelas roupas. Não deixando transparecer, me recusei a ir daquele jeito. Foi ai que começaram as apostas. Não era essa a minha intenção, esperava apenas que insistissem comigo. Um amigo me falou te pago 100 pratas se você for assim. Entrei no jogo deles e pra manter minha fama de mal recusei, dizendo de jeito nenhum. Outro colocou mais 100, minha namorada e outra amiga nossa me diziam que besteira e ainda ganha 200 pratas, vamos lá aceita seu bobo. Relutei mais uns minutinhos e aceitei. Foi quando meu amigo falou, mais 200 para ir de calcinha e tudo não fica bem uma cuequinha embaixo desse espartilho. Neguei a principio dizendo isso nunca, mais já tinha tomado uns dois copos de batida de amendoim. Bebíamos um pouco para encarar as fantasias. Além da bebida estava começando a me exitar com a idéia daquela roupa. I ainda sairia com 400 pratas no bolso, puxa é mais do que eu ganharia de mesada em um ano. Pensei ah algumas risadas e só isso nada de mal, pois nos anos anteriores sempre alguns se fantasiavam como meninas. Topei foi uma festa, minha namorada trouxe uma calcinha muito bonita de rendas pretas com ceda e bem cavada. Ela me ajudou a vestir num quarto e o povo na sala ria muito fazendo grande barulho. Nem liguei estava muito exitado e meio alto. Ela me vestiu me maquiou e me arrumou uma peruca loira muito linda, me parecia ate com ela, coloquei seios postiços de espuma para dar volume ao sutiem. Colou unhas postiças.

Estava pronta e linda. Quase gozei ao me olhar no espelho. O povo na sala entrou no delírio quando eu entrei.

Agora estávamos todos fantasiados. Eram 2 calboys, uma boneca de pano, um zorro, um super homem minha namorada se batgirl e outra amiga de fantasma. Claro eu como Dançarina de Can-can.

Bebi mais um pouco para encarar a sessão costumeira de fotos.

Estava muito exitado e tive medo que alguém notasse isso o que não seria difícil se levantassem minha saia. Ë claro que fizeram isso, principalmente para mostrar que eu estava de calcinhas.

De imediato notaram minha ereção e começaram a gargalhar. Um disse olha ai ele ta exitado ele gosta de ser uma menina, fiquei vermelho como um pimentão o que foi notado. Mais o tesão era tanto que nem ligava ate gostava da provocação. Já bastante alto, era muito fraco para bebidas, estava rindo de tudo. Foi ai que começaram mais apostas, lhe dou mais 100 pra você sentar no colo do Jonas e abraçar o pescoço dele como querendo agarrá-lo.

Relutei fazendo charminho, mais ate as meninas incentivavam. Sentei e o abracei, ficando com meu rosto quase colado ao dele e uma pose de prostituta. Varias fotos foram tiradas e barulhentos risos, e eu já tinha 600 pratas no bolso. Demorei em sair da posição, estava gostando, e isso foi notado, eles já haviam bebido bem mais do que eu.

Ia me levantando quando o Tom falou te dou 500 se beijar o rosto do Jonas e deixar marca de batom. Tudo bem. Beijei de fazer barulho e mais fotos. As meninas saíram para comprar umas cervejas. Eu já estava com 1100 no bolso, nossa era uma grana preta. Assim que elas saíram Mauricio disse 500 para cada um se der um beijo na boca só um selinho. Eu e Jonas topamos. Mais fotos. Confesso fui sacana estava fora de mim. Tom falou mais 500 para cada quero ver um de língua, mais vai ter de durar um minuto. Eu que estava fora de mim topei na hora Jonas relutou um pouco mais já estava exitado também. Eu sentia o volume de seu pênis, pois estava sentado no colo dele. De relógio em punho, Tom deu a ordem para i inicio.

Deu-me um frio na espinha e um tesão muito grande quando nossos lábios se tocaram e timidamente deixei minha boca aberta, sentindo o gosto da saliva de Jonas, que também estava muito tímido, Tom gritava enquanto não for de língua o tempo não conta e criando coragem, invadi a boca de Jonas, num beijo apaixonado e cheio de Malicia e tesão. Fechei meus olhos e me sentia uma menina sendo beijada pelo meu homem. Ele retribuiu, com muita fúria e tesão. Os amigos rolavam no chão de tanto rir, mais juro que não ouvi o barulho enorme que faziam. Ninguém notou, mais se passaram uns 2 minutos. Eu estava louco de tesão e ainda dei um selinho nele depois que separamos. Os outros notaram, eu, envergonhado, sai do colo dele. Notaram que ele estava exitado pelo volume em sua calça Foi ai que o sarro aumentou e mais apostas vieram. Mauricio o mais rico da turma tonto de tanto rir disse 5000 pratas pra você abrir o zíper e pegar no pênis do Jonas. Eu tava morrendo de vontade mesmo, mais relutei, bastante e eles falavam, você esta de luvas mesmo o que é que tem demais. O pessoal também estava tirando um sarro do Jonas afinal ele tinha me beijado de língua e o pessoal tava pegando no pé dele, mais do que no meu. Ele para sair da fogueira insistiu, em que eu topasse a aposta afinal, eu e que iria ficar na posição incômoda.

Venci a vergonha e sentando ao seu lado abri o zíper e com a ajuda dele tirei o pênis dele pra fora o segurando na minha mão como a punheta-lo. Novamente, o pequeno publico, estava em delírio.

Muitas e muitas fotos. Tom disse dou mais 1000 pra você aproximar seu rosto do pênis dele apenas para uma foto como se fosse fazer uma chupeta. Já não era pelo dinheiro aquele pênis na minha mão tinha me levado quase a um orgasmo e em meu estado quase acreditava que era uma garota. Um mar de sensações maravilhosas.

Já me abaixei e fiquei de frente com aquele mastro que apontava para meu rosto, amei aquele cheiro de homem. Abri a boca e fiz pose de prostituta, com um ar exagerado, me posicionei bem perto do pênis dele e novamente mais fotos. Aproximei-me mais e mais, já estava quase a ponto de entrar na minha boca. Assustado cai para traz me desequilibrando. Caindo um pouco na real, mais o tesão estava a mil, O Mauricio e o tom retrucaram, dizendo: Continua você ta gostando continua sua putinha!! Assustado me afastei um pouco, foi como um balde de água fria, mais não apagou meu tesão.

Mauricio falou: – Você quer muito ter uma moto pra sai com a gente não quer?? Dou-te a minha, pois vou comprar uma nova, mais você tem que continuar seu serviço com o Jonas. Nunca disse eu! – vai você quer! Você gosta, sempre vai como menina na escola em setembro, sempre sai de menina no Halowin sei que você vaio gostar muito disso e ficara entre nos as meninas ainda vão demorar um pouco. Eu Disse não categoricamente. Começaram as ameaças, olha quantas fotos que tiramos, quem não acreditaria que você foi ate o fim depois dessas fotos. Podemos torna-las publicas se você não topar. Olhe você ainda vai ganhar uma moto e todo o dinheiro apostado ate agora. Sentei para pensar, e um sentimento feminino tomou minha mente e sem pensar muito já estava ajoelhado denovo em frente ao Jonas. Com uma vontade de abocanhar aquele pênis delicioso. Cheguei perto mais perto e toquei com a ponta da língua sentindo aquele pênis pulsando por mim. E num impulso muito forte deixei que ele entrasse em minha boca, não ouvi as reações dos amigos que me olhavam, sentia a vontade de dar prazer aquele macho que era só meu. Não tinha pratica mais comecei a chupar a lamber em movimentos circulares dentro da boca, e em movimentos de entra e sai cada vez mais rápidos e Jonas me enfiava cada vez mais indo ate minha garganta. Parei um pouco quase sem fôlego e pedi para ele não gozar dentro de minha boca, e ele concordou, ninguém falava nada todos estavam em silencio. Voltei a chupar cada vez mais rápido e por vezes o Jonas segurava minha cabeça contra sua barriga e seu pênis entrava ate minha garganta quase me sufocando de tesão. Notei que tiram algumas fotos, mais nada me importava me sentia uma menina de verdade e queria mais. Estava indo quase ao delírio quando Jonas Segurou com força minha cabeça contra sua barriga e um jato quente morno e pegajoso invadiu minha garganta com muita força. Engoli boa parte para não sufocar, ele ainda pressionava minha cabeça contra seu corpo. Lentamente ele foi soltando e ainda expelindo muitos jatos mornos de semem dentro de minha boca. Amei aquele gosto àquela textura. Com carinho Lambi o resto ate que o pênis dele, já meio mole saia de minha boca bem limpinho. Traguei ate a ultima gota. Quando senteime no sofá notei que a platéia tinha aumentado. As meninas tinham voltado e viram boa parte do que aconteceu. Estavam todos em silencio e perplexos. Jonas quase desfalecido pelo orgasmo. Tom me olhava com espanto. Puxa pensei que você não ia ate o fim, mais aposta é aposta. Aqui estão as chaves e os documentos de minha moto e o dinheiro que você ganhou nas apostas. Minha namorada veio a meu encontro me abraço, e me levou ao banheiro para retocar minha maquiagem. Comecei a chorar muito, sei que perderia meus amigos, e provavelmente minha namoradinha. Ela me deu uma força dizendo que eu tinha feito o que sempre quis fazer e que era uma menina corajosa, e que seriamos sempre amigas. Essas palavras me doeram afinal eu gostava um pouco dela não como amiga. Ela notou e me abraçou. Saímos em pares pelas ruas, e procurei esquecer o que tinha acontecido, entretanto eu queria mais, estava fervilhando de tesão. Estávamos formando pares Cada menina com seu carinha, contando comigo é claro. Fiquei com o Jonas. Depois de tudo terminado Jonas se ofereceu para me levar pra casa, afinal já era tarde da noite e a minha namorada já havia ido embora. Lembrei que ainda estava vestido com aquelas roupas e não queria chegar em casa daquele jeito. Jonas ofereceu para eu me trocar em sua casa. Aceitei de pronto, ele ainda tinha de me levar de moto pois eu não sabia dirigir a moto que Tom havia me dado.

Chegando a sua casa, nos dirigimos para um quarto no quintal, para que não acordássemos sua família. Pedi a ele umas roupas para que eu pudesse vestir, ele saiu e retornou minutos depois com uma pequena sacola. Para minha surpresa ele me tomou nos braços e me beijou profundamente. Dique que nenhuma menina tinha fbeijado melhor que eu, e que ninguém tinha lhe feito uma chupeta com tanto prazer. Eu meio assustado disse que esquecesse que aquilo foi uma aposta. Ele me disse que sentiu que eu fiquei exitado e um homem de verdade nunca chegaria aonde você chegou. Era verdade fui muito a fundo mesmo. Ele me agarrou nos braços me apertou contra seu peito me beijou ate tirar meu fôlego passou a mão por debaixo de minha saia e viu o tesão que eu estava. Dizia-me você gosta você ama ser uma menina e novamente me beijava. Quase sem fôlego e muito cansado e extremamente sensível, fui me soltando e me deixando levar por aquele querido homem. Sonhei que era uma menina linda, e que tinha conquistado o amor de minha vida. Acordei de meus devaneios quando ele estava me penetrando, um misto de dor e horror que rapidamente se transformou em dor e depois em prazer. E assim foi durante aquela noite pois varias vezes ele me possuiu de todas as formas de todos os jeitos. Na manhã seguinte acordamos ao clarear, ele me emprestou um short e uma camiseta e me levou para casa. Ë minha ex-namorada tinha razão! Seriamos grandes amigas dali para frente. Traduzido by Pathy

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,43 de 7 votos)

Por # # #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos