# # #

Garotos safadinhos 2

1838 palavras | 10 |4.38
Por

Comi o cuzinho de dois vizinhos novinhos e safadinhos

Procurava no guarda-roupas um lubrificante que usava com minha esposa. Achei o vidro, meu pau continuava duro, me virei e olhei pra aquele moleque pelado na minha cama com seu irmãozinho do lado. Ele olhava avaliando meu pau. Ele tinha uma bunda grande pra sua idade, puxou a mãe. Me aproximei e ele colocou o irmão mais pro lado da parede para termos mais espaço. Ele sentou na beira da cama e comigo em pé segurou no meu pau, ensaiou uma punhetinha e colocou ele na boca passando a chupá-lo. Comentei…
Gostou de chupar heim? – Tirou ele da boca e respondeu meu comentário.
– Ele é bonito e gostoso. – Continuou de novo.
Meu tesão estava no limite, mas não queria perder o foco que era comer seu cuzinho.
– Vira! Fica de quatro na beira da cama.
– Tirou meu pau babado da boca e fez meu pedido. Quando vi aquela bunda lisinha virada pra mim, quase surtei. Peguei um travesseiro coloquei no piso e ajoelhei em cima. Abri as bandas da sua bundinha para ver bem seu anel enrugadinho. Meti a língua nele fazendo ele estremecer como estivesse recebido um choque. Explorava seu cuzinho tentando enfiar a língua. Ele deu um suspiro e retezou seu corpo. Abri o vidro e comecei a passar o lubrificante, enfiei a ponta do indicador para colocar o lubrificante lá dentro. Rodava o dedo lubrificando cada vez mais fundo, ele não reclamava de dor, então resolvi colocar dois dedos.
– Devagar! – Ele pediu…continuei laceando seu anelzinho, notei que já cabia a cabeça do meu pau. Passei nele também e me levantei, puxei-o mais para a beirada da cama, encostei a cabeça na entrada e forcei até sentir a cabeça entrar…
– Tá doendo, é muito grosso. – Reclamou… parei e falei pra ele.
– Calma! Se vc ficar bem relaxado vai doer menos tá? – Ele concordou, senti ele relaxando e pediu…
– Enfia mais… vai! – Não esperei outra ordem e forcei de uma vez, senti entar mais da metade. Ele soltou um gritinho de dor.
– Relaxa! – Tornei a pedir e nem dei tempo e enfiei o resto, segurando bem forte seu quadril. Tentou refugar, mas estava bem seguro. Senti meus pentelhos encostar no seu trazeiro.
– Porra cara! Quer me rasgar todo?
– Calma, calma… já entrou tudo. – Acariciava as costas dele e fiquei quieto até ele se acostumar. Seu irmão quis chorar pensando que eu estava machucando ele. Teve que acalma-lo. Então comecei a movimentar bem devagar, seu cuzinho era bem apertadinho, mas não demorou para que intreduzi-se todo seu canal macio. Ensaiou uma reboladinha e justificou…
– Seu pau é muito grande e grosso, mas pode enfiar tudo se quiser.
– Já entrou tudinho… – Esclareci. E fui aumentando o ritmo, ele rebolava gostoso…
– Nossa! Tá muito bom, vai fode… – Não me fazia de rogado, meu tesão estava a mil, e nossa respiração ofegante…
– Vai fode… me come… fode!…vaiiiii! – Pedia gemendo, notei que ele estava próximo de gozar ou algo parecido, e eu também, acelerei com vontade, pois vi que ele estava gostando. Dei um urro e gozei dentro dele. Gozei horrores, vários jatos de porra. Tirei e olhei seu cuzinho todo aberto, parecia uma flor. Levei ele pro banheiro, pois estava escorrendo porra. Olhei seu pintinho duro só com um líquido na pontinha. Ainda não tinha esperma. Perguntei que sentiu e disse…
– Senti só uns choquinhos, uns pinicões. Mas foi muito bom. Lavamos e voltamos pra cama. Ele me deu um beijo sem eu pedir. Ficamos brincando na cama com ele me dando mais duas chupadas tornando gozar na sua boca. Me garantiu que traria o David e sua irmã Cíntia para me fazer uma visita. Foi uma manhã memorável, agora tinha um garoto novinho que chupava como ninguém e tinha um cuzinho apertadinho pra comer sempre. Já era hora do almoço, arrumei a  comida que minha esposa já havia deixado pronta, comi e fui assistir o esporte na TV. Já era umas 14h00 quando resolvi desligar, e tirar um cochilo, nisso bateram no portão, levantei muito puto. Olhei no olho mágico e toda minha xatiação sumiu como por encanto. Era o Vitor acompanhado do David. Abri o portão e os convidei para entrar. Olharam pra um lado e outro da rua com cuidado depois de constatarem que não existia ninguém curiando entraram. Levei-os direto pro quarto. David era magrinho e um pouco mais alto que o Vitor. Tinha uma bunda pequena, mas era bonitinho de rosto. Tinha 13 pra 14 anos e Cíntia sua irmã 11 e ia fazer 12. Ele olhava tudo com curiosidade. Mandei ambos sentarem na cama e sentei na cadeira de balanço. Olhei para o Vitor curioso que entendeu e explicou…
– Vc pediu que era pra trazer ele aqui, então eu trouxe. – Meio receioso perguntei…
– Vc contou pra ele? – Mais que depressa confirmou.
– Sim! Más ele não estava acreditando, achou que era mentira minha. Então trouxe ele pra provar. – Vendo ali outra possibilidade, meu pau deu sinal de vida.
– Vc também gosta de brincar David? – Ele olhou no meu volume que começou a crescer.
– Só com os meninos, nunca fiz nada com adultos não. – Respondeu. Alizei o pau ostensivamente pra provocar e perguntei…
– Tem vontade de experimentar? – Baixou o olhar envergonhado e respondeu num fio de voz.
– Não sei… – Então inquiri.
– Quem tem que saber é vc. Tem ou não tem?
– Tenho medo do pessoal da rua descobrir.
– Só se vocês dois contarem. Porque eu não vou dizer pra ninguém. Vocês sabem que sou casado, se a mulher descobre pode até querer a separação. Eu tenho mais a perder que vocês. – Vitor cutucou ele com o cotovelo.
– Vai decide logo. – Minha barraca estava armada. Resolvi ser mais agressivo. Me levantei e tirei meu pau pra fora, notei seu olhar guloso. Vitor comentou…
– Não disse que era grande e bonito?
– Aproximei dele e ordenei…
– Pega! Pega nele. – Estendeu a mão e segurou, e ensaiou uma punhetinha.
– Vai chupa… sente o gosto dele. – Me olhou e decidiu, colocou ele na boca. Vitor estava como hipnotizado vendo o amigo com meu pau todo atolado na boca. Empurrei até ele quase engasgar. Ele foi mais audacioso que o Vitor, passava a língua nas minhas bolas enquanto me masturbava e tentava engolir ele todinho. Tava me levando a loucura, Vitor pediu…
– Deixa eu também chupar um pouquinho.
– Tomou o lugar do amigo. Que passou a assistir. Eu fodia a boca dele que deixava meu pau todo babado. Tirei dele e devolvi pro David que voltou a chupar com mais ímpeto, parecia que queriam disputar quem chupava melhor, meu gozo se aproximava enfiei até o talo na garganta do David soltando o primeiro jato, tirei e coloquei na boca do Vitor e soltei mais dois e o último na cara do seu amigo que aproveitou para limpar o restinho que estava no meu pau. Depois foi no banheiro lavar o rosto. Notei quando levantou que tinha um pau bem maior que do Vitor, pois estava durinho por baixo do short. Me lembrei do irmão do Vitor então perguntei preocupado.
– Sua mãe já chegou?
– Não, só a tardinha. – David voltou do banheiro, se sentando novamente.
– Com quem deixou seu irmão?
– A Cíntia ficou olhando ele lá em casa.
– Porque não trouxeram ela? – Perguntei olhando pro irmão dela que respondeu.
– Ela tem vergonha, só gosta de ficar com os meninos. – Fiquei calado bolando uma estratégia. Então falei pra eles.
– Vamos tirem as roupas. – Eles tiraram rapidinho. A bundinha do David era pequena e redondinha e bem lisinha. Seu pinto dava uns dois do Vitor. Mandei ele Chupar o David, os dois continuavam sentados na beira da cama e Vitor só virou de lado e se abaixou no colo do amigo. Eu me levantei e dei o meu pra ele chupar. Depois fiz o contrário mudando de parceiro, David chupava o Vitor que me chupava. Todos estavam com muito tesão. Parei e peguei o lubrificante e mandei o Vitor passar a língua no cuzinho do amigo. Ele fez sem problemas e deixou ele bem babadinho. Fiz o mesmo processo no cuzinho dele e tive mais facilidade, encostei a cabeça do pau e entroduzi com menos trabalho e logo estava com tudo dentro dele. Mandei ele ficar chupando o Vitor enquanto enrabava ele. Sentia ele gemer de prazer, com meu pau todo atolado no seu rabinho. Fiz os dois fazer um 69 enquanto metia com força, meu gozo se aproximava e acelerei mais as estocadas, e logo enchi o cuzinho dele de porra que também gozou na boca do Vitor, ele já tinha esperma. Notei que David era mais delicado que o Vitor e soltou a franga só com a gente.
Com direito a voz afetada e trejeitos.
Então me pediu para beijá-lo.
– Vitor me disse que vc beija gostoso, me beija também. Levantei-o, abracei e dei-lhe um bem molhado, com direito a um beijo de língua bem caprichado. Vi que era hora de fazer uma chantagem.
– Vocês gostaram né? – Balançaram a cabeça concordando.
– Então para ter próxima vez tem que ter a presença da sua irmã e não contarem pra mais ninguém. Tem que ficar só entre nós. Vitor então resolveu perguntar…
– Se ela não vier, posso trazer a Aline minha prima? – Olhei surpreso pra ele e perguntei.
– Quem é Aline? – Ele esclareceu.
– Aquela menina que vem aqui de vez em quando. Filha da minha tia que morreu.
– Me lembrei ela vinha com a mãe no carro dela. Mas por incrível que pareça ela morreu atropelada, na rua principal quando saiu a pé para comprar cerveja.
– Aah…sim me lembro. Quantos anos ela tem?
– Tem 9 e vai fazer 10 anos. Ela vai morar com a gente agora. A mãe vai trazer ela hoje.
– Ela vai querer? Não vai contar pra ninguém?
– Vai nada ela é muito safada, né David. – Ele concordou na hora.
– É sim, já brincou com a gente.
– Meus primos todos pega ela. Ela gosta.
– Confirmou Vitor.
– Vamos fazer o seguinte cada um trás a sua.
– Vou tentar trazer a Cíntia na próxima vez.
– Dispensei os dois.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,38 de 29 votos)

Por # # #

10 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder luiz

    adorei seu conto, vai fazer um brega total na sua casa acho que vc tem que ser flagado por um amigo ou um irmao para ajudar vc a comer os 4 ou muito mais ainda tem o irmao de vitor. Continue logo

  • Responder Messin

    Faz os dois fuderem um ao o outro o david fuder o vitor e o fuder o david

    • Zorro

      Pode ter certeza que isso vai acontecer. Obrigado pela dica.

  • Responder Péssimo

    Confuso, mal contado… A tal Cíntia não foi pra casa do cara mentiroso que tá contando a estória? Depois dá a entender que ela não foi, entendi nada.
    Não tenho tesão em estórias mal contadas.

    • Zorro

      Que pena amigo… as pessoas com o mínimo de inteligência entenderam. Que tal se vc voltar pra escola e aprender a emendar as sílabas? Melhor pede uma pessoa pra ler pra vc. Vc realmente é péssimo.

  • Responder Vantuil OB

    PQP, não pode parar no melhor, continua logo. E outra coisa, não achei o primeiro conto

    • Zorro

      Oi Vantuil, pesquise e leia vale a pena. Vi noseu comentários agorinha

  • Responder Arthur

    Cara na boa, os contos são bonzinhos mas a imaginação foi longe no “tenho medo da minha mulher descobrir e causar a separação”, é necessário muita demência de um abusador de menores ter só essa preocupação, como se fosse normal arrombar moleques de 10 e 12 anos, melhor contar histórias reais ou admitir logo que são contos e não relatos.

    • Zorro

      Onde vc viu aí que são relatos? Antes de vc julgar o trabalho dos outros presta atenção no que está escrito. Onde vc também viu escrito que são verdadeiros? Agora me mostra um trabalho seu… idiota!

    • Zorro

      Olha Arthur vou te tirar mais uma dúvida sua ou de outro leitor. Verdadeiro publicado aqui só Filhas e sobrinha. O resto são ficção. Escrevo por prazer. Estou terminando um livro com o título provisório: Seis anjos ou demônios. Logo será editado e começando um erótico. Seita da sagrada família. Mas como vc acha meus contos só bonzinhos te aconselho não gastar seu dinheiro e comprar.