# #

Comida à força, pelo chefe – parte 2

758 palavras | 2 |3.88
Por

Depois de ter transado com meu chefe no escritório , ele me arrombou na frente da minha casa.

Contei a primeira vez que meu chefe me comeu gostoso , transamos uma única ver no escritório , mas não rolou mais , por causa dos outros funcionário.

Minha consciência pesou muito depois disso , meu namorado e um homem muito maravilhoso , mas essa falta de sexo me deixo louca. Por sorte o lockdown voltou com tudo e não precisei mais ir ao trabalho , só reuniões por vídeo conferência , mas infelizmente para minha consciência e felizmente para tesão, teria que ir na empresa.

Eu rezei para ele não estivesse lá , mas estava. Meu chefe me olhava e sutilmente tocava o seu pau , a reunião foi correndo e tudo resolveu , conversamos um pouco e todos começaram a ir embora , mas uma das minhas amigas ficou para irmos juntas , achei que tinha escapado , mas só achei mesmo.

— Querem um carona? – meu chefe diz.
— Não queremos incomoda-lo – eu disse , ele me olhou bravo.
— Eu insisto , você correram um risco gigante para vir até aqui , é o mínimo que posso fazer .
— Muito obrigado. – minha amiga , disse aceitando.

Ele fez questão de levar ela antes de mim , com as desculpa ridículo , que tinha um compromisso por aquelas bandas , para eu ficar sozinha com ele. Minha amiga desceu na casa dela , se despediu e entro na casa.

— Achou mesmo que ia terminar.- ele diz.
— Eu tenho namorado ok? não posso fazer isso , vamos parar antes que algo aconteça.- digo , indiquei o caminho de casa e fomos em silêncio.

Quando chegamos na frente da casa , a moto do meu namorado estava na “garagem” , o que significava que ele já tinha chegado , meu chefe continua em para , olhei para ele brava , o mesmo deu uma volta na rua e para do outro lado da rua , tentei abrir a porta ,porém estava trancada.

Senti na mão passando pela minha perna e subindo minha saia , olhei para ele.
— quem passar vai ver?
— a película é muito escura , ainda amis esta de noite de ninguém vai ver nada.- ele passou , com a outra mão segurou meus seios

Parou e abaixou o máximo possível meu banco , soltou meu sinto e me deito com bastante força ,tentei lutar , porém não adiantou de nada ele é bem mais forte que eu. Lentamente foi desabotoando minha blusa e tirou me sutiã gritei , mas ele tapou minha boca.

– Por que esta se fazendo de difícil , você geme gostosinho e sabe que vadiazinha – ele disse.

Caiu de boca nos meus seios , com a mão livre segurou meus braços , foi mordiscando e chupando meus peitos alternando , seu corpo deitou-se sobre mim , sua pélvis rosava minha vagina , coberta apenas pelo fino tecido da calcinha.

Meu tesão só aumentava , meu corpo já estava bem molinho , não tinha mais forças para resistir , ele percebeu , soltou meus braços , subiu para beijando meu pescoço , chegou na minha boca e beijou-me e retribui.

Ouvi o zíper de sua calça abrindo , seu pau pulou pra fora , segurei-o e punhetei ele bem de levinho , ele gemia baixinho , parou de me beijar posicionou o pau na entra da minha vagina e entrou com tudo , ele soca o pau com força , nossa pele estrava alto quando se batia , neguei com a cabeça praticamente implorando para ele não gozar dentro , mas novamente ele despejou tudo em mim.

Ele tirou o pau e se espremendo no capo do carro , posicionou seu pénis entre meus peitos e os fodeu deram como buceta , ele voltou a ficar duro me virou e mordeu minha bunda.

— Não eu disse , nunca dei.
— Agora vai! – ele bateu na minha bunda , abrir bem e encaixou o membro na entra , abriu o porta luvas , pegou um creme, jogou no seu pai e no meu cú , tampo minha boca e lentamente foi se deitando encima de mim e entrando.

Sua mão arfou meu grito , de soca com força e rápido , a dor não cessava , comecei a chorar , ele continua mais um pouco , tirou o pau e limpo na blusa e voltou pra minha buceta, gozou mais uma vez. Me mandou me arrumar e deu uma volta comigo no quarteirão de deixou na frente do terminal de ônibus e desci ate minha casa, tomei uma pílula e deitei com meu namorado. De certa forma eu estava realizada , pois já faziam semanas que não dava.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,88 de 17 votos)

Por # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Flávio

    É pode ser exitante, mas com tanto erro de português, fica difícil de entender

  • Responder Mestre

    Continua