# # #

Comi minha filha, agora é a vez das netinhas 7 e 9 anos

1948 palavras | 19 |4.61
Por

Depois de comer minha filha até engravidar, chegou a hora de descabaçar as netinhas 7 e 9 anos

Boa noite, sou Renato, vou contar como estourei o cabacinho de minhas netas.

Crianção da minha filha
Desde que me lembro, eu tenho desejos sexuais um pouco diferente, minha esposa morreu cedo, deixando a responsabilidade de criar nossa filha sozinho, nossa vida era bem simples, Juliana, tinha acabado de fazer 8 anos, eu trabalhava até o início da noite e chegava cansado em casa, eu não tinha parentes pra me ajudar, e tinha que me virar sozinho. Juliana ficava na casa de uma vizinha, que cuidava dela, era sapeka e muito extrovertida, como eu disse, eu sempre tive um tesão em menores de idade, nessa época, eu pagava uma jovem pra me satisfazer, ela tinha 14 anos, nós transavamos na minha cama, a poucos metros de Juliana, que vez por outra acordava e ficava nos olhando, eu nunca vi problemas nisso, as vezes ela ficava esfregando sua pepeka por cima do shortinho, nada demais, eu não ligava, até que um dia ela pede pra tomar banho comigo, eu tinha acabado de chegar do trabalho, eu já teria que tomar banho de qualquer forma, então aceitei, ela ficou feliz e lá fomos nós para o banheiro. Chegando lá, ela tira a roupinha linda dela, então naquele momento eu analisei melhor minha filha, ela sempre foi muito independente, então fazia anos que eu não via ela peladinha, ela estava bem crescidinha, como ela já se estimulava, seus peitinhos já davam sinal de vida, sua coxa eram super apetitosa, bem carnudinhas, seu tom de pele moreno deixatava tudo mais especial, nem me dei conta que estava de pau duro e quase babando olhando o meu neném.
—Vamos pai! Falta o senhor tirar a roupa.
A partir dali, eu fiquei mal intencionado, perguntei se ela queria tirar a minha cueca. Ela nem me respondeu, já foi puxando pra baixo e tomou um belo susto quando viu meu membro, ela arregalou os olhos e me olhou, como se tivesse feito algo de errado.
–Não precisa se assustar, neném, ele só tá assim porque você é muito bonita.
Ela nada dizia. Eu botei minha mão em seu rosto, toquei seu cabelo, e falei baixinho. —Porque você não faz carinho nele, igual a tia faz?
Naquele dia ela bateu uma bela de uma punheta, e a partir dali foi só alegria, eu dispensei a adolescente, e agora minha filha passou a me satisfazer, rompi o seu cabaço ainda naquele mês, a menina era um sonho em forma de filha, uma puta com cheirinho de bebê. Eu comia Juliana sempre, ela gostava muito, gozava igual cadela, só dormia depois que eu enchia a buceta de porra. Mas tudo que é bom tem seu fim, Juliana arrumou um namorado, quando tinha 14, ele tinha muito dinheiro, era 2 anos mais velho, mas era um babaca na hora do sexo, por isso ela continuou morando comigo, até o fatídico dia, que ela descobriu está grávida, nós nunca usávamos camisinha, ela dizia com convicção que o filho era meu, eu acabara de engravidar minha própria filha… O caminho a seguir, parecia óbvio, e disse que o filho era do namorado e ele assumiu a criança, infelizmente eles tiveram que se mudar e passaram anos fora, 9 pra ser exatos, eles moravam em uma cidade vizinha, e eu nunca via a minha filha.
Durante esses 9 anos, eu entrei em depressão, vivia sozinho eu me culpava por ter perdido minha filha, me culpava pelo sexo, foram anos difíceis.
O reencontro
Um belo dia recebo uma mensagem de Juliana, achei que era apenas mais uma rotineira, mas essa trazia uma informação especial, eles voltariam para a nossa cidade, o Paulo, marido de Juliana, tinha sido transferido do emprego, e dentro de 1 mês eles viriam, foi o momento mais feliz da minha vida, não conseguia nem dormir, demorou mas chegou e é aqui que nossa história começa.
Ouvi batidas na porta, era minha filha, agora com 24 anos, o rosto ainda era o mesmo, ela me apresentou minhas netas, Maria Julia de 7 aninhos, e Aghata de 9 anos, que na verdade era minha filha também. Dei um longo abraço nas duas, perguntei por Paulo, ela disse que só viria a noite, pois estaria esperando o caminhão da mudança chegar. Conversamos sobre tudo, menos sobre o nosso passado, eu já não tinha mais a mesma mentalidade, eu achava que aquelas loucuras eram coisas da idade, e que eu já estava muito velho para isso, apesar dos meus 41 anos. Mas Juliana não estava desse jeito, era visível que ela sentia falta das nossas fodas. Eu fiquei brincando com minhas netas e logo Aghata dormiu, estava exausta da viagem, deitou no sofa em nosso lado, já a Maju brincava entretida no chão.
Juliana chegou perto de mim, e perguntou se a cama estava livre para levar a Aghata pra dormir mais confortável, eu disse que sim, então ela pediu minha ajuda pra carregar a criança. Ela estava bem pesada, ainda não tinha traços de mulher, era uma criança completa, cabelos lisos, rosto branco, bochechas vermelhas… Deitei a menina no canto da cama, e Juliana foi me acompanhando, eu comentei –Ela já está bem crecida ne.
–Ela já deve aguentar brincar com o vovô
Meu coração parou, eu olhei para Juliana, ela me chamou pra sentar perto dela, e começou a falar que nunca esqueceu o quanto foi maravilhosa sua infância, sentindo os melhores prazeres da vida com o papai, ela tirou sua camisa falando que sentia saudades, e me beijou como uma puta sedenda por rola, eu tentei afastar ela, falando que ela poderia acordar a filha dela, e ela falou forte –”NOSSA FILHA”, esqueceu que essa filha é minha e sua, se ela é tua filha, então ela tem direito de ver o eu pai fudendo em sua frente, igual você fazia comigo.
Eu tentei relutar, mas o tesão falou mais alto, eu empurrei minha filha na cama e puxei de forma bruta o seu short, enquanto eu desabotuava minha bermuda, cai por cima dela e não exitei, meti meu pau inteiro em sua rola, de uma só vez, ela deu um gemido alto.
–Isso pai, fode sua filha, igual quando era uma criança.
Eu olhei para Aghata e nada dela acordar e nem sequer se mexer, fudemos por pouco mais de 15 minutos, não tinhamos muito tempo, o Paulo, meu genro, já poderia está chegando. Eu falei para Juliana que iria gozar, mas ela não deixou que fosse dentro dela, ela levantou a saia da filha que estava em nosso lado, puxou a calcinha de florzinha da menina para o lado, e pediu para eu esporrasse no centro de sua rachinha pequenininha, na hora eu não exitei, me posicionei entre as pernas da minha filha/neta, e dei uma gozada, que não dava desde quando minha filha foi embora, eu inundei a entrada da buceta de Aghata que dormia igual uma princesa, metade da porra imediatamente foi expulsa, aquela xotinha infantil não aguentou tanta gala, melou toda a sua calcinha e o lençol, eu disse para Juliana pegar um pano, mas ela de recusou e disse que era lembrança, pra menina. Nos deitamos na cama e logo o corn… marido dela chegou, eu me despedi da minha filha e de Maju, Aghata ainda dormia nos colo da mãe, ela foi saindo eu pude ver, o caminho de porra que escorria na perna de minha neta. E assim foi a boas vindas.
Naquela noite
Eu recebi uma ligação de minha filha, ela me disse que a casa estava no improviso, ela achou que seria uma boa idéia que Aghata dormisse comigo, perguntei por Maju, e ela disse que não queria ir… Eu aceitei, mas já sabia que algo ela iria preparar, ela bateu na porta, só veio as duas, Aghata e Juliana, Aghata estava usando uma sainha bem curta, muito curta, parecia ser 2 tamanhos mais novos, Juliana subiu com uma câmera e posicionou no quarto, e disse que queria ver pra saber como foi, eu falei eu mandei a menina subir e fui conversar com Juliana.
–Olha, filha… Eu acho que… Eu não vou fazer isso, é errado.
Ela me entregou um DVD e disse para botar pra menina assistir, era o preferida da garota. Eu olhei pra capa e tinha 7 meninas vestidas de princesa, com o título “Princesinhas”, eu achei que era mais uma bobagem de criança, antes de sair, Juliana me fala no ouvido “ela está sem calcinha” e vai embora, perguntei para Aghata se ela queria assistir isso, ela deu um pulo de alegria dizendo siimm.
Eu botei DVD, o início, aparece cada uma com um papel, vestindo as mesmas roupas da capa, elas escrevem seu nome e suas idades, variavam entre 8 e 11 anos, depois que isso termina, aparece o título do filme, a primeira entra em cena usando um shortinho bem colado, cabelo amarrado pro lado, e camisa justa com barriga a mostra, ela está segurando ursinho, aparece 1 homem já com o pau pra fora, então a menina se ajoelha e começa o boquete, nessa hora meu pau endureceu, eu olhei para Aghata e ela estava com a cão próxima da virilha, como quem sentia um desconforto, eu perguntei se ela sempre assistia isso, ela me disse que sim, mas só quanco o pai não estava, porque ele podia brigar. Ela olhou pro meu volume e perguntou se podia tentar também, eu não exitei, me deitei na cama e pedi pra ela ir devagar, ela ficou encarando meu membro duro, mas queria mostrar serviço, então ela já começou sugando o máximo que cabia na boca, mas era quase nada, ela se engasgou e disse que não conseguia, falei pra ela só lamber, ela me ouviu e ficou com a linguinha de fora, ficamos nisso por uns 30 minutos, no final ela já estava chupando muito bem pra uma garotinha de 9 anos, na TV a menina agora era penetrada no cuzinho, eu perguntei se queria tentar, ela disse que podia doer, e que tinha medo, então resolvi só chupar ela, deitei a menina na cama, e abri suas perninhas, apesar de nova, a menina já parecia ter entrada pra receber um pau adulto, devagar e com cuidado. Ela puxava sua sainha pra cima enquanto eu me aproximava pra lamber sua xoxota de criança, era bem carnudinha, inchada pra frente e vermelha de exitada, escorria m fio de Melzinho dela, era a coisa mais linda, me aproximei e de imediato, lambi toda a extensão de sua buceta, ela se retorcia e dava gritinhos, ao fundo, na TV, 3 Princesinhas eram impaladas na buceta e no cu, gritando sem parar. Ouvindo tudo aquilo, sentido tudo que eu senti com minha primeira filha, eu não aguentei, botei meu pau entrada da bucetinha da menina, encaixei só a cabecinha, ela se desesperou achando que eu iria penetrar, mas eu apenas gozei na xaninha da minha netinha, é muito delicioso lotar uma xotinha infatil de gala quente, ela ficou me olhando, se sentindo realizada, o mel escorreu melando todo o lençol, deitamos exausto e ficamos assistindo o filme…
Continua, e pela manhã, a mãe dela não gostou nada da nossa noite.

Provavelmente amanhã sai a continuação.

Leia meus outros contos

Para me contactar com dúvidas ou apenas conversar.
Meu email é:
[email protected]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,61 de 51 votos)

Por # # #

19 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder athos

    Delícia, queria ter assim bem novinhas e novinhos, @Netuno9

  • Responder [email protected]

    Maravilhoso tudo em familia que sortudo.

  • Responder @semsensura

    Conto excelente, vc está entre os melhores, sem dúvida nenhuma, esperando a continuação, e que ela não demore.

  • Responder Tarado pelas novinhas

    Eu adorei seu conto continue

  • Responder José

    Desgraçado 😡

  • Responder Anonimo

    Joao m tem tele ??

  • Responder João M

    Que delícia. Eu curto bem pequenas e meninos também

  • Responder Péssimo

    “meti meu pau inteiro em sua rola, de uma só vez, ela deu um gemido alto”

    Como assim??? Brocante… 👎

    • .

      Kkkkkkkk

    • Laís safadinha

      Acho que você leu o conto errado

  • Responder ANTONIO SILVA

    ALGUEM SABE SE O PERISCOPE VAI VOLTAR !!!!!

  • Responder yuri

    Certo me adiciona ai e libera

  • Responder TIO BRENO

    Fiquei de pau duro e melado aqui, adoro incesto de pervs !!!

    • Pachecao

      Fiquei com muita vontade de comer uma Bucetinha novinha assim. Vou agora mesmo tocar uma gostosa punheta pensando em vocês. Continue não demore a publicação

  • Responder Carlos cruz

    Que delicia eu também quero comer a bucetinha de uma criança cel ccruzsilva

    • Paulo

      Deve ser muito gostoso comer uma criança

  • Responder Max

    Lindo conto continua família

    • FDP qualquer

      Que nojoooo

  • Responder May

    posta a continuação hj pfvr