# #

Vendendo a filhinha no UOL – PARTE III

738 palavras | 12 |4.38
Por

Talvez o efeito do beck, não sei, mas eu já estava punhetando meu pau vendo a pequena Tainá se contorcer enquanto um negro lhe chupava toda.

Sua língua ia da bucetinha a porta do cuzinho.

Ela gemia.

Eu gozei pela primeira vez naquela noite. Gozei no chão do quarto.

Enquanto isso, Marcos, o negão policial de 185 cm de altura, passava a língua na bucetinha da minha filha.

Tainá era magrinha, mas uma morena bonita, curiosa e obediente.

Quando Marcos voltou a ficar em pé, pude ver sua vara dura e o qual dotado ele era.

Estava chapado. Mas queria parar:
– Vamos marcar para outro dia? – Perguntei.
– Coloca a boca princesa. – ele falou sem me responder.

Tainá sentou na cama, colocou as perninhas pendurada e começou a colocar aquele pau na boca.

Aos mãos dele passava por trás da sua cabeça. Era possível ver Tainá sufocar só com a cabeçona daquela vara.

Marcos voltou a deitar Tainá na cama. Deitou sobre ela e começou a beijar.
– Quer sentar na vara do tio princesa? – Perguntou.
Fiquei surpreso quando ela respondeu:
– Quero.
– Tio vai socar em você, pode?
– Sim, tio.
– Abre as perninhas abre.

Tainá arreganhou suas pernas. Marcos subiu mais para cima da cama.
– Vai doer um pouco. Mas depois passa. – ele passava seu pau nela, com carinho. – já volto.

Marcos foi até a ponta da cama e pegou na sua farda que estava no chão, um lubrificante.

De volta em cima dela, Marcos beijava sua boca e com os dedos, começou lubrificar seu cuzinho.
– Ei… Ela não vai… não vai aguentar. – falei.

Tainá se torcia enquanto ele colocava um, dois dedos no seu cuzinho.
– Ei. – chamei de novo.
Ele olhou para mim.
– Se quiser sair do quarto, eu tomo conta dela aqui. – disse.

Tainá gemia.

Marcos voltou a enfiar a língua em sua boca e os dedos no seu cuzinho.

– Vai aguentar caladinha né? – ele falava entre uma linguada e outra.
Ela só balançava a cabeça.

Ele pegou maior quantidade de lubrificante e colocou na cabeça do seu pau.
– Apaga a luz do quarto. – ele pediu.
– Quero ver. – falei.
– Ascende a do banheiro, pode ser?
Fiz o que ele pediu.

O quarto não ficou tão claro, mas dava pra ver bem.

Marcos girou Tainá na cama com facilidade. Sua bundinha pequena estava agora virada para aquela jeba enorme.

Ele pegou em cada coxa da Tainá e arreganhou de modo que suas pernas de adulto conseguisse chegar mais perto. Ela estava aberta.

– Tio vai deitar em cima de você. O tio é policial. Você não pode gritar. – ele falou enquanto direcionava seu pau na portinha.

Marcos começou forçar para colocar cabeça em Tainá.

Ela gemia.

– Mode o travesseiro princesa. Que vou fuder esse cuzinho.

Tainá estava com a cabeça toda no travesseiro. Seu grito foi abafado quando ele deitou, forçando um pouco mais.

Deu pra ver que entrou um pouco. Ela se torcia e gemia. Suas pernas estavam abertas embaixo daquele negro pesado.

Marcos deitou seu peito nas costas e cabeça de Tainá abafando ainda mais sua boca no travesseiro e começou a fazer movimentos com o quadril para frente e para trás… Tainá gemia… grito abafado.

– Que cuzinho pequeno. Não foi nem a metade. – dizia. – Quero socar tudo. Que delícia de cuzinho.

Aquela cena me deixou louco.

Marcos ficou de joelho na cama, Tainá não se mexia. Ele, com suas mãos grandes, pegou nas coxas delas e levou para ele, colocou o pau no cuzinho e começou a socar com ela de quatro.

Tainá não gemia.

Sua bundinha estava sendo sustentada pelo negão, mas sua cabeça continua caída na cama.

Marcos fudia aquele cuzinho como queria. Sua vara grossa estava dentro dela, até a metade.

Ele pegou seus dois braços e puxou seu corpo ao encontro dele. Seu pau entrou mais um pouco.

Agora Tainá gritou.

– Acordou princesa do Tio? – falou enquanto sentava na cama sem tirar ela da sua tora. – o tio tá só começando.

Tainá chorava, enquanto eu gozava de novo.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,38 de 24 votos)

Por # #

12 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Toledo puto

    Cade a parte 4 ?

    • Bobinho

      Pois é, também tô louco pra ler a parte IV

  • Responder Safadinha bucetuda

    Minha bucetinha ta pegando fogo

    • Toledo puto

      Deixa eu apagar esse fogo

    • Vovô Safado

      Delicia saber que sua bucetinha esta pegando fogo, entre em contato comigo mande uma mensagem [email protected] ou pelo telegran @Agentebond aguardo seu contato.

  • Responder Eduardo

    Imagino como ficou o cuzinho da gatinha rsrs
    Ótimo conto!

    Teleg: @dudurj0

  • Responder Armando

    LINDO.

    Sr. Autor,

    Parabéns pela originalidade. Apesar de sintético, consegue expressar tanto… Instigar também. Vai nos pontos certos. Então não erra nada… Confesso que em minhas fantasias com uma princesa assim, ainda com a buceta lisa e estufada… ir no bumbum é até reprovável. Deixo isso para os pussy boys “menininhas” do papai… Mas vai chegará na pepeka. E pela dimensão colossal do digníssimo Sr. PM descabaçador será difícil não confundir com um quase, ainda que somente aparente, estupro de vulnerável. Não o será pelos direitos masculinos e paternais em concordância sobre essa fêmea em formação. Fantástica fantasia. Puro tesão.

    Armando.

  • Responder Bobinho

    Que delícia deve ter sido. Provavelmente, depois dessa, vc mesmo vai querer fuder o cuzinho dela

    • Toledo puto

      Cade a parte 4

  • Responder P...t..h...c

    Sempre quiz encontrar quem vendesse sua filinha ou filinho pra mim

    • pedro filho

      eu tbm, mano!

    • Antônio

      Eu tb amigo.