# #

Garoto safadinho 1

1623 palavras | 11 |4.36
Por

Um vizinho de 12 safadinho que gostava de rola. Coloquei ele pra chupar.

Já estava dentro do carro estacionado em frente à nossa casa, a espera da minha esposa. A gente ia a um Supermercado fazer compras. Derrepente sai da casa da vizinha seu filho e um colega. Fecharam o portão e vieram em direção ao carro numa discussão acirrada, sem prestar atenção em mim dentro do carro, e eu escutei parte da conversa.
– Josiel disse que te comeu.- Afirmou seu colega com energia.
– Uma porra que comeu. Mentira! – Contestou.
– Mas ele disse. – Reafirmou. Aí me viram dentro do carro. Calaram e depois continuaram mais a frente. Minha esposa entrou e fomos as compras.

Vitor devia ter de 11 a 12 anos, moreno de cabelos lisos rosto redondo, bonito. Era bem desenvolvido bunda grande e pernas meio grossas. Sua mãe era a mala da rua. Tinha dois filhos, ele e outro garotinho de 2 anos. Sua casa era ponto de visita de vários homens diferentes. Aquilo que foi dito por eles não me saia da memória e resolvi tirar a limpo. Ele não estava estudando por causa da pandemia. Eu também não estava indo no comércio, minha esposa não queria deixar e estava cuidando sozinha. Resolvi sair pra ver se via ele. Assim que abri o portão o vi com seu irmão. Minha Montana estava estacionada na porta. Abaixei a tampa traseira da carroceria e me sentei. Fiz um gesto pra ele, chamando-o. Ele veio e colocou o irmão dentro da carroceria e sentou-se na tampa comigo. Perguntei…
– Quantos anos vc tem? – Me olhou e disse.
– Acabei de fazer 12 na terça. – Estávamos na quinta… tinha dois dias. Então brinquei com ele. Mesmo atrasado daria um presente pra ele. Se ele queria.
– O que vc quer me dar? – Perguntou curioso.
– Uma coisa que cresce na mão. – Ficou na Dúvida me olhando.
– Tá me gozando né? – Me olhou com cara de riso. Olhou seu irmão pra ver se estava bem.
– Ele goza também. – Dei um sorriso. Então desconfiou o que era. Não era muito besta.
– Aah… estava pensando que era sério. – Eu tinha comprado uma caixa de bombom garoto já pensando nele.
– Mas vou te dar algo doce pra vc chupar.
– Lá vem vc com gozação de novo. – Eu notei que estava gostando do jogo de palavras. Vi ele olhando pra minha mala. Tinha saido com um short de algodão mole de dormir, sem nada por baixo. Tenho 54 anos e quase não tenho barriga, pois faço caminhada e corro sempre em volta de um campo de futebol, do tamanho de um quarteirão que fica na esquina da minha casa. Mantenho uma boa forma. Tenho um peito cabeludo e ombros largos com 1.80 de altura e 85 kg. Estava sem camisa. Sou muito tarado, gosto demais de uma safadeza, pra mim não tem idade e nem sexo, apesar de gostar muito de novinhas e novinhos. Por isso estava querendo pega-lo.

– Estou falando a verdade, tenho algo pra vc lá dentro. Vamos lá que vou te dar. – Me levantei ele pegou o irmão, fechei a tampa. Olhei a rua vendo se tinha alguém olhando, não tinha uma viva alma, morava num bairro calmo.
Abri o portão e entramos na garagem, fechei e seguimos por um corredor, após passar pelo meu quarto, um banheiro comunitário que servia de uso para minha enteada e meu enteado. Passamos pelos outros dois quartos, chegamos na sala. Fui num armário e peguei uma sacola com a caixa de chocolates dentro. Ele estava em pé com o irmão nos braços me olhando. Dei pra ele que olhou dentro e sorriu.
– Ei cara! Obrigado. – Notei a sua satisfação.
– Obrigado nada… vai descendo o Short.
– Olhou pra mim dizendo…
– Vc é muito gozador. – Voltamos e quando chegamos em frente ao banheiro abri a porta e pedi pra ele.
– Espera um instante, vou dar uma mijada.
– Ele parou em frente à porta e ficou olhando. Deixei a porta aberta com a intenção dele assistir. Baixei o short e tirei o pau pra fora que já estava ficando meio bomba. Fiz uma forcinha pra urinar deixando ele admirar meu pau. Pelo olhar guloso dele percebi que gostava da fruta, tirei minhas dúvidas ainda existente. Sacudi… e guardei, meu short virou uma barraca armada, nem liguei. Quando chegamos na porta do quarto, que estava aberto convidei-o a entrar sentei numa cadeira de balanço e falei…
– Senta aí. – Mostrei a cama de casal. Ele colocou o irmão em cima e sentou também, perguntando…
– Cadê seus enteados? – Olhando o quarto com interesse.
– Estão todos trabalhando só chegam a noite. Estamos sozinhos. Porquê?
– Nada não!
– Sua mãe, não vai ficar preocupada com vocês? – Perguntei com segundas intenções.
– Ela foi lá pra tia e só volta a tarde. Já deixou a mamadeira dele pronta e o almoço só pra mim esquentar. – Menos mal pensei comigo.
Resolvi então ser mais agressivo perguntando.
– Ouvi a conversa sua com seu colega ontem.
– Notei que ficou meio sem graça.
– Que conversa?
– Do Josiel ter te comido. – Negou rápido.
– Mentira dele, não dei pra ele não. – Levantei a mão e o acalmei, falando com tranquilidade.
– Não esquenta, na minha época de menino a gente fazia muito troca troca. Só que não saia contando pra ninguém. Vocês não fazem?
– Ficou na dúvida se respondia ou não. Incentivei…
– Isso é normal entre garotos. Pode contar. Tinha amigo meu que trazia até a irmã pra gente brincar com ela. – Ele resolveu destravar.
– Já fiz uma vez quando era mais novo.
– Confessou meio cabreiro.
– Só fez uma vez? – Ele balançou a cabeça concordando.
– Nossa! Que meninos mais moles dessa rua.
– Questionei e fui dando corda pra ele, que foi tomando confiança. Logo soltou que até o David filho do barbeiro havia trazido a irmã Cíntia pra eles brincarem com ela na casa dele. Cíntia tinha 9 pra 10 anos e confessou que comeram o cuzinho dela. Me contou os meninos que participava do troca troca. Tinha até dois irmãos, netos da dona Socorro. O Josiel era três anos mais velho que ele. Era
de outra turma que morava na rua 2, e nós morávamos na 3. Meu pau já tava duro com nossa conversa. Ele não tirava o olho. Perguntei quem mais gostava de ser enrabado dos amigos dele.
– David, ele gosta muito e a Cíntia sua irmã, é muito safada também. – Olhei sério pra ele inquirindo bem macio.
– Vc não gosta? – Falei acariciando meu pau por cima da roupa. – Gaguejou um pouco…
– Acho que sim. – Tirei meu pau pra fora e disse pra ele num tom bem safado.
– Já bateu uma punhetinha, pra alguém?
– Segurava no meu pau ensaiando uma.
– Já… más nunca num desse tamanho .
– Quer pegar nele? – Pensou um pouco e falou.
– Não, vc pode contar pros outros minha mãe me mata. – Dei um sorriso e pensei… tá na rede.
– Pode pegar… não vou contar pra ninguém.
– Levantei da cadeira e me sentei do seu lado.
Ele estendeu a mão e segurou no meu pau que estava pra estourar de tesão, e começou a movimentar a mão, ensaiando uma punhetinha.
– Não quer chupar um pouquinho. – Balançou a cabeça concordando. Me deitei ao lado do seu irmão e ele caiu de boca. Notei que não tinha muito costume mas tinha atitude. Dei umas dicas e logo pegou o jeito. Eu acariciava seu cabelos enquanto ele chupava. Comecei a gemer de prazer e falava pra ele que ele de agora em diante seria minha putinha.
– Depois quero comer seu cuzinho, safado.
– Tirou a boca e falou rapidinho.
– Não sei se aguento e muito grande e grosso.
– Voltou a chupar fazia ele enfiar quase todo na boca com ele engasgando de vez em quando e babando muito.
– Vou gozar e vc vai engolir tudinho minha putinha. – Soltei um gemido prolongado e gozei horrores na sua boca. Ele procurava engolir tudo… conseguiu.

Deu menos trabalho que eu esperava. Mandei ele tirar a roupa, e ficar peladinho. Tinha uma pele sedosa, macia, fiquei passando a mão nele, acariciando e meu pau endureceu de novo. Seu pintinho era minúsculo e estava durinho. Perguntei…
– Já beijou alguém? Respondeu rápido.
– Não, nunca. – Peguei no rosto dele e dei um beijo na boca dele. Tive que ensinar também. Ele gostou, pois pediu
– Beija de novo. – Dessa vez caprichei mais ele me surpreendeu me abraçando apertado. Nem precisei pedir ele agarrou meu pau e resolveu chupar de novo. Tirou a boca e perguntou…
– Quer me comer? – Eu estava acariciando sua bunda macia.
– Sim, vc quer ? – Perguntei…Ele foi sincero.
– Quero sim. Não sei se vou aguentar seu pau,
nunca dei pra um gente grande.
– Me levantei e fui buscar um lubrificante.
Sabia que ele queria sabia que estava com tesão, muito tesão.
Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,36 de 42 votos)

Por # #

11 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Tio Sérgio

    Flagrei o filho do síndico, passando a rola num garoto. Eu tinha ido na garagem, e qdo voltei, notei eles abrindo a janela da brinquedoteca. Fiquei observando, e assim que abriram, o loirinho entrou primeiro, e o outro entrou atrás. Esperei um pouco, o tempo de fumar um cigarro. Desci a rampa e fui até a brinquedoteca. Me aproximei devagar, olhei mas não avistei eles. O salão tem dois ambientes, abri a janela com cuidado e entrei. Caminhei devagar e parei qdo o filho do síndico falou.
    – que delícia Arthur, como vc chupa gostoso
    Encostei na parede que dividia os ambientes, e fiquei ouvindo tb. O filho do síndico falou.
    – hj vc vai deixar eu te comer um pouquinho né ?
    O outro respondeu, que se ele não demorasse gozar, deixava. Ele pediu pro menino chupar mais um pouco, mas queria gozar no cusinho dele. Ele pediu pro menino parar e ficar de quatro, e qdo ouvi o menino gemer e pedindo pra ir com calma. Qdo ouvi ele dizendo que estava gozando, eu entrei. Aplaudi e falei.
    – que bonito hein !

    • Tio Sérgio

      O susto foi grande.O loirinho tentou pegar o short no chão, e quase caiu.
      – calma !
      O outro foi ligeiro e se mandou. E ele, quase chorando perguntou.
      – vc vai contar pra alguém ?
      Não respondi, perguntei a idade dele, disse que tinha 12. Perguntei com quem mais ele fazia. Não respondeu. Falei que mais tarde ia falar com a mãe dele. Ele ameaçou um choro, passei a mão nos cabelos dele, e falei.
      – meu ap é o 81 do bl A, espera eu subir e vai lá pra gente conversar, se vc não for, conto pra sua mãe.
      Subi, deixei a porta só encostada e esperei. Logo depois ele chegou. Perguntei do outro, disse que não sabia. Perguntei se ele só fazia com a molecada, ou se já tinha feito com algum adulto, ele negou. Minha rola já estava duraça. Puxei ele e sussurrei.
      – vou guardar seu segredo, mas…
      Tirei minha rola e falei.
      – mostra pra mim se vc chupa gostoso mesmo. Meio encabulado, ele pegou minha rola, acariciou, e caiu de boca.
      Que sensação deliciosa, o menino sabia mesmo chupar um pau.
      Foi uma gozada deliciosa, ele não engoliu td, mas engoliu boa parte da minha gala.
      Fiz ele se levantar, e ficar de frente comigo. Segurei firme na bundinha dele, e perguntei se ele tinha hr pra ir pra casa.

  • Responder pau grosso ddd

    conto muito bom amei

  • Responder outrohumano

    Tem discoooooord? Não tenho teleeeeeegran ainda

    • Gabriel

      Eu tenho Discord

    • outrohumano

      passa ae então :3

  • Responder Felipe

    Adoraria socar em vc mlk

  • Responder Silva

    Bi?

    • Tesudo

      Eu sou

  • Responder @fhjsdh

    Ganhou um putinho. Continua

  • Responder RC putao

    Delícia…puta que pariu… Meu aqui tá truncado delícia