# # #

De Volta Para Casa – Décima Segunda Parte

732 palavras | 4 |5.00
Por

Nilton colocou as duas mãos na minha boca e começou me puxar para ele… Enquanto sua rola grossa terminava de acabar comigo.

Ele bombava forte, agora que meu cu estava arrombado. Ele intensificava as esporadas enquanto gemia baixinho, para não chamar a atenção do anfitrião.

Mas a cama era o problema, aquele cavalo balançava toda cama enquanto enfiava 22 cm no cuzinho de um menino magrinho de 7 anos… sem dó.

Três batidas na porta.

– Que barulho é esse? – era seu Joaquim.

Foi Nilton que respondeu:
– Já estamos indo dormir. – disse enquanto me segurava pela cintura.

– Vou entrar. – disse ele enquanto empurrava a porta. – está trancada.
– Já vamos dormir. – Nilton repetiu.
– É que… – seu Joaquim parecia querer falar algo.
– O que houve? – Perguntou Nilton.

Nilton tirou seu pau de dentro de mim.

Meu cuzinho piscava frenético.

Nilton me deixou ali de quatro na cama, e foi até a porta.

– Tá tudo bem aí? – Perguntou.
– Está sim. – respondeu por fim. – é só tesão por seu irmãozinho.

Nilton olhou para mim, já perto da porta.

Não falei nada.

Nilton abriu a porta.

Seu Joaquim estava nu ainda. Arregalei o olho quando notei que seu pau ainda não tinha baixado.

– O que você tomou? – Perguntou Nilton.
– Só um remedinho. Nessa idade a gente precisa. – ele respondeu.
– Já gozou? – Nilton perguntou.
– Duas vezes.

Seu Joaquim entrou no quarto.

– Caralho. Você é um cavalo. – Nilton parecia tímido.
Seu Joaquim pegava na cabeçona da vara com uma das mãos.
– Coube direitinho no seu putinho. – ele respondeu.
– Ele tá mesmo arrombado. Mas duvido que tenha ido todo.

Comecei a preocupar com o rumo daquela conversa.

Já dentro do quarto, seu Joaquim fechou a porta:
– Posso te mostrar se quiser.
Meu corpo fraquejou na cama, meu coração acelerou.
– Estamos indo dormir. – falou Nilton de novo.
– Tem certeza? – Perguntou, apontando para pau do Nilton, que estava duro feito uma pedra.

Nilton ficou calado.

– Vocês podem dormir no meu quarto.
– Estamos bem aqui.
– Tudo bem! – disse seu Joaquim enquanto sentava na cama ao meu lado, mastubando aquele pau.

O silêncio pairou por uns segundos ou minutos.

Antes que Nilton falasse mais alguma coisa, seu Joaquim tocou minha bunda com a mão esquerda.

Não me mexi.

Seu Joaquim deitou ao meu lado.

– Vem. – disse ele para Nilton.

Como que entendesse o que seu Joaquim queria, Nilton se aproximou. Ficou em pé no canto da cama e com as duas mãos, me pegando pela cintura, me puxou para ele, empinando minha bunda.

O cuzinho já não estava tão lubrificado, mas Nilton não se importou. Socou.

Eu gemia calado, enquanto olhava para o pau do seu Joaquim ao meu lado.

Ele ficou de lado, seu pau veio na minha boca.

Ainda dava sentir o cheiro de graxa. Mas seu pau estava limpo e muito duro.

Comecei a mamar aquela cabeça.

Nilton socava mais forte, segurando meu cuzinho magrinho no ar.

Seu Joaquim forçava a cabeça na minha garganta.

Ficamos assim por uns minutos, até que seu Joaquim tirou aquela cabeçona da minha boca e sentou na cabeceira da cama com as pernas abertas e seu pau em pé.

Ele me puxou pelos braços. Senti o pau do Nilton desatolar do meu cuzinho que ardia.

– Quero… dormir. – falei.
– Pode dormir. – seu Joaquim falou enquanto me erquia pelos braços.

Nilton subiu na cama.

– Quer segurar? – Perguntou seu Joaquim.

Sem falar nada, Nilton me pegou pelos braços e começou e me sentar no colo do seu Joaquim.

Ele encaixou a cabeça.

– Aí… Tá… Tá… – estava tentando falar enquanto mordia os lábios.

Senti a cabeça daquela vara passar na portinha.

Seu Joaquim pegou minha cintura com as duas mãos. Nilton soltou meus braços.

Eu não era pesado, mas senti aquele pau ir até o limite do meu cuzinho, de uma vez.

– Caralho. – disse Nilton.

Não estava mais gemendo, agora estava chorando, enquanto seu Joaquim me fazia cavalgar em sua rola, me rasgando por dentro.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 12 votos)

Por # # #

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder [email protected]

    top mano

  • Responder Luiz

    eu ja estava triste achando que vc nao iria continuar, agora é so variar os homens a putinha ta pronta. Muito bom seu conto, continue

  • Responder Ian!!!

    Continua!!! Muito bom!! Que bom que voltou a escrever

  • Responder pedro

    tesão demais!!