# # #

Como iniciei minha irmã e minha filha – parte 6

1601 palavras | 7 |3.60
Por

Minha irmã aprendeu a gostar de meninas também.

Resolvi me afastar da Paloma para não ter problemas com a Júlia. Resolvemos tomar mais cuidado, para não alimentar as desconfianças da Luzia. Um dia minha irmã, trouxe a Fabiana em nossa casa. Eu tinha ganho uma TV que ficava no meu quarto. Jogava vídeo-game, e assistia meus filmes pornô nela. Estava jogando quando minha irmã bateu na porta. Autorizei a entrada. Fabiana tinha quase dois anos mais velha que Júlia. Era branca e tinha cabelos e olhos castanhos. Corpo bem arrumadinho e já tinha seios do tamanho de uma maçã. Era bem alegre e muito safada. Conversava até pelos cotovelos. Mas minha irmã era muito mais linda do que ela. Pra dizer a verdade sem paixão, a Júlia era a mais linda do colégio. A que chegava mais perto era a Paloma.
– Zezinho posso te pedir uma coisa? – Lá vem bomba. Pensei comigo.
– Pode! Mas que ganho com isso? – Brinquei.
– Hiiii! Larga de ser besta. Estraga prazer…
– Besta uma pinóia. Diga logo o que vc quer.
– Queremos assistir um filme daqueles.
– Vai ficar querendo… entreguei todos. – Estava dizendo a verdade. Notei a cara de decepção das duas.
– Poxa mano… a Fabiana veio aqui só pra isso.
– Não tem como vc locar um? – A locadora ficava a dois quarteirão de casa. Pensei um pouco e tornei perguntar…
– Que ganho com isso? – Fabiana foi direta.
– Que vc quer ganhar? – Minha irmã sabia, mais ou menos que era sacanagem que eu queria.
– Depois eu pago pra vc. Sabe que pago. – Vi ali uma oportunidade de uma boa sacanagem. Tinha que aproveitar a chance.
– Vem cá que te digo o que quero? – Ela se aproximou e cochichei no seu ouvido e ganhei um beliscão nas costelas pela minha ousadia.
– Pode falar alto, não sou mais criancinha.
– Nada feito… – Pegou a amiga pela mão e sairam do quarto. Pensei… fudeu! Acho que fui com muita sede ao pote. Resolvi voltar ao jogo. Mas não demorou nem 10 minutos elas entraram sem bater. Minha irmã então disse…
– Vai buscar, mas trás dois bons, nós concordamos. – Saí que nem uma bala.

Demorei um pouco na locadora pra escolher, o dono era meu amigo e me indicou um lançamento. Levei dois, mesmo não tendo 18 anos. Chegando em casa, subi direto pro meu quarto, as meninas estavam sentadas na cama me esperando. Notei seu olhar fixo e um meio sorriso safado, estampado no rosto da Fabiana. Entreguei os dois filmes pra elas. As duas se juntaram pra olhar e escolher o primeiro a ser visto. Com certeza a Júlia já tinha confidenciado nosso relacionamento pra amiga dela. Me entregaram o lançamento para rodar. Era com duas garotas vestidas com uniforme de colegiais e um homem. A história girava com duas garotas que saíram do colégio e passaram na casa do tio safado de uma delas. Fabiana desviava o olhar da TV e fixava em mim que já estava de pau duro. O tio colocou as duas pra se pegarem. Elas olhavam interessadas. Pensei comigo… será?
Estávamos sentados, encostados no espaldar da cama, Fabiana no canto, minha irmã no meio e eu na beira. Minha irmã estendeu a mão e segurou no meu pau duro. Fabiana estendeu o pescoço pra comprovar. Júlia disse…
– Não esquenta, ela faz com os irmãos dela também. – Falou no plural. Então era com os dois. As duas garotas estavam num 69 sarado, notei a Fabiana segurar a outra mão da Júlia. Será? Tornei a pensar. Ela soltou a mão da minha irmã e depois vi ela colocando  na perna da Júlia, que permanecia quietinha. Logo notei ela deslizar a mão bem devagar até o joelho e voltar, numa carícia explícita. Júlia estava de saia e blusa. Logo percebi sua mão sumir,  por baixo da saia. Senti minha irmã estremecer. Aquela cena fez meu tesão ir à mil. Notei a Júlia abrir mais as pernas e a mão da Fabiana fazendo movimentos por baixo da sua saia. Júlia ainda segurava no meu pau e procurava tirar ele pra fora, para facilitar tirei logo meu short. Fabiana espichou o pescoço para olhar. Tirei também a camiseta ficando pelado.
– Porque vocês duas também não tiram?
– Se olharam entre si e Júlia foi a primeira a tomar iniciativa. Parei o filme, pra elas não perder nenhuma cena. A safada da minha irmã estava vestida, mas não estava usando calcinha. Fabiana desceu da cama e tirou toda roupa. Ela era mais magra que minha irmã e mais alta. Peitos com biquinhos e aréolas cor rosa, meio inchadinhos. Sua buceta era magrinha de lábios compridos e o grelinho aparecendo a pontinha pra fora com se oferecendo…estou aqui. Tinha uma bunda redondinha não muito grande e pernas bem torneadas, mas longas. O corpinho da minha irmã era mais apetitoso, só os peitinhos que estavam despontando do tamanho de um limão pequeno. A bucetinha das duas eram lisinhas.
– Que pau bonito tem seu irmão. – Elogiou Fabiana.
– Grande também. Posso pegar? – Minha irmã autorizou. Ela pegou, ensaiou uma punhetinha bem devagar olhando ele atentamente. Virou-se pra minha irmã refazendo o elogio.
– Adorei! Sua bucetinha também, é linda. Fazem um belo casal. – Olhou pra mim, perguntando…
– Se incomoda se eu chupar sua irmã? Sempre tive vontade de fazer isso.
– De forma alguma, fica a vontade, se ela concordar manda ver. Fabiana já deveria saber a resposta, pois entrou no meio das pernas da Júlia e colocou sua língua pra funcionar. Olhei pra minha irmã, de pernas abertas, e olhos fechados, curtindo o carinho feito pela amiga. Notei que seus peitinhos estavam vermelhos, ela já devia os ter chupado. Enquanto fui locar o filme, elas já deviam estar aproveitando minha ausência. Ela chupava bem gostoso, pois Júlia gemia de prazer, segurava a cabeça dela de encontro a sua bucetinha e rebolava na boca dela. Eu batia uma olhando. Logo vi minha irmã estremecer e ter um orgasmo sensacional. Enquanto ela recuperava a respiração, Fabiana subiu em minha direção e disse.
– Agora e sua vez… – Senti sua boca quente engolir meu pau. Tirou e lambeu meus ovos, e depois enfiou ele todo dentro da boca. Senti a cabeça dele invadir sua garganta. Ela sabia o que fazia. Júlia olhava admirada com a perícia da amiga. Chupava punhetava e engolia ele todinho, chegava a sentir seus lábios encostando nos meus poucos pentelhos. Não demorei ter um orgasmo também. Gosei muito na sua garganta que engoliu tudinho. Júlia se abraçou a ela é trocaram um beijo com o gosto do meu esperma. Ouvi minha irmã sussurrar no seu ouvido…
– Quero chupar vc também. – Começou pelos peitinhos e desceu pela barriga até chegar no vértice. Nunca pensei que minha irmã tivesse essa coragem, essa postura. Resolvi participar, puxei minha irmã, mais pra beira da cama, pois estava de quatro no meio das pernas da Fabiana e enfiei no seu cuzinho. Eu estava em pé apreciando ela chupando a amiga, e eu com o pau todo atolado no seu rabinho, que logo começou a rebolar. Fabiana gosou horrores na boca da Júlia, que também não demorou a ter outro orgasmo no meu pau. Fabiana nem me esperou gosar, no rabinho da minha irmã.
– Vem enfia em mim, quero gosar nesse pau.
– Subi em cima dela, sua buceta não era apertadinha como da minha irmã, mas era macia e gostosa. Ela era muito escandalosa. Tivemos vários orgasmos os três, foi uma verdadeira orgia.

Luzia me encontrou na cozinha, ia preparar um lanche. Ela se ofereceu pra fazer então fui esperar na sala. Quando ficou pronto ela trouxe numa bandeja, acompanhado de um copo de suco de laranja. Me entregou e sentou-se no sofá em minha frente. Notei que queria falar algo, fiquei aguardando.
– Depois de uma farra daquela, fica com fome mesmo. – Fiz de desentendido. Ela continuou.
– Nossa! Que menina escandalosa aquela, dava pra ouvir no outro quarteirão.
– Vc estava escutando né curiosa?
– Não tinha como não ouvir. – Olhei pra ela brinquei…
– Garanto que ficou molhadinha heim? – Me olhou sorrindo e confessou…
– Muuuito… não vou negar. Quase bati na porta e pedi pra participar. Juro…
– Teria coragem de chupar uma bucetinha?
– Se for a da sua irmã, tenho na hora. – Pensei comigo, agora lascou.
– Será que comigo ela topa? – Fiz uma cara misteriosa e incitei.
– Porque vc não tenta? – Me fitou interrogativamente.
Será? Tenho medo de tentar ela não querer e contar pra sua mãe. – Vi ali a solução dos nossos problemas com ela. Resolvi dar um empurrão.
– Tenho certeza que ela vai gostar e não vai contar nada. Mas te ajudo se vc me deixar participar. – Deu um sorriso safado e confirmou.
– Safadinho…combinado, pode ajeitar que topo. – Subi pro meu quarto na maior alegria. A cobra ia fumar naquela casa agora.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,60 de 10 votos)

Por # # #

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Thiosam

    Bom conto, não tem continuação com Luzia?

    • Zorro

      Sim vai ter com ela e outras garotas.

  • Responder Moreno gaúcho

    Adorei, muito bom, pode continuar!

  • Responder Carlos cruz

    Que gostoso sinto muito tesão por criança menina cel ccruzsilva

  • Responder Rafaella

    Bem contado.. Beijos !!

    • Zorro

      Beijos amiga.

    • vava

      oi boa tarde muito bom o conto