#

Pai e filho, brincadeira de criança abuso e sexo

2784 palavras | 5 |4.57
Por

Meu nome e Danilo e tudo começou quando criança quando tinha 7 anos e veio morar visinho a minha casa um casal com um filho mais ou menos 2 anos mais velho que eu, seu nome era lucas, seu pai Adriano e sua mãe Lúcia que trabalhavam juntos numa mesma empresa e por isso sempre Lucas ficava só durante o dia, menos pela manhã que era o horário da escola, logo ficamos muito amigos, começamos brincar todo dia, nossos pais também ficaram muito amigos e Lucas passou a ficar todas as tardes em nossa casa, brincávamos, estudávamos e então começou nossas brincadeiras mais quentes. Certo dia Lucas e eu começamos brincar de lutinha, nisso um tentava agarrar o outro e nisso ele mais velho, maior que eu tinha mais força sempre acabava ganhando, e como começou a me agarrar por trás sempre acabava encaixado na minha bundinha, durinha e empinada, até que certa vêz senti algo duro encostar na minha bunda, reclamei e pedi pra me soltar, ele soltou mais cada vez mais fazíamos essa brincadeira e agora sempre sentia aquilo duro encaixar na minha bunda, então comecei não ligar mais, até então sem entender nada. Certo dia depois de brincar minha mãe mandou irmos tomar banho pra comer e ele disse que íamos na casa dele, pois o banheiro lá era maior e fomos, lá ele tirou o shorte e cueca e me falou cê não vai tirar? Vai tomar banho de roupa e? e começou a rir, rsrs tirei e ele ligou o chuveiro e me puchou, nisso ele diz vamos brincar de lutinha no chuveiro, aqui deve ser massa eu sorri e ele entendeu que seria um sim e já foi me pegando, ficamos um tempinho tentando um pegar o outro e nessa hora ele começou a deixar pegar ele pois era mais forte que eu até que quando vi estava agarrado nele, ele disfarçando que tava sem força me pede pra solta-lo então ele faz força e me vira de costas pra ele e baixa um pouco até encaixar na minha bunda, e logo já senti algo crescer ali, então ele se ajeita e encaixa de vez a cabeça do pau no meu reguinho que na hora já piscou, tentei sair mais ele falou relaxa, isso e gostoso, você vai gostar e foi acariciando meus peitos, barriga cabelo, cheirava meu pescoço e nisso já estava achando aquilo maravilhoso, não queria mais sair dali, ele com o pau encostado no meu cusinho falava que aquilo era a melhor coisa que ele já tinha feito, mandava forçar pra trás e ficava me forçando também, nada entrava pois éramos crianças ainda né e ficamos ali por um bom tempo naquela brincadeira gostosa, e nisso começamos a brincar todo dia sempre que estavamos sos. Quando já tinha sete anos o pai dele chamou pra ir com ele pra um interior, no outro dia minha mãe me acordou cedinho tomei banho café e ele chega chamando, que já estava na hora se não íamos perder o ônibus, a mãe dele foi nos deixar de carro na rodoviária e só deu tempo entrar no ônibus, quaze perdemos mesmo, rsrs, na época criança até sete anos não pagava passagem, então se sobrasse poltrona sentava se não ia de pé ou no colo de alguém, por sorte tinha umas vazias e viagei sentado, lá tinha um açude e assim que chegamos ele chama pra banhar, e lá só nos dois na agua sem roupas já partimos pra nossa brincadeira preferida que estávamos fazendo a dois anos quaze que todo dia, sarrar a pica no meu cusinho. Ficamos até tarde lá, tomávamos banho, e de vez em quando pica no meu cusinho, nessa época ele já tava com 11 anos seu pau já estava maior, esse dia ele tentou forçar e senti uma dor horrível, falei que não queria mais e sai de perto pra me vestir e irmos embora, e ele ficou meio que decepcionado mais se vestiu também e fomos, almoçamos brincamos a tarde toda até a hora irmos embora, já quaze escurecendo, fomos pra estrada esperar o ônibus e nisso seu Adriano só me olhando me comendo com os olhos, na época não entendia, só muito tempo depois entendi porque, veio o ônibus entramos e pra meu azar, ou sorte não teve poltrona pra mim, seu Adriano falou pra sentar no colo dele e assim que sentei já senti algo duro na minha bunda, como estava com shorte fino de malha dava pra sentir bem, como já estava escuro, tudo apagado já com algum tempo de viagem, Lucas dormiu então senti a mão de seu Adriano me acariciar, e cheirando meu pescoço ele fala baixinho no meu ouvido, fica se mechendo devagar vai, esfrega essa bundinha na minha vara, eu sei que você gosta, fiquei meio que com medo, tremendo mais ele mesmo foi pegando na minha bunda e começou me esfregar bem devagar, aquilo parecia crescer ainda mais, até que ele parou um pouco e tirou aquilo pra fora, baixou um pouco meu shorts e cueca passou cuspe no meu rego e encaixou aquele pauzão na minha bunda e começou de novo agora roçando aquele pau enorme e grosso na minha bunda, depois de alguns minutos já era eu que estava roçando feito uma putinha, mesmo na minha inocência estava gostando daquilo, com cuidado pra não fazermos barulho e alguém perceber ele sempre falava baixinho no meu ouvido, não faz barulho, rebola devagar, e não pode contar isso pra ninguém, nem pro lucas, então senti algo quente melar meu rego, ele suspirava baixinho ate que senti a vara ficar mole ainda na minha bundinha toda melada, vestiu minha roupa e continuamos a viagem, fiquei com aquilo encomodando, pois sujou meu shorte e cueca, quando chegamos ele mandou esperar todos descerem primeiro e colocou uma mochila nas minhas costas pra ninguém ver minha bundinha melada, chegamos em casa ele me chama e me dar um shorte e cueca do lucas pra vestir, ficou igual uma roupa se palhaço já que ele era bem maior que eu e fica com o meu pra lavar, mandou falar em casa que tinha tomando banho de açude e tinha molhado, a partir daí quaze todo dia ia brincar com seu Adriano, nisso o Lucas as vezes tentava me comer como chamávamos na época mesmo não havendo penetração, mais devido a dor no dia do açude sempre negava, até que ele foi esquecendo e não tentou mais, já o pai, era quaze todo dia, sempre com carinho roçava na minha bunda até gozar, algum tempo ele foi começaando me ensinar brincadeiras novas, passava a lingua no meu cusinho, colocava a cabeça e ficava como se tivesse fudendo sem penetrar até gozar no meu rego, e isso foi até meus 18 anos, na véspera de completar 18 o Lucas foi viajar com a mãe, seu Adriano ficou só em casa, dia seguinte ele vai até minha casa com um pacote, quando abri era uma camiseta e uma cueca vermelha, tipo uma box e bem apertada, me deu parabéns me.abracou e quando foi saindo me afastou e falou baixinho, o presente melhor vai ganhar só a noite e riu e saiu. Não teve festa, só um bolo refri e só pra família seu Adriano e alguns amigos, a noite sempre ficava meus pais e seu Adriano com a mulher sentados na calçada, ficávamos até tarde, nesse dia meu pai pergunta quando eles voltariam e seu Adriano responde fazendo uma cara de preocupado, só amanhã, logo hoje que não estou me sentindo muito bem dormir só, meu pai dar a decha que ele queria, se soubesse o que o amigo dele fazia com o filho desde os sete anos matava ele rsrs, o Danilo pode dormir lá com você, assim se sentir alguma coisa ele chama a gente pra te levar ao médico, isso soou como música pra ele, tá certo, se ele quizer agradeço, sínico rsrs, mais cedo tava combinando pra esperar meus pais dormirem pra sair escondido pra receber o outro presente surpresa que ate ja imaginava o que era, e já tinha pedido pra ir so com a camiseta e a cueca vermelha, dava pra ir pois a casa era colada na outra, separada apenas por uma murada de pouco mais de um metro e podia pular pelo lado. Ficamos ali até que ele falou que ia deitar pra ver se melhorava e que ia deixar o portão encostado, quando eu entrasse fechava falei ok e ele foi, umas 11 horas tomei banho vesti a cueca a camiseta vermelha e um shorte fino de dormir e fui, ele já estava lá pelado me esperando na cama com o pauzão apontado pra cima pediu pra tirar só o shorte e deitar só de cueca e camiseta, deitei e ele falou, hoje seu presente vai ser minha vara toda nesse cusinho gotoso, e começa a tirar minha cueca, pau durão ele pega minha cabeça e fala, vou te ensinar hoje como ser uma putinha gostosa e safada, abre a boca, abri ele foi metendo aquela tora na minha boca que mal cabia, e foi mandando chupar como se chupava sorvete, comecei meio sem jeito mais logo já estava mamando feito puta mesmo, mamei por muito tempo e ele urrava e falava um monte de palavrão, mama minha putinha, mama seu macho, gosto muito de você, mais de você que da minha mulher, mama vai, chupa essa pica, você agora e minha putinha até que tirou o pau da minha boca e me bota de quatro, nisso abriu minha bunda e começou a chupar meu cu como louco, nunca tinha sentido nada igual, pois antes era menos intenso, depois de chupar muito ele começa a esfregar meu cusinho com o dedo, depois começa a enfiar, rodar e eu já estava louco de tesão, meteu mais um e mais outro e quando percebo já estava quatro dedos entrando e saindo louco esperando já ansioso por aquela tora, quando ele levanta e fala, pronto, acho que agora minha putinha ja tá preparada pra levar um pica de verdade de macho, e coloca a ponta na entrada do meu cu, começa a forçar a entrada o que não foi muito difícil entrar pois já estava aberto pelos dedos, ali doido de tesão, doido que ele empurrasse tudo logo dentro, achando que ia ser ja maravilhoso, me enganei, ele forçando e aquilo ia entrando no meu cusinho até ali virgem, parecia que ia me rasgando, nunca havia sentido tamanha dor, nisso o tesão já não existia mais em mim, mais ele tava louco, querendo entra logo todo em mim, eu pedia pra tirar e ele só falava calma, já vai passar, relaxa que Jajá a dor vai virar prazer e vai gozar goatoso como minha putinha que você é e nada, a dor só aumentava, quando tava tudo dentro parecia que estava me abrindo ao meio, nisso ele ficou ali parado um tempo com aquela rola preenchendo meu cu, até que foi diminuído a dor, meu cusinho já havia acostumado cheio e preenchido com aquela tora, e como não tava mais reclamando ele começou e bombar bem devagar, logo já estava de pau duro de novo e o tesão tomou conta do meu corpo, dessa vez bem maior do que tava sentindo antes, tava loco pedindo mais até o que não tinha, então ele me fudeu com vontade, depois de um tempo metendo em mim de quatro, ele manda sentar na vara dele, fico ali um bom tempo até ele me pegar de frango, me suspendeu um pouco e assim o resto de vara que ficava de fora entrava tudo, as bolas batiam na minha bunda, me fudeu a noite toda, gozou várias vezes, agora já era a putinha dele mesmo, me comia quaze todo dia, não perdia uma oportunidade quando estava só, até que um dia ele separa da mulher, ele fica morando só com o Lucas que já estava na faculdade, sempre estava só a noite, aí as fodas eram certas, certa noite esperei Lucas sair pra facul já de banho tomado, e fui pra nossa foda costumeira, sempre ficávamos um bom tempo só se chupando, ele chupava meu cu, eu chupava o pauzão dele, fazíamos meia nove, ele no meu cu e eu não pauzão dele, aí partiamos pra metecão de verdade, estava de quatro com ele bombando feito louco não percebemos que Lucas havia voltado, pois tinha faltado professor algo do tipo, quando escutamos ele falar PAI, que e isso? Eu não sabia onde por minha cara, se tivesse um buraco enfiava dentro e não tirava mais, seu Adriano riu e disse, isso o que Lucas? Você também não gostava dessa bundinha? Lembra lá no açude aquela vez quando fomos pra sua vó que vocês foram tomar banho? Eu fui atrás de vocês pra chamar pra almoçar e quando tava bem próximo vi você fudendo essa bundinha gostosa, aliás, roçando nesse cusinho pois eram muito criança ainda nem sabiam o quen é fuder de verdade, fiquei lá olhando e bati uma boa punheta ali, nunca tinha gozado tão gostoso assistindo aquilo, agora aproveita e vem fuder essa putinha gostosa, hoje é que tá gostosa mesmo, aguenta pau como ninguém, tem um cusinho que e uma delícia, e hoje você já ta com um pauzao igual ao do pai, vem, garanto que não vai se arrepender, e já foi me puxando pra meter de novo, eu com medo, vergonha quiz sair mais ele falou: relaxa, você está em casa, será um segredo nosso, e foi metendo tudo dentro de novo e o Lucas lá olhando, agora já estava virado de frente pro Lucas que ficava vendo o pai meter direto, louco de tesão e nisso eu já estava excitado de novo, ele olhando percebi que tava ficando de pau duro também, se aproximou tirou aquela rolona dura de dentro da calça e como tava grande aquilo e fala, mama safado, agora meu pau não e mais aquela rolinha pequena que você conhecia, e começou fuder minha boca, agora era uma no cusinho outra na boca até que seu Adriano goza feito louco e Lucas passa pra trás de mim, meu cusinho ja aberto ele foi metendo tudo de uma vez, fudeu até gozar enchendo ainda mais meu cu de leite quente, e falou, é pai o Sr tinha razão, é uma delícia mesmo, nem lembrava mais como essa bunda era gostosa, e agora gulosa e vai ser nossa putinha todo dia, rimos os três e fomos tomar banho, eu com meu cu cheio escorrendo pelas pernas e bem dolorido. Fudemos muito por um bom tempo, ora dava pro pai, ora pro filho, as vezes pros dois juntos até que um dia Lucas se meteu numa briga, algum tempo depois o cara encontrou ele e deu três tiros e ele faleceu na hora, seu Adriano ficou depressivo, foi embora pra outro país, uma vez ele mandou mensagem perguntou se não queira ir pra morar lá com ele, mais infelizmente não pude ir, quem sabe um dia, hoje ele está melhor, ainda sente a morte do Lucas, mais a vida e assim, sinto tambem muitas saudades dele e do pai também, das nossas fodas intensas, quaze todo dia, hoje sei que ele está num bom lugar, que está feliz, e eu fui muito feliz com ele e o pai. Bom gente e isso, meu primeiro conto, longo pois não teria como contar essa história em poucas linhas, espero que gostem, não tenho muitas histórias, pois depois deles só dei pra mais dois, e nunca mais, faz mais de quanto anos que dei meu cusinho, tanto que semana passada fui tentar dar de novo não aguentei mais essa e outra história, abraços

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,57 de 14 votos)

Por #

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder FelipeBR

    História foi ótima, pena que esse final foi muito triste.

  • Responder silva

    conto delicioso pena pelo triste final

  • Responder [email protected]

    vixe que final triste cara perdi até o tesão 😭😭😭😭😭

  • Responder luiz

    que fim tragico, foi verdade ou é ficção?

  • Responder Carlos

    Pai e filho, tio e sobrinho.. onde é consentido e tem tesão, é tudo de bom..se tiver um pai que curte seu filho, chama aí, vamos trocar ideia. Abs . @Carloss41