# # #

Noiva curiosa (3)

4764 palavras | 6 |4.36
Por

Jorge mandou mensagem para minha noiva, e ela quis responder. Eu e Ela achamos uma boate só para casais, onde ela continuou matando a curiosidade

Acordei com um pouco de dor de cabeça, tinha abusado do vinho na noite passada. Foi só acordando com ressaca que percebi que tudo tinha acontecido comigo bêbado.

Na noite anterior Luana, minha esposa, bateu uma punheta para mim e para meu amigo, gozamos gostoso em seus peitos.
Havia sido uma loucura, eu estava com bastante ciúme, mas com muito tesão. Gozei bastante vendo minha esposa cheia de porra de outro homem, com seu peito lavado de sêmen, escorrendo até sua calcinha.

Levantei e fiz o café.
Não conseguia parar de pensar no que havíamos feito. Eu estava me sentindo uma montanha russa, não sabia o que sentir.
Eu me sentia traído, mas não poderia chamar de traição, irônico não? Sentia que ela desejava outro homem, mas eu não podia culpa-la, quantas mulheres eu já desejei mesmo estando com ela?

Eu realmente estava perdido. Mas uma coisa era certa, eu tinha gostado. Pois mesmo com sentimentos confusos, eu estava de pau duro só de lembrar.

Acordei ela para tomarmos café juntos naquela manhã de domingo.
Sentamos e começamos a comer.

Eu: O que achou de ontem amor, gostou?
Luana: Gostei amor, quero pedir desculpas, acabei passando dos limites, não estava nos planos eu masturbar ele e nem eu ficar só de lingerie.
Eu: não tem problema amor. Mas quero que seja sincera, tem certeza que você não queria ficar de lingerie? colocou até uma lingerie combinando (ri)

Ela ficou meio envergonhada.

Luana: Eu tenho que ser sincera, amor. Eu tive muito tesão em ele ficar de pau duro me vendo, mais ainda do que ver ele pelado… A sensação de me sentir desejada me invadiu, me deixando muito excitada, por isso acabei fazendo ele gozar, queria saber que ele tinha desejo em mim…

Fiquei pensativo um pouco.

Eu: Eu já li um pouco sobre isso amor, é fetiche  por exibicionismo.
Luana: Não sei amor, só sei que fiquei tão excitada… E o vinho não ajudou nada (riu)

Continuamos comendo.

Eu: Mas conseguiu saciar sua curiosidade?
Luana: Sim… apesar de que fiquei com vontade que ele me tocasse, queria muito saber como é ser tocada por outro homem… espero que não fique bravo.

Naquela altura nada mais me deixava bravo, apenas com tesão e ciúme.

Eu: Não fico, amor. Acho que ele ia adorar te tocar, sinceramente… Ele tava doido em te ver quase peladinha (rimos)
Luana: Será que teria como a gente tentar algo assim?

Eu não sabia que as coisas iam tão longe, não sabia se queria frear ou se queria prosseguir com isso.

Eu: O que você tem em mente, amor?
Luana: Não sei.. queria saber como é ser tocada por outro homem sabe, e outra… eu não tive coragem de chupar ele, mas tenho bastante curiosidade de saber como é.

Eu fiquei com bastante ciúme. Digamos que chupar era a especialidade dela. Ela nunca teve problema com fazer garganta profunda, ela não engasgava nem tinha dificuldade em chupar até o final. Ela conseguia colocar todo meu pau na boca e ainda colocar a língua pra fora para lamber minhas bolas. O boquete dela era o melhor que já tinha recebido, e olha que na minha adolescência, já tinha recebido boquete de várias meninas (E até de dois meninos, que tinham perdido uma aposta. Eu não me considerava Bi, mas na época gostei bastante, mas nunca mais explorei esse lado).

Eu: Gostarias de ter chupado o Matheus?
Luana: Pra ser sincera, sim… Mas não sei se teria coragem de chupar uma pessoa que conheço, teria que ser alguém desconhecido.
Eu: entendi. Se você quiser, podemos pensar em alguém.

Pode parecer burrice, colocar mais lenha na fogueira. Mas apesar de eu estar com ciúme, eu estava gostando bastante de ver ela explorar sua sexualidade, e pra ser sincero, eu me sentia lisonjeado em estar ao lado dela todas as noites enquanto ela se explorava.

Luana: Eu tenho medo de ser alguém que conhecemos…

Logo me bateu uma ideia. Uma ideia que veio de uma história que um amigo do trabalho me contou. Ele havia me contato que ele e a esposa tinham ido em um club de strip de casais que era bem conhecido entre casais praticantes de swing. Ele falou que lá tem stripers e gogoboys se os casais quiserem um show privado.

Eu: E se… formos em um clube de strip?

Luana pareceu confusa.

Eu: Tem um clube de casais no centro, onde casais podem pedir um show privado de uma stripper ou um gogoboy, e o Leandro (meu amigo do trabalho) falou que se o casal pagar extra, pode rolar o que o casal quiser!

Luana: hmm… Eu me sentiria mais a vontade em saber que é uma pessoa que está lá exclusivamente para isso.
Eu: Sim
Luana: Você acha que seria bom para nós?
Eu: Eu não quero interferir no seu prazer, amor. Eu tenho que admitir, eu senti um certo tesão nas nossas duas experiências, então estou aberto a explorar mais.

E eu não estava mentindo, eu estava realmente gostando, apesar do ciúme que sentia.

Luana: Que bom que estais gostando amor! Mas o que você sente?

Tentei ser o mais sincero possível.

Eu: Ainda.nao sei bem o que sinto, amor. Mas sei que sinto um pouco de ciúmes, ver você com outro ou se mostrando para outro, me desperta ciúmes, mas esse ciúmes se torna tesão, sabe? Eu acabo me sentindo muito excitado com a situação.

Luana: Nossa, Amor. Não imaginei que você poderia tirar proveito disso também. Que bom que estais gostando. Eu também estou gostando destas experiências, sinto que posso ao mesmo tempo me explorar sexualmente e ao mesmo tempo, viver a vida que escolhi ao teu lado.

Eu: E queres ir nesse clube? Posso ver mais informações sobre ele.
Luana: Pode ser então, amor!

Naquela tarde, buscamos mais informações sobre a tal boate. Ela era apenas de casais, então eu não poderia entrar sozinho, por exemplo. 

Eles tinham vários serviços, desde quartos privativos, até pista de dança pública e bares. Eles tinham shows públicos para todo p público da boate e também tinha a opção de show privado.
A boate oferecia tanto show de stripper quanto gogoboys.

Enquanto estávamos lendo sobre o clube, o celular da minha noiva vibrou e chegou uma mensagem de Roger, aquele homem da qual ela se relacionou pela web cam. Ele havia mandado uma foto. Era uma foto de pescoço para baixo, ele exibia seu corpo bem definido com uma cueca vermelha, seu pau estava duro por baixo da cueca bem visível, com a mensagem ” Lembrar daquela noite me deixa assim”.

Luana se assustou. Mas respondeu “Nossa, gostou bastante então, né?”
Ele logo respondeu “muito! Inclusive quero repetir a dose”.
Apesar de Luana ter gostado muito de Roger, tinha medo por ele morar na mesma cidade que nós.
“Podemos marcar, mas hoje vai ter que se contentar com a lembrança” ela respondeu.
Ele já disse logo em seguida “Que tal uma foto, então?”

Luana pensou bem, me perguntou o que eu achava e eu disse que se não mostrasse o rosto, não via o por que não.

Luana então tirou sua blusa, bateu uma selfie apenas do pescoço para baixo, usando um sutiã preto de bojo com algumas rendas nas bordas. Um pedacinho de seu mamilo rosado saia para fora, dando um ar de safadeza.

“Meu Deus, você é simplesmente deliciosa, olha o que você faz comigo” Ele respondeu junto com um vídeo de poucos segundos, balançando seu pau super duro para fora da cueca vermelha.

Luana: Nossa amor, ele realmente gostou bastante!
Eu: Quer responder em vídeo também, amor?
Luana: Posso?
Eu: Claro.

Luana então tirou seu short, ficando apenas com uma calcinha preta simples, mas fio dental. Ela sentou na cadeira e abriu as pernas, se gravou, sem mostrar o rosto, mexendo por cima de sua calcinha, fazendo leves movimentos circulares bem onde fica seu clitóris. “Não estou tão diferente de você ”

O vídeo dela tinha uns 10 segundos, mas o bastante para Roger ficar louco. “Meu Deus, eu to doido por você, só penso em beijar essa buceta rosinha” ele respondeu.
Vi que Luana ficou mexida. Ela havia gostado de se exibir para ele novamente.

” Manda um vídeo mexendo nela, se você mandar eu gozo só pra você, que tal?”

Luana: Posso, amor? Se você não se sentir confortável, eu não mando.
Eu: Relaxa amor, eu tô gostando. (Ri)

Abaixei minha bermuda e coloquei meu pau pra foram, mostrando que estava excitado. Ela riu e se aproximou, pegou nele e deu uma boa lambida na cabeça. De forma bem leve e devagar, ela foi colocando ele na boca e sem tirar, foi até o final com seus lábios, sentia meu pau entrar em sua garganta.

Luana: Pra te compensar.

Ela se sentou e posicionou o celular na mesa de centro, gravando ela sentada no sofá. A gravação não pegava ela, mas pegava do seu pescoço pra baixo, mostrando também seus peitos. Ela ficou de calcinha e sutiã e começou a gravar.

Ela começou mexendo em seus peitos, deixando eles a mostra por cima do sutiã. Começou a levar seus dedos para sua calcinha, acariciando por cima, dando leves tapinhas.
Ela começou a gemer, sentindo seus dedos acariciarem a bucetinha.

Luana colocou sua calcinha preta para o lado, expondo sua buceta rosada, e como eu suspeitava, muito molhada!

Começou a tocar uma siririca, fazendo movimentos no grelinho, gemendo bastante e alto para o vídeo captar.

Eu não me aguentei e comecei a bater uma punheta, assistindo minha esposa se masturbar em vídeo para mandar para outro homem.
Novamente, o ciúme me inundou junto com muito tesão.

Ela agora metia dois dedos em sua buceta, enquanto sua outra mão apertava seus seios.

Luana: Roger… Que vontade de dar gostoso pra ti. De chupar teu pau até você gozar na minha boquinha.

Eu estava me mordendo, tanto de ciúmes quanto de tesão. Minha noiva agora estava entregue, uma putinha que estava sedenta por putaria.

Luana começou a gozar, gemia alto e chamava o nome dele. Ela teve um orgasmo intenso de tremer as pernas. Sua buceta escorria melzinho, molhando até um pedaço do sofá.

Ela terminou o vídeo e pulou em cima de mim, que estava sentado com o pau para fora, pois estava me masturbando.

Ela colocou meu pau para dentro e começou a quicar.

Luana: me come gostoso, vai! Come tua noiva puta!

Ela estava visivelmente incontrolável, faminta por pau.

Eu: Você quer ser fodida?

Levantei ela e a levei para a cama. O vídeo foi enviando para Roger enquanto isso.
Coloquei ela de 4 na cama e me posicionei ajoelhado atrás.

Eu: Se quer ser puta, vai ser tratada como uma putinha.

Dei um tapa em sua bunda, descontando meu ciúme e meu tesão. Ela gemia e gritava de desejo. Dei vários tapas e puxei seu cabelo, metendo fundo em sua buceta.

Ela respirava forte e mal conseguia falar. Gozou novamente, agora comigo metendo fundo em sua xoxota.

Eu: Podes se exibir quantas vezes quiseres, mas essa buceta tem dono.
Luana: Tem sim! Me come! Come a tua noiva putinha!

Já tínhamos brincado desse cenário dominador, com palavras feito putinha e vadia, mas dessa vez, ela realmente era uma putinha.
Fiquei metendo nela por quase 20 minutos. Nesse meio tempo Ela gozou novamente.

Eu: vira!

Ela se virou e eu a coloquei deitada. Sentei em cima de sua barriga e gozei em seu rostinho. Enquanto gozava, levei meu braço pra trás e masturbava sua xoxota, fazendo ela gozar junto comigo. Lavei o rosto dela de sêmen, ela gemia e sorria com tudo aquilo.

Tomamos fôlego e ficamos deitados. Uns dois minutos depois ela pegou o celular. Havia um vídeo de Roger.

Ele se masturbava com vontade, o vídeo tinha 3 minutos. Ele falava que tinha vontade de comer ela, fuder sua boquinha e sua buceta. No final vídeo, ele gozou uns 5 jatos de porra.

Luana assistiu tudo com a mão na buceta dando leves movimentadas nos dedos e no quadril, acho que ela não queria que eu notasse que ela estava querendo se masturbar vendo o vídeo dele.

Luana: Nossa, ele ficou bem excitado com o meu vídeo…

Ficamos conversando por mais alguns minutos e caímos no sono.

Naquela noite, combinamos de ir até a tal boate na sexta feira seguinte.

A semana passou sem muita novidade, na terça feira Roger mandou uma foto dele usando apenas uma cueca branca, Luana mandou uma foto apenas da lateral de sua calcinha, que era rosa. E ele falou que estava doido para no fim de semana, quem sabe ligar em vídeo com ela.

Fora isso, nada de anormal. Eu e Luana transamos muito pela semana, nossa vida sexual nunca esteve tão ativa.

Chegando a sexta feira, eu saí do trabalho e fui pra casa para irmos até a boate. Eu estava muito apreensivo, eu acreditava que naquela noite, Luana iria saciar sua curiosidade que relatou para mim, ser tocada e chupar um outro homem. Eu estava bem nervoso.

Nos arrumamos para sair e ela vestiu por baixo da roupa uma lingerie vermelha. Um sutiã rendado e uma calcinha fio dental bem pequena, que mal cobria sua bucetinha toda.

Fomos de carro e chegando lá, estacionamos e entramos na recepção. A boate parecia um hotel de luxo, tudo bem organizado e discreto. Vimos alguns casais, mas nada acontecia lá fora. Fomos até uma atendente, uma moça que devia ter seus 30 anos, muito bonita por sinal. Ela era morena, uma pele bronzeada, cabelos cacheados bem escuros, um sorriso bonito e vestia um vestido curto bem apertado, deixando a silhueta de seus peitos e bunda bem aparentes.

Atendente: Olá casal, vieram conhecer a casa? Nunca notei vocês aqui.
Luana: Olá, viemos conhecer sim.
Atendente: Que ótimo! Meu nome é vanessa e irei apresentar a vocês. Nosso clube tem várias opções exclusivas para casais. Temos a boate, que conta com uma pista de dança, dois palcos, um com dançarinas e o outro com dançarinos, e um bar temático cheio de drinks especiais!
Temos também os quartos, onde vocês podem ir a qualquer momento da noite, podem ir com amigos que conheceram na casa ou solicitar um dançarino ou dançarina exclusivo para vocês.
E hoje vocês vieram em um dia muito especial, toda sexta feira, tem a “experiência do casal”, é uma surpresa que a casa promove para os casais que desejam experimentar coisas novas. Os casais são separados e cada um passará por alguns serviços exclusivos. Eu indico a vocês, pois assim poderão curtir bastante.

Eu e Luana pensamos e cochichamos um pouco até entrarmos em consenso.

Luana: Vamos até a boate por enquanto.
Vanessa: Perfeito! Me sigam.

Ela era sempre sorridente e sempre andava rebolando, com certeza fazia parte da experiência.
Passamos por um corredor escuro chegando em um salão bem grande, tinha luzes e música para dançar. Vimos algumas pessoas dançando, mas vanessa nos levou diretamente ao bar. O bar ficava bem no meio entre os dois palcos, já dava para ver de um lado, duas moças dançando com saias e sutiã em dois pole dances. No outro lado, 3 homens bem musculosos, estavam sem camisa e apenas de cueca box dançando.

Nós pedimos bebidas e começamos a beber.

Já estava começando a notar, alguns olhares para minha noiva, tanto de homens quanto mulheres. Mas não era para menos. Luana estava com uma maquiagem bem bonita e bem feita, um vestido de cetim aveludado vermelho vinho e um salto alto preto. Seu cabelo estava solto, e brilhava com as luzes da boate.

Ficamos uns 40 minutos apenas bebendo e conversando. Comentavamos os olhares que outros casais davam na gente e riamos com a situação.

Até que Vanessa chegou até nos.

Vanessa: Olá de novo, casal. O casal que está sentado naquele sofá (apontou), pagaram um drink para vocês. Aproveitem!

Ao mesmo tempo que ela saiu do nosso lado, o barman deixou dois drinks de maracujá ao nosso lado. Eu sinceramente fiquei impressionado como as coisas aconteciam ali, mas ainda estava receoso de fazer qualquer movimento, pois não sabia como poderia ocorrer.

O homem tinha era Barbuda e magro, tinha cabelos pretos e usava um terno. Era o máximo que dava para ver na luz da boate. A mulher era loira e vestia um vestido longo com fenda, parecia ser muito bonita.

Nós chamamos vanessa novamente.

Vanessa: O que posso ajudar, casal?
Eu: Vanessa, eu sei que pode ser bobagem, mas o que significa quando um casal nos paga drinks?
Vanessa: Peço mil desculpas, me esqueci que é a primeira vez de vocês. Aqui, se tem o costume de pagar bebidas para outros casais. É uma forma de chamar a atenção, independente para o que for. Pode ser um convite para um quarto, um convite para uma conversa, ou apenas elogiar a beleza do casal.

Ficamos surpresos com tudo aquilo.

Vanessa: Na minha experiência, vocês foram elogiados. Aquele casal é frequentante da casa a muito tempo, e nao deixam enigmas, sempre deixam claro o que querem. Mas se vocês se sentirem a vontade, podem ir até lá. Posso intermediar para vocês.
Eu: Não precisa não, só ficamos curiosos mesmo. De que forma podemos agradecer o elogio?
Vanessa: Uma forma sutil de agradecer, é vocês brincarem entre vocês dois com o drink, significa que apreciaram o gesto.

Vanessa saiu e eu e Luana brindamos. O casal sentado no sofá ergueram as taças em nossa direção.

Ficamos mais uns 20 minutos bebendo, já estávamos bem alegres por conta da bebida.

Luana: Amor, podemos tentar fazer aquela experiência de casal que a Vanessa falou, né?
Eu: Tem certeza? Pelo que lembro iremos ficar separado nela, né?
Luana: Não sei, mas acho que poderia ser legal. Podíamos aproveitar. O que você acha de nós perguntarmos mais sobre isso para a Vanessa?

Eu concordei e chamamos a Vanessa. Vanessa aparentemente nos atendia e a mais uns dois casais, aparentemente a ideia é que as atendentes sejam quase exclusivas.

Vanessa: Como posso ajudar, pessoal?

Vanessa era sempre extremamente simpática. Agia como se nos conhecesse a anos.

Luana: Gostaríamos de saber, como é essa experiência de casal.
Vanessa: Ela é o seguinte, vocês serão separados durante algum tempinho e cada um viverá uma experiência diferente. A ideia é conectar ainda mais o casal, mesmo estando longe.
Eu: Mas o que cada um estará fazendo?
Luana: Essa é a graça da experiência, esse segredo vocês só saberão se participarem.

Luana me olhou animada. Eu acenei com a cabeça.

Luana: Então gostaríamos de participar.
Vanessa: Excelente, já retorno para chamar vocês.

Passou alguns minutos e Vanessa reapareceu.

Vanessa: Luana, pode vir comigo.
Luana: E ele?
Vanessa: Ele virá depois.

Luana me deu um beijo e seguiu com Vanessa.

Não conseguia medir ao certo a passagem do tempo, primeiro por que estava meio bêbado, segundo por que eu estava com um frio na barriga, não imaginava do que se tratava aquela experiência. Imaginei as coisas mais tolas e mais absurdas possíveis.

Eu imaginei que fosse algo do tipo, eu receberia uma stripper e ela um gogoboy. Ou então talvez eu encontrasse ela em um quarto amarrada me esperando, ou algo assim. Eu nem sabia o que pensar. Mas nada que eu pudesse pensar me prepararia para o que iria vir.

Meus pensamentos foram interrompidos com Vanessa me chamando. Retornando a realidade, eu percebi que já devia ter passado uns 10 minutos.

Segui Vanessa até uma sala. Onde tinha uma poltrona e um monitor.
Vanessa me colocou sentado e se sentou no ombro da poltrona, virado para mim.

Vanessa: Me diga, Rodrigo. Como é a sua relação com sua esposa? Pode ser sincero, faz parte da experiência.

Fiquei um pouco surpreso, dests vez não sabia mesmo o que esperar!

Eu: É ótima!
Vanessa: O que os levou a experimentar nosso clube hoje?

Decidi não mentir, é aquele ditado, se tá na chuva…

Eu: Eu fui o primeiro namorado de Luana, mas eu já tive algumas namoradas antes dela, ela gostaria de explorar um pouco.
Vanessa: Humm, entendi. Ela me contou que vocês estão noivos a um ano, certo?

Aquilo me assustou. Vanessa tinha conversado com Luana antes de conversar comigo.

Eu: Sim. Pretendemos nos casar, mas antes ela quer ter algumas experiências.
Vanessa: Noiva esperta e sortuda, um homem como você, bonito e carinhoso, não se acha em todo lugar. Principalmente um que saiba saciar os desejos de uma mulher.

Vanessa foi atrás de mim e começou a massagear meus ombros. Sua mão era muito boa, sabia realmente aonde tocar. Meu corpo sentiu vários arrepios.

Eu: Obrigado…

Vanessa foi bem perto de meu ouvido e sussurrou.

Vanessa: Quem dera ter um desse para mim.

Eu não soube o que responder. Novamente, o que estava acontecendo nao estava nos planos.
Vanessa foi até minha frente e se virou.

Vanessa: Seja gentil, e abre o zíper do meu vestido? Ele está bem apertado.

Eu não sabia bem o que estava acontecendo, mas decidi fazer o que ela pedia. Comecei a abrir o zíper, ele descia até metade de suas costas.
Ela se virou para mim e começou a abaixar seu vestido e o tirou.

Vanessa era uma mulher linda. Tinha pele bronzeada, mas não chegava a ser morena. Seus cabelos eram levemente ondulados, e tinha um corpo escultural, com quadril largo, cintura fina e seios grandes.
Ela ficou apenas de calcinha e sutiã preta. Seu sutia era com bojo e tinha rendas nas bordas. Sua calcinha era No estilo short, toda de renda. Dava para ver por entre a renda da calcinha, o desenho de uma bucetinha.

Vanessa: Deixa eu te perguntar, Rodrigo. Você me acha bonita?

Eu me esforcei pra não gaguejar. Não via outra mulher nua na minha frente a anos.

Eu: Sim. Linda!

Vanessa: Você iria gostar de me ter como noiva?

Ela falava isso enquanto dava uma leve rebolada com o quadril e acariciava seus peitos por cima do sutiã.

Eu: Se eu pudesse ter duas, iria querer você e a Luana todos os dias!

Vanessa se aproximou e se sentou no meu colo, com as pernas abertas virada para mim, encaixando sua virilha na minha.

Vanessa: Que homem fiel. Será que eu consigo tirar um pouco dessa timidez? Vamos jogar um jogo, eu vou fazer um movimento, se eu sentir que você ficou animado, eu tiro uma peça de sua roupa.

Eu não conseguia responder.

Ela se aproximou mais ainda, encaixando sua calcinha bem onde estava meu pau. Ela começou a rebolar de leve em cima do meu colo esfregando sua virilha na minha. Seus braços estavam nos meus ombros e eu conseguia ver melhor agora o desenho de sua bucetinha marcando na calcinha. Meu pau estava começando a ficar duro.

Vanessa: Estou sentindo algo, hein? Acho que você perdeu essa rodada.

Ela simplesmente levantou minha blusa e jogou para o lado. Vanessa começou a passar a mão no meu peito enquanto continuava rebolando no meu colo.

Eu não conseguia evitar. Me sentia mal por fazer isso sem que minha esposa visse, Mas o tesão falou mais alto e eu não me aguentei.

Luana chegava com seus lábios bem perto dos meus, passava na minha orelha e me dava um leve beijinho. Eu estava me entregando para ela, estava doido para tê-la para mim.

Vanessa: E essa respiração pesada? Acho que perdeu novamente.

Ela saiu de cima de mim e se ajoelhou no meio das minhas pernas. Tirou meu cinto e abriu minha calça, abaixando ela um pouco e expondo minha cueca box preta. Meu pau marcava a cueca, denunciando que eu estava totalmente excitado ao ver ela.

Vanessa: Alguém está bem animado.

Ela passou seus lábios na minha cueca, e deu um beijo exatamente em cima da cabeça do meu pau.

Vanessa: Sabe que… Eu deveria pedir a uma stripper estar aqui com você. Mas como é sua primeira vez na boate, devo ser uma boa anfitriã e te fazer se sentir vontade.

Ela subiu novamente no meu colo, sua calcinha arrastando em minha cueca. Ela ficou bem perto do meu rosto.

Vanessa: Vou te dar uma chance. Vou fechar os olhos por 20 segundos, vou contar mentalmente. Nesses 20 segundos, você tem passe livre.

Ela fechou os olhos.

Não me aguentei, beijei sua boca e apertei sua bunda com as duas mãos. Sua pele macia misturada com o tecido de renda de sua calcinha me deixava louco.
Levei minhas mãos para baixo de seu sutiã, senti seu peito macio e durinho, acredito que era silicone. Ela me beijava de volta e gemia.

Ela saiu de repente do beijo e segurou minha mão.

Vanessa: O tempo acabou.

Eu me recompus. Estava extremamente fora de mim. Não conseguia nem lembrar de minha noiva, ou se quer onde ela estava.

Vanessa: Agora é sua vez. 20 segundos. Fecha os olhos…

Eu fechei.

Senti as mãos dela abaixando minha cueca e senti meu pau saindo livre. De repente senti algo na cabeça do meu pau, era os lábios de Vanessa deixando molhado e abocanhando minha rola.
Ela foi até a metade algumas vezes e voltava.

Eu não me aguentei, gemia livremente.
De repente, ela parou.

Vanessa: acabou seus 20 segundos também.

Abri os olhos e Vanessa estava na minha frente de pé. Ela se arcou para chegar bem perto de mim.

Vanessa: Agora, vamos para a nossa próxima parte da experiência.

Eu estava extremamente excitado, com o pau babado pela boca maravilhosa daquela mulher. Não conseguiria imaginar o que viria a seguir.

Ela saiu da minha frente. O monitor, que ficava de frente para a poltrona, devia ter mais ou menos o tamanho de uma televisão porquena, que até então estava desligado, agora estava ligado.

O monitor mostrava a cena de uma sala bem parecida com a que eu estava, exceto pelo fato de que na poltrona, estava sentada minha noiva. De frente para ela, um homem negro, musculoso e bonito, estava dançando de cueca branca.

Vanessa: Eu conversei um pouco com sua noiva. Ela me contou a razão de vocês estarem aqui, e bem, eu decidi dar um empurrãozinho.

Luana agora passava a mão por cima do corpo daquele homem de pele cor caramelo, chegando até sua cueca branca e agarrando sua mala que parecia ser bem grande. Ela parecia rir e se divertir.

Vanessa: fique tranquilo, nada aqui é vingança, ela não sabe o que você ia fazer aqui e nem sabe que você está assistindo.
Eu: Isso está acontecendo agora?
Vanessa: Sim, ao vivo.

O homem agora botava sua mala bem perto do rosto da minha noiva.

Vanessa: Do seu lado tem um lubrificante caso queira se divertir assistindo. Tem um botão também. Nosso intuito é o tesão, se não se sentir a vontade, aperte que irá sinalizar na sala da sua noiva, e nosso gogoboy irá parar, e eu virei para te levar até ela.

Vanessa pegou seu vestido que estava no chão e saiu.

Luana continuava a mexer por cima da cueca daquele homem. Agora o monitor saia som, ela ria bastante e bem descontraída.

Coloquei um pouco de lubrificante na mão e levei até meu pau.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,36 de 11 votos)

Por # # #

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder carlos

    que delicia de conto, continua quero saber o que houve, não demore pra contar a outra parte

  • Responder Vantuil OB

    Gostei. Continua logo. Vamos ver ela dando a bocetinha

  • Responder Putão

    O nome do Cara é Jorge ou Roger? Sua esposa é a Luana ou a Vanessa? E oque diabos é “estais”?

  • Responder Sabrina

    Dessa vez a ação ficou por sua conta, mas não gostei muito desse, a parte dessa vanessa ficou muito robótica e as instruções ficaram tediosas, espero que o próximo não tenha isso.

  • Responder Leticia Beatriz

    quando vejo esse titulo, minha buceta molha e minha mão desce direto, automático já kkkkk
    toco uma siririca gostosa com seus contos, por favor continuaa

    • Santos

      Amigo vc vai ver sua mulher da p outro logo logo,corno manso já foi,pois sua mulher manda vídeo e já pegou no pau de outro,só falta um empurram p outro assumir seu lugar