# # #

Noiva curiosa (2)

3787 palavras | 11 |4.84
Por

Luana se abriu novamente, disse que tinha vontade de ver um homem pelado na frente dela. Chamamos Então Meu amigo para saciar sua curiosidade.

(Para entender melhor este conto, sugiro ler a primeira parte)

Um rápido adendo: Apesar de ser um conto erótico, eu gostaria que apreciassem da forma que eu aprecio essa lembrança. Obviamente gosto de saber se gozaram com meu conto, mas quero saber também o que fariam na minha situação, se já passaram por algo assim. Quero trocar experiências pelos comentários.

A semana começou de forma tranquila. Eu e Luana conversamos algumas vezes sobre o que havia acontecido e ela admitiu que tinha sentido bastante tesão, não em Roger necessariamente, mas na situação, de sentir que outro homem a deseja.

Eu ainda estava decidindo se havia gostado ou não. Ver minha noiva se exibindo de lingerie e se masturbando com outro homem pela web cam, com certeza me despertava fortes sentimentos, mas não havia decidido ainda se eram ciúmes, tesão, raiva ou um misto de tudo.

Luana parecia mais fogosa do que nunca, ela me procurou para sexo todos os dias, cada dia com mais tesão do que o anterior.
Não éramos adeptos a sexo violento, mas ela muitas vezes na semana pediu para ser dominada. “Com força” e “Sem dó” como ela dizia. Não tivemos nenhuma mensagem de Jorge, o homem da web cam que por uma coincidência morava na mesma cidade que nós, até quinta feira.

No final de tarde de quinta, Jorge mandou mensagem.
“Oi Luana, espero que tenhas gostado da nossa ligação no fim de semana. Espero repetir, que tal?”
Minha noiva ficou com receio de responder, e eu também. Fiquei com medo que se tormasse algo recorrente, podendo até se tornar um caso extra conjugal, ou um amante… tinha medo, insegurança e ciúmes. Mas muita, muita curiosidade em saber até onde isso iria.

Luana só respondeu no final da noite.
“Oi Roger. Gostei muito”.
Luana me falou que não queria se comprometer a nada.

Quando chegou na sexta a noite, após transarmos com muito tesão, Luana começou a conversar.

Luana: Amor… O que você achou do que eu fiz com o Roger.

Ela já tinha me perguntado algumas vezes aquilo, eu sempre respondia da mesma forma. Falava que achei divertido, tinha tido ciúme sim, mas que a experiência foi legal e excitante, só tinha receio que ela tivesse gostado dele. E ela me respondia que não, que era apenas pela curiosidade, e acabavamos transando.

Eu: Já conversamos algumas vezes sobre isso, amor. Tenho a impressão que tens algo a me dizer…
Luana: É que eu ainda tenho um pouco de curiosidade sabe… Apesar de eu ver o pênis dele pela câmera… Eu ainda tenho curiosidade de ver um pessoalmente.

Me passou um calafrio pelo corpo. Um medo. Um receio. Uma dúvida…

Eu: Mas como assim, amor?

Ela não respondeu, visivelmente nervosa.
Eu peguei em sua mão, amava ela demais para deixar nossa relação acabar por uma besteira. Sempre achei que as mulheres eram injustiçadas sexualmente, os homens poderiam fazer o que quisesse que tudo bem. Não queria que ela se sentisse assim.

Eu: Você pode se abrir comigo, eu quero casar com você, ser seu companheiro pro resto da vida. As vezes, vale mais a pena se abrir antes de de fato nos casarmos.

Ela pensou um pouco e soltou um sorriso carinhoso.

Luana: Eu ainda tenho curiosidade em ver um homem nú perto de mim. Eu gostei bastante do que fizemos, mas não sinto que foi suficiente pra saciar minha curiosidade.
Eu: E o que você tem em mente?
Luana: Não sei… não quero pedir algo que pode te machucar.
Eu: Fique tranquila, pode pedir.

Ela parou por alguns segundos.

Luana: talvez se eu visse um pessoalmente, acho que ia ser… Bom.

Tive a impressão que ela ia dizer outra palavra em vez de “bom”, mas não queria forçar.

Eu: Do Roger?
Luana: Não, não precisa ser ele. Pode ser qualquer homem. Obviamente não um velho feio né (rimos juntos)
Eu: Mas quem, então?

Pensamos por alguns segundos.

Eu: Alguém que conhecemos, ou algum estranho?
Luana: Apesar de eu sentir que seria melhor com um estranho, eu tenho medo de acabar saindo algo de errado. Seria melhor alguém que confiamos, né?
Eu: Apesar de eu também preferir um estranho, eu concordo com isso… Seria perigoso com alguém que não conhecemos…
Luana: Mas quem?

Fiquei pensando por quase um minuto… me lembrei de uma pessoa. Um amigo de faculdade. Matheus.

Matheus era meu amigo a alguns anos. Estudamos juntos na faculdade e ele conhecia Luana, pois frequentou minha casa para fazer vários trabalhos. Luana gostava dele, ele era bem tranquilo.
Matheus tinha a minha idade, era um homem bonito. Cabelo preto, barba curta, tinha um corpo bem semelhante ao meu, talvez um pouco mais musculoso apenas, pois fazia musculação e eu não, eu apenas fazia esportes.

Fiquei com medo de sugerir, não sabia qual seria a reação dela, tinha medo de ela gostar muito da ideia, eu teria bastante ciúme, ou de ela se sentir ofendida… estava bem confuso.

O que tornava a ideia boa, talvez, é que Matheus tinha uma namorada no período em que ia lá em casa. Eu sei que ele sendo homem, deve ter olhado algumas vezes para minha noiva, mas ele sempre foi tranquilo. Ele e a ex namorada, já foram lá em casa para ficar na piscina, sempre tivemos liberdade, minha noiva e a namorada dele de biquíni e eu e ele de bermuda.

Entretanto, a alguns meses ele terminou com a namorada.

Eu: Que tal o Matheus?

Luana pareceu assustada.

Luana: O Matheus? Bom… não posso dizer que não pensei nele. Não por ser ele, mas por que sei que vocês são bem amigos, e eu confio nele também. Além do mais, ele terminou com a Larissa né.
Eu: Exato, foi o que eu pensei também.
Luana: Mas amor, você tem certeza? Você não teria ciúmes?

Eu obviamente teria.

Eu: Um pouco, amor. Mas sei que é por curiosidade sua. Se eu nunca tivesse namorado antes de você, eu também teria curiosidade.

Ela me deu um beijo carinhoso.

Luana: Obrigado amor, não poderia ter escolhido noivo melhor!

No dia seguinte, mandei uma mensagem para o Matheus, o convidando para tomar uma cerveja no final do trabalho.

Chegando lá, conversamos um pouco para não entrar direto no assunto.

Quando ficamos sem novidades para por em dia, convidei ele para ir no fim de semana tomar um vinho comigo e com Thais.
Me certifiquei de que ele não estava namorando, e ele realmente não estava.

Eu: Então, é que eu e a Luana queremos te pedir uma coisa.
Matheus: Fala, qualquer coisa.

Eu não sabia bem como entrar no assunto.

Eu: Já somos amigos a bastante tempo, eu confio em ti, então queríamos ver se teria como quem sabe você fazer uma coisa conosco.

Ele pareceu confuso e pensativo.

Matheus: Não entendi, fala logo.
Eu: Nao sei bem como te dizer isso… A Luana, tem algumas curiosidades. Ela nunca namorou antes de me namorar, você sabe. Então ela nunca teve com mais ninguém.

Ele não se atreveu falar nada, era um assunto delicado. Então continuei.

Eu: Queríamos saber se você pode ajudar a gente nisso. Ela tem curiosidade de ver outros homens, sabe.
Matheus: Cara… eu não sei bem onde queres chegar, e tenho medo de entender errado e estar te ofendendo, podes explicar exatamente?

Tive que me abrir para ele. Falei sobre a curiosidade da Luana, contei sobre o que havíamos feito no fim de semana com Roger pela web cam, falei que ela gostaria de ver um homem nu na frente dela, pois só tinha me visto até hoje.

Matheus pensou durante longos segundos.

Matheus: Cara… Eu faço, mas como você fica com tudo isso? Não quero servir de problemas pra ti.
Eu: relaxa, eu tô tranquilo quanto a isso. Tenho sim ciúmes, mas tô disposto a fazer isso.

Ele pensou mais um pouco.

Matheus: Mas o que eu teria que fazer?
Eu: É só realmente ficar pelado sabe, ela tem curiosidade em ver o pau de outros homens.

Matheus concordou. Falou que nunca tinha feito algo assim, mas que ficou feliz em ser escolhido pela confiança.

Eu não era ingênuo de achar que ele não tinha gostado do convite, que homem não iria gostar?

Chegando no sábado, dia em que combinamos com Matheus, Luana estava com um misto de animação e apreensão.

Eu falei a ela que tinha só comentado por cima com ele, para não estragar nada. Achei melhor assim para ela não acabar ficando nervosa demais.

Nos dois tomamos um banho e percebi que Luana estava de produzindo bastante. Ela passou creme no corpo e perfume. Colocou uma Lingerie rosa, o que me fez pensar: “Não entendo, para que colocar uma lingerie sensual se ele que vai ficar pelado?” Mas imaginei que poderia ser para se sentir mais confiante.

Ela colocou uma saia rodada e uma blusa meio social, mas leve, que amarrava na frente.Eu estava de gola polo e calça.

Enquanto ela se arrumava, fiquei pensando: Muitos homens, inclusive eu, se excitam com a ideia de exibir suas mulheres ou namorada, e até mesmo fantasiam com ménage ou algo assim, até já tinha me masturbado vendo vídeos assim.
Mas a realidade é bem diferente. Estar lá, na boca do furacão, com seu estômago parecendo que vai explodir, suas mãos suando, sua mente nervosa… tudo é diferente da pornografia.

Comecei a fazer uma tábua de frios e preparar as taças, quando a companhia tocou.

Minhas pernas não pareceram que iam se mexer. Quando tomei fôlego, fui até a porta receber ele.

Ele estava com uma gola polo verde e calça jeans, cabelo arrumado e barba feita, bem rente ao rosto.
Cumprimentei e convidei para entrar. Minha noiva veio um pouco atrás e o cumprimentou também, de forma como sempre fez, com um beijo no rosto e o convidou para sentar no sofá.

Eu falei que ia terminar na cozinha as coisas e os dois poderiam ir ao sofá conversar que eu já iria lá.

Fiquei terminando as coisas e imaginando que não fariam nada agora, provavelmente as coisas aconteceriam no final da noite.

Quando terminei, levei o vinho e as taças com a tábua para a sala de jantar, coloquei na mesa e chamei os dois. Os dois vieram e começamos a conversar.

A conversa foi tranquila, não vou detalhar pois não teve importância, mas falamos sobre trabalho, vida e mais um pouco.

Depois de comermos, fomos sentar na sala. Levamos o vinho e já estávamos no final da segunda garrafa, o que admito que facilitou muito. Todos estavam já bem risonhos por conta do álcool inclusive eu.
Não Achei que fosse acontecer, mas quem deu o primeiro passo foi o Matheus.

Matheus: Nossa Luana, você tá tão bonita hoje.

Luana olhou pra mim e soltou um sorriso.

Luana: Obrigada, você também! Acho que já está na hora de contar por que nós te convidamos, né?

Luana bebeu todo o vinho de sua taça, era quase meia taça.

Luana: Matheus, como sabes, eu e o Rodrigo estamos juntos a bastante tempo, e eu nunca fiquei com outra pessoa antes dele…

Matheus continuou ouvindo.

Luana: E nós conversamos, e eu contei a ele que tenho curiosidade de saber como é o corpo de um homem que não seja meu noivo.

Nem eu nem ele dissemos uma palavra.

Luana: Então, decidimos te chamar pois confiamos em você, gostaria de saber se você toparia quem sabe… sanar minha curiosidade.

Matheus olhou pra mim.

Matheus: Vocês têm certeza? Tudo bem por ti?
Eu: Sim, Eu confio em você.

Matheus soltou um sorriso e se levantou e olhou para Luana.

Matheus: Como você quer?
Luana: Você pode só… tirar…

Matheus tirou sua camiseta gola polo. Ele realmente era um pouco mais definido do que eu, talvez um pouco mais baixo em altura. Seu peitoral era desenhado, mas nada exagerado, e não tinha pelos algum.

Ele colocou a camiseta no sofá e começou a tirar o cinto. Eu fiquei sentado em uma extremidade do sofá, observando ele tirar a roupa na outra extremidade, e minha noiva observar sentada no meio.

Matheus desabotoou a calça, abaixou e tirou, ficando apenas com uma cueca preta com elástico vermelho. Seu pau já marcava a cueca, não estava duro mas com certeza ele já estava excitado.

Luana de vez em quando olhava para mim e depois voltava a olhar Matheus apenas de cueca. Seu corpo em forma chamava a atenção.

Matheus: Assim?
Luana: Sim… nossa é diferente…

Matheus começou a acariciar seu pau por cima da cueca.

Matheus: Quer ver ele?

Luana engoliu seco e respondeu com um leve sorriso.

Luana:Pode ser…

Matheus abaixou levemente sua cueca, com ela ainda na altura de sua virilha, colocou seu pau para fora.

Seu pau era um pouco mais escuro do que o meu, ainda não estava duro, mas já era visível sua excitação. Ela olhava fixamente para ele, e eu achei ter visto ela morder o lábio algumas vezes.

Matheus começou a bater uma leve punheta, provavelmente com o intuito de deixá-lo duro.
Luana olhou para mim.

Luana: Amor, talvez eu possa dar um reforço visual para ele, pode ser?

Eu imaginava que isso ia acontecer, ela tinha vestido uma lingerie muito bonita para não acabar acontecendo.

Eu: Se você quiser amor, pode sim.

Ela sorriu. Se virou para Matheus, desamarrou sua blusa e a tirou, ficando de sutiã. Seu sutiã era de bojo rendado de cor rosa pink. Seus peitos ficavam bem firmes naquele sutiã.
Ela começou a passar a mão apertando seu peito, deixando eles ainda mais excitante para Matheus.

Já dava para ver que a estratégia dela havia funcionado, o pau de Matheus já estava praticamente duro. Seu pau era um pouco maior do que o meu, uns 2 ou 3 centímetros talvez.

Matheus: Com todo respeito, Rodrigo. Sua noiva é maravilhosa.
Eu: Ela é perfeita!

Todos rimos, inclusive Luana, que estava mais solta.

Luana: Talvez se eu mostrar um pouco mais… Você possa ver se eu sou realmente maravilhosa.

Não posso dizer que não fiquei com ciúme, mas ela realmente era muito gostosa, não consegui negar a ela se exibir um pouco mais, mesmo nada daquilo estar no plano.

Matheus: Tudo bem pra você? (Perguntou a mim)
Eu: Claro.

Luana sorriu. Ela se levantou e abaixou sua saia, ficando apenas de calcinha e sutiã. Seu sutiã desenhava seus peitos, os deixando bem redondinhos e saltados. Sua calcinha era de renda e fio dental, da mesma cor do sutiã, rosa Pink. Ela tirou a saia com a bunda virada para ele, então ele pode ter uma visão privilegiada de sua bunda enquanto ela se abaixa.

O pau de Matheus já estava todo duro. Luana olhava e percebi que ela estava realmente mordendo os lábios. Ela passava a mão por cima de seu corpo, passeando seus dedos por cima do sutiã e da calcinha. Eu percebi que ela dava uma leve pressionada quando passava por cima da calcinha, visivelmente pressionando sua bucetinha que devia estar molhada.

A cena da minha noiva, a mulher com quem eu ia casar, se exibindo para meu amigo enquanto ele batia punheta, me dava ao mesmo tempo, tesão e ciúme.

Luana: Amor… eu nunca peguei em outro… A não ser o seu. Será que eu posso só ver como ele fica na minha mão?

A pergunta dela me assustou. Aquilo definitivamente não estava nos planos.

Luana: É rapidinho, só pra mim conseguir sentir pra ver como é.
Eu: Se você quer amor, pode experimentar rapidinho.
Matheus: tem certeza?
Eu: Sim, pode ficar tranquilo.

Matheus chegou mais perto dela, parou de se masturbar e deixou o pau dele a menos de 40cm de seu rosto. Eu estava sinceramente me mordendo de ciúmes, até que percebi, meu pau estava muito duro, no fundo eu estava gostando se tudo.

Luana aproximou sua mão e o tocou, envolvendo o pau dele em suas mãos. Matheus soltou um gemido ao sentir as mãos dela no seu membro duro.

Uma série de sentimentos me invadiram ao ver ela com as mãos no pau duro de meu amigo. Ela estava usando apenas uma lingerie rosa extremamente sensual enquanto masturbava levemente a rola dele.

Luana: Nossa, é tão diferente… da pra sentir na minha mão que é um outro pau…

Ela começou a fazer movimentos discretos, bem devagares, como se fosse apenas uma massagem em seu pau.

Luana: Seria bom, um pouco de lubrificante né? Para minha mão deslizar melhor… (Soltou uma risada leve)

Ela levantou e em questão de segundos, foi até nosso quarto e voltou com um lubrificante. Se pôs na posição em que estava, colocou o lubrificante na mão e voltou a segurar o pau do Matheus.

Matheus soltou outro gemido quando sentiu, agora a mão da minha noiva deslizava por seu caralho, de forma leve, molhada e macia.

Luana: Tá bom?
Matheus: Tá sim, ta ótimo…

De pouco em pouco, os movimentos dela se tornavam mais ágeis, fazendo com que ela começasse uma verdadeira punheta para ele. Matheus já quase nem olhava para mim, olhava apenas para minha noiva que já estava o masturbando.

Matheus: Eu podia ter outro reforço visual, né?
Luana: O que você tem em mente?
Matheus: Você podia tirar seu sutiã.

Luana sorriu e se virou para mim.

Luana: Posso, amor?
Eu: Pode sim, amor.

Já era meio tarde para não deixar. Ela já estava masturbando de forma habilidosa com sua mão deslizando por conta do lubrificante, algo que não havia sido combinado.

Mas não foi Luana que tirou. Matheus levou suas mãos até as costas dela e tirou seu sutiã.
Agora os peitos deliciosos com biquinhos rosados da minha noiva, estavam a mostra para meu amigo apreciar, isso tudo enquanto ela lhe batia uma verdadeira punheta.

Luana continuou, dessa vez realmente masturbando ele, sem tingimentos. Ele gemia e incentivava.

Matheus: Isso, que gostoso Luana…
Luana: Tá gostoso?
Matheus: Tá muito gostoso…

Luana continuava a masturbar o pau dele. Matheus fazia expressões de prazer e gemia com vontade. Luana olhou para mim.

Luana: Amor… Eu tenho outra mão.

De início não entendi muito bem.

Luana: Quer vim aqui?

De repente, compreendi o que ela tinha em mente.
Me levantei e tirei minha blusa. Abri minha calça e abaixei junto com minha cueca. Meu pau já estava duro e saiu para fora apontando para cima.

Luana:Nossa amor, ja estava duro?

Ela pegou o lubrificante e colocou em sua outra mão. Levou a mão até meu pau e começou a envolve-lo em uma massagem deliciosa.

Agora minha noiva estava com o meu pau em uma mão e o pau do Matheus na outra. Batendo punheta para nós dois.

Eu: Tá gostando amor? Era isso que você queria?
Luana: Sim amor… eu queria isso…

Ela falava com uma certa vergonha, dava para ver, mas com uma voz extremamente sensual.

Luana: Tá gostoso, Matheus?
Matheus: Tá muito bom! Você é excelente nisso.

Ela riu.

Luana: Tá gostoso, amor?
Eu: Tá isso amor, muito bom.

Luana sincronizava os movimentos e masturbava com muito tesão minha rola e o pau dele.

Luana: É tão gostoso ter dois paus ao mesmo tempo nas minhas mãos.

Ela bateu punheta para nós por mais alguns minutos.

Matheus: Luana… Tá tão gostoso! Eu vou gozar.

O anúncio do orgasmo de Matheus não parou minha noiva, ela na verdade o masturbou com mais vontade.

Luana: Quer gozar no meu peito?
Matheus: Sim!

Luana começou a esfregar seu pau em seu peitinho, passando a cabeça dele por seu mamilo enquanto batia punheta.
Depois de segundos, Matheus explodiu de tesão, gozando em seu peito. Foram uns 5 jatos grossos, bastante porra escorrendo por seu peito e chegando até sua barriga.

Matheus: Que delícia!
Luana: Goza gostoso no meu peito Matheus, vai!
Matheus: Gostosa! Que peito gostoso!

Matheus gozou mais uns 2 jatos, todos em seu peito, pois Luana esfregava seu pau em seu mamilo rosado, fazendo sua porra escorrer até quase sua calcinha.

Luana: Foi gostoso?
Matheus: Foi muito bom, você é muito gostosa.
Luana: Quer gozar também, amor?
Eu: Sim!

Eu estava com ciúmes, mas com muito tesão. Ver minha noiva com o peito todo gozado por outro homem, me despertou muito desejo. Não demorou muito até eu explodir em seu outro peito, gozando bastante.

Luana: Que delícia! Goza amor!
Eu: Isso safada! Toma toda a minha porra!
Luana: Goza gostoso em mim, vai!

Minha esposa estava agora com o peito todo gozado. Um pouco de porra escorria por sua da frente de sua calcinha, quase até sua bucetinha, eu não conseguia distinguir se a porra era minha ou do Matheus.

Luana: Eu sei que não tava no plano amor, Mas não me segurei, eu queria tanto isso!

Ela olhava para mim e para Matheus, com nossos paus ainda na mão, dando uma leve massageadas em cada um.

Luana: Meninos, eu vou me lavar.
Eu: Vai lá amor.

Eu e Matheus nos vestimos e Luana foi rebolando até nosso quarto.

Nos conversamos e ele me perguntou novamente se estava tudo ok. Eu disse que sim.
Ficamos conversando, ele sempre elogiando Luana, falando que ela era extremamente gostosa, que se pudesse, comeria ela e foderia sua buceta…
Eu me deliciava ouvindo, estava com bastante tesão.

Depois de um tempo, Luana voltou se banho tomado, usando apenas um babydoll de cetim, sem sutiã. Ela ficava extremamente gostosa com ele.

Terminamos a noite bebendo, depois que Matheus foi embora, eu e Luana transamos muito e eu gozei no fundo de sua buceta, lembrando de tudo aquilo

Percebi que no fundo, eu havia gostado da experiência.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,84 de 25 votos)

Por # # #

11 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Paulo Roberto

    Caramba. Conto delicioso. Gozei bem gostoso. Adoro esses joguinhos proibidos. Meu e-mail é [email protected]

  • Responder Casal cambirel crs e d4

    Parabéns, a maoria dos casais liberais começam assim, com preliminares e depoiis o sexo .

  • Responder Paulo

    Vejo que você é um expert em moda intima, e pelo andar da carruagem o próximo passo é Thais sentir uma outra rola dentro dela e com certeza você irá revelar seus segredos ocultos e vai também provar da rola de outros homens, pelo menos é essa a impressão que tenho quando você acrescenta no conto passagens da sua imaginação.

  • Responder Leitor

    Não tinha lhe avisado dos planos dela e agora que viu que vc não reagil quando perceber vai esta dando junto com ela rsrs

    • Amandinha13

      Cada conto que daria um otimo filme porno.parabens
      Continue contando

  • Responder Vantuil OB

    De novo Rodrigo, que conto sensacional. Com certeza a Luana vai querer experimentar uma rola na bocetinha. Aguardo, não demora a continuação.

  • Responder Helio

    Parte 3?

  • Responder Vilão 13

    Gostei…vê se continua logo…

  • Responder Leitor atento

    Você falou que gostaria que seus leitores se colocassem em seu lugar e comentassem, então gostaria de saber se em seu subconsciente estaria pensando em Thais ao descrever essas cenas, que parecem-nos bem reais, mas com um acréscimo de imaginação.

    • Noivorodrigo

      Acabei trocando o nome em uma parte, né. Troquei pois os nomes foram alterados por segurança, então o “Luana” me fugiu. As memórias são reais, pra trazer mais detalhes as vezes preencho lacunas com minha imaginação, realmente.

  • Responder carlos

    que delicia de conto, continua não demora muito pra continuar essa historia