# # #

Irmãzinha (verídico) parte 3

930 palavras | 6 |4.45
Por

Chegando em casa nossos pais estavam preocupados, então falei que tinha passado mal e paramos no poço para me refrescar e descansar um pouco, a mãe ficou muito preocupada e mandou eu ir descansar um pouco deitado, e minha irmã foi brincar.
Quando chegou à noite, eu e minha irmão dormíamos no mesmo quarto, eu fiquei a tempo todo pensando o que Ju estava pensando do que fizemos e resolvi perguntar a ela
-Ju você está bem?
– Sim, porque
-Porque desde que chegamos você não falou comigo
-Fala o que
-Você gostou de brincar de beijar
-Sim, gostei
-Você quer brincar de novo
-Aqui não, tem o pai e a mãe
-Esta, mas você quer ou não
-Quero
-Que bom porque eu também quero
Ela me dá boa noite e vira pro canto para dormir, assim faço o mesmo, no outro dia quando me levanto e minha irmãzinha ainda dormia cheguei perto do rostinho dela e dei um beijinho em sua bochecha, ela acorda me diz bom dia e da um selinho em mim, neste momento senti que eu a tinha, e meus pensamentos já não mais puros quanto a elas só aumentaram, passou o dia e não tocamos no assunto, mas no entardecer o pai não passou bem e a mãe resolveu levar ele na cidade para ver um médico, com isso ficou lá em casa a tia Joana esposa do seu Dito que levou nosso pai pra cidade de carroça, Tia Joana esta agoniada, mandou nós irmos deitar pra dormir e ficou na rua cuidado pra ver se eles retornavam logo, com isso aproveitei para pedir mais um beijo da Ju que no inicio não queria mais pedi tanto que ela consentiu e começamos a nos beijar e estava ficando cada vez mais gostoso beijar ela, estávamos aprendendo e minha língua já procurava a dela que aos poucos foi fazendo o mesmo, quando escutei a Tia Joana entrado pulei pra minha cama e fiz estar dormindo e a Ju levantou e foi ao banheiro, Tia Joana não percebeu nada e retornou para rua, a Ju retornou do banheiro e deu boa noite e deitou virada para o canto, daí em diante sempre que dava nós nos beijávamos e eu fazia ela bater uma punheta pra mim ate gozar mas mazinhas dela, o tempo foi passando e ela já com quase 10 aninhos eu já chupava a bucetinha dela até ela gozar em minha boca, mas ela nunca quis me chupar, quanto ela completou 11 aninhos eu já não aguentava mais ver aquele tesanzinho que ela estava, eu chupava os peitinhos que já estavam bem gostozinhos, aquela bucetinha virgem com lábios pequenos e fechadinhos roseados que escondiam aquele pequeno grelinho que ficava enrijecido sempre que chupava sua bucetinha e ela ia a loucura, ela já não conseguia se controlar e rebolava na minha boca, meu pau já estava grande e grosso e ela agarrava e se esfregara, resolvi que eu ia comer a bundinha dela, ela estava com tanto tesão mais com medo porque 2 coleguinhas delas tinham dito que doía muito, que quando entrava rasgava a bundinha ou a bucetinha, mais fui muito carinhoso e ela confiava muito em mim, peguei um pouco de manteiga escondido e fomos pra casa de farinha, lá tiramos todas nossas roupas e deitamos em uma coberta velha que eu guardava lá, peguei a manteiga e lambuzei o cuzinho dela e meu pau, encostei na portinha e comecei a formar, não queria entrar, então disse a ela fazer força como se fosso fazer coco, quando ela fez eu empurrei e a cabeça do meu pau entrou, ela tentou sair mas não deixei segurando ela forte pela cintura, quando ela parrou de tentar escapar comecei a tentar enfiar mais e foi entrando gostoso ela ainda reclamava de dor mais não tentava escapar do meu pau, enfiei tudo que deu e comecei o vai e vem, aquilo estava muito gostozo e agora ela já não reclamava de dor, me curvei sobre ela levando minha mão direita a bucetinha dela e a esquerda aos seios, fiquei massageando e bolinando ela e um vai e vem muito gostoso que não demorou para encher o cuzinho dela de porra, enquanto gozava e massageava e bolinava ela, ela começou a se tremer e ofegar mais e mais, quando em seguida explodiu em um gozo maravilhoso, ficamos os dois com as pernas bambas e caímos deitados eu ainda com o pau atolado no cuzinho dela, ela havia começado a amolecer, mas com as mastigadas do cuzinho dela durante o orgasmo ele endureceu novamente e fiquei cravado nela, ela virou o rosto pra mim e nos beijamos, ela então fala
-Quero ser tua pra sempre
-Você já é e sempre será
-Tu não entendeste mano
– Como não
-Quero ser tua mulher, quero casar contigo, quero ter filhos contigo
-Eu também te quero, mas é proibido
-Eu sei, mas podemos fugir
-Não, seria muito desgosto pra nossos pais
-Mas agora eu sou sua, você fez comigo
-Sim, mas vamos manter em segredo
-Tudo bem, só que você é meu e não vai esquecer isso está
-Eu sou teu e você é minha, quando formos mais velhos agente vai embora juntos
-Ok, vou esperar, você acha que dói muito na frete
-Não sei Ju, você quer experimentar

(Continua…)

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,45 de 22 votos)

Por # # #

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Chacal28

    Continua logo cara, muito bom

    • Anônimo

      Porque vc me bloqueou?
      🥲

  • Responder advogado do diabo

    Conta logo como foi arrombar a bucetinha, e como Ela reagiu

  • Responder Yure

    Até q enfim cara, sua história com sua irmãzinha é muito gostosa, vê se não demora pra postar a parte 4

  • Responder Carlos cruz

    Que delicia muito tesão por criança menina cel ccruzsilva

  • Responder Rafaella

    Que lindinhos… Beijos !!