# # #

Acabei iniciando o meu filho – Parte 11

894 palavras | 5 |4.38
Por

A festinha estava só começando, o avô de Nickolas começou a relevar suas histórias e isso foi a deixa perfeita para que a gente pudesse repetir tudo.

Muito bem, para você entender melhor tudo o que está acontecendo na minha família, peço que leia em ordem os contos que estou escrevendo – você pode acessar no link abaixo:

/autor/jbs/

Depois de toda aquela brincadeira com Nickolas e também com meu pai perto da barraca, acabamos nos entregando ao cansaço e cochilamos um tempo por ali, pois todos nós sabíamos que ninguém mais teria acesso àquele local, pois ficava dentro do sítio da nossa família.

Eu fui o primeiro a acordar e mesmo antes de levantar o meu corpo, consegui contemplar o pequeno Nickolas agarrado no corpo do seu avô, como se tivesse com frio, e este contato já fazia o pau do velho dar pequenas pulsações de sinal de vida. O velho era fogoso mesmo. A cena era realmente linda, vocês tinham que ter visto, aquele contraste do corpo do meu pai, velho, surrado da vida no sítio, com o corpinho angelical do Nickolas, encolhidinho e branquinho, praticamente coberto pelo corpo do coroa.

Eu não podia perder, fui me movendo sem fazer nenhum barulho alto e fui descendo até chegar perto do cuzinho de Nickolas, que ainda apresentava marcas da nossa brincadeira, o buraquinho estava bem vermelho, melado e com algumas preguinhas viradas para fora, como se fosse uma boquinha em formato de beijo. Aproveitei para chegar bem pertinho e passar bem a língua naquela grutinha, deixando ainda mais babada, aquele gosto do cuzinho fudido do Nickolas parecia néctar para mim.

O pau do seu avô estava logo ali também, e foi exatamente aí que a ideia diabólica surgiu: Será que consigo encaixar esses dois, sem que eles acordem? Pois faltavam apenas alguns centímetros para o pau do coroa atingir o cuzinho do Nickolas.

Então, comecei a colocar em prática o meu plano, aos pouquinhos fui moldando o corpinho do Nickolas, que mesmo dormindo, parecia saber onde estava o mastro da sua felicidade e prazer. Com apenas alguns pequenos movimentos e alguns minutos, e os dois já estavam na altura perfeita, o pau do meu pai já estava sentindo o cheiro do cuzinho do moleque e com esse contato, pulsava ainda mais. O pau do coroa parecia implorar para voltar a entrar naquele rabinho, e antes mesmo de forçar qualquer tipo de contato mais invasivo, aproveitei para lamber mais uma vez o cuzinho do meu filho e deixar bem molhado, também dei uma mamada no pau do meu pai e deixei ele prontinho para invadir.

Agora eu estava de joelhos, com os dois deitados de conchinha na minha frente, e podia moldar a grande cena final. Comecei pegando no pau do meu pai e com a mão, fui empurrando para dentro do cuzinho do Nickolas, que na primeira tentativa mexeu o corpo um pouquinho, mas não recuou.

E lentamente a cabeça do pau começou a entrar, e eles nem se mexiam, ficaram com o semblante de descanso no rosto, enquanto eu moldava aquele encaixe perfeito. Não demorou nadinha, para eu conseguir esconder todo o pau dentro daquele cuzinho, dei algumas mexidas, tirando e recolocando e deixei ele lá dentro quietinho.

Me afastei um pouco e comecei a bater uma punheta gostosa, só assistindo pau pulsar dentro do cuzinho do moleque, e em alguns minutos, o coroa começou a dar sinal que iria acordar, logo percebendo que estava engatado, olhou pra mim e deu uma risadinha sacana. Percebi que neste momento, ele forçou o pau até o talo, dentro do cuzinho de Nickolas, que dormia feito um anjo, um anjo bem putinho, diga-se de passagem.

Meu pai deu mais umas duas socadas bem fundas, até que o Nickolas abriu os olhinhos e deixou o vovô brincar mais um pouquinho, e neste momento, meu pai falou no ouvido do netinho, sem tirar o pau de dentro: – Sabia que teu pai dormia assim também quando era bebezinho, igual você?

Eu estava totalmente sem reação, pois não havia nada daquilo em minhas lembranças, não fazia ideia que havia passado por tais experiências quando eu era novo e muito menos que meu pai me comia.

Nickolas pareceu ter adorado saber disso e deixou o cuzinho ser violado mais uma vez, o coroa não perdoou e completo: – Vou comer teu cuzinho, igual comia do teu papaizinho, quando ele mal andava.

Eu não podia acreditar naquele momento que estava acontecendo ali, bem na minha frente. Meu pai estava comendo o cuzinho do meu filho e revelando que havia feito isso comigo, quando eu era novo. Meu pau começou a gozar, sem minha permissão e jorrando porra em cima deles. A sensação era totalmente diferente de tudo que já havia sentindo ali, e mesmo após nós todos termos transado todos juntos, aquilo era totalmente novo para mim.

Não demorou muito para o meu pai inundar mais uma vez o cuzinho do Nickolas, e deixar o buraquinho ainda mais aberto. Descemos juntos até a água e lavamos nossos corpos. Fui o primeiro a sair da água e trazer toalhas para eles, aproveitei para procurar algumas lenhas para fazermos uma fogueira, pois sabia que as histórias e revelações, estavam apenas começando.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,38 de 34 votos)

Por # # #

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Biano

    Me preocupo muito com a questão da pedofilia destes contos. Às histórias com crianças é brabo pra não dizer… crueldade.

  • Responder @teleyure

    Chama aí JBS
    Não encontrei vc

  • Responder Comedor

    Maravilhoso vc é seu filho

  • Responder Izzy

    JBS sou um grande fã, mas deixa eu te falar… fala idade dos garotos aqui nos comentários… nem que seja em código hehehe em todos os seus contos

    • JBS

      Fico muito feliz que esteja curtindo, se quiser me chama no telegram que te conto mais detalhes @jbs121