#

Nicholas, o melhor de todos! – Final

609 palavras | 2 |3.67
Por

Oi, sou César… autor de diversos contos postados exclusivamente neste site: Brincando de mocinho e bandido, Gildo, Adãozinho, Elinho, Soninho, etc. Nos contos, venho contando minhas histórias de como foi minha iniciação e aventuras sexuais nos anos 70, no interior de SC.

Havia dado o cuzinho para o Nicholas pela segunda vez e, desta vez estávamos sozinhos em minha casa, onde ele veio passar a noite comigo. Adormeci, com o cuzinho melado, deitado de lado com o Nicholas grudado em minhas costas. Acordei algum tempo depois, ele ressonava mas continuava atrás de mim. Levei a mão para trás e peguei seu pau, que estava meia bomba mas, bastou eu fechar minha mão sobre ele para dar sinal de vida novamente. Segurei firme e fui colocando minha bundinha para trás, senti-o entre minhas bandas, passei para cima e para baixo, uma, duas vezes e, na volta travei bem no meio do meu cu e empurrei minha bundinha novamente… bastou para o Nicholas acordar, passar a mão em minha tetinha, descer até minha barriga e, puxar-me contra seu ventre forçando seu pau que já estava com a cabeça encaixada bem no centro do meu cu. Lentamente, Nicholas foi empurrando seu pau enquanto eu arregaçava mais um pouco a bundinha, ainda de lado, ajeitando-me melhor para receber seu pau duro e latejante, começando lentamente a meter e puxar sem tirar fora do meu cu, o que dava um prazer maior ainda.

Nicholas, com toda sua juventude mostrava ser o porque eu designei o melhor: – era forte, um pau de 14cm que preenchia meu cuzinho sem machucar, bem encaixado, suas bolas batendo ritmicamente contra minha bunda, deixava-me entregue e muito feliz em ser penetrado mais uma vez!
Nesse rítmo, Nicholas levou sua mão direita sobre o meu rosto e, procurando minha boca , enfiou um dedo que comecei a chupar desesperadamente, enquanto me deliciava com o bater do seu ventre em minha bunda enterrando seu pau cada vez mais em meu cuzinho!

Um dedo, dois dedos e eu ia ao delírio, sentia que eu também gozar à qualquer momento, sem precisar tocar no meu pau! Nicholas, deu uma parada, puxando um fôlego, praticamente me levantou sozinho deixando-me de quatro, sem deixar o pau sair de dentro do meu cu e, sem tempo suficiente para eu me posicionar melhor, passou seus braços por baixo do meu corpo, segurou-me fortemente pelos ombros, deu uma cravada do seu pau contra meu cu mostrando toda sua vontade e tesão em me comer. Como eu não esperava aquela “fincada”, estatelei-me na horizontal sobre a cama, Nicholas por cima, com o pau cravado continuou o seu ritmo de meter e sacar o pau sem tirar do meu cuzinho, rapidamente comecei a mexer minha bunda no mesmo rítmo frenético em que recebia seu pau, aumentando cada vez mais o nosso prazer!
Mais uma vez, senti seu pau entumescer, Nicholas sentou sobre minhas pernas, com a mão direita empurrava minha bunda contra a cama, aumentou o rítmo e em poucos segundos, explodiu seu gozo no momento em que retirava seu pau do meu cuzinho acabando um pouco dentro de mim e o restante sobre minha bunda. Consegui virar-me rapidamente e levar minha boca sobre seu pau e receber ainda um jato de seu esperma, fazendo com que ele ainda esfregasse seu pau em meu rosto. Abocanhei seu pau, chupei e lambi até tirar a última gota.
Que felicidade a minha ser penetrado por alguém como você!
Passados mais de quarenta anos… por onde andas, Nicholas?

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 3 votos)

Por #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Valandro

    Saudades de minha infância, onde muitos coleguinhas de classe brincavam na minha bundinha. Primeiro, passavam a mão, enfiavam um ou dois dedinhos no meu cuzinho, para depois colocarem o pauzinho por inteiro!

    • Cesar

      Verdade… também tenho saudades de como tudo começou! Foi brincando de “mocinho e bandido”, o guri rolava por cima de minha bunda, cutucava com seu pauzinho….