# # #

Corneando a minha Irmãzinha

3085 palavras | 4 |4.50
Por

Meu nome é Simone (Si) e me passo por “escritora”, kkkk, das experiências minhas e de nossos amigos. Escrevo me passando por eles.

Meu nome é Simone (Si) e me passo por “escritora”, kkkk, das experiências minhas e de nossos amigos. Escrevo me passando por eles.

Tenho uma irmã adotiva que é travesti, está com 15 anos, mas parece que é maior de 18, por causa disso nunca pediram identidade para ela nos bares GLS que frequenta, depois que ela se descobriu, de recatada e tímida, virou uma mulher idependente, dona de si e muito tarada, fui eu mesma, Simone, quem inaugurou sua piroquinha, na época estava com 13 anos e media 15 cm, depois disso ela vive comendo minhas irmãs gêmeas Say e Aninha, a Say é uma menina que nasceu no corpo errado, é toda delicadinha, uma SISSY e a Aninha (Monstrinha) é menina mesmo, claro que também tiro uma casquinha delas, kkkk.

Oi sou a Patty, minha irmã Si vai escrever por mim…

Sou uma travesti alta, já estou com 1,85m mesmo com meus 15 aninhos, meu pau tem 19 cm e é bem grossinho, sou diferente da Say que é mais novinha que eu e pretende operar, já está fazendo tratamento, eu achava que nem precisava, o pauzinho dela nem chega a 10 cm duro, mas ela dando o cuzinho…, aí que o trocinho some mesmo, kkkkk, eu adoro comer, meter a pica e fuder um cusinho de macho ou de fêmea, buceta não gosto muito, mas como também, acho que gosto mais do cusinho pq doi neles, adoro ouvir uns aaaaiiii…. ou me fode gostosa…, claro que adoro dar meu cuzinho, gosto de me sentir dominada, mas o puto tem que saber fazer isso pq eu também gosto de dominar, já consegui colocar silicones numa clínica que aceitou uma graninha por fora por eu ser menor, eu até já estava com uns peitinhos legais, mas ficou fantástico, como espixei muito rápido achamos que não vou ter complicações futuras.

Fui num barzinho que sempre frequento, fui atras do meu macho, alto, gostoso, peludo, todo grande, coxas grossas, com um pau de 18 cm, mas o detalhe é que grosso pra caralho, hummm, delícia, há!! desculpa, falo muito palavrão não se espantem, mas não sou daqueles travecos escrotos, que gosta de aparecer e ser vulgar, tenho personalidade forte e gosto disso, ninguém tira sarro comigo, bem… só se eu deixar me sarrar, kkkk.

Mas não vou contar a história com meu macho, vou contar a história do namoradinho da minha irmã Say.

Como tinha dito fui procurar o meu macho lá no bar, já sou bem conhecida lá, ele não aparecia, a vaca da mulher dele deve ter inventado alguma coisa impedindo agente de se encontrar, embora também pego ela, fiquei olhando pra ver se achava uma carne fresca, sempre tem algum franguinho novo na área para eu tarar e sim, sou muito tarada, achei um lindinho cabelo lisinho com corte reco do lado, branquinho, não era muito alto, fui para pista dançar perto dele, mas sem dar bandeira que estava afim dele, minha amiga que dançava comigo, minha cúmplice, observou que ele estava com um copo na mão, foi a deixa…, esbarrei “sem querer”, ele tomando um banho, noosssaaaa, fiquei até com pena dele, acompanhei ele até o banheiro, tentei seca-lo me fazendo de desinteressada, normalmente dá certo, cheguei até secar sua calça passando a toalha no pinto dele, mas sem ser puta, secando a calça mesmo, ofereci outro drink, ele educado recusou, mesmo assim fomos em direção ao bar e finalmente aceitou, a conversa fluia bem eu não parava de olhar sua boca, que boca linda, bem vermelha parecia que estava até de batom levinho, me lembrei do filme “A ESCOLHA PERFERITA 3”, a ruivinha estava conversando com um gatíssimo e não conseguia ouvir nada do que ele falava só secando a sua boca, é… eu tava assim mesma, o horário avançava e nada dele me puxar para beijar, eu sou uma dama, não posso ficar tomando a iniciativa do primeiro beijo, às vezes minha cumplice me dá um esbarrão para desencalhar, mas outro esbarrão é foda…, meu tezão estava à mil e ele nada, acho que eu ia ter que tarar ele, não tinha jeito, mas do nada surgiu um mulato enorme, um armário, forte, másculo, exalando testosterona por todos os poros, agarrou o novinho e tascou um beijão de lingua que me deu até agua na boca, não consegui sair do lugar de tão espantada, devo ter ficado ali uns 2 minutos só de vela olhando eles, minha amiga me deu um puxão pelo braço…

– Amiga – É Patty, hoje vai ficar no zero à zero…

– Eu – Caralho!!! o fdp não podia dizer que estava esperando alguém????

Fiquei mais um pouco no bar enchendo a cara com uma dor de corna, olhava para a pista tocando “Meduza – Piece of your heart”, adoro… e dois ali na pista se pegando, dava pra ver o pau do mulatão fazendo um volume enorme e o branquinho se virava deslizando uma bundinha redondinha naquela pica, eles se beijando abraçados, percebia o mulato beijando seu pescoço e o branquinho de olhinho fechado como quem dançasse uma musica lenta romântica, eles nem aí pro ritmo da pista, é perdi…, mas vendo aquilo tudo meu pau tava duraço, já até tinha descolado do adesivo, pedi um uber para voltar pra casa, muito engraçado eu passando com a saia fazendo aquele volume na frente e o motorista quase não conseguiu desviar o olhar.

– Amiga – Agente pode relaxar juntas, nós duas, também estou cheia de tezão…

Até pensei em ir com ela, mas estava muito doida, putaça e com muito tezão ou eu dava pro meu putão peludo ou ia de novidade, essa minha amiga é gostosa pra caralho e tem um pauzinho gostosinho, mas não era isso que eu procurava, isso não ia dar bom, fui para casa, o motorista do uber não me interessou, com muito custo cheguei ao ap, bem…, eu poderia ainda dar pro Jr., se a Si não estivesse com ele, ou a Aninha, a Denize, a Yukimi ou minha mãe Kat, a Marcinha tava na merda ainda, nossa, murchei…, fui na cozinha e peguei uma garrafa de vinho tinto e segui para o terraço tomar banho de ofurô, por um acaso todos estavam dormindo, coisa quase impossível de acontecer aqui, quem nos acompanha sabe, fiquei tomando banho peladinha, bebendo vinho e com fone bluethoof ouvindo meus “dance musics”, mas meu tezão continuava e meu pau não abaixava de jeito nenhum, claro já tinha tocado “umazinha”, o vinho acabou, andar pelada pela casa não é problema pra gente, mas molhada sim, que MERDA esqueci de pegar uma toalha ou roupão, PUTA QUE PARIU… sequei um pouquinho pulando e meu pau nem balaçava direito de tão duro, fui assim mesmo, cambaleando e sem acender as luzes, a lua estava linda iluminando todo o ambiente e eu sou meia morcego mesmo, adoro noite, escuridão ou iluminação a vela, chegando na cozinha vejo meu cunhadinho “Tavinho”, lindo, novinho, 15 aninhos também, baixinho, não sei o que ele fazia ali naquela cozinha, aqui em casa é assim o andar de baixo 3 quartos Si e Monstrinha em um, os “travequinhos” eu e a Say no outro, o Jr. fica no maior, mas sempre que agente quer fuder com outras pessoas sem ser ele, libera de boa, quando ele quer privacidade vai pro de empregada e no andar de cima tem só dois quartos por causa do terraço, um de visitas onde a Marcinha está e o outro da Kat nossa mãezona, cada andar tem sua própria cozinha, então não sei pq ele apareceu no andar de cima, voltando pro Tavinho, era o Gustavo, Gustavinho, aí ficou só Tavinho, namoradinho da Say, eles começaram a namorar quando deu um soco num outro machinho babaca influenciador de moleques que agrediu a minha irmãzinha na piscina do condomínio, defendendo ela, com o namoro a Say diminuiu as tranzas com o Jr. e eu nunca vi o Tavinho tranzar com mais ninguém sem ser a Say, sempre que vinha ficava no quarto com ela namorando ou jogando LOL, ele poderia usar a cozinha de baixo, mas minha Deuza Afrodite colocou ele no meu caminho, azar…??? do dele, kkkk.

Não consegui enxergar nada só aquela cuequinha branca naquela bundinha linda redondinha, meus olhos fixaram coisinha deliciosa, quando ele sentiu minha presença eu já estava me abaixando para sarrar aquela bundinha deliciosa, sou bem mais alta, abracei ele já cutucando com meu pau duro.

– Tavinho – Não Patty…, sou eu Tavinho… não sou a Say…

Não quis nem saber, ele não conseguia sair do meu abraço, fui sarrando e beijando seu pescocinho, sentia que deixava ele arrepiado, mas ainda resistia.

– Tavinho – Pf… não faz isso… eu sou homem…

– Eu – Shiiiii…. fica quietinho…

Continuei ali tarando minha presa, espremendo meus peitos duros e pontudos na suas costas, já tentando pegar no pau dele…

– Tavinho – Patty… eu sou homem, gosto de comer um cusinho… eu como o seu… mas desincosta da minha bunda…

– Eu – Shiiii….. delícia… sua piroca já está durinha, vou querer ela também…

– Tavinho – Também?? também não… vc não pode me comer, eu sou virgem…

– Eu – Nooosssaaa… meu primeiro cusinho virgem… delícia vou fazer com carinho, pode deixar… mas sua bundinha hoje vai ser minha…

Sem deixar de sarrar sua bundinha, virei sua boquinha deliciosa e fui forçando a beijar, no início parecia uma bucetinha de virgem, mas logo foi se abrindo e retribuindo meu beijo, deixando eu brigar com sua lingua.

– Tavinho – Patty… pf… não faz isso… eu não sou viado…

– Eu – Eu sei, vc é um machinho gostoso, mas hoje vai perder o cabacinho… como sonhei com uma bundinha virgem… vou te comer gostosinho e vc vai adorar…

– Tavinho – Pf… eu sou homem… não quero ser viado… dói muito…

– Eu – Então alguém já tentou? fica tranquila lindinha, sei comer um cusinho de novinha como vc… deixa vai… vc vai amar ser minha mulherzinha hoje…

– Tavinho – Vc promete que não vai doer… muito…

– Eu – Não… prometo que vou fazer com carinho e que vc vai adorar…

Mesmo com cara de choro fui arriando sua cuequinha, já colocando um dedinho, sentia que ele estava se entreguando, todo lindinho, desci até seu cuzinho lisinho e a cada linguadinha um gemidinho gostoso, sentia que ele tava adorando, coloquei um dedinho [ai…], quase gozei com aquele “ai” choroso, depois de babar muito achei óleo de cozinha, lambuzei bastante, apontei a cabeça, dando uma forçadinha [aaaiii…].

– Eu – Calma… relaxa… deixa a Patty te comer… nem coloquei ainda.

– Tavinho – Vai doer… eu sei…

– Eu – Se doer vc fala que eu paro, ok? [ahãm…]

Continuei forçando um pouquinho mais, [AAAAIIIII…..], que delícia, a cabeça lá dentro, não consegui segurar, aháaaaaaaaaaaaaaa…………… que gozada deliciosa, enchi o cuzinho dele de pórra.

– Eu – Shiiiii….. morde esse pano de prato… desculpa não aguentei, enchi seu cuzinho já…

– Tavinho – Vc falou que ia parar se doesse… tira… vc já gozou então tira…

– Eu – Shiiiiii……… não estou paradinha?? eu não disse que ia tirar… fica quietinha… seu cuzinho é tão delicioso que vou te encher novamante de leitinho…

Fiquei paradinha com a cabeça dentro do ex-virgem do meu cunhadinho, chupava seu pescoço, mordia sua orelhinha, vi lágrimas nos olhos que deixavam ele mais lindinho pra mim, até que senti seu cuzinho piscar e ele dar uma reboladinha.

– Eu – Minha tezudinha… vou enfiar só mais um pouquinho… tá?? [ahãmm], morde o pano.

Assim que forcei meu pau entrou todo [AAAAAIIIIII…….], o óleo de cozinha e a pórra deixou bem escorregadio, puxei sua boca e com meu pau atolado até o talo, fazendo malabarismo para beija-lo, que delícia de rabinho.

– Eu – TavinhA, vc é muito gostosinha, que rabinho delicioso, desculpa o óleo deixou escorregadio, fica paradinha, quando parar de doer eu como seu cuzinho minha gostosa…

– Tavinho – Não sou menina… sou menino…

– Eu – Tanto faz…

Ele deu uma reboladinha…

– Tavinho – Patty [fala delícia…], já não doi tanto… pode me comer… mas devagar… [tá bom lindinha…]

Fui tirando e colocando bem devagar, mas sentia bem mais fácil, [aaaaaaiiiiiiii……., aaaaaiiiii….., aaaiii…, ai…] até que não reclamava mais, só gemia, falei no seu ouvidinho…

– Eu – Olha… tá gostosinho? [ahãm…] vou te comer pra valer, se doer… morde o pano, pq eu só vou parar quando gozar de novo…

Fui fudendo seu rabinho, meu pau nem amoleceu de tão gostoso que tava, perdi minha cabeça por completa, fudia já com força, com vontade, entre aaaaaiiiiiiiisssssss e uuuuuuuuiiiiissss, parava com ele todo enfiado beijava sua boca e secava suas lágrimas.

– Eu – Tavinha, rebola pra Patty, rebola essa sua bundinha… isssoooo… delícia… morde meu pau… que cusinho bom… nooossssaaaa…. eu vou gozar… pisca ele… pisca… vou te engravidar… sente aháaaaaaaa…….., tá sentindo? [ahãmmm…] nossa nunca gozei tanto… seu cuzinho é delicioso, melhor rabinho que já comi…

– Tavinho – Tá saindo muito sangue??

– Eu – Não sei… não dá pra ver… vem… vamos tomar banho…

– Tavinho – Não… tenho que voltar pra Say…

– Eu – Ela tá dormindo… vem gostosa… vou te fazer gozar…

Fomos para o terraço, agora eu tinha compania para o vinho, virou o copo de uma só vez, nem sei se ele estava acostumado a beber, ele não falava nada só ficava olhando pro meus peitos, eu fiquei quietinha para ver o que ele ia fazer, mamava eles com gosto, são bem maiores que os da Say, quando se deu conta que estava segurando minha pica, tentou largar, mas puxei a mão dele para ela e continuou me mamando.

– Eu – Vem delícia… vamos tomar banho…

Entramos no ofurô, eu tarava ele, me beijava e não largava meu pau que estava duro novamente, fui beijando seu pescoço, seu peito, deixando todo arrepiado, sentou na beirada e comecei a mamar aquela piroca gostosa de 15 cm, durinha com fimose, eu chupava com ele segurando minha cabeça e me puxava segurando meu rosto beijando minha boca com o gosto do seu cacetinho gostoso, mamei seus mamilos [aháaa…], ele tinha dado uma gozadinha nos meus peitos enquanto sugava os dele, peguei sua pórra com o dedo e levei até a boca passando nos meus lábios como se fosse um leite condensado e voltei a beija-lo, delícia, fui descendo para seu pescoço deixando ele todo arrepiado, fazendo ele virar devagarzinho deixando aquela bundinha redondinha, branquinha, lisinha, lindinha na altura da minha boca, passei minha lingua nas preguinhas que ainda restavam [hummmm…], ele só grunia não falava nada, o cusinho continuava fechadinho, olhava e via ele com olhos fechados entregue aos meus carinhos, depois de babar bem.

– Tavinho – Tem mmuito sangue??

– Eu – Acho que não sangrou… (mentira), tá doendo?

– Tavinho – Não… só uma dorzinha gostosa…

– Eu – Vc gostou então… posso te comer de novo minha gostosa??

– Tavinho – Pode… devagar… gostei de sentir ele lá dentro… gozando…

Suas palavras aumentaram meu desejo, fiquei afobada, não tinha nada ali para fazer deslizar, só o que restava ainda dentro da primeira foda, meti e ele gritou abafado com a boca fechada, ainda estava bem apertado, ele não chorava, mas fazia caras de dor.

– Eu – Quando puder vc me fala…

Ele só balançava a cabeça dizendo que sim… percebi ele abrindo as bandas da bundinha com as mãos, sinal verde para fuder… que tezão…

– Tavinho – Eu gosto quando ele está todo lá dentro… fica paradinho com ele lá… [ok!], dá pra sentir ele pulsando, é gostoso, nossa…. se o seu pau doi assim… imagina o do Jr.

– Eu – Safadinha, já está querendo virar mulherzinha do Jr. é?

– Tavinho – Não… só estou falando… ele é muito grande e grosso.

– Eu – É sim… e é delicioso também… vc vai gostar…

– Tavinho – Não… nunca mais vou dar… só foi hoje…

Voltei a fuder sua bundinha mordendo sua orelhinha, sentia sua pele toda arrepiada, tirei e virei ele deixando que nem frango assado, aí é que entrou mais mesmo, foi uma delícia, comecei a punheta-lo enquanto fodia com vontade, ele puxava suas pernas abrindo ainda mais, [aháaaaaaaa………….] ele gozou, mas dessa vez foi muita pórra, continuei fudendo aháaaaa…….. mais uma vez gozei, minha quarta gozada naquela noite, nem sei se ainda tinha pórra, acho que não… bebemos mais vinho e deitamos na beirada do ofurô, apagamos.

– Say – TAVINHOOOOOOOO……….

Acordamos com um berro da Say, já com o dia raiando, ele abraçado em mim deitado sobre meus peitos, estávamos suados, esporrados e com ressaca. Só consegui ver a Say pegando o namoradinho, saindo abraçados ele cabaleando, reparei na sua bundinha manchada de sangue, pórra escorrida e vermelha dos meus apertões…

Com muito custo consegui descer e me enfiei no quartinho de empregados, me tranquei lá e apaguei…

Continua…

Oi Gente espero que tenham gostado, eu fiquei morrendo de tezão, se eu soubesse na hora… tinha me enfiado ali junto a eles, kkkk, Caco…, o Jr e o Lucas, meu negão, tem muita sorte mesmo, mas eu tenho mais ciumes do Jr. do que o Lucas, minha mãe está muito preocupada comigo por causa disso. Ainda vou continuar a história da Márcia com meu irmão, mesmo tendo ciúmes deles juntos, mas estava com essa história já escrita aqui e a Patty me cobrando para postar, Bjs nas suas picas duras e gozadas… Si e Patty…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 2 votos)

Por # # #

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Anônimo

    Nasceu homem vai morrer homem. Essa porra de mudar de sexo não existe.

    • Simone Safada

      Oi Anonimo, que pena vc acha isso, quem sabe não experimenta dar o cuzinho, tenho certeza que vai viciar e depois vc me diz se existe ou não, bjs Si.

  • Responder BinariusMan (Henrique)

    Agora fiquei triste. Si esqueceu de mim.
    Oi Patty, vc é bem taradona mesmo, hein? Que bom que a sua noite foi bem agitada.
    Adoro os contos da Si. Sempre entro aqui buscando por mais.
    Beijos Patty, beijos Si, que esquecei de mim. E vamos ver se tem mais alguma coisa da Patty e o final da Marcinha.

    • Simone Safada

      Esqueci não é que te respondi por aqui