# #

Sendo arrombada pelo meu avô

1730 palavras | 8 |4.34
Por

Boa tarde pessoal, depois de vê tantos relatos de pessoas que encontram prazer sexual juntamente no meio familiar,. Em especial com seus pais e avõ, resolvi narrar minha historia, que jmais imaginava que pudesse acontecer, pois bem me chamo debora, tenho 21 anos, estatura media 1.62cm magrinha com 55 kilos bem distribuidos, sou branquinha cabelos medios, corpinho apetitoso com as coxas bem torneadas o que permite que eu tenha uma bundinha bem saliente, tudo aconteceu no ano de 2014, tinha eu na epoca 13 pra 14 anos, ja tinha namorado alguns garotos da minha escola, que logo perdi meu cabaçinho, adorei pois ficava me masturtbando diariamente, meus pais resolveram fazer uma reforma na casa, pois estava pequena para tanta gente, somos 5 irmaõs, tres mulheres, dois homens, então acertou com meu avô para ficarmos em suas casa que fica na mesma rua, ele é viúvo, ao se mudar para a casa do vovô, peu pai ocupou, um quarto, minhas irmãs, ficaram em outro, meus irmãos ocuparam o terceiro quarto me deixando para dormi com minhas irmãs em um colchonete, depois de uma semana comessei a reclamar de que estava sentido dores nas costas devido a falta de conforto, foi então que meu avô me fala, debora se voce quiser poderá dormi em meu quarto, a cama é espaçosa, desde que voce não ronque, falei ronco não vô, mais não quero encomodar o sr.Ele insistiu e resolvi me mudar para seu quarto, foi ate melçhor, pois tem um baneiro enorme com uma hidra, minha falou que eu não deixasse tudo desarrumado, concordei em mater tudo em seu lugar, meu avô tem 62 anos, alto, corpo atletico, pois é militar reformado, logo no primeiro dia estava eu tomando banho, quando vovô entra no quarto, ficou parado me olhando dentro boxe, não tive outra ação a fazer a não ser cobrir meus peitinhos e a bucetinhas com as mãos, ele se desculpou e saiu do quarto, terminei meu banho me troquei colocando um blusinha top, com um shortinho de lycra que mais parecia uma calçinha, chegar na sala, meus pais e vovô assistiam tv, me sentei junto a ele ficaando juntinha a ele, senti que ficou inquieto, tentou se afastar então lhe disse, esta tão bom juntinho de voce, ate me lembro quando voce me colocava no colo, minha mãe então me fala, pra que crtesceu, agora ficou uma moça, nõ me diga que esta querendo sentar no colo do seu avô, depois este seu shortinho mais parece uma calçinha , não fica bem andar assim, ai se levantou avisando que o jantar estava pronto, meu pai lhe acompanhou ficando eu sozinha com vovô, ai lhe falou desculpa vô, eu devia ter fechdo a porta do quarto, ele então me fala, tudo bem, na verdade ate gostei de te vê nuazinha, voce ficou muito bonita, fiquei encantada com suas palavras, fomos jantar, depois voltamos para a sala, ficamos por um bom tempo, então resolvi ir me deitar, ao chegar no quarto liguei a tv, não demorei a adormcer, acordei ouvindo barulho de agua no banheiro, era vovô tomando banho, ele se ensaboava de costas para mim, então comessou a tirar a espuma de seu corpo, foi se virando ficando de frente pra mim, ele lavando seu cacete não acreditei no vi, um cacete enorme e grosso em suas mãos, mesmo não estando duro era assustador, em em filmes da net eu tinha visto algo parecido, ele terminou o banho, colocou seu pijama de seda, sem cueca e foi saindo, fingi que estava dormindo, senti uma vontade grande de lhje abraçar e sentir o contato com seu pau cavalar, mais me contive, ele se deitou virado parado par mim, sentia sua respiração quase em meu pescoço, tal qual era sua aproximação, eloe foi se virando ficando deitado de peito pra cima, logo adormeceu, quem falou eu conseguia dormi, nõ me cançava de olhar para o volume que fazia em seu calção, ai resolvi me aproveitar da situação, figindo que estava dormindo me virei deixando meu braço sobre seu peito e minha coxa sobre seu cacetão, me encostei mais ainda sentido seu corpo quente, não demorou muito e senti que seu cacete estava crescendo, nisso ele comessa a falar coisas desconhexas como se estivese sonhando, ai seo virou pra mim, quase me beijando quis me afastar, mas ele deixou seu braço cair sobre meu ombro me puchando para junto dele, senti seu cacetão encostar em minha barriga e comessar a se movimentar, de repente a cabeçona do seu cacete sai do calção, ele ressonava, quando a cabeçona saiu mais um pouco me assustei com a grossura do cacetão, então não resisti e segurei na cabeçona, encheu minha mãozinha, comesseia alizar, saia um liquido qu molhou minha mão, fui deixando minha mão entrar em seu calção ai sim, senti o quanto era grande seu cacete, ai vovô acordou, tentei tirar a mão do seu cacete, ele segura e fala, continua, falei mais vô, eu não queria, mais não resisti, tudo bem, sei que quer me tocar, pode continuar, depois do que vi no banho me deixou muito excitado, tambem quero te tocar, quro beijar ste corpinho lindo, e beijar estes peitinhos durinhos, mais vô isso não e certo, o que meus pais vão pensar, ele então me fala, não pensa nada se voce não contar a eles, me virou e comessou a tirar minha blusinha, ergui os braços para facilitar, comessou a beijar meus peitinhos, desceu sua mão indo acariciar minha bucetinha , abri as pernas, ele afastou o shortinho e comessou a dedilhar meu grelinho, que logo ficou durinho, gemi aannnnnnnn foi um incentivo ai ele dirigiu seu dedão para a entradinha da minha bucetinha, quase gritei de prazer, me agarrei a seu pescoço, falei continua, ele socou o dedão inteiro, mais parecia o penis do meu namoradinho, gemi novamente, então ele me fala, minha netinha linda, ja não e mais cabaçinho, que bom, ai ele tirou o dedo da minha bucetinha, vai tirando meu shortinho ao vê minha bucetinha cabeludinha exclama como e linda, ai cai de boca, sugava que doia, comessei a soltar pequenos gritinhos, aaaiiiiiiiii, uuuuiiiiiiiiiiii, chupa, chupa voinho, nisso ele para, santa-se na cama e vai tirando seu calçao, quando finalmente tirou quase gritei, então falei, nossa vô que cacetão, isso arromba qualquer mulher, ele me fala não tenha medo que não vou enfiar ele em voce, venha sinta ele em sua mão, segura vai, segurei pelo meio, meus dedos não se fechava em torno dele, segurei com a outra mão acaricindo a cabeçona, comessei a punhetar como era quente e macio, nisso ele me fala, não quer chupar,fitei aquele cacetão e pensei, minha boquinha não cabe este monstro, chupa pediu ele novamnte, ai fui me curvando, abocanhei sua picona, tive que abrir a boca ao maximo, mal coloquei a cabeçona ele gemeu de prazer fiquei sugando o quanto podia, minha bucetinha se contria de tanta vontade de te-lo dentro de mim, mais eu sabia que não seria facil, so então ele me fala quero gozar com voce, não tenha medo, não vou te machucar, ai se levantou, me deitou, abriu minhas pernas e comessou a enviar su lingua em minha bucetinha, parecia um cacete me penetrando, prendi sua cabeça com as coxas e comessei a falar voinho que gostoso, me fz gozar, ai ele foi abrindo minhas coxas, foi subindo beijando meu humbigo, pssando a lingua eu tremia todo o corpo, chupou um peito depois o outro, ai senti seu cacetão encaixar em minha bucetinha, tremi com o contato do seu cacete, nisso ele segura no cacetaõ e comessa freccionar, eu olhava o cacetão indo e vindo, arriou o corpo sobre o meu e comessou a se movimenta, seu cacetão ficava preso entre nossos corpos, comessei a sentir prazer, comessei ter pequnos esparmos, minha bucetinha dava contraçoes anuncindo o gozo, ele stava acelerado, nos impulsos seus culhoes colava os lábios da buceta, era como se o cacetão estivesse dentro de mim, quem me dera, nisso ele vi se afastando e seu cacete adora dura como uma rocha volta a se encaixar na entradinha da bucetinha, suspendi as penhas ficando apoiada em seu ombro, ele pincelou pra cima e pra baixo, quando encostava na entrada fazia uma forçinha, então lhe falo, ai voinho como é bom, mais sei que não vou aguentar este cacetão, estou querendo mais estou com medo, tent somente a cabeçinha, estou quase gozando, me faz gozar vai, ai ele forçou a entradinha, quando a cabeçona ganhou caminho me abri toda, ai senti me buceta se enlargueçer, ele se movia lentamente mais o cacetão não entrava, pensei que ia doer, ai sim comessei a sentir que ia gozar, gritava aiiiiiiiiii voinho que gostoso, vou gozar, vou gozar, mexe, mexe, bota mais um pouquinho sei que aguento,aaaaiiiiiiiiiiiiiiiiii enfia, enfia, vem vem, ele deixou seu peso arriar, ai o cacetão entrou com tudo, gritei ta bom, ta bom, nisso fui gozando, nunca tinha sentido tanto prazer, pedi goza tambem, vem goza, goza, senti uma torrente de porra me inudando, ficamos abraçado, seu cacetão pulsava dentro de mim, qundo ele tirou o cacetõ ainda duro, via marca de quaato tinha entrado, não mais que uns 8 ou 10 centimetro, falei vô que mulher aguenta este cacetão, pensei que tinh entrado muito, ele então me fala, voce vai pedir pra enfiar ele todinho, pois eu não esperava de colocar mais que a cabeça, o caminho esta aberto, vamos gozar muito minha pequena, mais vô sou magrinha será que vou aguentar todo este cacetão, não tenha pressa minha querida, sua avó passou uns quinzes dias pra mim enfiar somente a metade, nos abraçamos eu estva feliz, agora sim eu ia conseguir dormir, beijos a todos, ate breve………..Tchau

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,34 de 38 votos)

Por # #

8 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Lara

    Me masturbei

  • Responder Amigo PZD

    Caralho conto da hora. Deixa telegran para trocarmos ideias

  • Responder Pqp

    Tava tendo um AVC quando resolveu escrever o conto, é? Pq pqp

  • Responder Ivorc7

    Delicia de conto, espero a continuação

  • Responder Gio

    Delicia de conto, queria eu uma novinha assim! Muito tesao
    @giojr69 telegram

  • Responder Vantuil OB

    Delicia. Esperando a continuação. Meu pau de 19 cm tá que é uma rocha lendo.

  • Responder junior

    Faltou só colocar parágrafos e pontuação. usa o corretor ortográfico do wold antes de postar e revisa.

  • Responder Neto incesto

    Continua