# #

Na fazenda do seu Damião

819 palavras | 1 |5.00
Por

Dona Odete nos chama para conhecer a fazenda de um conhecido #scat #orgia #incesto #família #lésbicas #gays #bissexual

Oi, meus amores. Como vocês estão?

Para ler este conto, eu sugiro ler os anteriores para não se perder e não reclamar dizendo que o conto não têm nada a ver. Minhas narrativas não seguem uma ordem cronológica absoluta.

Outro dia fui pagar o aluguel para dona Odete (quem não se lembra, ela é a dona das kitnets) e ela me chamou para passar um final de semana na fazenda de um amigo.

No povoado onde moro, quase todos os homens trabalham nas fazendas próximas. Passa um caminhão de cada fazenda toda segunda às 5 horas da manhã e eles só voltam na sexta às 4 da tarde. O povoado fica quase sem homem a semana toda. Meus clientes não são os homens do povoado, e sim os caminhoneiros que passam na estrada e dão uma parada no motel do posto.

Na sexta, passa uma Ford Ranger em frente ao prédio e, como eu tinha combinado com dona Odete, embarcamos eu, minha filha Maiara, dona Odete e minha namorada Lucia e no carro estava Maurício, o motorista e caseiro de seu Damião:

Maurício: – Odete, você está linda.
Odete: – Você que está gato. Se não fosse casado, te colocava em casa.
Maurício: – Ochê! Seu marido não têm um ano que morreu. Respeita o defunto, Odete rsrsrsrs. Quem é essa indiazinha linda?
Maiara: – Meu nome é Maiara, tio.
Maurício: – Sério? Que lindo nome. Você vai adorar conhecer minha filha Natália.
Maiara: – Que legal, tio. Do que ela gosta?
Maurício: – Ela gosta de ficar peladinha com as amiguinhas. Você gosta de ficar peladinha, Maiara?
Maiara: – Eu adoro ficar pelada perto dos outros, tio. Minha pepeka tá sempre com vontade.

Odete sentou no banco ao lado de Mauricio enquanto eu, Maiara e Lucia estávamos atrás. Eu beijava Lucia ardentemente provocando Mauricio e Odete. Mauricio é um quarentão, forte, de cabelos curtos, semblante sério e pele morena. Usa óculos, trajava uma camisa de manga curta e calças jeans. Nos pés, um desses tênis de marca que nem sei o nome…

Fomos conversando abertamente. O caminho demorou três horas até a fazenda. No meio do caminho, Maiara reclamou que estava com vontade de fazer xixi e cocô e Mauricio perguntou para mim se ela podia fazer na roupa. Disse que sim, e que era normal isso para nós e Mauricio disse que não tinha problema, que ele limpava o carro depois. Maiara começa a mijar e cagar na calcinha e suja o banco com o xixi e o cocô que vazavam de sua calcinha.

Chegando na fazenda, uma garotinha de uns 7 anos, magrinha, morena e de olhos verdes vêm correndo e gritando: – Papai!. Era Natalia, a filha de Mauricio. A menina estava peladinha e toda molhada. Ela é uma gracinha, bem magrinha, cabelos abaixo dos ombros um pouco encaracolados, lábios rosadinhos e finos, olhos verdes, bundinha pequena e magrinha mas com um púbis avantajado. Uma bucetinha que, ao mesmo tempo que era pequena, era bastante inchada. Muito gostosinha.

Mauricio pega a filha no colo, apresenta Maiara e diz para levá-la para brincar com as outras crianças. Maiara tira a roupa e sai correndo com Natalia, com o bumbum sujo de cocô mesmo. Natália leva Maiara para um chuveiro onde ela se lava e segue para a área da piscina.

Odete nos leva e até a área da piscina e nos apresenta a Damião e Rochelle, sua esposa. Eles nos cumprimentam e dizem que é um prazer a nossa visita. Rochelle chama a mim e Lucia e nos leva para um quarto com uma cama de casal e uma de solteiro e diz para que possamos nos acomodar ali. A casa grande é enorme, tem uns 10 quartos.

Voltamos para a área da piscina, passamos pela cozinha onde as empregadas de Damião faziam o almoço. Além de nós estavam também Liliane com sua filha Carol e seu marido Breno e um casal amigo de Damião (Julia e seu marido Jonas, com seus filhos Lucas de 14 anos, Andreia de 10 e Rodrigo de 7). Damião e Rochelle tinham 3 filhos, Marta de 15 e os gêmeos Luciano e Vanessa de 12.

Até a hora do almoço estava tudo tranquilo. Estavamos todos nus, com exceção dos empregados. As crianças brincavam na piscina tranquilamente. Fomos almoçar e devo dizer que nunca vi um banquete tão gostoso. À tarde voltamos a tomar sol, as crianças continuavam brincando na piscina ou jogando bola até que Luciano e Vanessa começam a cagar no matinho ao redor da piscina. De repente ouço Marta falando: – Que comecem os jogos!

No próximo capítulo conto como começou a orgia.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 5 votos)

Por # #

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Euzão

    Odete já teria contado a Maurício a naturalidade dw Maiara em se cagar e mijar.
    Como sempre… Seus contos me despertam bastante tesão!
    Amaria passar a noite a lamber sua buceta cheirando a mijo!