# #

Menagee com colega de trabalho

1413 palavras | 0 |4.33
Por

Conheci Elizangela logo nos primeiros dias de trabalho, era uma atendente aplicada, e era encarregada do setor, com o tempo e com as conversas percebemos uma atração da parte dos dois, ela era casada e na época não tinha filho. E conforme fomos nos conhecendo percebemos que tínhamos muito em comum, principalmente quando o assunto era sexo. Ela era safada e recatada, estava presa em um casamento pacato e monótono enquanto eu viciado em sexo passava mais ou menos pela mesma situação. Com um sexo monótono e repetitivo em casa, então com os assuntos cada vez mais quentes era inevitável que uma possível relação fosse começar, mas não foi logo de cara que aconteceu. Primeiro conversamos bastante nas redes sociais, sempre com charadas entre outras coisas no decorrer do assunto sobre sexo entre nós, em um certo dia ela perguntou se eu tinha uma camiseta preta para emprestar para ela, perguntei para o que ela queria, e ela disse que era para um esquema e não falou mais nada, o assunto acabou ficando por isso mesmo, então no dia seguinte quando nos encontramos no trabalho perguntei porque ela queria uma camisa preta as 2 horas da manhã com tanta urgência, ela apenas respondeu que era para um esquema, na hora brinquei falando para ela me convidar para esses “esquemas” ela deu risada e disse que ia ver, que se desse certo me chamaria, aquilo me deixou curioso e excitado, na hora o bicho ficou duro, então não deixei ela ir embora sem me falar o que seria esse tal esquema. Insisti tanto para ela falar que ela resolveu contar, pediu para não contar para ninguém, e me disse que na noite passada tinha ido pela primeira vez em uma casa de swing com o marido, que ele tinha topado e que ambos tinham ido, mas que no local só era permitido entrada com camisetas preta,  para todos, por isso ela tinha me pedido. Na hora fiquei louco falei para ela me convidar e uma hora a gente ir junto como se eu e ela fôssemos casal, porque até esse momento a gente falava muita putaria mas nunca tinha oficializado a vontade que tínhamos de transar um com o outro, mas então ela me falou que a ideia dela era falar com o marido dela de marcar alguma coisa entre eu ela e ele, que ela queria dar para nós dois. Aquela revelação me deixou extremamente excitado, eu disse para ela que fazia tempo que estava afim, ela respondeu que sabia e que também estava e que agora que descobriu que o marido era cabeça aberta ia propor a ele. Pois bem depois dessa conversa fiquei o dia e a noite apreensivo esperando o próximo dia para ouvir a resposta. No outro dia ela chegou e me chamou logo na entrada do trabalho, falando que o homem tinha topado e que se eu quisesse seria hoje mesmo. Na hora me enchi de tesão e falei que topava e que a noite a gente saia junto e iríamos na casa dela que o encontro ia ser lá.

Passei o dia pensando nisso, em como seria, com um pouco de medo do primeiro encontro com o marido dela, mas logo que acabou o dia ela saímos junto e fomos direto para a casa dela, chegando lá logo conheci seu esposo, ele foi bem legal e tranquilo comigo, até fez piadas sobre a noite. Logo de entrada fomos tomar um banho os 3, entramos no banheiro primeiro ela e eu logo atrás com seu marido, ele apenas sentou e disse que primeiro queria olhar eu foder a vagabunda da esposa dele. Aquilo me encheu de tesão, primeiro a gente começou a se beijar, logo eu peguei uma esponja para banho e comecei a lavar ela, passava a mão por todo o corpo, enquanto dava junto um banho de língua,  mamei muito naqueles peitos,  eram médios para grande, ficavam escondidos com o uniforme do trabalho mas sem roupa dava para ver o potencial dela, depois de um banho de língua, ao qual ela gemia muito ela pegou a esponja e disse que seria a vez dela de me chupar, e igualmente me deu um banho com aquela língua maravilhosa e aquela boca, seu marido batia uma punheta frenética enquanto ela chupava meu pau vorazmente. Logo após o banho ainda sem roupa fomos para seu quarto, já de chegada seu marido botou ela de quatro enquanto socava o pau na boca dela, eu prontamente me acertei atrás dela, com a camisinha já pronta e comecei a socar na buceta dela, estava inchada e encharcada, babava caldo de buça, ela gemia e o seu marido a xingava excitado chamando ela de vagabunda gostosa de puta mamadora, ficamos nessa posição por um tempo, depois invertemos, depois de um tempo seu marido deitou na cama enquanto ela deitou em cima para cavalgar, prontamente ele ofereceu o cuzinho dela para mim. Na hora aceitei ela estava com um sorriso estático, disse que era para aproveitar que ela adorava dar o cu. Sem piedade enquanto o marido metia por baixo, eu chegava por cima e socava no cu. Ela estava com os dois buracos preenchidos, ela gemia forte enquanto a gente socava com força e xingava ela, eu pegava das tetas dela enquanto enfiava o mais fundo possível, queria mostrar o meu potencial, queria fazer ela sentir dor. Ela pedia calma que doía quando entrava fundo eu ficava feliz em ouvir isso. Depois de um tempo nessa posição seu marido acusou o gozo, ela tirou o pau dele e pediu na boca, eu não tirei o meu do cu, então enquanto eu socava firme cu a dentro ela ganhava porra nas tetas em minhas mãos ainda, eu como não tenho frescura nem nojinho esfreguei aquela porra nas tetas dela ela estava estática e encharcava a cama com seu orgasmo, eu não queria gozar então trancava o gozo, seu marido estava cansado então sentou do lado da gente enquanto eu socava em sua esposa, depois de um tempo no cu, deitei ela com a bunda para cima e segui socando na buceta, socava direto, ela gemia pedia mais, eu mordia sua nuca e chamava ela de puta, logo ficamos de ladinho e seu marido começou a endurecer de novo e deu a piça pra ela chupar, logo ele estava de volta no jogo, dessa vez ele pediu o cuzinho pra ela, e mais uma vez fomos pro sanduiche, com eu na buceta e com ele no cu, eu limpei suas tetas e peguei uma para mamar enquanto socava nesse sanduba gostoso. Depois de um bom tempo revezando posições já não aguentava mais segurar o gozo falei que queria gozar, ela prontamente pediu para me punhetar pq não aguentava mais dar tbm para nos. então eu fiquei em pé em sua frente enquanto seu marido ainda comia sua buceta, e ela ficou me punhetando, logo após algumas estocadas eu gozei loucamente em sua cara, boca e peitos, uma porra grossa e branca e em grande quantidade, ela ficou toda lambuzada e satisfeita, seu marido logo gozou tbm só que  dentro da bucetinha de sua puta. caímos no cansaço na cama os três ela no meio e um homem em cada lado, depois de um tempo de descanso falei que teria que ir embora e que se ela quisesse repetir um dia que me chamassem que eu queria muito participar. cheguei em casa extremamente satisfeito e feliz, havíamos ficados horas trepando,  e em outros dias a frente repetimos a dose, depois eu comecei a transar só com ela, pois seu marido não andava mais afim de dividi-la com ninguém, então nós trepávamos escondido, mas logo ela ficou grávida (de seu marido eu espero) e acabamos por perder o contato sexual, hoje ainda temos contato, mas depois do filho nunca mais rolou nada, ela diz que está quieta agora e focada em seu filho.  Espero que um dia ela volte com o fogo e me convide para repetir a dose.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,33 de 9 votos)

Por # #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos