#

Como descobrir o tesão: Ismael, amigo do Eriberto – parte 2

882 palavras | 1 |5.00
Por

Mais uma foda com Ismael, dessa vez quase fomos pegos.

Alguns dias se passaram desde o dia que transei com Ismael e a vida seguia normal, continuava sem ter contato com ele ou com Eriberto, apenas os via quando estavam trabalhando, mas mal nos falávamos. Mas um certo dia eles encerraram o expediente mais cedo e Ismael aproveitou para vir em minha casa procurando por mim. Fui ver o que ele queria, ele então me fala que não iria mais trabalhar aquele dia e que seus pais e irmãos sempre saiam no horário da tarde e ele ficava sozinho em casa, por isso se eu quisesse, poderíamos aproveitar para transar novamente.
Inicialmente me mostrei relutante quanto a ideia, pois ainda tinha viva na memória a lembrança do que ele havia feito sem minha permissão. Vendo que se tratava do que havia acontecido, Ismael me acalmou falando que não me preocupasse, pois ele faria apenas o que eu quisesse. Cartas postas em jogo, achei uma boa proposta e combinei de lhe encontrar em sua casa por volta das 14 horas, horário em que todos os seus familiares já haveriam saído. Cheguei no horário marcado e ele logo me chamou para entrar, fechando rapidamente a porta para que ninguém me visse entrando.
Sem perder tempo, Ismael começou a me beijar e a pegar no meu pau, que já estava duro desde que ia no caminho pensando no que ia rolar, o estranhamento do beijo dessa vez não foi tão grande, mas estranhava a vontade que meu amigo demonstrava em fazer aquilo, parecia até que não fazia aquilo a anos. Em pouco tempo estávamos despidos, nos agarrando na sala, e vendo uma rede armada que havia lá, Ismael deitou-se nela levantando bem as pernas e dizendo para mim meter nele ali mesmo, mas devido a altura em que ele ficava, não obtivemos êxito na penetração, então fui chamado por ele para ir até o banheiro pois lá havia um creme que poderíamos usar para lubrificar melhor.
Já no banheiro, começamos a nos beijar novamente, já estava até tirando o atraso do tempo que não beijava ninguém 😉. Parando um pouco, Ismael pegou o creme que havia citado antes e passou bastante em seu ânus, logo após colocou a perna em cima do vaso sanitário e se apoio na parede empinando bem a bunda pra mim meter, a melhor lubrificação facilitou muito a penetração, meu pinto pareceu escorregar para dentro dele, que por sua vez demonstrava apenas tesão, vendo que estava gostoso para ele também, comecei um movimento de cintura rápido, tirando quase até o final e metendo de volta, por vezes até chegava a deslizar para fora, mas rapidamente metia de volta. Nossa transa estava melhor que a primeira vez, ambos estavam curtindo bastante, até que de repente alguém bate na porta.
Era a irmã de Ismael, ela chamava por ele dizendo saber que ele estava em casa e gritava dizendo para que abrisse a porta, além de bater na porta e tentar forçar para abri-la. Nesse ponto, nosso tesão havia dado lugar ao medo e desespero, se ela sabia que ele estava em casa, não iria embora sem entrar em casa, eu quis fugir pelo cercado de trás, mas minhas roupas estavam na sala, não podia sair pelado e tinha medo de ela me ver por alguma fresta da porta, portanto, restava apenas esperar e rezar para que ela desistisse e fosse embora. Nossas preces foram ouvidas, depois de alguns minutos insistindo, a irmã de Ismael foi embora nos deixando sozinhos novamente.
O susto havia sido grande, tanto que o clima havia esfriado, mas não queríamos desperdiçar aquela chance, e eu já havia ido longe demais, não iria para casa sem nem ao menos gozar, assim começamos a nos beijar novamente, aos poucos o tesão começou a retornar. Seguindo instruções de Ismael, me sentei no vaso sanitário e segurei meu pau apontando para o teto, em seguida ele veio sentando em cima do meu pênis, que ia sumindo aos poucos, parou somente quando soltou todo seu peso em cima de mim, que estava adorando a sensação dele sentado com meu pau todo cravado dentro do cuzinho dele. Logo ele começou a subir e descer, enquanto eu assistia de camarote meu piruzinho sumindo ao entrar no buraco do meu amigo e reaparecendo logo em seguida. Aquilo foi demais para mim, não consegui aguentar por muito mais tempo e soltei vários jatos de porra no cuzinho dele.
Ainda com receio de aparecer novamente alguém que viesse querer entrar na casa, me limpei rapidamente e fui me vestir, Ismael ainda pelado foi abrir a porta da casa para que eu pudesse ir embora, pois assim que eu saísse ele iria tomar banho. Sai da casa apressado rumo a minha casa, ainda com medo de ser visto por algum curioso que pudesse vir a falar bobagens, enquanto Ismael foi tomar seu banho para tirar o suor e toda a gala que eu havia depositado no seu cuzinho. Assim termina mais uma das minhas fodas.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 4 votos)

Por #

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Saulo

    Muito bom 😃, esperando continuação