# #

Casando com uma menina de 9 anos, parte 2

2002 palavras | 6 |4.70
Por

Continuando o conto anterior: Casando com uma menina de 9 anos, legalmente. Essa é a parte 2.

A minha namoradinha de 8 anos ficou um pouco triste por eu não deixar ela me chupar por vários dias. Eu achei que ela tinha só raspado o dente quando eu gozei, mas quando ele ficou mole, se mostrou dolorido e com marca. Ela queria saber como estava, eu explicava que iria melhor logo, mas ela tinha que esperar.
Não deixando ela ver, apenas curtindo beijar e apalpar seu corpinho. Eu era muito viciado na sua bundinha arrebitada e carnuda. Seus lábios ficavam vermelhos de tanto beijar e dava tesão lembrar como a boquinha envolvia o meu pau. Ela mordia os lábios quando eu ficava masturbando-a. Com o passar dos dias, ela insistia para eu mostrar o meu pau. Se sentia culpada, mesmo eu sempre dizendo que não era nada. O problema é que a marca ficava aparente só com o meu pau mole, e aquela garota deixava ele duro fácil.
Com o tempo, eu mostrei para ela. Ela se aproximou e fez um “exame” físico. Deu beijinho e ele foi ficando duro. Quando percebi, ela já estava chupando ele carinhosamente. Eu fiz o esforço para tirar ela (não por que ela não queria, eu que não queria tirar ela). Estava quase curado, então não deixei ela nem ver mais. Sempre dormia só de cueca, agora eu estava dormindo de cueca e bermuda de futebol (que dava para amarrar).
Em todo os momentos, eu sempre fui carinhoso e atencioso. Dando presentes e cuidando dela. Sempre levava ela junto no shopping com os meus irmãos, e minha família sempre cuidoi da mãe dela e de seus irmãos. O Pai dela tinha sumido.
Eu realmente a amava, mas sabia que eu iria pagar muito caro se fosse manter essa relação por muito tempo. Pensei em curtir com ela até me formar, depois eu trabalharia de dia e a falta de tempo e oportunidade iriam nos afastar de forma natural.
Ainda faltava meses para terminar o tcc, e eu iria aproveitar cada momento, sentir e curtir cada parte daquele pequeno e delicioso mal caminho de 8 aninhos.
Quando melhorei, ela logo voltou a me chupar deliciosamente. Com o tempo ela começou a se acostumar com o tamanho. Ela também estava crescendo, mas ela aceitava a cabeça do meu pau mais perto da sua pequena garganta.
Colocar um pau do tamanho de uma lata grande de redbull, 473 msl, não era fácil para alguém tão pequena. Quando tomarem redbull, compre a lata maior em minha homenagem.
Para melhorar, eu comecei a mostrar vídeos de garotas engolindo o gozo dos homens, eu queria que ela acreditasse que era normal as garotas engolir tudo. Eu usava vídeos de sites X e vídeos “proibidos” que eu baixava no emule. E como ela estava empenhada, fomos aos poucos acostumando seu “paladar”.
Eu evitava deixar ela deita em cima de mim, preferia fazer ela se ajoelhar quando me mamava gostosamente. A língua não era tão gostosa quando inverso, mas ainda era deliciosa e ela ainda sugava com gosto e força. Eu me deliciava ver aquela mulatinha de olhos castanhos escuros, bem…
Quero que vocês imaginem. Uma mulatinha que fazia uma expressão de safada em um rosto infantil. Era uma briga entre ar de safada e de inocência e me deixava maluco. Agora ela me olhava assim, com um pau grande (que parecia ainda maior em alguém tão nova) na boca. Suas bochechas ficam num vai e vem de contração cada vez que ela fazia uma sucção. Chupava forte e olhava nos meus olhos. Passava a língua na cabeça do meu pau e chupava forte. A boca bem aberta, e os lábios ao redor do meu grosso pau e ela chupava com força. De novo e de novo e de novo.
Eu queria não olha, queria tentar não gozar muito rápido. Na época não tinha câmera digital portátil, a imagem era deliciosa e deveria ser guardada para sempre.
Para evitar acidentes, eu avisava que estava quase gozando, ela se preparava para não se afogar. Faltando muito pouco para gozar, eu dizia “agora”. Ela mantinha o pau na boca, só afastava um pouca da garganta e usava a língua para não deixar o jato do meu gozo afogar ela. Para mim era delicioso gozar naquela pequena e inocente boca. Sem pressa, depois ela ia com a boca cheia cuspir no banheiro, caminhava com a boca cheia do meu gozo.
Aos poucos ela se acostumava. No início ainda fazia cara de nojo, logo parou de ter nojo e depois estava até acostumada. Algumas vezes começou a engolir e foi o mesmo processo, primeiro ela sentia nojo de engolir, depois não sentia mais, e no final ela engolia normalmente. Só que agora ficou muito mais especial.
Ela era muito empenhada em me fazer gozar, então um dia ela veio e me fez deitar. Ela deitou-se em cima de mim e deixou aquela deliciosa bucetinha e bundinha ao meu dispor. Eu gostava de ver ela me chupando, e de ver seus olhos infantis expressando safadeza, mas essa posição também era gostosa. Ela começou a me masturbar e me provocar. Eu ficava esperando o calor da sua boca abraçando o meu pau. Mas ela dava beijinho, masturbava vagarosamente, passava a língua na cabeça e ficava me provocando. Eu estava a mercê dessa putinha. Depois de longos minutos ela finalmente começou a colocar o meu pau e sua pequena boca. Quando entrou bastante, ela brincava com a língua um pouco antes de começar a sugar forte. Não sei se era por que eu gozava muito, mas agora ela estava fazendo uma preliminar da preliminar.
De novo fui as estrelas, ela sugava forte o meu pau. Cada sucção parecia que iria sugar minha alma. Mas eu não sentia qualquer desconforto, só forte prazer. Ela sugava e o meu pau entrava um pouco mais. Chupava forte e passava a língua. Chupava como se estivesse com muita fome. Chupava e chupava, cada vez mais forte e com o meu pau mais dentro da boca. Eu avisei que iria gozar, esperava ela se preparar, mas desta vez ela começou a chupar ainda mais forte fazendo o meu pau entrar ainda mais em sua pequena boca. Eu não conseguia ver, como eu queria ver.
Gozei. Gozei como um cavalo no fundo da boca dessa menina. Mas o especial agora foi que ela não parou de chupar forte. Ao contrário, ela aumentou a força da sucção e aumentou a frequência de cada forte chupada. Era delicioso ela me chupar, era delicioso gozar na boca dela, mas essa foi a primeira vez que acontecia as duas coisa. Eu gozava fundo na garganta dela, e ela chupava com mais força. Cada longo jato de porra em sua garganta, mais força ela fazia. Eu achei que iria ter um ataque com tanto prazer. Ela não engastou comigo gozando diretamente na garganta dela. E ela sugando dessa forma, tive a impressão de ter gozado o dobro da quantidade normal, talvez o triplo.
O pau fica ainda mais sensível quando estamos gozando, e ela chupando com força me levou as estrelas.
Ela saiu de cima de mim depois de deixar o meu pau amolecer ainda dentro da boca dela. Deitou cansada ao meu lado. Não tinha nada do meu gozo em seus lábios, nem ao beijar ela eu senti o gosto, definitivamente ela engoliu o jato que foi direto na garganta. Bem, eu acho que foi isso, pois eu não conseguia nem falar, apenas respirava fundo. Dei um beijo gosto e carinhoso nela. Depois de um tempo, eu lembrei ela que a amava, e ela disse que me amava.
Nós homens nos sentimos compelidos a fazer sexo. Eu não poderia penetrar essa menina tão nova, que ficava tão pequena perto de mim. Ainda mais tento um pau acima da média. O máximo que a gente fazia era se esfregar nos dias que ela vinha de saia. Ela tirava a calcinha e sentava no meu rosto. Eu a chupava até ficar bem molhada, ela vinha e sentava em cima do meu pau. Ficava esfregando e as vezes botava a cabeça na portinha e ficava forçando, a cabeça nunca entrou e eu nunca forcei. Gozar na garganta dessas meninas já era maravilhoso, eu não queria machucar o meu brinquedo.
Por muitas e muitas vezes eu gozei fundo na garganta dessa linda menininha. Algumas vezes ela se afogava, mas eu nunca forcei nada, ela que sugava e fazia entrar mais fundo em sua boca. Algumas vezes eu tirava um pouco antes de gozar, dava o primeiro jato nos lábios e depois enfiava fundo. Assim ela me chupava e o gozo ficava escorrendo por fora, enquanto outros jatos iam diretamente na garganta dela. Tive muito trabalho em conseguir alguém dessa idade tão empenhada em me fazer gozar, e gozar na garganta e me olhando nos olhos.
Eu estava terminando a apresentação do meu tcc, e ela iria fazer 9 anos. Convenci os meus pais a darem um computador para ela. E eu? Fui na escola onde meus irmãos estudam e fiz um acordo. Ela iria ganhar uma bolsa de estudos, desde que eu fizesse doações anuais para a instituição. O diretor era do Rotary Club junto com meu pai, ele facilitou. O que foi muito bom, já que ninguém ficaria perguntando por que eu pagar os estudos dela. Sem eu prever, no futuro ela conseguiu fazer faculdade de graça pelo Prouni. (para alunos de escolas públicas ou de que tenha estudado de graça em escolas particulares). Mas eu explico depois.
Gozei muito, muito mesmo. Ela me usou e eu usei ela (muito), mas eu não saí impune desse namoro.
Quando eu me formei, nos afastamos e ela começou a ter contanto com o meu irmão mais novo. Eles estudavam na mesmas escolas e ela era muito safada, e precisava de alguém para apagar o fogo. (teoria minha, provavelmente foi culpa do meu irmão sem vergonha, igual a mim). Eu não sei os detalhes, mas enquanto eles fazia safadeza, ela contou que eu tinha um pau muito maior e mais gostoso. Não sei por que ela fez isso, mas o mimado do meu irmão fez merda. Ele ficou puto e contou para os meus pais. Ele era adolescente e não tinha “problema” ele curtir com uma novinha. Hipocrisia, claro que ele também fez errado, mas só eu fui o vilão. Sem eu perto para incentivar o silêncio dela, ela acabou contanto duto e bem, resumindo, deu merda.
Não tinha sido a primeira vez que eles me pegaram fazendo isso com alguém tão novinha. Na época eles achavam que era coisa de adolescente, bla bla bla, e agora eu era um adulto. Achavam que a mãe dela estava cuidando dela. Bem, eles criaram um monte de teorias para provar que eram bons pais, e eu que era o filho ruim.
A menina disse que iria se matar se acontecesse algo comigo. E eu fui convencido a fazer um mestrado na Coreia do Sul. É longe pra caralho, e é uma língua difícil de aprender.
Desde que o presidente Lula apareceu com as mãos sujas do petróleo de pré sal, o estaleiro da família cresceu muito. E a Coréia do Sul era uma fornecedora de tecnologias e peças de perfuração. Usando a influência da família, fui lá fazer mestrado.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,70 de 54 votos)

Por # #

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Comedor de Zé Mané

    Gozei
    Espero gozar na parte3

    • Comedor do Comedor

      Vai gozar sim vacilão,quando você sentar no meu pau

  • Responder Zé Mané

    Se você é tão bom com números como diz,já que é engenheiro,me fala:quanto você tem que abrir a bunda pra mim colocar meu pinto dentro?

  • Responder Up

    Ups
    Faz continua

  • Responder Redbull

    De novo

  • Responder Catarina

    Muito bom. Você é de onde?