# #

Perdendo o cabacinho aos 7 anos

1212 palavras | 1 |4.94
Por

Me chamo Lucas, atualmente tenho 35 anos esse é um conto verídico que aconteceu a muitos anos atrás, precisamente quando tinha recém feito 7 anos

Essa é uma continuação do conto Sendo Iniciado aos 7 anos. Recomendo que leia antes!
/2020/11/sendo-iniciado-aos-7anos/

Depois do grande aprendizado que tive com Luiz no dia anterior, olhava os meninos no parquinho do prédio e tentava imaginar como seria seus pintos, mas uma coisa não saia da minha cabeça, a língua do Luiz no meu cuzinho, e o gosto do seu pinto grosso, minha vontade de sentir novamente o gosto do leitinho era grande. Minha curiosidade pelo sexo estava aflorada, não entendia o que estava fazendo , mas estava adorando fazer. Luiz tinha me pedido para ir à trade no seu apartamento pois no horário da manhã estaria trabalhando, o tempo não passava estava muito ansioso para brincar e experimentar tudo que ele falou que poderíamos fazer. Aperto a campainha, Luiz me atende com um sorriso no rosto, meus olhos escorregam pelo seu corpo, hoje ele está somente de cueca branca.
— Entra amigão.
Entrei e fui direto para seu quarto, sentei na cama, Luiz para em pé na minha frente, sem vergonha começo a passar a mão por cima da sua cueca, o pinto já estava muito duro, senti ele pulsar na minha mão.
— Gostou do meu pau, hoje vamos brincar de uma coisa nova, mas antes tira ele pra fora e da uma chupadinha.
Tirei aquele pinto grosso, e novamente senti o seu cheiro, um cheiro que agora me hipnotizou, passei a língua na cabeça, o gosto salgado invadiu minha boca, a dificuldade que tinha pra chupar devido a grossura era grande. Senti uma mão na minha cabeça, me empurrando contra o pinto, abro bem a boca, e deixo ele enfiar seu pinto até onde consigo, mas quando chega na minha garganta me afogo, ele tira seu pinto espera um minuto e tenta novamente, fico nessa brincadeira me engasgando por um bom tempo, Luiz manda tirar minha cueca e ficar de quatro na cama, em poucos segundos estou sentindo sua língua no meu rabinho, me deixando louco com meu pintinho durinho.
— Vou colocar um dedinho nesse rabinho, se doer me fala.
E sinto um dedo áspero forçando meu cuzinho, manda eu chupar seu dedo e coloca novamente no meu cuzinho e dessa vez começa deslizar pra dentro, doeu um pouco mas a sensação estava muito boa, Luiz começou a fazer um movimento de vai e vem, vendo que meu cu estava relaxado e não reclamei, tirou o dedo do meu cuzinho, e tentou colocar dois dedos, entrou com mais dificuldade, doeu pouco, mas aguentei calado.
— Estou vendo que o putinho vai aguentar meu pau no rabinho sem reclamar, quer sentir ele?
— Quero, mas é muito grande, não vai me machucar?
— pode ser que doa um pouquinho no início que você não está acostumado, mas vou deixar seu cuzinho bem preparado para você não sentir dor,vem aqui e senta com esse cuzinho na minha cara, e chupa meu pau pra deixar bem babado.
Passava a língua por todo o pau, e voltava a chupar a cabeçona que babava muito na minha boca, sentia um gosto que me hipnotizava, Luiz caprichava no meu cu, sentia sua língua percorrer todo meu cuzinho ao mesmo tempo sentia um dedo abrindo ele. Luiz me posiciona em pé, e me inclina de encontro a cama fiquei com minha bundinha virada pra ele, e sinto sua língua no meu cuzinho.
— Amigão, sei que meu pau é muito grande pra você, mas meu tesão de sentir seu cuzinho me deixa louco. Vou começar a colocar a cabeça, se doer me avisa que paro.
— Tudo bem tio, pode coloca seu pinto.
Sinto o cabeção forçar meu cuzinho, Luiz forçava, e nada do pinto entrar, enfiava um dedo, dois dedos, e chegava na hora do pinto e nada. Vejo ele se levantar e ir na cozinha, volta com um pote de manteiga, passa no pau e volta a tentar me penetrar.
— Faz uma forcinha come se fosse fazer cocô, assim consigo enfiar em você.
E eu fiz a tal forcinha. E sinto a cabeça rasgar meu cuzinho, sinto uma dor terrível, chego a ver estrelas, e no impulso acabo tirando o pinto do meu cuzinho
— calma cara falei pra voce que não ia ser fácil, mas pode ter certeza que faço com calma pra voce se acostumar, mas você tem que aguentar ele lá dentro para se acostumar com ele, se não fizer assim vai doer.
Luiz esperou me recuperar, e tentou novamente. Sinto a cabeça rasgando minhas preguinhas, e a dor volta novamente.
—Para tio tá doendo muito, é muito grande.
Falei com lagrimas nos olhos, Luiz não tirou o pau do meu cuzinho, sinto minhas preguinhas rasgarem.
Luiz ficou parado, sinto a cabeça do seu pau latejando no meu cuzinho.
— Delicia de cuzinho, tão apertadinho, quero te foder todo dia, deixar ele bem aberto, vou te fazer virar minha putinha.
Passo a mão por trás para sentir o quanto do pinto tinha entrado, e vejo que só a cabeça estava dentro de mim.
— quer que eu coloque mais em você?
— só mais um pouquinho.
Falo choramingando.
— coloco ele devagarinho se doer eu tiro.
Luiz enfia aquele pintão em mim, meu cuzinho se dilata, e começo a chorar, Luiz tinha um pau muito grosso, comparando seria como uma lata de Rexona spray, estava doendo muito. Com toda a calma Luiz esperou meu cuzinho se acostumar e a dor se transforma em algo bom e cada centímetro que entrava era uma gemidinha, a sanção de sentir preenchido era maravilhosa estava adorando a brincadeira, e a dor parou e comecei a sentir prazer, começaram as bombadas, Luiz pega no meu pintinho durinho, e começa a tocar uma punhetinha, o ritmo da foda estava aumentando.
— caralho, to com meu pau quase todo dentro de você, quer todo ele dentro de você?
— quero tio.
Luiz segura minha cintura e o pau escorrega todo para dentro, e sinto os pentelhos encostarem em mim, a dorzinha volta. Passo a mão, e não acreditava que estava todo dentro de mim, conforme as estocadas as vezes sentia uma dorzinha, mas não que me fazia pedir para parar.
— agora empina bem a bundinha que vou gozar… Aiii.. que delícia … que rabo guloso… Toma leite seu viadinho.
E sinto os jatos do leitinho quente ser despejado dentro de mim, as estocadas fortes fazendo meu cuzinho rasgar mais ainda. Quando ele tira o pinto sai muita porra e sangue.
Luiz me leva para o banheiro verifica todo o estrago que fez na minha bundinha, me dá um banho, lava bem meu cuzinho que ardia muito, estava muito preocupado se não tinha me machucado estava muito preocupado se tinha me machucado, mas o sangramento foi só minhas preguinhas que tinham ido embora, pego o sabonete e lavo o pauzao de Luiz enquanto isso ele me orientava fazer cocô antes de brincar, pois acabei sujando um pouco ele me visto e vou para minha casa com o cuzinho dolorido e feliz por ter perdido meu cabacinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,94 de 17 votos)

Por # #

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos