# #

Pedreiro André parte 13 – Desejo II

1634 palavras | 20 |4.29
Por

-André eu sei que você não quer, mas faz carinho atrás de mim com o dedo, por favor, não vou pedir pra você colocar o pinto não, por favor, por favor.

O André sentou pelado e de pernas abertas no vaso sanitário, esticou o braço e pegou o meu roupão com orelhas de onça, olhei pra ele me morto de vergonha, ele sorriu e me puxou para ficar entre as pernas dele, vi o olhar dele me analisar com atenção e ternura, pousou a mão esquerda dele em minha coxa direita, fazendo carinho e com a mão esquerda tateou o meu peito e braços, apertou o músculo do meu antebraço e disse:

-Já é um homenzinho, o meu homenzinho.

Sorri feliz para o André, esses elogios dele me deixam todo todo.

A mão direita dele desceu para o meu pinto durinho de novo, apertou a cabeça sensível ainda por ter colocado o meu pintinho na bunda do André, desceu até a base do meu pintinho e segurou as bolas, era uma delícia sentir o toque quente da mão do André em mim, fechei os olhos achando que brincariamos de novo, ele deu uma apertada forte e eu abri os olhos, olhei pra ele e ele sorria dizendo:

-Lucas você acabou de gozar e já quer de novo, você é um pequeno garanhão sabia?

Disse isso apertando o meu pinto uma última vez e soltando, coloquei a mão no meu pinto tentando mostrar o máximo possível dele:

-Olha André, olha o tamanho dele, será que já consigo pegar alguma menininha, será que elas vão gostar?

O André sorriu pra mim e disse:

-Elas vão adorar do jeito que eu adoro.

Vi ele me colocar de joelho sobre o joelho dele, o meu pinto duro na frente da cara dele, olhou nos meus olhos e perguntou:

-Será que já tem leite de novo gostosão?

O meu prazer era tanto em ver o André me mamar até o fim que não consegui responder, só assenti com a cabeça, demorou para eu conseguir falar, minha cara vermelha de desejo divertia o André, ele sorriu quando ouviu eu dizer:

-Faz de novo Andrezinho, coloca o meu pinto na sua boca de novo por favor?

Eu fazia um jeitinho com a cabeça e os olhos que o André não resistia, isso ele que me contou, vi ele segurar o meu quadril com as duas mãos e encarar o meu pinto, se aproximar com a boca e colocar só a cabecinha do meu pinto na boca dele, ficou só com a cabecinha lá dentro, chupando como quem chupava um canudo, do nada a boca foi descendo e fazendo um vai e vêm, via o meu pintinho de 10 centímetros e um pouco grosso sair até mostrar a cabeça e depois sumir na boca dele, a boca do André era quente, a barba por fazer dava uma sensação estranha na minha virilha e no meu saquinho, espetava um pouco, comecei a sentir algo estranho na bunda, latejava um pouco aínda, mas o meu cuzinho estava contraindo quando o André coloca o meu pinto todinho na boca dele, senti uma vontade de receber carinho ali, só carinho, lembrei do dia que o André chupou e o meu pau ficou maior ainda, o André sentiu e disse tirando o meu pinto da boca dele:

-Mas o que é isso pequeno garanhão, você tem um controle pra fazer esse pintão aumentar quando você quer?

Sorri de prazer, respirei fundo e falei sem parar.

-André eu sei que você não quer, mas faz carinho atrás de mim com o dedo, por favor, não vou pedir pra você colocar o pinto não, por favor, por favor, por favorzinho Andrezinho.

Respirei pra recuperar o fôlego e olhei pro André, vi a dúvida passar nos olhos dele, o pinto dele estava estourando de duro, as veias e o canal marcacam a pele, a cabeça do pinto dele refletia a luz, ele desejava por o pinto em mim de novo, tinha certeza, ouvi ele falar:um

-Porfavorzinho Andrezinho, essa e nova, você não vale nada seu safado.

Voltou a chupar o meu pinto, pensei que não teria o meu desejo atendido, mas senti as mãos dele indo pra trás da minha bunda, senti uma em cada lado, cobrindo cada nádega, o calor da mão dele só aumentava o meu desejo, queria fazer de novo o que ele fez, mas com amor, o André estava sendo bom comigo e eu precisava fazer as coisas que ele gostava, senti os dedos dele tateando até a bordinha do meu cuzinho, estava dolorido, mas eu era um homenzinho, o André tinha dito, eu ia aguentar, ignorei a dor e só prestei atenção a chupeta que o André fazia, senti ele tirar uma das mãos e parar de chupar o meu pinto, droga, afastei ele de novo, abri os olhos e olhei pra baixo, o André estava chupando o dedo médio dele, que estranho, vi ele babar no dedo e voltar a chupar o meu pinto, a mão com o dedo babado voltou para trás de mim, senti esse dedo passar no meio das minhas nádegas e encostar em meu cuzinho, a dor era grande, mas o desejo de satisfazer o meu André era maior, senti ele olhando pra mim, procurando um sinal de dor, sorri safado pra ele e disse:

-Vai Andrezinho, pode enfiar o dedo.

O André foi obrigado a soltar o meu pinto pra rir, mas riu com vontade, repetindo o que eu havia dito, balançando a cabeça como quem não acreditasse:

-Vai Andrezinho, que menino safado, vai Andrezinho pode por o dedo… Luquinhas você quer isso ou quer me deixar feliz?

Sorri pra ele e não pude mentir:

-Quero esse carinho estranho e quero te fazer feliz também.

Eu disse isso com naturalidade e firmeza, o André ficou sério, assentiu e engoliu o meu pinto com violência, senti um prazer indescritível, o meu pinto era sugado como se o André fosse arrancar ele, segurei na cabeça dele com as mãos e ele mordeu o meu pinto com os lábios, bem nesse momento o dedo dele entrou no meu cuzinho.

O André era muito bom, mordeu com carinho só pra desviar a minha atenção, olhei pra ele vim orgulho e desejo, a linguinha estava de fora, comecei a puxar a cabeça do André contra o meu pintinho, as vezes puxava e segurava, nesse momento o meu pinto ficava no começo da garganta dele, a pele dele lá era molinha e quente, fiquei descontrolado, sentia o nariz dele apertado contra a minha virilha, o dedo dele estava dentro do cuzinho, sentia o meu cuzinho dolorido e machucado prender e apertar o dedo dele, a sensação de dor começou a passar e um estranho prazer tomou conta de mim, senti que pulsava o meu pinto na boca dele e com a mesma musculatura o meu cuzinho contraia, o André sentiu esse movimento, era o sinal pra ele mover o dedo.

Fechei os olhos com a cabeça erguida, era muito bom ter o pinto chupado e sentir o dedo do André, grosso e quente, calejado, entrando e saindo do meu cuzinho, sentia cada milímetro do dedo dele, que dentro do meu cuzinho fazia carinho em um pontinho que me fazia um tipo gostoso de cócegas, tremi, tremi tanto que quase caí do colo do André, as contrações vieram rápidas e intensas, meu cuzinho parecia que queria arrancar o dedo dele, a meu pau pulsava descontrolado, senti o meu pinto imerso em algo quente de novo, o André sugava e fazia movimento de engolir, acabou de engolir e limpou o meu pinto com a boca, podia sentir com a cabeça do meu pinto sensível por ter gozado de novo, o André era tudo pra mim, eu estava todo suado, cansado, meus joelhos escorregaram para fora, sentei no colo dele, barriga com barriga, meus braços envolveram o pescoço dele, cabeça com cabeça, sentia a orelha dele e a barba por fazer em minha bochecha com pele sensível de menino, o pinto duro dele queimando esmagado entre nós, uma mão dele segurava em minhas costas para que eu não caísse, até nesses momentos o André era cuidadoso comigo, o dedo dele ainda estava dentro de mim sentindo as últimas contrações, não queria que ele tirasse o dedo, queria que ele enfiasse o pinto dele em mim de novo, com carinho, igual ele fez com o dedo.

Abraçado ainda a ele eu coloquei a minha cabeça em frente da dele, olhando nos olhos dele, um nariz quase encostando no outro.

-André

Ele respondeu:

-Oi meu anjo.

As mãos dele subindo e descendo em minhas costas, o dedo ainda dentro de mim, dando ligeiras pontadinhas.

-Você… você quer colocar o pinto na minha bunda de novo André?

O olhar dele ficou sereno, o conhecido fantasma não passou, a resposta dele foi verdadeira.

-Quero Luquinhas, desejo muito fazer isso.

Recebi um selinho molhado dele, a mão dele subiu até a minha cabeça e me encostou no ombro forte dele, o André era muito forte, o pinto dele pulsava entre nós.

-Mas não vou fazer isso.

Senti o dedo dele sair do meu cuzinho.

No fundo tive medo de que o André enfiasse o pinto em mim nesse momento, mas no fundo queriam

Lembrei de como foi gostoso sentir o pinto mastigado pelo cuzinho do André, aquelas contrações, faria igual com o meu Andrezinho, ele merecia.

Ia tentar até conseguir.

Continua.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,29 de 21 votos)

Por # #

20 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Ativo 22

    Kd a continuação

  • Responder Telegram

    Quando vai sair um beijão de língua entre os dois?
    Quando sair tem que ser um bem molhado ksksjjskksks

    • Meninão

      No próximo, kkkkk, 22:00 estará aí.

  • Responder Sergipe

    Meninão quando vai vim o próximo capítulo?

    • Meninão

      Já postei meu querido, 22:00 estará aí, abraços.

  • Responder King

    Perfeito demais

    • Meninão

      Obrigado king meu amigo

  • Responder Pascoal

    O pequeno órfão não vai desistir até levar. Muito bom

    • Meninão

      Levará no 13, abraços.

  • Responder Boy 15

    Muito bom gostei muito.

    • Meninão

      Sempre um prazer boy, abraço.

  • Responder Ativo 22

    Muito bom mesmo, sempre fico duro lendo isso

    • Meninão

      Obrigado ativo, só não faz essa porra bom ninguém, da um BO da porra, kkkk, abraço.

  • Responder Sergipe

    Excepcional, qnt prazer eu sinto em ler sua história. Vc não merece 5 estrelas, merece mil. 👏👏👏👏

    • Meninão

      Opa meu amigo, sempre uma honra ter você aqui, abraço.

  • Responder Ivinho

    Simplesmente uau, isso foi tão excitante

    • Meninão

      Obrigado ivinho, sempre uma honra ter você aqui, daqui a pouco o John Veadere chega, kkkk, ele me ama, abraço.

    • Veado né

      Né veado,você que escreve suas veadagens desesperado pra chamar minha atenção,vai acabar tendo o que tá caçando que é sua cura e transformação em homem de bem ,normal!Cuidado veado,sou o John Deere,me respeita,e só tua veadagem acaba!

    • Ivinho

      Né que ele veio, ele não escreve pra chamar sua atenção, ele escreve (acredito eu) porque ele gosta, e porque a gente gosta, e pelo visto você também Johana Maricona.

      Já sua afirmação de homem de bem, oque é um homem de bem, creio eu que seja, um homem limpo, que paga as contas (isso inclui impostos), não agride ninguém seja fisicamente, emocionante ou psicologicamente. Isso é um homem de bem, o Meninão eu posso não conhecer ele direito, mais ele parece um cara legal, e tenho certeza que ele não iria em um conto chingar alguém, sem ler o conto, se bem que você lê o conto, goza, e depois bem chingar todo melado de porra. Se é rola que você quer Johana Maricona, bora marcar, mais já te adianto, minha rola é grande, e tenho muita vontade de enrabar um encubado como você.

    • Meninão

      John John, seu conto esta pronto, cuidadoso.