# # #

O sorriso da minha esposa 2

3207 palavras | 0 |3.67
Por

Então, por tempo indeterminado, ninguém disse nada. Só se podia ouvir os passos dos bandidos que, evidentemente, foram às várias salas para encontrar outras coisas para roubar. De repente, os movimentos pararam e ouvi passos na nossa direção, agora todos amarrados, com os olhos vendados e amordaçados.
“Nós temos seus caixas eletrônicos. Agora vou dizer seus nomes um a um e você me dirá seu distintivo e a quantia que pode retirar. “Não minta, porque você vai pagar as conseqüências”.
Quando o líder do bando chamou meu nome, eu fiquei amordaçado por um momento e disse o pino em voz alta. Os outros também.
Então o bandido deu a ordem a um de seus homens para ir com as cartas e pegar nosso dinheiro, enquanto ele disse que ficaria com outros para nos observar.
“Vai demorar um pouco até que eles voltem aqui e não quero que se aborreçam enquanto isso”. Pensei que poderia jogar um jogo para você”…
O bandido fez uma pausa, depois acrescentou:
“Dois de vocês serão chamados por sua vez, um macho e uma fêmea e depois levados para o quarto ao lado.
Você será desamarrado e amordaçado, mas permanecerá de olhos vendados. Então vocês se deitarão na cama juntos e jogarão uns com os outros”.
Estremeci com as últimas palavras do bandido, começando a imaginar o que “jogos” ele queria dizer.
Novamente ouvi gemidos à minha direita, acho que ainda era Anna tentando dizer algo.
“Eu sei o que você quer me dizer. Não se preocupe, as meninas não estarão envolvidas neste jogo. Mas se você não fizer o que pedimos, então eles também serão levados para a sala. Agora vamos começar”.
“Ele e ela, desamarre-os!”
O bandido tinha indicado claramente dois de nós para levar para a sala. Ouvi duas cadeiras se movendo para a minha direita, depois passos atrás de mim, cujo som se afastava lentamente para a minha esquerda. O quarto deveria ficar à minha esquerda, a poucos metros de mim.
Depois de um tempo, reconheci a voz de Roberto.
“Não podemos! Deixe-nos em paz, você levou tudo, não nos machuque, por favor”!
“Você não deve falar! Já lhe disse o que faremos se você não fizer o que lhe pedimos”.
“Coloque a mulher sobre a cama”. Esta foi a última ordem que o chefe havia dado a um de seus homens, então ele começou a falar diretamente com Roberto e a mulher cuja identidade eu ainda não entendia.
“A mulher deve se esticar e abrir as pernas”. Vá em frente e suba na cama. Vamos lá, rápido!”.
“Toque seu corpo e depois coloque sua cabeça entre as pernas dela”. É isso mesmo. Agora lamba a cona dela”.
Houve alguns segundos de silêncio, então a voz do bandido foi ouvida novamente.
“Você está fingindo, não é bom! Agora estou ficando nervoso. Você consegue ouvir o que isto é? Estou apontando para a cabeça de seu amigo. Você vai sentir um golpe em breve, se não começar a colocar seus dedos e língua dentro da gatinha dela”.
Desta vez, o silêncio durou mais tempo.
“Isso é bom. Agora mude de posição. Você, deite-se. Você, toque seu corpo e agarre sua piça. Comece a bater-lhe uma punheta, lentamente”.
“Vá lá, você não sabe se masturbar? Assim, assim. Agora ponha-o na boca e chupe-o”.
Havia mais uma pausa.
“Chupa bem, tem que ficar duro. Droga, por que você não fica duro? Toque suas mamas”!
Mais uma pausa, depois a voz era a de Giulio, desesperado.
“Eu não posso! Ela é a esposa do meu cunhado! Eu não posso”!
A mulher que estava com ele era então Michela.
“Eu lhe disse para ficar quieto! Vá em cima dela e foda-a”! Agora o bandido estava gritando.
Depois ouvi um barulho como se alguém tivesse recebido um golpe e tivesse caído no chão. Eu ouvi o grito de Michaela, um barulho de alguém que foi arrastado para o chão e depois houve um estrondo.
Eu me espremia, apavorado. Foi um tiro, provavelmente apontado para Roberto.
Imediatamente depois ouvi os passos de alguém próximo a nós, depois novamente a voz do líder do bando…
“Agora você entende o que pode acontecer com você se não obedecer às nossas exigências”. Vamos ver se o próximo vai melhor. Este, por exemplo, desamarre-o e guie-o até seu quarto”.
Quando ouvi que alguém estava mexendo atrás da minha cadeira, eu sabia que era eu. Comecei a tremer, mas tentei não entrar em pânico. Agora eu já sabia o que eles me pediriam para fazer com Michaela e tentei me concentrar nela, sem pensar em mais nada. Tirei de mim qualquer consideração moral, o importante era salvar minha própria pele.
Eles tinham acabado de me fazer levantar da cadeira, que do quarto sentia um estrondo como uma pessoa que havia caído no chão.
“Chefe, a mulher desmaiou”.
“Leve-a para a sala e tente trazê-la à consciência”.
Eu pensava que Michela não suportava o estresse da situação e especialmente a idéia de que os bandidos tinham matado Roberto.
“Desamarre isto então, leve-a para o quarto”.
O bandido não tinha dito mais nada e por isso não entendi se a mulher que me acompanharia era minha esposa, Anna ou Bárbara.
Fui guiado até o quarto e depois eles tiraram a mordaça. Eu não disse uma palavra, lembrando o que havia acontecido com Roberto.
Então o líder do bando deu as mesmas ordens que eu tinha ouvido alguns minutos antes. A mulher foi obrigada a se deitar e eu fui guiada ao seu lado, pedindo-me para tocar seu corpo. Pelas características faciais, compreendi imediatamente que não era minha esposa e quando pude tocar suas mamas, não muito grandes, eu sabia que também não poderia ser Anna.
Em resumo, eu estava com Barbara e imediatamente fiquei com a imagem dela nua com o líder da gangue apalpando-a na frente de seu namorado. À medida que minha mão foi passando por todo o corpo da garota, comecei a ficar entusiasmado. Procurei seus mamilos e comecei a lamber e chupá-los, enquanto minha mão começava a acariciar sua xoxota. Então, sempre seguindo as ordens dos bandidos, coloquei minha cabeça entre as coxas dela e comecei a lamber-lhe a cabeça. Bárbara começou a choramingar e ofegar, evidentemente ela não ficou indiferente à minha língua que estava penetrando nela. De olhos vendados como eu estava e com os bandidos que não tinham dito nada por um tempo, consegui me isolar do mundo ao meu redor, concentrando-me apenas no corpo daquela garota fabulosa. Eu podia sentir meu pau ficando duro e continuei com meu corpo, segurando suas coxas separadas para facilitar a penetração agora iminente.
“Você viu, chefe, que ele não gosta só de garotinhas? Ele está bem com os que são alguns anos mais velhos”!
Essas palavras, proferidas por um dos bandidos, me trouxeram de volta ao sentimento de vergonha que eu havia sentido pouco antes no salão. Tentei não pensar sobre isso, voltei a chupar os mamilos de Barbara e com minha mão direita apontei meu pau para a abertura de sua buceta. Mas esse sentimento de vergonha eu não consegui abalar. Comecei a tremer e senti minha pila coxear. Eu entrei em pânico. Agora Barbara não era mais uma bela garota que eu queria foder, mas a única maneira que eu tinha de não ser morta por bandidos. Então eu me levantei com meu corpo em direção a Barbara e tentei enfiar meu pau manco em sua bichana. Eu só entrei com a dica quando comecei a me virar. Foi horrível. Eu caí sobre o corpo da garota cheia de vergonha e medo. Esperei aterrorizado pela reação dos bandidos e tive medo que eles pudessem me atingir a qualquer momento.
Mas o que eu ouvi foi uma risada estrondosa de todos aqueles criminosos. Antes que os bandidos me dissessem para me levantar, foi Barbara que me afastou de seu corpo com um braço, quase como um sinal de desprezo.
Fomos levados de volta ao nosso lugar no salão. Eu estava cheio de vergonha, mas também contente por estar vivo.
Eu tinha acabado de sentar novamente, quando ouvi o som de uma buzina e depois a porta de entrada se abriu.
Percebi que os bandidos tinham voltado para retirar nosso dinheiro dos caixas eletrônicos.
“Devemos ir, chefe?”
Nessas palavras, eu pensei com alívio que o pesadelo estava chegando ao fim, mas as palavras do chefe me fizeram perder essa ilusão.
“Comece a carregar o material para dentro do carro. Partiremos em breve, ainda há tempo para outro show”.
Comecei a tremer novamente, pensando que algo poderia acontecer com minha esposa, que ainda não havia sido envolvida.
“Restam quatro de vocês que ainda não jogaram. Isso significa que como estamos ficando sem tempo, todos vocês quatro serão levados para a sala para jogar um jogo em grupo”.
Ao ouvir o som da cadeira ao meu lado se movendo, minha cabeça começou a girar. Depois houve um baque, algo ou alguém tinha caído no chão.
“A mulher desmaiou, chefe. Talvez ela esteja apenas fingindo, vou esbofeteá-la”…
“Esqueça, ela é a proprietária e a noite foi difícil para ela. Coloque-a no chão e guie os outros três para dentro da sala”.
Antes de ouvir estas palavras, eu tinha chegado a esperar que a mulher desmaiada fosse Paola, ao invés de Anna, para evitar ser levada para o quarto, junto com Giulio e Diego.
Esperei impacientemente para ouvir as vozes que vinham da sala, mas não demorou muito para que eu desejasse estar longe dali.
“Faça a mulher se deitar e coloque a mais jovem sobre ela”. O mais jovem fica à esquerda da mulher”.
“Você tem que lamber o corpo inteiro dela, primeiro as mamas e depois a buceta dela. Você chupa a pila do outro”.
Minha cabeça estava girando mais e mais. Eu esperava ouvir algumas palavras de protesto de alguém, mas não senti nada. Ocorreu-me que eu também não havia protestado, mas isso não diminuiu minha irritação.
Pensei que até mesmo Barbara e Michela, se ela fosse encontrada nesse meio tempo, estavam passando pela mesma situação que eu, mas mesmo isso não aliviou meu desconforto ao ouvir os ruídos da cama e as vozes dos bandidos que vinham do quarto.
“Você, subiu na cama em frente a ela. “Você, vire-se e vire-se para o estilo cãozinho, continuando a soprá-lo”. Você, fique atrás dela, lamba sua xoxota e coloque seus dedos dentro dela”.
Eu estava ficando louco. Eu não queria ouvir mais nada, só queria que tudo acabasse logo. Tentei me irritar com meu rosto, esperando abafar os sons de fora, mas as vozes da sala continuavam tocando alto na minha cabeça.
“Agora ponha seu pau na xoxota dela e foda-a até que ela se venha”. Você simplesmente continua chupando a outra piça”.
Depois começou o rangido da cama, não deixando dúvidas sobre o que estava acontecendo.
Eu podia ouvir meu coração bater, comecei a acenar na cadeira, queria cair, me machucar e desmaiar. Tudo isso enquanto esse tormento terminasse.
“Aqui está um que está ficando excitado. Acho que ele é o marido da puta que está ali”.
A voz era a de um bandido, que obviamente permaneceu no quarto para nos verificar.
“Você quer apreciar o espetáculo mais de perto?”
Movi minha cabeça de um lado para o outro, desesperada. Então alguém agarrou minha cadeira e me arrastou pela sala, parando, acho eu, bem na soleira do quarto.
Eu estava de olhos vendados o tempo todo, mas agora eu pensava que podia ver a cena toda, tão claros eram os sons que vinham da sala. Eu podia ouvir ofegantes e gemidos e o ranger da cama. Não ouvi nenhuma palavra de nenhum deles, nenhum protesto. É possível que Paola não tenha ouvido o que o bandido a chamou?
“Ouça como a cadela gosta”!
Na verdade, agora eu podia ouvir claramente os gemidos de Paola, e sua boca estava obviamente livre.
“Sim, eu sou uma puta! Fode-me Giulio, deixa-me ouvir tudo”!
Eu não podia acreditar que tinha realmente ouvido essas palavras, quando ouvi cada vez mais o sopro sibilante vindo de um homem, então tudo parou.
“Bravo, você o encheu com esperma. Agora saia da cama, dê alguns passos à frente e depois volte para cima. Você faz o mesmo. Você terá que repetir o jogo ao contrário, mas desta vez o que está atrás terá que colocar sua piça no outro buraco”.
Nessas últimas palavras, gritei com tanto desespero que mesmo com a mordaça minha voz podia ser ouvida dentro da sala.
“Ouça o cara lá fora reclamando, ele está preocupado com sua mulherzinha. Mas eu acho que esta cadela gosta de levar no cu”.
“Vamos lá, comece a lamber a buceta de novo e depois o babaca. Acerte com os dedos e depois enfie a piça dentro dele. Esta cadela está morrendo de vontade de ser fodida”.
Houve um silêncio que parecia infinito, depois ouvi um pequeno grito da Paola e a cama começou a ranger novamente.
“É isso mesmo, você agarra a piça na sua frente, torna tudo mais difícil”.
Todos os meus esforços para não ouvir haviam sido em vão, agora eu podia sentir meus olhos molhados sob o curativo e duas lágrimas caindo sobre meu rosto.
Baixei a cabeça de vergonha, enquanto se ouvia novamente gemidos de prazer da sala.
“Você ouve tudo isso? Estou lhe machucando”?
“Não, Diego, você é ótimo… sim, vamos lá de novo… oh, quanto tempo e muito, como eu gosto disso!”
Eu mantive minha cabeça baixa pensando que os bandidos estavam me observando.
“Pare agora, eu quero que você mude de posição. Você, entre atrás e enfie de novo no traseiro dela, enquanto você se deita debaixo dela. Você, agarre a piça do homem debaixo de você e coloque-a em sua bichana. Vamos lá, empurrem-na”.
Com aquela imagem de Paola sendo penetrada pelos dois homens ao mesmo tempo, minha força falhou desta vez e acho que desmaiei por alguns minutos. Mas logo um novo grito sufocado da Paola me despertou do torpor.
“Sim, empurrem-nos juntos para dentro de mim… encham-me…”
Depois ouvi gemidos e respirações novamente.
“Bravo”. Agora vire-se e limpe o esperma de seus galos”.
Agora a cama não rangia mais. Alguém me arrastou de volta para a sala, depois ouvi passos e barulhos da cadeira à minha direita.
“Devemos ir, chefe? Depois destas palavras, ouvi passos rápidos indo e vindo por toda a casa, finalmente uma porta batendo.
Parecia que eles tinham realmente desaparecido. Eu ainda estava vivo, isso era o importante, repetia sempre na minha mente.
Por um tempo houve silêncio absoluto na sala, depois ouvi o som de uma cadeira movendo-se na minha frente. Houve um baque, alguém tinha caído no chão e esfregado algo no chão. Continuou por um tempo, depois ouvi um som como uma corda quebrando.
“Foda-se, eu consegui! Vou libertá-los agora”.
Era a voz de Giulio. Depois de um tempo, eu também tive minhas mãos livres e finalmente pude tirar meu curativo e minha mordaça. Olhamos um para o outro, atordoados, tentando colocar nossa visão de novo em foco. Eu vi que Anna e Michela também estavam de pé.
Depois vi Giulio correndo pela casa, ouvi uma porta aberta no corredor e no final houve um grito de felicidade.
“Ele está vivo! Venha aqui Anna, Roberto ainda está vivo”!
Vi Anna chorando de alegria, depois fomos todos ao armário onde Roberto tinha estado preso todo aquele tempo. Ele estava atordoado e tinha levado um golpe na mandíbula, mas estava vivo. Ele nos disse que tinha ouvido o tiro sibilar longe dele e, de fato, pouco tempo depois vimos a marca da bala no teto. Eu pensei que eles só queriam assustá-lo e fazer-nos acreditar que realmente o tinham matado. Depois todos se abraçaram, especialmente seus companheiros e depois Anna e Michela com suas filhas.
Voltei-me para Paola, que me olhou com alegria e alívio.
“Estamos salvos! Foi horrível, meu amor”. Depois ela se jogou ao redor do meu pescoço. Eu a abracei, mas não conseguia beijá-la, tanto era o cheiro de esperma que vinha do rosto dela.
“Vamos enxaguar, querida”.
Então alguém chamou a polícia e, enquanto esperávamos, começamos a falar sobre o que íamos dizer. Finalmente foi tomada a decisão de denunciar apenas o roubo, a nudez forçada e a tentativa de estupro de Mônica. A este respeito, Anna me perguntou, não sem constrangimento, se eu tinha visto tudo e se eu poderia testemunhar sobre isso.
“Claro”, respondi, corando de vergonha e evitando olhá-la nos olhos.
De todo o resto que havia acontecido, não dissemos nada à polícia. De fato, durante a busca na casa, foram encontrados vestígios de sêmen no quarto e os investigadores perguntaram se alguém havia sido estuprado. Por um momento Anna pensou que estava dizendo a verdade, mas então todos nós nos fechamos em silêncio absoluto sobre isso e a polícia relutantemente teve que tomar nota.
Hoje faz exatamente um mês desde aquela noite. Desde então eu, além de minha esposa, não vi mais ninguém presente naquele jantar. Sei que Paola, assim como no trabalho, se encontrou com Michela e Anna na casa desta última, mas não tive a coragem de perguntar a ela por que não havia sido convidada.
A vida com minha esposa voltou ao normal em relação às tarefas cotidianas, enquanto o sexo entre nós não é mais o mesmo de antes. Nos primeiros dias ela não quis mais fazer isso, então, quando ela me perguntou novamente, fui eu quem teve dificuldade em conseguir, apesar de ela ter tentado me ajudar de todas as maneiras que podia.
Minha esposa se tornou compreensiva sobre isso e, em geral, estou feliz em vê-la mais alegre do que há um tempo atrás. Ela gasta cada vez mais tempo fora, não apenas para trabalhar. Quando ela chega em casa, fico feliz em ver aquele sorriso maravilhoso que ela parecia ter perdido.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 9 votos)

Por # # #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos