# # #

Meu sobrinho gayzinho

1326 palavras | 7 |4.60
Por

Vou começar com um resumo de quem eu sou, os nomes foram trocados.
Eu sempre quis ser pai e casei aos 22 anos. Tentamos engravidar durante um ano e procuramos um médico. Descobri que sou estéril devido uma grave doença que tive na infância. Tentamos tratamento, mas nada. Tudo funciona normalmente, inclusive minha libido é muito alta, sempre estou com tesão. Meu gozo sempre foi farto, mas meus espermatozóides são fracos. Como não posso ter filhos, meu casamento não durou. Fiquei mal e passei a investir meus esforços na carreira profissional.
Me chamo Marcos, tenho 40 anos, situação financeira muito boa, pratico esportes, mas não sou sarado, apenas em forma, namoro há 5 anos a Júlia, que nunca quis ter filhos.

Renata é minha cunhada, casada com um cara que não nasceu pra ser pai (nem vou perder tempo falando desse babaca), e tem 3 filhos lindos. O mais velho, hoje com 16, o Diego. Duas meninas, a Carolzinha, com 14 e a raspinha de tacho, minha bebê Steffany, com 9 anos.

Há cinco anos atrás eu entrei pra família, não demorou muito pras crianças gostarem de mim. Eles sempre foram carentes de pai, pois o cara é totalmente ausente. Criei vinculo muito rápido com Diego e de cara vi que ele era delicado. Era muito visível e talvez esse era o motivo do pai e outros tios não se aproximarem dele. Mas eu não sou assim e logo ele já estava sempre colado em mim. Sempre levava ele e a Carolzinha pra passear. Mas foi num final de ano, na minha casa no litoral norte de SP que tivemos nosso primeiro momento.

Diego estava pra completar 12 anos e eu desci com ele e a Carolzinha junto minha namorada e os pais iriam uma semana depois. Já no carro ele quis ir na frente e as meninas foram atrás. Eu sempre preferi pegar estrada à noite pois é mais tranquilo. Carolzinha caiu no sono rápido e minha namorada foi na sequência. Eu e Diego fomos conversando, falando sobre games e a todo momento eu mexia no meu pau e Diego olhava discretamente. Não era a primeira vez e vivia dando umas encoxadas nele.

Chegamos, descarregamos o carro, arrumei rapidamente um dos quartos pra acomodar as meninas, que estavam caindo de sono e eu e Diego fomos arrumar o resto. Eu bolinava Diego e ele gostava. Terminamos tudo e o convidei a ir pra varanda em frente a casa, mas antes fui ver as meninas no quarto dos fundos, dormiam profundamente.

Sentados na varanda, começamos a conversar, nada de games, perguntinhas bestas sobre “E as namoradinhas?”, fui direto ao assunto e perguntei:

_Já deu a bundinha? Não tenha vergonha, porque eu sei que você gosta das minhas brincadeiras contigo.
Vi as bochechas dele ficar vermelha e ele deu um sorrisinho:
_Ainda não, tio.
_Mas tem vontade, né? E já chupou um pau? Brincou com algum amiguinho?
_Tenho vontade, mas os meninos vivem me zoando chamando de viadinho e nunca fiz nada.
_Então vamos fazer hoje? Você quer que o titio faça com você?
_Quero sim tio.

Diego é um menino branquinho, era magrinho, mas tinha uma bundinha arrebitada e todo delicadinho. Me aproximei dele, fiz carinho no rostinho dele e dei um beijo. Ele nunca tinha beijado de língua. Ensinei ele beijar e meu pau já endureceu só de sentir a linguinha dele na minha boca. Fui fazendo carinhos nele, beijei seu pescoço, lambi sua orelha e ele se arrepiava. Abaixei minha bermuda e vi o olhar de vontade dele. Eu sabia que ele via pornô gay porque já tinha fuçado no pc dele. Coloquei as mãos dele no meu pau e disse pra ele me punhetar. Pedi pra ele chupar, ele caiu de boca e começou a chupar. Ensinei ele a chupar sem raspar os dentes e deixar bem babado. Eu gemia baixinho, fazendo carinhos nele. Olhava a todo tempo se não aparecia ninguém. Tava explodindo de tesão com aquele lindinho me chupando e tive que tirar a boca dele pra não gozar. Coloquei ele em pé e tirei a bermuda e a cueca dele, vi um pipizinho durinho. Lambi, chupei, babei e Diego tremia e gemia. Virei de costas pra mim e o coloquei de 4, com os joelhos na cadeira. Abri o cuzinho rosadinho dele e comecei a linguar. Metia minha língua no cuzinho dele e ele gemia. Deixei bem babadinho e enfiei a ponta do dedo, ele gemeu e trancou. Pedi pra relaxar e fiquei massageando só com a pontinha, fui enfiando aos poucos e ele tremia. Que tesão aquele cuzinho virgem. Quando tava o dedo todo, comecei o vaivém. Tirei o dedo, chupei mais um pouco e deixei bem babadinho, cuspi no meu pau e levei a cabeça na portinha.

_Meu bb, vai doer um pouquinho, mas depois você vai gostar.

Meu pau não é grande, tenho 15 cm e grossura normal, garanto que é ideal pra comer um cuzinho virgem sem machucar. Brinquei um pouco na portinha do cu dele e forcei a cabeça. Ele tentou sair e o segurei pela cinturinha. Disse pra relaxar e forcei mais um pouco e passou a cabeça. Ele deu um gritinho e tampei a boca dele.

_BB, você tem que aguentar. Hoje não pode gritar porque a tia e a Carol estão aqui. Aguenta um pouquinho, tá?

Ele acenou positivamente com a cabeça e continuei. Cuspi mais e fui metendo devagar, ele gemia baixinho, parecendo que estava chorando. Minha pica foi entrando e quando chegou na metade eu parei. Dei um beijo no pescoço dele e ele se arrepiou. Virei sua cabeça e meti minha língua na boca dele. Fiquei beijando a boquinha dele e quando senti o cuzinho dele acostumar, segurei sua cabeça e tampei a boca dele com a minha. Meti de uma vez e ele gritou, mas minha boca abafou, ele tentou sair mas segurei forte. Ainda com a boca dele na minha, ele respirava forte e vi umas lágrimas descer no rostinho dele. Tirei minha boca e perguntei:

_Quer que eu tire? Eu sei que doeu, mas se aguentar vai ser gostoso.
_Tio, tá doendo, tira um pouco.

Tirei e segurei o menino pra não cair. Fiz uns carinhos no cuzinho e verifiquei se não tinha machucado. Tava de boa e lambi um pouco e sentia o cuzinho dele piscar.

_Vou de novo, tá meu bb?
_Devagar tio.

Enfiei de novo, ele piscou o cuzinho e pedi pra relaxar, enfiei mais e comecei a fuder o cuzinho dele. Ele tremia todo. Fiquei socando, segurando na cinturinha e não aguentei e gozei dentro. Fiquei ali engatado, beijando meu bb, vendo o corpinho dele tremer. Que delícia. Tirei meu pau e vi minha porra escorrendo.

Fui pegar papel, limpei o cuzinho dele, deitei ele no meu peito e conversamos:

_Gostou bb?
_Muito tio.
_Nós vamos fazer mais vezes e você vai gostar cada vez mais, mas isso tem que ser nosso segredo.
_Eu sei tio. Eu li na internet que não pode.
_Mas só não pode se você não quer, você queria né? Só fiz porque sei que você queria, sempre vi você olhando meu pau, não é?
_É tio. Eu via os videos e queria muito e eu gosto muito de você tio.
_Eu também gosto muito de você meu bb.
Olhei a felicidade no rostinho dele e nos beijamos e fomos dormir.

Ali foi só o começo. Ele é meu amante até hoje. Se quiserem conto mais das nossas fodas. Só pra saber, hoje ele tem 16 anos e é gay assumido e foi muito repudiado pelo pai e pelos tios por parte de pai, então acabo fazendo o papel de pai do Diego.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,60 de 53 votos)

Por # # #

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Papa viadinhos

    Delicia, comi meu enteadoé dois anos mais novo que seu sobrinho. Menino adora ser minha putinha faço aquele rabinho de minha bucetinha.

  • Responder Boomer

    Cara que delícia. Infelizmente nunca tive uma experiência assim. Meu pau é grande e sempre tive problemas em comer um cuzinho, então como muito viado e travesti. Continua por favor

    • [email protected]

      Nossa,grande assim..rsrs

    • Louco dar tb

      Delicia voltei ao passado qdo dei pela primeira vez

    • Dartanhã

      Adoro bem grande e grosso, meu cuzinho pisca só de imaginar >

    • mmtrade111

      Delicia !! Eles aguentam sim pombada e até gostam, me chama no Telegram @mmtrade111

  • Responder Bob

    Conta mais