# #

Abusada pelo avô

538 palavras | 18 |4.00
Por

Sou a Letícia…. quando tinha 11 anos, fui abusada pelo meu avô Adílio.

Meu avô sempre foi um velho tarado, ele ja havia abusado de outras meninas e inclusive, outras netas. A família é enorme e morávamos todos no interior de Rondônia.

Então, como meus peitinhos já davam sinais de nascendo, ele começou a me assediar. Ser carinhoso comigo.. ficar me abraçando forte, beijando perto da minha boca e passando a mão em quase tudo, bem pertinho de onde não devia.

E toda vez ele falava que uma hora ou outra eu não escapava… ele me olhava com olhar de tarado mesmo. Então, um dia tive que ir levar água pra ele na roça… que ficava longe da casa dele. Chegando lá, ele não tava, chamei por ele, ele respondeu de dentro do mato e disse pra eu levar lá a água. Nem pensei na possibilidade de segundas intenções… ele já estava de pica dura, se perturbando e rindo… eu fiquei sem chão… ele mandou eu chupar, eu disse que não, ele tentou me obrigar, mas eu não cedi. Então ele pediu pra eu abaixar a roupa e ficar de quatro no chão… e eu não fiz. Então ele mesmo tirou… e veio por trás, cuspiu na pica e tentou enfiar no meu cu… e não queria entrar de jeito nenhum, ele mandava eu abrir a perna e ficar relaxada… e eu me apertava… ele se irritou um pouco e falou que se eu não abrisse o cu, ele ia estourar minha buceta. E o pau dele era muito grosso… e mesmo assim não cedi. Então ele me pegou no colo, me carregou até um girau… me sentou lá, levantou uma perna e tentou meter na huceta, não entrava tambem. Tanto ele forçar, passou a cabeça… ele ficou forçando forçando forçando e começou a doer…e mandei parar, comecei a ficar nervosa… e ele falou que não ia deixar eu ir sem me comer. Então eu teria que ceder… eu abrir as pernas e pedi pra ser só um pouco…ele empurrou forte e a pica entrou me rasgando, saindo bastante sangue e ele continuou metendo desesperado, e falava “que delícia de bucetinha virgem”toda hora repetia isso e eu comecei a chorar empurrando ele… e ele não saía… e quando gozou dentro, misturando sangue com esperma, ele tira o pau já meio se amolecendo puro sangue… e fica ali olhando minha buceta… e me puxa pra um rio ali perto, pra eu me lavar… parecia que ainda tinha algo dentro de mim… e mandou eu ir pra casa e não contar nada porque ninguém ia acreditar e que ia ficar feio pra mim, sendo uma menina novinha sem cabaço..fui embora com esse segredo. E me sentia culpada, porque no fundo eu sabia que isso iria acontecer e fui lá com ele. Depois de três dias, ainda ficava lembrando disso e senti vontade e fazer de novo, mas tinnha medo de sangrar.

E então…. continua…………

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 31 votos)

Por # #

18 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Manu

    Já sabiam do velho tarado, agora que dá uma de santa, me poupe menina.
    Vc gostou que sei.😘

  • Responder Gilmar

    Eu nao curto conto de estupro. A parte triste é que esse relato acontece com frequencia na vida real.

    • Cláudia Lins

      Acontece com muito mais frequência, do que é noticiado. E falo por experiência própria, porque meu padrinho, abusava de mim desde muito nova. Quando digo muito nova, quero dizer, muito mesmo. Minha madrinha tomava conta de mim, enquanto minha mãe trabalhava. Eu não tinha idade escolar, por isso ficava com ela. Meu padrinho, trabalhava a noite, e quando chegava do trabalho, ele costumava tomar o café da manhã, e descer para o porão, onde funcionava uma pequena oficina de eletrodomésticos. Ele trabalhava na oficina até a hora do almoço. Ele subia, tomava banho, almoçava, e ia dormir. Mas…na hora do banho, sempre me levava com ele. E era eu que “lavava” a rola dele. Isso era todos os dias. Até hoje eu acho que minha madrinha sabia, porque ela via ele me levar pro banheiro, e não falava nada. Ele me ensinou como lavar a rola dele, quer dizer, me ensinou como tocar uma pra ele né. Já estava maiorzinha, quando ele passou a tirar minha roupa pra tomar banho com ele, e foi nessa época também que comecei a chupar ele. A rola não cabia direito na minha boca, mas eu me esforçava pra fazer do jeito que ele queria. Com 8, eu já estava na escola, e já fazia muito mais coisas.

    • Cláudia Lins

      Foi nessa época que ele começou me preparar para ser penetrada. Depois do banho, ele me levava pro quarto, e enquanto eu chupava a rola dele, ele passava um creme no meu reguinho, e aos poucos me penetrava com o dedo. Muitas vezes reclamei que estava doendo, mas ele passava mais creme e continuava. Ele já não se contentava mais enfiar só um dedo, já estava enfiando dois. Doía mais, mas era a mesma coisa. Passava mais creme e continuava. Um dia, quando minha madrinha bateu na porta, ele não abriu, falou que já ia descer para almoçar e mandou ela na adega comprar refrigerantes. Ela respondeu *já entendi*, e saiu.( por isso acho que ela sabia). Ela saiu, e demorou a voltar. E foi nesse dia que ele me penetrou. Lembro que doeu muito, e eu chorei, mas ele falava comigo bem carinhoso, e só parou quando gozou. Fomos tomar outro banho, e quando a madrinha voltou, já estávamos almoçando. No outro dia, quando cheguei da escola, reclamei que minha que meu cusinho estava ardendo, minha madrinha passou uma pomada, e quando o padrinho chegou, ela falou com ele, e naquele dia, ele só me fez chupar.
      Enfim, quando sarei, ele fez novamente, e daí em diante, fazia sempre.

    • Cláudia Lins

      Enfim, acabou virando rotina. Quando saíamos do banho, e eu via minha madrinha saindo pra ir na adega, eu sabia que ele ia comer meu cusinho. Acabei ficando safadinha também, e as vezes chupava a rola dele no sofá, enquanto a madrinha terminava o almoço.
      Com dez anos, ele tirou o selinho da minha xotinha. Ele falava que eu tinha “uma buceta gulosa, apertadinha e que era gostoso encher ela de porra”. Minha mãe, não faço ideia se ela sabia ou não, sinceramente não sei. Mas de uma coisa eu tenho certeza, meu padrinho comia ela também. Sei disso, porque presenciei os dois na cama dela, algumas vezes. Até os meus 13 anos, só fazia sexo com meu padrinho, até que comecei a me interessar por outros caras, e fazia sexo com eles também, além do meu padrinho. Me lembro exatamente a última vez que fizemos sexo. Foi dois dias após meu aniversário de 16 anos. A festa foi no sábado, e tínhamos passamos a manhã toda na cama. A festa foi bacana, acabou tarde, e ele foi pra casa com a madrinha. No domingo, falamos só por telefone. Na segunda-feira quando voltava do trabalho, um carro passou o farol vermelho e bateu na moto dele. Ele não resitiu.

    • Cláudia Lins

      Só uma observação.
      Meu aniversário caiu numa quinta-feira, mas a festa aconteceu no sábado. Por isso, falei que nossa última vez foi dois dias após o meu aniversário.
      Só fiz essa observação, porque me expressei mal, e não ficou bem explicado.

  • Responder Ric

    continua …

    • Fernando

      Oi Claudinha ! Queria ter sido eu

  • Responder KÊNIA

    amei

  • Responder Rick pauzudo

    meu pau ta tremendo na mao esperamos mais continuaçao amor

  • Responder VIRUS

    que safadao esse seu avo kkkkkkkk e sortudo

  • Responder Calleb

    Tesão de historia gata , conte mais suas experiencias q quero saber detalhes

  • Responder Júnior

    Fiquei de pau duro hein leticia ,dlc

  • Responder Pau grosso

    isso me remete minha infancia quando minha avó rebolava na minha pica em pleno meus 14 aninhos

    • Bengalinha

      Delicia

  • Responder Kid Bengala Risalber

    Nossa que sortudo seu vovo

  • Responder Azaf

    Que delicia hein,bb. Uma das melhores experiencias ja vistas por aqui. Tem mais?

  • Responder Josi

    Nossa q dlc hein adorei seu conto
    Muito tesão aqui