# # #

A sobrinha II

1182 palavras | 4 |4.57

continuação do conto: /2020/10/a-sobrinha/

Sofia caminhou em direção a minha cama parando na beirada. Liguei a luz do celular, sentei na beirada e a pus no meio das minhas pernas.
– Você gostou?
– Gostei muito tio!

Beijei sua boquinha, tinha todo tempo do Mundo, queria aproveitar ao máximo. O beijo vai ficando gostoso. Abaixei meu short.
– Pega aqui no pinto do tio.

Sofia apertou com força com sua mãozinha. Ele usava uma camisinha de pano da Frozen. Levei a mão por baixo para alisar sua bucetinha, enquanto Sofia continuava apertando meu pau.
– Você gosta quando o tio pega na sua periquita?
– Ham ham… gosto!

Puxei sua calcinha para baixo e levantei sua camisola. Aquela bucetinha linda ficou a mostra pra mim. Abri seus lábios com os dedos e seu grelhinho ficou exposto. Brinquei um pouco com ele dedilhando. Sofia não largava meu pau e a ensinei a punhetá-lo. Ficamos um bom tempo assim, não estava com presa.
– Sofia tira a roupa pro tio.
– Tá bom!

Ajudei a tirar sua camisola e a calcinha. Ela ficou peladinha e foi minha vez de ficar pelado pra ela.
– Vem deita na cama.

Sofia deitou, fiquei com o corpo por cima dela. Desci a cabeça para beijar mais um pouco sua boquinha, depois Buchecha, pescoço e fui descendo pela barriga. Ela começou a dar risinhos de nervoso e retrair o abdômen.
– Faz cosquinha tio.
– Sofia, fala baixo alguém pode escutar a gente.
– Mas está fazendo cosquinha.

Parei de beijar sua barriga.
– O tio para, mas abre um pouco as pernas.

Sofia abriu cair de boca na sua bucetinha. com a língua lambia seus lábios por inteiro, que sensação maravilhosa. Lisinha com um gostinho incrível de menininha. Minha sobrinha estava quieta, parecia estar amando ser chupada.
– Está gostoso Sofia?
– Sim tio!
– Quer que o tio pare?
– Não!
– Quer que tio faça alguma coisa diferente?
– Não!
– Não?
– Não!
– Então, virá de costas pro tio.

Sofia ficou de bruços, deixando aquela bundinha de tanajura pro alto. Comecei a passar a língua em suas nádegas, bem no meio delas, abrindo com as mãos para lamber seu cuzinho. Logo na primeira linguada, minha sobrinha travou o cuzinho.
– Ai tio! Faz cosquinha!
– Eu sei, mas tenta segurar.

Sofia foi tentado segurar deixando ser linguada no cuzinho sem reclamar mais. Queira deixar seu cuzinho bem molhado para tentar comê-lo. Não estava com presa alguma e antes de tentar comer, ainda tinha que fazê-la chupar meu pau.
– Aqui também é gostoso?
– Agora sim, antes fazia cosquinha.
– Você gosta mais aqui ou na periquita?
– Na periquita!
– O tio chupa mais sua periquita se você também chupar o pinto do tio. Você chupa?
– Ham ham… chupo!

Sentei na cama com as costas na parede. Sofia veio e ficou com o rosto em cima da minha perna. Ela ficou tímida só olhado para o meu pau.
– Vai pega nele!

Ela pegou.
– Dá um beijinho nele!

Ela beijou.
– Agora abre a boquinha e chupa!

Sofia abriu a boquinha abocanhando a cabeça do meu pau. Ela não conseguia pôr mais. Sem que eu a mandasse fazer alguma coisa, por conta própria, Sofia começou a chupar. Tive que conter um pouco seu ímpeto.
– Calma Sofia! Chupa devagar!

Ela chupou mais calmamente.
– Assim tio?
– Isso assim!

Estava com minha sobrinha novinha chupando meu pau. Não precisei força nada, nem a obrigar fazer. A danadinha que procurou por isso. Comecei a pensar que a conversa que ela teve com a minha irmã sobre não deixar ninguém tocar na sua bucetinha. Deve ter encadeado a curiosidade.

Estava na hora de tentar comer sua bundinha de tanajura. Sofia ainda chupava meu pau, estiquei meu abraço para alisar sua bundinha. Pus o dedo por dentro do reguinho parando no cuzinho. Dei duas dedas para ver sua reação. Sofia parou de chupar:
– Tio, o que você está fazendo?
– Nada, o tio só está fazendo carinho no seu bumbum.
– Mas você estava colocando o dedo dentro!
– Sim, o tio está vendo se seu bumbum aguentaria o pinto.
– Você quer botar seu pinto no meu bumbum?
– Sim, você deixa?
– Mas o pinto entra na periquita?!
– Também pode entrar no bumbum! Na periquita sua mãe pode descobrir, no bumbum não!

Seu cuzinho continuava melado de baba. Sofia ficou olhando minha tentativa de colocar o dedo. Chegou a reclamar algumas vezes que estava doendo, mas na base da conversar ela foi deixando de boa. A ponta do meu dedo já tinha entrado toda.
– Ai tio! Tá doendo!
– Calma Sofia, é assim mesmo. Viu já entrou o pouquinho do dedo.

Com delicadeza meu dedo penetrava seu cuzinho virgem de menininha. Ela parou de reclamar e calmamente comecei a fuder seu cuzinho com o dedo.
– Está doendo agora Sofia?
– Só um pouquinho tio.
– Agora você deixa o pinto colocar o pinto?
– Não sei!

Tirei o dedo. Voltei a beijar sua boquinha antes de enfiar meu pau no seu cuzinho. A pus de bruços.
– O tio vai colocar agora, se doer muito o tio para. Mas se doer muito está bom?
– Sim tio!

Cuspi na mão para espalhar na cabeça no pau. Abri suas nádegas e mirei a cabeça do pau na entrada. Forcei uma primeira vez, e nada. Lá pela quinta vez enfim a cabeça passou. Sofia soltou um “ai tio!”. Perguntei se estava doendo muito, ela respondeu que só um pouquinho. Seu cuzinho engolia meu pau. A toda hora perguntava se estava doendo muito, e a resposta era a mesma: – só um pouquinho!

Enfiei mais da metade do meu pau em seu cuzinho e aos poucos fui bombando. QUE CUZINHO MAIS GOSTOSINHO! A safadinha estava quietinha tomando no cu. Seu rabinho de tanajura fazia jus ao apelido. Sofia tomava no cu parecendo mulher formada. Como sempre fazia as perguntas para saber como ela estava.
– Parou de doer Sofia?
– Agora dói menos!
– Tá gostando?
– Mais ou menos!
– Quer que o tio pare?
– Não tio!

Com calma continue a fuder seu cuzinho, gozando dentro. Minha porra escorreu pra fora quando tirei o pau de dentro. Sofia colocou a mão no bumbum:
– Tio, você soltou o leite do seu pinto?
– Sim!

Eu e ela caímos no sono. Acordei pela manhã no susto. Olhei para minha sobrinha totalmente pelada e gozada em cima da minha cama. Para minha sorte despertei muito cedo e ninguém ainda havia acordada em casa. Peguei um camisa e limpei a bagunça feita. Acordei Sofia e a fiz ir para sua cama.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,57 de 21 votos)

# # #

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Telemaco

    Parabéns estava ansioso pela continuação…. tem telegran se tiver me chame @TelemacoTb

  • Responder Roberto

    delicia adoro uma nova tb tenho muita experiencia sobrinhas filhas de amigas …nessa idade elas sempresão curiosas rsr ,,, se quiser me cham no email [email protected]

  • Responder Rafaella

    Parabens pros dois.. Beijos

  • Responder Kakaca

    Muito bom conto! Bem escrito, com detalhes. Continue assim. Parabéns! Essas meninas são muito safadinhas! É só dar carinho, atenção e prazer! Sem violência!