# #

Sonhei com minha colega de classe, e tive uma deliciosa surpresa

378 palavras | 0 |3.60
Por

Era uma noite como todas as outras, podia-se ouvir a cantada noturna do lado de fora de minha casa. 22h!! Preciso dormir. Deito-me na cama e ponho-me a adormecer lentamente. Meus olhos fecham. Muito não demora e minha visão renasce em um plano totalmente diferente. Estou vestido com meus trajes casuais, caminhando numa calçada. Então me dou conta: ESTOU SONHANDO!! De repente sinto uma leve pressão em minha mão. Viro-me imediatamente para ver o que acontece e não tardo a me surpreender. Uma figura feminina paira ao meu lado. Minha memória começa a agir: É Mary, minha colega de classe do Ensino Médio, a garota mais linda da turma. Eu como um nerd virjão tremo e coro no mesmo instante. “Calma docinho, não vou lhe comer”, diz ela, “Apenas quero compartilhar esta caminhada com alguém interessante”. Eu estranho mas logo cedo aos seus encantos. Depois de uma longa conversa sobre os mais diversos assuntos, Mary começa a sentir um aperto e diz: “Chuchu, estou apertada, preciso urinar”. Mary avista um viaduto não muito longe do outro lado da rua. “Irei mijar naquele lugar, espere por mim. MAS, não olhe para mim, senão você irá ter severas consequências”. Porém não pude me conter e tratei de mirar sobre Mary e então…SURPRESA: Aquela garota linda que é uma mulher completa na vida real estava urinando em pé, revelando um grande e grosso pau naquele universo fantasioso. Mary ficou envergonhada, mas logo enfureceu e rosnou: “IDIOTA, você não devia ter visto, agora irá pagar com essa sua boquinha de veludo.”. Mary me agarrou pela cabeça e, apesar de forte resistência, colocou seu pau grosso e suculento em minha boca virgem. “CHUPA SUA CADELINHA, MAMA MINHA MAMADEIRA CHEIA DE LEITE SEU PUTINHO”, gritava ela com um sorriso maléfico. Então tratei de chupar aquele pau duro e gostoso para satisfazer minha dona. Ela movia o pau para fora e para dentro de minha boca em um movimento repetitivo, aumentando nossos prazeres. Ela gemia como uma dama e me tratava como uma puta, me fazendo engasgar. Então ela gozou em minha cara depois de uma longa mamada. Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,60 de 5 votos)

Por # #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos