#

Esposa Liberada

1168 palavras | 7 |4.71
Por

A barreira entre a fantasia e a realidade é forte, mas pode ser rompida pela força do desejo

Sou casado com a Marilia há 5 anos, mas ao todo temos 8 anos de relacionamento, somando namoro e noivado. Ela tem 34 anos, morena clara, 1,62, uns 60 kilos, cabelos castanhos, seios medios, uma bunda redondinha e empinada que me deixa louco e uma bucetinha tipo inchadinha que me deixa mais maluco ainda. Há uns 2 anos ela resolveu fazer depilação definitiva, e a xaninha tá sempre lisinha.
Temos muita intimidade e cumplicidade, inclusive no sexo. Gostamos de brincar e fantasiar na cama.
Dentre essas fantasias, claro que está ela transar com outro e eu comer outra mulher.
Há uns 6 meses (antes dessa pandemia maluca), ela me perguntou se eu realmente a deixaria dar pra outro. Respondi que sim. Ela sorriu e disse que um cara do trabalho tinha cantado ela. Eu perguntei o que ela sentiu e ela disse que de tanto eu falar sobre isso deu vontade.
Me deu um ciúme terrível. E um tesão enorme. Ela percebeu meu pau duro e transamos muito gostoso.
Quando terminamos de transar ela me beijou e disse que não faria nada sem meu consentimento. Eu disse que ela podia ir em frente, mas com cuidado.
Devido a pandemia, ficamos trabalhando de casa e isso fez esse desejo ficar mais intenso. Ela conversava muito com o Renato. Ele era bem discreto, mas dava em cima dela sempre que podia. Me dava ciúme e tesão ver as conversas no Skype.
No começo do mês passado, voltaram ao trabalho presencial na empresa que ela trabalha, voltando assim o contato pessoal dela com o Renato.
No final da semana, ela disse que não tava mais aguentando de vontade e queria dar pra ele, mas estavam com medo. Eu sugeri então que fosse na nossa casa, depois do expediente. Eu ficaria escondido no guarda-roupa e, se ela não gostasse ou não quisesse, era só falar um código que eu interferia.
Ela combinou pra uma 3a feira. Eu saí mais cedo do trabalho e me escondi no guarda-roupa. Fiquei esperando. Cerca de 40min que eu estavam lá, ouço barulho da sala. Era ela e ele. Meu coração disparou. Ouvi risos e de repente entraram no quarto, aos beijos.
Meu pau ficou duro feito pedra e meu coração parecida que ia sair pela boca.
– tem certeza que seu marido não vai chegar? – ele perguntou.
– sim. Ele ia disse que ia ficar até mais tarde no trabalho dele. Temos até as 11 da noite – ela respondeu, sentando na cama.
Ele de pé, ficou entre as pernas dela e deu um beijo na boca. Então pegou a cabeça dela e puxou, em direção a cintura. Ela abriu o super da calça dele e botou a mão dentro da cueca e puxou o pau pra fora. Eu não conseguia acreditar no que via. Ela começou a mamar a pica dele, com vontade. A pica era mais ou menos no tamanho da minha (18cm), mas era bem mais grossa.
– isso, sua safada. Chupa meu pau na cama do seu corno chupa.
Ela se deliciava no cacete do Renato e eu de pau duro, olhando por uma frestinha do guarda-roupa.
Ele tirou o pau da boca dela e a puxou, deixando ela em pé. Pegou o vestido dela de baixo pra cima e deixou ela só de calcinha e sutiã. Então ele empurrou ela na cama, tirou a calcinha dela e disse:
– minha vez – e caiu de boca na bucetinha da minha mulher. Ela gemia, se.contorcia puxando a cabeça dele.
Olhou na minha direção, gemendo de tesão.
– ai Renato, não para. Não para que vou gozar.
Ele parou. Ela ficou louca.
– não para, seu safado. Quero gozar.
– vc vai gostar muito, mas é na minha pica, sua puta!
Ela abriu bem as pernas e disse:
– então vem logo. Me fode que não to aguentando mais de vontade.
Ele foi por cima dela, pegou um travesseiro e botou embaixo da bunda dela, deixando a contra mais alta e ela toda arreganhada. Começou a forçar aquela tora na xaninha dela, que gemia dengosa e tesuda.
– ai Renato, devagar com essa pica.
Ele pegou as pernas dela e botou os joelhos nos ombros dele. Ela toda aberta. O filho da puta socou tudo pra dentro. Ela gritou e ele começou a fuder ela com força.
– aaaaaaiii seu filho da puta!
– toma pica, vagabunda! Toma pica na cama do corno!
O cara fudeu ela sem dó e ela adora do as socadas. Ela cruzou os tornozelos na cintura dele e gemeu, dizendo que ia gozar. Ele socou fundo e ela gozou no pau dele.
– goza vadia, goza!
– to gozando seu porra!
Ele beijou ela na boca. Ela correspondeu, ainda gozando.
– vira de 4, cadela.
Ele tirou o pau da xotinha dela, todo melado. Ela ficou de 4, ele agarrou ela pela cintura e invadiu minha mulher de novo. Começou a bombar de novo, puxando ela pelos cabelos. A safada gemia e empinava o rabo pra ele.
– aaah caralho, Marilia! Vou gozar. Vou gozar!
– goza, seu puto goza! Enche minha buceta de porra enche!
– toma filha da puta toma! Toma porra!
Ele meteu um dedo no vizinho dela. Não acreditei no que ela falou em seguida.
– goza dentro da minha buceta, Renato!
Ele deu um urro e gozou!
– vc é uma puta safada, Marilia!
– sou sua puta safada!
Ficaram um tempo deitados, ele por cima dela.
De repente o celular dele tocou. Era a mulher dele. Ele falou rápido e disse que precisava ir. Ela foi com ele até a porta.
Eu saí do guarda-roupa quando ouvi a porta se fechando. Sentei na cama.
Ela voltou, tirou o roupão e pulou em cima de mim. Antes de eu poder dizer qualquer coisa ela começou a me beijar, loucamente.
– te amo, amor! Te amo muito! Te amo muito!
Pegou meu pau e encaixou ele na bucetinha dela, laceada e melada da porra do Renato. Meu pai entou fácil como nunca tinha entrado antes. Ela começou a rebolar, louca de tesão.
– aahhh amor! Goza comigo amor! Goza comigo, meu corninho!
Fiquei fora de mim com ela me chamando de corno. Dei um tapa na cara dela. Ela sorriu e me puxou por cima dela. Fiz o movimento, sem tirar o pau de dentro. Ela olhou bem nos meus olhos e disse:
– me fode, seu corno. Fode a minha buceta toda gozada da porra do Renato!
Comecei a socar, com raiva, ciúmes e tesão, enquanto ela repetia sem parar:
– isso, meu corninho, fode! Fode corninho fode!
– vou gozar, sua puta!
– eu to gozando de novo, seu corno!
Gozamos juntos, ela me beijando ainda com o gosto da pica do amante dela…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,71 de 17 votos)

Por #

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder wendell

    olá quero conhecer sua esposa liberada e comer ela bem gostoso, sou de salvador
    imail: [email protected]

  • Responder Marido_

    Ainda não tive coragem de contar a minha mulher que quero ser corno dela. Ver ela gozar em outra pica.

    • Augusto

      Em qual Estado mora por gentileza?

  • Responder Marido feliz

    Além de ser uma delícia ver tua mulher gozar em outro pau, é a prova que ela te ama ,quer ter prazer sem trair , perfeita e deliciosa.

  • Responder Marcio

    Meu primeiro chifre também foi em nossa casa, minha esposa tinha medo de ser flagrada, então sugeri para ela meter em nosso apartamento.
    Mesmo insegura ela combinou o com o amigo, seria na parte da manhã quando nosso filho estivesse na escola.
    Conforme combinado ela pegou ele e trouxe para nosso apto evitando a identificação dele na portaria.
    Assim que ele foi embora ela me avisou e corri para casa e fomos para nosso quarto e em cima da cama bagunçada eu chupei e comi sua buceta recem fodida e cheia de porra.

    • Casado

      Meu skype live:.cid.3a7eb04bcfc49b88

  • Responder Amigo Liberal Sp

    Sou da capital, adoraria conhecer vocês, [email protected]