# # #

Engravidando a depressiva 3

1097 palavras | 6 |4.27
Por

Leiam os contos anteriores e não reclamem dos erros, o corretor faz cada merda, troca palavras e ainda assim é bem melhor que muitos por aí kkk

Tomei posse da casa da crenteizinha, o corno saia para trabalhar e eu ia praticamente que morar lá. A mãe dela também passou a ser muito frequentadora da nossa casa, pois tomou gosto pela rola e amou aprender a chupar a buceta da filha, sendo assim a fodelança estava formada.

Durante a semana acordava diariamente com a mamãezinha da Cleide babando nos meus ovos, ela pegou gosto pela coisa e passou a se dedicar muito na chupada, a ponto de ser a primeira mulher a engolir minha rola toda. Já a filha era mais calma, porém mais obediente, eu a comia forte depois de depositar meu leite na mãe e mandava que satisfizesse a vagabunda da mãezinha enquanto eu me banhava para ir trabalhar, quando voltava para o quarto a mãe estava montada na cara da filha e gemendo, eu então apenas enfiava sem dó e gozava dentro.

Os dias foram passando e a rotina ficando mais gostosa, Cleide agora saia comigo pelo bairro como esposa e foda comigo onde quer que fosse, era uma loucura, já sua mãe dava escapadas a noite dizendo ir a igreja da filha e foda até o horário do término do culto, uma loucura. Nossa rotina só mudou quando a menstruação da Cleide atrasou, aí tivemos que fazer o exame e se confirmou gravidez, três semanas, sua mãe também sentiu algo de estranho, mas por achar impossível pela idade não ligou, porém quando viu o exame da filha correu fazer um também e também soube que estava grávida.

A sorte da Cleide é que o marido havia voltado para casa duas semanas antes e ela deu para ele, então ainda poderia engana-lo, já sua mãe teve que dar para o marido uma semana direto e esconder a gravidez até onde pode, assim ele não desconfiaria do período. Até então tudo bem, mas o que deu merda foi que Monique, irmã mais velha de Cleide começou a desconfiar da mãe, pois ela saia todas as noites dizendo ir para a igreja, mas todos sabiam o quanto ela odiava religião.

Certa noite, enquanto tomava banho após uma bela foda, ouvi uma gritaria enorme, então sem pensar saí do banheiro apenas de toalha e me deparei com uma loira peituda – cintura fina, bundinha redondinha e vestindo uma calça legging branca e croped de academia da cor preta – encima da mãe e da irmã aos tapas. Na tentativa de apartar minha toalha caiu e só então a loira se deu conta de que havia mais alguém no quarto.

O problema todo foi que Monique entrou sorrateiramente e pegou mãe e filha na cama nuas, se chupando, então ficou indignada e foi para cima delas, mas ao me ver ficou claro o que acontecia e ela largou as duas e veio para cima de mim. Segurei seus braços e ela enraivecida me chamou de viado e cuspiu na minha cara.

– Você está destruindo duas famílias seu viado de merda, esse pau pequeno e murcho deveria estar enfiado no seu cu e não nelas.

Nessa hora me irritei e dei um tapa em sua cara fazendo com que caísse na cama.

– Seu covarde, além de viado ainda agride mulheres.

– Bem, você me chamou de viado e fiquei quieto, mas cuspir na minha cara e falar que minha rola é pequena já é de mais. Vou te mostrar como a rola pode crescer.

Então a agarrei e imobilizado seus braços enquanto mandava Cleide e sua mãe tirarem as roupas dela. Cleide fez sem pensar, sua mãe titubeou mas obedeceu, assim em minutos aquela cavala, rata de academia estava nua.

– Agora Cleide, mostre para ela o porquê de sua mãe adorar sua boca. Já você mamãe puta, mame nesses peitos gigantes dessa vadia, pois se ela vai foder nossas vidas, ao menos tenha a decência de nós fazer gozar.

Cleide abriu as pernas da irmã com dificuldade, mas quando começou a chupar ela tremeu toda e urrou de tesão, já a mãe mamava em suas tetas com vontade, deixando os bicos até vermelhos. Também não perdi tempo, enquanto ela delirava botei meu pau em sua boca e a fiz chupar forte e disse que se mordesse apanharia como nunca.

Quando ela já estava totalmente entregue soltei suas mãos e mandei Cleide trocar de lugar comigo.

– Você já viu viado fazer isso?

Então mergulhei a boca na buceta dela e dei a melhor lambida da minha vida, suguei, bati, mordi e bebi seu néctar por 3x seguidas enquanto ela mamava o grelo da irmã gravidinha. Quando ela estava bem mole mandei a mãe montar em sua cara, como fazia com a irmã, e soquei a rola dentro dela enquanto a Cleide lambia o cu da mãe com vontade.

Foram 3 horas de foda até que apaguei a buceta dela, foi muita porra e ela ficou toda mole esparramada na cama sem conseguir sequer falar.

– E agora, ainda me acha viado?

Ela sequer conseguiu responder, então mandei que as duas a carregassem para o banheiro e dessem banho nela. Cleide voltou rapidamente e então eu a fofo com gosto, ela estava linda grávida e me fez ainda.mais feliz obedecendo minha ordem contra a irmã.

Quando saíram do banheiro Monique estava vermelha e ofegante, a vadia da mãe deve ter aproveitado dela no banho, então se sentou e contamos tudo a ela que, agora, aceitou numa boa.

Nem preciso dizer que virou uma festa daquela a casa da Cleide, pois depois de algum tempo elas já não podiam mais foder com força e Monique assumiu o papel delas, dando conta da minha rola. Quando nasceram os bebês foi uma festa, os cornos amaram, acharam estranha a cor, mas ambos eram morenos e não podiam exigir filhos brancos. O único problema veio quando nasceu o filho de Monique, pois os 3 tinham a minha cara, com excessão do mais novo que puxou os olhos verdes da mãe.

Mas isso é outra história, conto depois para vocês, caso queiram…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,27 de 15 votos)

Por # # #

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Anônima

    Verdade que vc tem as suas submissas? Então continua… Por quê parou? Por que vc parou de escrever contos eróticos sobre as submissas? Está sem tempo pra isso,está sem criatividade ou perdeu a prática? Algum problema? Você está precisando de “inspiração” para continuar escrevendo? Ou será que vc já encerrou a sua coletânea de contos eróticos sobre as suas submissas? Já deu Fim nesse tipo de conto erótico?

  • Responder Anônima

    Já vi que vc gosta de uma submissa.Porque em alguns contos seus que eu li,sempre tem uma personagem feminina que é submissa a você.Só resta saber se esse seu gosto por mulheres submissas é só na ficção ou na vida real também.Vc tem ou já teve uma submissa na vida real? Alguma mulher já aceitou ser a sua submissa no dia a dia? Você já foi o dominador de alguma mulher,assim como nos seus contos eróticos? Ou isso de ser o Dominador e a mulher ser a sua submissa nunca se tornou real na sua vida? Será que ser o dominador de uma mulher só fica nos seus pensamentos? Na sua imaginação,nas suas fantasias eróticas secretas e nos seus desejos profundos sem nunca terem se tornado realidade.E você transforma tudo isso que imagina em contos eróticos fictícios,sem nunca ter vivido isso que vc escreve.

    • Negroeamor

      Tenho minhas submissas, amo isso

  • Responder Suzi

    Que fome de bucetas em?

  • Responder Michael Massuni

    Eu sei que é um conto mas exagera não.. daqui a pouco tu vai falar que tá comendo o cachorro da família … Vai pra parte que o corno começa a desconfiar e vira corno manso …

  • Responder Anônimo

    manda continuacao