# #

Comi a irmãzinha dele de 9 anos

3478 palavras | 42 |4.74
Por

Adailton, 31 anos, foi entregar gas e viu que a garota estava sozinha, depois de descobrir que o irmão mais velho comia ela.

*********** Identidade Bourne é meu codinome **************
história de Adailton, 31 anos, primeira vez algo proibido

Meu nome é Adailton, vou contar o que aconteceu uns anos atrás, quando eu tinha 31 anos e estava noivo.
Minha família tinha um mercadinho na cidade do interior, que atendia a vizinhança. Eu também trabalhava lá com meus pais e estava pra abrir um só para mim.

Dona Helena era uma mulher madura, viúva pensionista e sempre fazia compras lá. Nesse dia ela comentou que seu filho, André tinha batido o carro. O moleque só dava trabalho pra ela, com 17 anos só queria saber de academia e meninas. Eu sempre avisa ele pra ter cuidado com essas bombas e anabolizante. Mas o moleque dizia que queria ficar maior que eu, e ele já estava enorme pra idade dele. 

Eu me ofereci pra entregar as comprar à casa dela, ela disse que André estaria lá pra abrir o portão pra mim.
 No fim do dia eu fui. Estacionei a caminhonete, apertei a campanhia várias vezes, bati palma e nada. Como era uma casa de esquina, havia um portão pequeno no muro do lado, fui lá e gritei pelo nome. Vi a cortina da janela do quarto abrir um vão. Era André sem camisa, abotoando sua bermuda jeans com dificuldade pois parecia estar com ereção por dentro da cueca.
– Ei já vai! – ele disse da janela.
Pensei logo que eu havia interrompido uma foda do moleque.

Ele me abriu o portão e me deixou entrar com a caixa das compras, ele estava suado. Ouvi da cozinha uma tosse de menina vindo do corredor, percebi que era irmã dele, Janaína que devia ter menos de 10 anos.

– André! Vem! – ouço ela dizer com uma voz bem dengosa e chorosa.
André estava comigo na cozinha me entregando um cheque de pagamento, eu fiquei meio pasmo ao ver que ele claramente estava de pau duro por baixo da bermuda e gritou de volta.
– Mandei você esperar aí! 

Ele estava com um corpo bombado, costas com espinhas, e provavelmente seus hormônios fervendo sem se importar comigo. Eu me despedi e sai, esperei um pouco para espiar do portãozinho a janela do quarto dele, pude ver algo como ele entrando de volta no quarto, e ouvi a garota tossir do mesmo quarto. O maluco estava passando vara na irmãzinha. Fui embora quieto e pensativo.

No dia seguinte dona Helena liga no mercado pedindo desculpas porque ela havia esquecido de pedir um botijão de gás. Eu disse que levaria sem problemas no fim do dia. Ela me disse que se ela ia pra igreja de carona mas que André ia ficar em casa pra olhar a irmã. Ela mal sabia que o rapaz estava já estreando a irmãzinha.

Já estava escurecendo quando cheguei com o botijão, parei a caminhonete na frente do portãozinho do lado, desci o botijão nos ombros, olhei pela grade e vi que a janela do quarto estava escura então chamei pelo André. Mas Foi Janaína que veio abrir pra mim, descalça com um tomara que caia apertada e uma sainha rodada. Ela abriu o portão timidamente. Eu lembro de tê-la visto algumas vezes, mas agora ela estava mais carnudinha. Fiquei meio culpado de pensar isso, pois eu tinha uma priminha, filhinha da minha prima, na mesma idade, que era muito curiosa e me causou pensamentos por muitas vezes e eu sempre relutei. 

– Cadê seu irmão? – perguntei entrando e Fechando o portão.
Ela não respondeu. Ficou tímida. Então segui até a cozinha para trocar o botijão.
– Cadê André, florzinha?
– Se eu falar… não posso falar…! – ela parecia nervosa retorcendo sua sainha.
– Ele saiu?
Ela afirmou com a cabeça.
– Deixou você sozinha nessa rua escura?
– Ele só foi ver a namorada, porque minha mãe não deixa! – ela disse pra defender ele. – Por favor não conta pra minha mãe?

Era muito perigoso, todos estavam com medo porque havia uma onda de estupros na região, ele não tinha cabeça nenhuma mesmo. A energia da região caia quase toda noite. 

– Que horas ele volta?
– Não sei! Antes da minha mãe chegar, mas ela sempre demora!
– Você não tem medo? E se acabar a luz?
– Tenho, mas ele me disse pra trancar tudo e não falar com desconhecidos.
– Vou ficar aqui com você tá? Pra você não ficar sozinha!
Ela aceitou em silêncio e ficou parada olhando o que eu fazia, tinha um olhar de curiosa mas ao mesmo tempo parecia com medo de mim.  Naquela época os celulares eram muito caros, do modelo Motorola, poucos tinham, usei o meu pai pra explicar e pedir pra ele fechar o mercado.
– Ele me deu esse numero ó! – ela veio com um papel com número de celular.

Eu enviei mensagem pra ele pra saber que horas ele Voltaria, ele respondeu por texto que ia demorar , tinha acabado de chegar e por favor não contar pra mãe dele. Ele estava indo encontrar uma menina num lugar escondido. Janaína sentou-se no chão minha frente enquanto eu trocava o gás, eu pude ver sua calcinha frouxa pro lado, revelando sua parte íntima. Eu tentei não olhar, mas não dava. Ela parecia distraída com uma revistinha, parecia gibi, me dava umas olhadas e voltava pro gibi. Como eu estava agachado, eu vi que sua xaninha estava ficando brilhosa, molhada. Senti meu pau esquentar. 

Eu me levantei com o botijão no meu ombro e ela rapidamente escondeu o gibi.
– O que é isso que você tá vendo? – perguntei num tom curioso olhando pra baixo pro seu rosto. Ela ficou agachada olhando pra cima me vendo em pé diante dela, meio nervosa.
– Nada não tio.
Vi que era uma revistinha pornô, fiquei quieto, fiz de conta que não vi. Fui até a varanda da cozinha, onde deixei o botijão no chão. Ela me seguiu.
– Porque você é forte assim?
– Porque trabalho muito! – levantei meu boné pra tirar meu suor com meu punho, ela reparou nas minhas correntes grossas no pesçoco e parte da tatuagem no meu peito que ficou visivel pela gola da camiseta polo aberta.
Não sei se ela ficou com medo, porque o povo do interior liga tatuagens e esse estilo desleixado com marginal.
Falei pra ela que ia ficar sentado na varanda dos fundos, lá havia um sofá de madeira e estofado, onde sentei-me e acendi um cigarro. Eu vi de canto de olho que ela ficou parada em pé me olhando de longe, já tinha anoitecido e a luz era fraca e nem iluminava o quintal. A situação me excitou. Abri bem minhas pernas pra dar espaço pro meu pau crescer. O fato de ela estar me observando me deixou duro, e eu pensei em ir embora, mas também não podia deixa-la sozinha, ela parecia bobinha. Fiquei imaginando o irmão comendo ela, ele mesmo não resistia. Comecei a me tocar, e ela me observando, então me virei pra falar com ela.
– Acho que eu preciso mijar…
– Que ir ao banheiro tio?
– Não, não quero incomodar, vou mijar aqui atrás na terra mesmo. Só queria um copo dágua! – falei pra ver se ela saia dalí.
– Tá! – ela sumiu pra cozinha.

Então eu sai da varanda indo mais ao fundo depois do tanque de lavar roupa onde havia terra e uma plantas, fiquei meio de lado . A lâmpada ainda iluminava, então abri o botão da minha calça que usava pra trabalhar, tipo de manutenção, folgada, cheia de bolsos, meu pau saltou inchado, . Nisso ela apareceu meio confusa não sabia onde deixar o copo, ao me ver deu um sorrisinho e veio até ao meu lado, levantou o copo pra eu pegar e me vendo de pau pra fora.
Meu pau estava duro, um pouco curvado pra cima e eu precisaria relaxar pra poder mijar. Ela meio tímida, mas com olho fixado na minha pica pra fora, tava díficil. Larguei uma mão pra pegar o copo.
– Obrigado queridinha! – eu disse começando a beber, enquanto ela esperava me vendo de pau pra fora, eu estava gostando de ver uma menininha interessada em ver meu pau de adulto, com outra mão eu puxei meu saco pra fora e fiquei alisando meus pelos pubianos.
Bebi a metade e dei uma pausa pra tomar fôlego.
– Desculpa por mijar aqui, você não tá com vergonha não né?
Ela discretamente tocava sua xaninha por cima da saia e apertava suas perninhas. E respondeu com a cabeça que não.
Terminei o copo e devolvi pra ela. Ela correu pra cozinha.
Esperei uns 2 minutos para conseguir mijar, eu cortava os jatos que faziam barulho nas folhas das plantas, ela ficou em pé me olhando da varanda em silêncio. Eu já estava louco, sabendo que ela já dava sua xaninha nessa idade, até me veio pensamentos sobre a prima pequena, será que ela também já estava sendo traçada???

– E você gosta de ver?
– uh hun!
– Pode vir ver, não tenho vergonha! Mas não conte pra ninguém tá? – disse num impulso.
– Tá! – ela se animou um pouco veio do meu lado pra ver o jato sair da minha pica.
– Vou acertar naquela folha quer ver? – eu soltei um jato sobre a folhagem, ela riu.
Olhei pro seu rostinho feliz, ela olhos oscilavam entre meus olhos e meu pau, se coçava de ansiedade.
– Quer tentar acertar lá! Eu deixo, não estou com vergonha com você – eu disse tirando minha mão do meu pau.

Ela ficou pensativa, levantou a mãozinha e segurou meu pau, me olhou confirmando aprovação. Eu abri um sorriso.
– Isso, agora mira na folha igual uma mangueira! Puxa ele pra baixo, sem ter medo!
A mãozinha dela deu volta no meu pau e com pouco de força mirou pra folha, e soltei um jato forte, ela riu empolgada apertando sua pepeka com a outra mão.
– Quer fazer xixi? Que acertar na folha também? Eu te ajudo.
– Quero! – fez uma cara animada.
Eu a levantei a segurei de pernas abertas pra folhagem, deixei ela bem arreganhada, mandei ela puxar a calcinha pro lado, eu estava com a nuca dela no meu peito, sua saia pra cima, a menina cheirava algo como doce de leite, shampoo adocicado.
– Viu como eu sou forte? Levanto você sem nem tremer!
Ela dava umas risadas bem desengonçadas. Pedi para concentrarmos. Demorou um pouco mas ela fez um xixizinho. Depois baixei seu corpo esfregando minha rola na xaninha dela, que delicia, molhadinha. Fiquei surpreso em ver que ela fez um movimento empinando e se esfregando com mais força. Minha respiração acelerou, eu por traz dela meti meu dedo em sua pepeka molhadinha. Ela se entregou se arreganhando e ficou quietinha, até que eu parei, então ela mesma tentava rebolar na minha mão.

Carreguei ela pra varanda, com meu pau pra fora, soltei ela no chão, levantei minha calça e cueca que já estavam nas canelas. Ela me viu abotoando meus botões e empurrando meu pau pra dentro, eu não sabia que era tão tesão deixar uma menina me ver de pau pra fora.
Sentei-me no sofá da varanda, acendi outro cigarro enquanto apalpava minha rola dura, que fazia uma montanha na minha bermuda. Deixei a garota morrendo de tesão e eu adorei ver isso. Ela pulava de um lado pro outro, ficava me rodeando, puxando assunto, se esfregando no braço do sofá. Ficou contando da escola.
– Não conta nada pra ninguém tá, senão seu namorado não vai gostar! – eu disse atentando.
– Eu não tenho namorado!
– Ontem vi seu irmão namorando você!
Ela ficou com vergonha, vi seu rosto avermelhar.
– Não fica com vergonha bobinha! Você gosta de brincar né?
– Gosssto!
– Vixi, meu bilau tá tão grande! É porque você está perto! Fica igual ao do seu irmão! – eu joguei um verde. – Ele quer sair da minha calça!
Ela se sentou do meu lado vendo meu pau fazendo força pra cima. Eu estava já confuso, não sabia se aproveitava mais ou parava por aí.
Fiquei fumando olhando pro quintal e vendo de canto de olho ela observando minha rola, que não parava de pular. Abri mais a perna encostando minha coxa no joelho dela. Parecia automatico minha cintura se empinando pra ela. Nisso catei rápido meu celular e mandei mensagem pro André querendo saber que horas a mão dele chegaria. Ele rapidamente respondeu que em uma hora e meia, mas ele chegaria em uma hora no máximo, me pediu por favor pra não contar nada. Eu respondi que ainda estava na casa dele e não ia deixar sua irmãzinha sozinha de noite. Ele pediu desculpas e disse que eu poderia jogar video game no quarto dele enquanto isso. Então eu ainda tinha um tempão alí.

– Que celular bonito, deve ser bem caro né?
– Sim, comprei novinho, olha!
Ela se escorou na minha coxa pra ver, e sua mão por cima da minha rôla. Meu pau pulsou e ela olhou pra ele.
– Tio você vai fazer mais pipi?
– Difícil porque tá muito duro. Por que? Quer ver como é?
Ela disse que sim com a cabeça.Não acreditei, uma menina pedindo pra ver meu cacete!  Eu abri todos o botões da calça, puxei minha rola e bolas pra fora, todo exposto pra ela ficar olhando.
– Eu aparo os pelos, ainda assim é peludo! – eu disse puxando assunto, ela riu pressionando a sua xaninha.
– Quer ver mais? Você nunca deve ter visto um homem peludo né? Com você eu não tenho vergonha!
– Só vi na revistinha!
– Deixa eu ver?
Ela correu pra dentro pra pegar, nisso eu tirei toda minha roupa. Sempre tive vontade de me exibir assim pras meninas. Ela voltou se deparando comigo em pé, nu, só de boné fumando cigarro, com minhas correntes no pescoço e minha tatuagem no peito, uma serpente com asas em tribal.
– Viu, olha meu peito e minhas pernas!
– Ah tio, você é mais peludo que esse homem ó! – disse ela me apontando a pagina da revistinha.
Peguei e vi algumas paginas, adorando saber que eu estava peladão bombando meu pau pra menina curiosa. Entreguei a revista pra ela dando umas encoxadas, roçando minhas pernas no corpinho dela.
– Faz de conta que sou o lobo mau! – eu disse agarrando ela como se fosse morder, esfregando meu cacete nela todinho. Sentei-me no chão e esfreguei minha cara na bunda dela.
Ela deu gargalhada e se agachou comigo no piso da varanda, eu de pernas abertas no chão balancei meu pau na mão dela e nessa brincadeira ela acabou pegando nele varias vezes. Fiz cócegas nela e a puxei pra sentar na minha coxa, senti o cuzinho dela piscar.
Daí não me contive, a coloquei sentada no sofá e eu em pé com minha rola na cara dela. 

– Chupa igual você chupa seu irmão vai! Eu sei que ele te come!
Vi que ela ficou nervosa.
– Não vou contar pra ninguém, prometo! Todas meninas gostam de chupar meu bilau!
Então com uma mão eu a segurei pelos cabelos e fim um rabo de cavalo só pra apoiar, enfiei minha rola na boquinha dela, enfiei o maximo que pude, mas com cuidado, ela me olhava no rosto com seus olhos esbugalhados, até que ela tentou empurrar com as mãos, então parei, não queria forçar nada, meu pau saiu com uma baba esticando.
– Abre as perninhas, mostra a xexeca pro tio! Vai! – eu disse pondo o dedo no grelinho dela.
– Você gosta? – eu disse dedilhando com carinho.
– Uh uhn!
– Seu irmão come sua perereca?
– Uh uhn!
– Você deixa eu comer ela também? Eu queria tanto! É tão macia!
– Uh hun!

Eu a virei de quatro no sofá, levantei sua saia revelando sua bundinha gorda, puxei sua calcinha pro lado, cuspi, fui brincando e forçando na bucetinha dela devagar, dando tempo pra ela curtir. Eu só via sua boceta esticando, com os labios saltando pra fora engolindo minha rôla até a metade, quentinha, molinha e meladinha, ela reagiu, parei de empurrar um pouco e fiz carinho na bunda dela, tirei seu cabelo na nuca suada e fiz o rabo de cavalo, Que segurei com uma mão passei Minha outra por debaixo do pano pra sentir seus mamilos e comecei a entrar mais fundo bem devagarinho, ela sofria mas parecia estar gostando, respirava e suava, mas não recuava mais. Ela estava presa na minha rola como uma cadelinha na pica de um cachorro. Eu só a prendia pelo cabelo não estava forçando. Eu senti minhas costas arrepiar, eu me senti um animal, um lobo mal.
O cuzinho dela parecia saltar pra fora, fiquei massageando seu botãozinho roxo com meu dedão. Bombei devagar e fiquei assim por uns 10 minutos com ela choramingando.Tirei meu pau pra ver o estrago, sua bocetinha estava toda arrombada, vermelha com tudo pra fora, que tesão caí de língua, ela começou a tremer, virei ela de pernas pra cima e meti minha linguona olhando pro rosto de choro dela.
– Tá doendo??? Quer que eu vá embora?
– Naum… é cosquinha!
– Então melhor meu bilau, pode?
– Mas dói tio, é grande!
– Mas ela abre pra entrar tudo! Ela aguenta! Depois fica gostoso! Né?
– Sim, goshtoso – falou manhosa.
– O tio faz devagar então tá!
Antes eu chupei aquela bucetinha gordinha, abocanhei inteira deixando bem molhada. Levantei-me de frente pra ela, peguei suas panturrilhas e abri suas pernas e bombei meu pau olhando pra aquela boneca. Bombei devagar, mas me mantendo firme, convencendo a ela relaxar . Fiquei assim quase 20 minutos, vendo o rostinho dela enquanto meu cacete de 19cm, grosso como uma garrafinha de Coca Cola, entrou até as bolas, meus pelos da virilha cobria a xaninha dela. Até que rosnei e senti esguichar como nunca. Meus músculos se contraíram e meti fundo puxando a cintura dela com suas pernas travando Em volta da minha cintura e jorrei Fundo dentro dela, senti cada gota da minha porra sair empedrada. Tirei minha rola devagar e vi o estrago, um rosa escuro vivo, pulsante, no avesso! Vi que uma porrinha começou a escorrer então soquei pra dentro. Ela movimentava o quadril toda assanhada parecia estar tendo choques elétricos.
– Gostou das casquinha né? – eu disse pondo minha calça. – Melhor você se limpar,  seu irmão já tá pra chegar!
Ela sem falar nada correu pra dentro. Vi se havia mensagem da minha noiva, mas ela ainda devia estar fazendo a prova na faculdade. Eu me vesti deixando nada suspeito. Ouvi descarga do banheiro e depois Janaina veio. Falei pra ela esconder aquela revistinha e nunca contar isso pra ninguém senão ela poderia parar num colégio interno. Logo mais André chegou de bicicleta pedindo desculpas, mas que não podia deixar escapar aquela menina, ele disse com todas palavras que tinha que comer ela. Eu dei risada, só avisei que era perigoso pra Janaina ficar sozinha, me despedi e fui logo me retirando pra caminhonete,
– Quem sabe um dia ela pode vir comigo e ficar brincando com minha priminha pra você pode sair! – eu disse subindo no carro.
– Ai Mano, seria bom mesmo, porque eu preciso catar as meninas! Até mais! – disse André.
Janaína deu um tchau tímido parada no portão, com sua cara de sonsinha.
Eu dirigi pensando como seria ficar peladão com a filha de 8 anos de minha prima, ela agora que provei não sei se consigo deixar, chances não vão faltar!

*********** Identidade Bourne ******

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,74 de 38 votos)

Por # #

42 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Bruno pica dura

    Estourei cu é bocetinha das minhas filhas gêmeas com 7 anos.
    Hj eles têm 9 e aguentam pika com força.
    Fiz 2 vagabundasvagabundas pra mim.
    Só falta a minha boqueteirinha de 4 aninhos.
    To doido pra socar a pererequinha dela.

  • Responder rapaz

    A filha de um amigo meu vizinho vai fazer 8 anos. Sempre q precisa, o pai dela pede pra eu cuidar dela. Ela chupa como ninguém e tem uma bundinha linda. Um dia conto aqui a primeira vez e algumas das outras vezes

  • Responder jk

    continua, seus contos são ótimos

  • Responder Dd

    Botei minha irma de 8 anos pra chupar o pau do meu cachorro..ela engulhava engasgava..o pau mal cabia na boca de inchado..ai mandei ela fica de boi ..e meu cachorro veio e meteu de vez que ela deu um grito tao alto que escultaram aos 1 kilometro..ela saiu na mesma hr choramingando…..ai falei entao chupa o pau dele ai ela chupou ..ela passava a lingua….ai na outra semana eu botei ela pra chupar o pau de um amigo meu….entrava mal a cabeca na boca…ela queria para mas eu mandava ela chupar..ela chupou mas chupou ate ele gozar…ai falei pra ela la na mesma hr que eu i ele ia fuder ela .que a gente ia meter o pau da gente na buceta dela..e era pra ela deixa entrar….ela chorou demais demais mesmo…saiu sangue ….ela espeniava demais ..chorava de dor…

    • Snike

      Devia contar isso aqui no site pra gente ler

  • Responder Anonimo

    Diego

  • Responder Roberto Santos

    mesmo sendo um conto muito Corajoso o cara, eu não teria coragem, embora adoraria comer uma menininha taradinha

  • Responder Anonimo

    Chama la Cristian_770

  • Responder Curiosa Safadinha

    @danascully04

  • Responder Rodriz

    Rd Dizus

  • Responder Thi

    @kidzinsz

  • Responder RQS

    EU CHUPAVA UMA DE 4 ANOS

  • Responder Amandinha

    Incesto91

  • Responder Jhonatan

    excelente conto mano,tesao demais essas ninas de 7…..11 anos.

  • Responder Moreno

    @Bibinho9755

  • Responder B4B1

    @léh

  • Responder Ewvs

    Telegram
    Ewvs

  • Responder Ewvs

    Ewvs

  • Responder Reinaldo

    @Reinaldosntos

  • Responder Identidade Bounge y Bourn

    Esse site tá cada dia pior,quando não é maricona com veadagem é nerd sonhando com putinha nova!

    • O eclético

      E qual o problema? Este é um site de contos.

    • Bounge y Bourne

      Vai tomar no cú,não te perguntei nada viado

    • Identidade Bourne

      Então escreve seus contos meu! rssss

    • Anonimous

      Cara, aceite os gostos dos demais leitores do site, não há necessidade de criticar o q vc não gosta, sua homofobia com certeza te dará muito tesão qdo admitires para si q que, com certeza, podes não gostar de homem, mas de pau gostas, apesar de não admitir para si. toque uma boa punheta sozinho e sob efeito de alguma substancia q altere sua psiquê, ficará mais fácil para vc na primeira vez q tentar e fala´serio… a “viadagem” e os “nerds” te incomodam mas os contos com infantes não? tu tá muito fora da realidade das pessoas q te cercam. Com certeza nunca e talvez nunca consiga se pôr no lugar de outra pessoa. SEja honesto com seus sentimentos q talvez um dia poderás ser plenamente feliz.
      Eu adoro e admiro a liberdade de expressaõ q este site permite. não há outro igual em portuguÊs.

  • Responder Walter Navega

    @WalSol

  • Responder Liu

    LiuKang

  • Responder Daniel

    @DanielJum

  • Responder Anonimo

    @sfomeado

  • Responder Tom Luis

    Gozei já na parte que ela pegou no pau dele pra ele mijar !!!

  • Responder Fausto

    Minha prima tinha sete qdo tirei o cabacinho dela. Já nos chupavamos antes disso, mas era coisa rápida, por causa da minha tia. Um dia ficamos sozinhos pq nossas mães foram fazer compras. Estávamos fazendo um 69 gostoso, perguntei se ela deixava por meu bilau na ppk dela. Ela deixou.
    Coloquei-a de quatro, comecei pincelar a rola na ppk, acertei e comecei a forçar. Ela gemeu e reclamou. Falei que depois não ia doer mais. Chupei mais um pouco, deixei bem enxarcada, e tentei outra vez. Foi demais romper o cabacinho dela, ouvindo-a choramingar. Sentir a glande ser estrangulada pela ppkinha dela, foi ótimo. Não resisti e gozei logo. Nunca meti a rola inteira, só a cabeça mesmo na hora de gozar. Então voltei pra faculdade, e fiquei três anos fora. Qdo retornei, ela estava mais gostosinha e o outro dia, matamos a saudade. A primeira vez que consegui meter a rola inteira(16cm), ela estava com 13a. Depois ela arrumou um namoradinho, e qdo brigavam, ela vinha ficar comigo. A última vez que trepamos, foi na despedida de solteira dela. Passamos o dia no motel. Ela tinha 25a, e eu 40. Sou padrinho da filha dela, uma mulata linda de 15a, mas nunca ficamos a sós, a mãe não deixa…rsrsrsr

  • Responder Stonks

    Telegram @stonks20

  • Responder Anônimo

    Chama no telegram @limafelipe

  • Responder Dourado G

    Tinha que pegar ela na frente do André

  • Responder zooboyv

    continua logo

  • Responder Rex

    Boa e uma pena que essa putinha não era mais virgem.Esperando a continuação desse e de outros contos

  • Responder Vantuil OB

    ESPETACULO – CONTINUA

  • Responder July

    Cadê a continuação do pai da deficiente mental

    • Identidade Bourne

      Quase pronta

    • Brenda

      Me chama amore

  • Responder Beto e filha

    Come as 2

    • Wilian

      Quero ler a continuação do conto da deficiente mental.

  • Responder ANÔNIMO

    Telegram
    @eu2309