# #

Criei um monstro insaciável… e irresistível (parte 14)

5164 palavras | 3 |4.60
Por

Alguma coisa realmente mudou no Jr., ficou arrogante (obrigado a vcs que me ajudaram), arrogante, metido, convencido e quando estávamos na piscina,

Criei um monstro insaciável… e irresistível (parte 14)

Simone Safada

Essa é a continuação, “Criei um monstro insaciável… e irresistível – parte 13”

Geeeente o que é isso, estou viciada em escrever, adorei relatar aqui e ver a participação de vcs, fico ansiosa para saber o que vcs estão pensando, se gostam e claro se gozam. A ideia inicial era postar semanalmente, mas vcs conseguiram me empolgar, logo, logo começarei História da mamãe, obrigado por lerem meu relato, Bjs, Si.

Terminei o último assim: “- Katherine – Sua tia não tem jeito, é uma história muito longa, te conto depois.”

Alguma coisa realmente mudou no Jr., ficou arrogante (obrigado a vcs que me ajudaram), arrogante, metido, convencido e quando estávamos na piscina, vinha aqui em casa tentar comer a mamãe, ela me contava tudo, ficamos sabendo que o pai da Norminha o ameaçou de morte e mandou ela para outro estado, não sabemos se estava grávida ou não, foi pra casa de um parente, mas a gota d’agua mesmo, foi ele ter tirado o cabaço da filha de 9 anos, a força, da sua nova puta safada, que incentivava aquelas atitudes dele, quando ela viu a menina toda ensanguentada chorando e ele jogando video game, fudeu, quase que morreu mesmo, fizeram um abaixo assinado para expulsar ele do condomínio, e assim foi feito, a puta safada não quis prestar queixa com vergonha do ocorrido e se mudou daqui, bem ele não tinha pra onde ir, foi procurar a Titia e o Papai, mas minha mãe ameaçou eles, ela tem algum trufo contra eles, não sei o que é, ficou na rua durante tres dias, nós o vimos perto do condomínio, minha mãe estava morrendo de pena e com medo dele virar marginal ou e crakudo, então chamou ele pra dentro de casa, impedindo de sair da porta de casa, foi um período muito ruim mesmo, ficou dormindo na lavanderia, ninguém podia ter contato com ele, só ia no banheiro quando não estávamos em casa ou de madrugada, correndo o risco de esbarrar com a gente. Esse confinamento durou até meiados de janeiro.

Mas teve coisa boa, bem mais ou menos, com a revelação da mamãe sobre alguns casos da nossa família hipócrita.

A Say tinha mandado umas fotos pro nosso irmãozinho da sua transformação, o Patrick ficou maravilhado com a Say, ela já tinha nos dito que o Papai também brincava com o Patrick e que ele também gostava da brincadeira, mamãe tomou uma atitude e foi ver o Patrick, mesmo não sendo a mãe dele, já que sua mãe é crente e não aceita lgbt+, não importa se é por opção ou genético, e apareceu com o Patrick aqui em casa, tadinho meu pai é mesmo um filho da puta, dava doses de hormônios diárias para o Patrick e para a Say quando ela estava lá.

Fizemos uma festa para ele, chamei a minha especialista em transformação, dessa vez a minha mãe não deixou a Lê bancar, na verdade, a mamãe tem bastante dinheiro guardado que seus fãs lhe dão e já tinha comprado para cada quarto sofás camas bem grandes, ainda ficou uma cama de solteiro pra cada quarto, a família tava crescendo.

A mamãe tava de férias do trabalho, quando a Lê chegou lá em casa, foi recebida pela mamãe, com um beijão na boca, a Lê não esperava, ela a carregou pro quarto e fechou a porta, nós ficamos na porta tentando ouvir alguma coisa, daqui a pouco, [vc não me queria, então, mete essa boca aqui sua safada…], pelo visto a Lê caiu de boca na bucetona da mamãe, [isso, sua safada, eu quero gozar…, vai me chupa…, isso…, mete a mão mesmo…, isso que delícia…, vai pega aquele ali, isso o maior, vem mete sem dó, isso…, como é bom, Lê sua boca é uma delícia, me dá ela aqui…, isso vc gosta dos meus peitões, pode mamar, quem sabe não sai leitinho aqui também, ai delícia de boca…, neguinha tu é gostosa…, deixa ver se isso é de chocolate mesmo, nossa que cusinho apertado, mas não se preocupe, vou arrombar ele…] (aaaaiiii….), [vc não me queria, não sou sua Deuza, minha fome também é imortal, que xerequinha gostosa, vamos colocar esse outro aqui], (aaaaiiii….), [vc é minha filhinha também vamos aproveitar, isso, pode gozar…], (aháaa…).

Aproveitamos inauguramos a Patty na nossa família orgásmica,kkk, tiramos toda sua roupa, olhamos seu peitinho, já tava quase do tamanho da Aninha e maior o meu, tadinha ele andava com uma faixa expremento aqueles peitos deliciosos, antes mesmo de tirar toda roupa, eu já tinha caido de boca neles, uma delícia, a Patty é uma delicinha, puxou o lado do papai, era mais fortinha e tinha um piruzinho de 15 cm, bem grossinho, a Say já sabia, mas a Monstrinha caiu de boca, seu cacetinho ficou logo duro, perguntamos a ela se gostava de comer também, nossa, ela nunca comeu ninguém, botei ela deitadinha e subi naquela piroca, que tava uma delícia, uma na boquinha dela beijando, a outra no peito chupando e eu quicando, nossa que delícia, logo [aháaa…], gozou na minha bucetinha, a Monstrinha (Patty, vc sujou a Si, vamos lá limpar ela) deitei de pernas abertas e começaram a me chupar, com seu cuzinho dando mole, a Say caiu de boca, também nunca tinha recebido esse carinho ali, adorou, tanto que seu cacete já tava pronto pra outra, {vc gostou de enfiar aqui ?}, fez sim com a cabeça, {então come a Monstrinha}, ela ficou meio assim, (Patty pode colocar, eu gosto) {e como, kkk}, e a Patty começou a fuder a Monstrinha, ela abraçou a Patty com as pernas deu um beijão na boca, pareciam uma só de tão grudadas, não demorou muito, [aháaa…], gozou denovo e já caiu de boca na Monstrinha, , e desabamos na nova cama e dormimos abraçadinhas.

Acordei de madrugada, as duas safadas na cama da mamãe ainda estavam, isso…, minha Deuza, como vc é gostosa…, que peitão gostoso…, vai goza denovo, vai… goza na minha boca, [aháaa…] que delícia de buceta, hoje eu não saio daqui, fui beber uma água, nem lembrava que o Jr. tava lá, dou de cara com ele, eu pelada, toda gozada e com certeza meu cheirinho, meu feromônio “arrasta macho cama”, ele pediu desculpas, voltou pro seu exílio, reparei que seu pau não mexeu, não tinha como, antes era só eu aparecer que aquele tarugo já ficava duro, pensei em dar uma chance, mas a mamãe queria ensina-lo.

Voltei pro quarto, a Patty que ainda não tinha comido a Say, tava lá no seu cuzinho.

– Patty – (mais soltinha) Puxa que cusinho gostoso, papai nunca ensinou isso pra gente, só ele que metia na gente, nossa é bom meter também, Say vc está gostando? [ahãmm], posso gozar no seu cuzinho? [ahãa], aháaa…, nossa como é bom gozar aqui, posso deixar aqui dentro [ahãmmm], é tão gostoso…

E apagaram, dormiram, foi lindo, ela nunca tinha gozado metendo e aqueles peitos sendo chupados por nós, ela ficou doida, mas ela precisava de um capricho.

Mamãe depois daquele orgasmo que teve com a gente, já aceitava tranzar, claro incluindo ela.

No dia que fomos comprar o guarda roupa da agora Patty, ela foi ter uma conversa definitiva com o Jr., ainda não sei exatamente o que ela falou, mas ela o chamou para tranzar.

– Katherine – Si, ele ficou todo alegre, fingi de santinha, carente, que queria seu pirocão, ele realmente estava mas dócil, tentou não me machucar, se esforçou para me agradar, meteu com vontade, mas comigo, e isso eu aprendi com vcs, que só tenho orgasmo quando tem amor, por isso, eu gozei com voces e com a Lê, então ele tentou, tentou me dar beijo, falei, [puta não beija], gozou na minha buceta, eu levantei e fui pro banheiro me lavar, ele tentou vir atrás de mim, queria comer meu cuzinho, olhei pra ele, pro pau dele já mole, [vc já gozou, então pode tomar seu banho, não quero ninguém fedendo aqui], tentou entrar comigo, [não, vc toma banho no outro e não demora que suas irmãs podem chegar].

E ela repetiu isso por diversos dias, teve dia que ela abriu as pernas, e esperou.

– Katherine – Ué, essa porra não levanta não? vc não é o fodão que comia todo mundo? não é só aparecer um buraco que vc quer meter? Já sei…, ai Jr, vem cá meu garanhão, vem mete com força, mete esse pirocão aqui, tem pena não…, ainda não adiantou? Então tá, vc gosta de dominar, pronto pode me dominar, vem, vai me joga na cama, vem…, faz…, ainda não? Vou ficar de quatro, pode meter com raiva, vai… porra não deu jeito? pronto mamãe fica de joelhos, pode mijar aqui, ó… mija em mim, na sua puta…, essa porra não vai levantar não? Já sei, fica aí… Pronto agora vc vai gozar, fica de quatro [não mãe], fica de quatro caralho, [não mãe, eu não gosto], há vai gostar eu garanto, vai fica de quatro [NÃOOOO PORRA], Vai dar uma de macho comigo muleque? [mãe para pf, eu não quero], eu duvido que aquela criança queria aquilo que vc fez, já mandei, fica de quatro ou vai embora e esquece a gente, [AAAAAIIIII, PORRA], olha a boca, e não sou sua mãe sou uma puta que vai te fazer gozar, só vou parar quando vc gozar, relaxa e sugiro vc gozar rápido [aaiiii… dói…] dói né? e esse é menor que o seu, fica aí, não sai daí [não mãe, esse é muito grande], cala a boca, tu não é macho, tu não é o gostosão, vc não tem um pirocão irresistível, , chora, pode chorar, mas goza, pq esse pinto aqui não amolece, relaxa Jr. [uhhhh, aaaiii…], isso relaxa sente ele, ta doendo agora? [só um pouquinho], isso olha como é gostoso, isso, pode gozar, eu sei que vc está gostando [áhhhaaaa…..], isso, agora sente que vou gozar em vc, olha só como é, ele incha e depois derrama, incha e depois derrama, tá sentindo?, não é gostoso? , fala machão, não é gostoso, [é…], isso olha só quanta porra vc gozou, acho que vc nunca gozou tanto assim, tenho certeza que vc gostou, vai tomar um banho e pode voltar lá pro quartinho.

No dia seguinte, [Jr. vem comer a mamãe], já esperando com o strap on.

– Jr – Não mãe por favor, eu não quero isso, desculpa.

– Katherine – Vc já pediu desculpas.

– Jr – (chorando) Desculpa, eu vou mudar, eu já mudei, eu entendi, desculpa por favor.

– Katherine – Tá bom (tirou o consolo), então meu machão, vem me comer, meu gostoso.

– Jr – (chorando) Eu não quero, agora não, por favor.

– Katherine – Mas eu quero, levanta esse caralho e vem me fazer gozar.

– Jr – (chorando) Não dá, ele não quer…

– Katherine – Entendeu agora, vc vai continuar no quartinho, vai ganhar uma cama, não vai precisar mais dormir no colchonete, amanhã 5:00hs vc vai trabalhar aqui no condomínio, vai tirar o lixo, limpar os banheiros, fazer tudo que o síndico mandar e o dinheiro vai pagar a sua estadia aqui na minha casa, não pode olhar para nenhuma moradora, não pode ir pra piscina, nem malhar, vc só vai trabalhar e dormir, até eu resolver outra coisa. Gostou de ser um lixo, (não), gostou de ser tratado como lixo (não), gostou de servir como depósito de pórra (não), olha que eu nem mijei na sua boca ainda, então, não faça merda. Como se fala?

– Jr – (chorando) Obrigado. [pode ir, 5:00 hs heim!]

Chegando na loja que a Lê tinha ido com a Say, fomos recebidas pela pela Michelle , a Say pulou no colo dela e deu uma bitoquinha, realmente a Say tinha um encanto todo especial, era uma mocinha linda, uma princesinha, toda delicada, apresentou todas nós, Michelle ficou maravilhada com a Aninha, elas são idênticas na aparencia, mas não no temperamento e na “fome”, nossa quanta diferença, quando ela me viu, quase me comeu com os olhos, pediu para eu dar uma voltinha, a Lê tava soltando faíscas com os olhos, de ciúmes, adoro provocar essas reações, kkkk.

Say – Michelle, hoje é a vez da Patty, essa é minha irmãzinha, hoje ela é a Julia Roberts, tá?

Michelle pegou a Patty, levou pro provador e arrancou toda sua roupa, ficou louca pelos peitos grandinhos e cheinhos da Patty, quando viu o caralho de 15 cm, chamou as colegas.

– Michelle – Gente, vem ver isso aqui, quantos anos vc tem? [13], olha só um caralho desses com 13 anos, meu Zeus!!!

Com todo mundo olhando ele ficou duro, não conseguiu se controlar, derrepente sem ninguém tocar, ela começou a gozar, tadinha ficou cheia de vergonha, mas a Michelle, magnífica, caiu de boca, chupou tudo, ficou tocando uma punhetinha até sair toda porra, [vou te ensinar como prender ele aqui e vai ficar parecendo uma xerequinha, tá?], colocaram um roupão nela e levaram para loja ao lado, [dá um capricho nela, transformação completa], como ia demorar muito fomos rodar. Todos ficavam encantados com as gêmeas, tinha gente querendo até tirar foto delas.

– Lê – Nossa Si, sua mãe é uma coisa, tô querendo me mudar de vez lá pra sua casa, o problema é o Lucas.

Claro que já tinha saido algumas vezes com ele, mas levar o Lucas lá pra casa, não sei, nossa casa é como se fosse um santuário, a Lê já fazia parte mesmo não morando.

– Eu – Lê acho que podemos tentar resolver isso, vou falar com a mamãe , mas tem o Jr., pode dar merda, deixa eu conversar com o Lucas primeiro, tá?

Depois do dia inteiro lá no shopping, fomos ver a Patty, nossa que transformação, estava linda, moreninha jambo, com um sutiã que deu mais ênfase nos seus peitos, foi toda depilada, unhas feitas, pintadas, seu caralho preso, estava realmente um espetáculo, Aninha e Say ficaram assanhadas com a sua nova irmãzinha, ela era um pouquinho maior, já estava parecendo uma adolescente, ficou uma linda trans, nem dava pra perceber nada, agradecemos mais uma vez a Michelle, que apertou minha bunda e colocou seu numero pessoal no bolso da minha calça. Chegou pertinho, [delícia, liga pra mim…], me deu um beijinho no canto da boca que ficou a marca, quando a Lê viu a marca, quis voltar pra meter a porrada na Michelle.

– Eu – Lê, calma, se vc for brigar com todo mundo que mexe comigo, vc não vai fazer mais nada a não ser brigar.

Ela se tocou começou a rir, me agarrou ainda no shopping e me deu um beijão de lingua, na frente de todo mundo, eu já a conheço, para ela isso é normal, ela nem liga.

Mamãe viu a Patty, mas alta, com sadália de salto, ficou doida, a beijou, tirou uma foto e mandou pro meu pai.

Conversei com Lucas, meu medo era querer trazer o Lucas para o nosso meio e ele não aceitar, contei a ele toda história, como tudo começou, ele estava apaixonado por mim, querendo um relacionamento sério, mas eu era muito nova para me prender, falei para que fossemos levando, sem cobranças, ele topou.

No primeiro dia que ele apareceu, ficou sem jeito, apresentei a Patty pra ele, expliquei, brincou perguntando se iamos fazer isso com ele, kkk, expliquei que a Patty ia decidir sobre a mudança de gênero, mas a Say, a papelada ia rolar, já tava decidido, ficamos eu e ele namorando na sala, as meninas brincando nos quarto, a Lê já estava se pegando com a mamãe.

– Lucas – Si, é assim mesmo? não da merda? vcs todas conseguem se entender.

– Eu – Lucas, olha só, todas nós nos amamos, de corpo e coração, o que rola aqui é com muito respeito e carinho e não sai daqui, pode relaxar [levantei do sofá, fiquei peladinha na frente dele], mas se vc não quiser, vou ficar triste, mas vou entender.

Pronto não precisou de mais nada, começamos ali mesmo no sofá, aquele sofá tem história, ele ouviu um barulho, era o Jr. entrando pela cozinha, voltando do trabalho, nem liguei, com aquela tora de chocolate apontando pra mim, nossa montei em cima, me pegou no colo, e mesmo sem encostar em nada, ficou me fudendo, que força tem o Lucas, era divino cada metida.

– Eu – Nossa Lucas, cada hora é deum jeito, nossa, aaiii que delícia, vai…, isso…, mete com força, isso…, que pau gostoso, caralho, pode meter mais, aaaiii… goza seu puto, goza na sua Deuza, eu preciso de pórra, me alimento de pórra, isso…, mais… [aháaaaaa….], nossa que gozada.

Mas ele não gozou, fiquei ali pendurada nos seus braços, com aquela tora dentro, [tô pesada não?], , e continuou me beijando andando pela sala comigo no espeto, gente é bom demais, foi me levando pelo corredor, entramos no meu quarto, quando vimos minha mãe e a Lê peladinhas se beijando. [vc dá conta de mais duas?], desci dele empurrei no meio delas e começamos a atacar aquele macho, gente qual macho não gostaria de ser atacado por tres beldades? o pau dele latejava de tão duro, olhou pra minha mãe, olhou pra mim como quem pedisse pemissão, fiz sim com a cabeça, começou a chupar o bucetão dela, passava aquele linguão em tudo, do cuzinho até a bucetinha, e voltava, mamãe não gozava com um homem a muitos anos, quando ele enfiou seu caralhão na mamãe, chupou seu peitões, com aquele beição gostoso, apertou com vontade, beijou minha mãe e levantou com ela no colo, e começou a foder ela como fez comigo, claro que eu e a Lê já estávamos nos pegando.

– Katherine – Ai meu Zeus, que delícia de macho, aháaa, como é bom, AHÁAA…, vai pirocudo, arrebenta, tão forte, me faz gozar, eu quero gozar na sua pica, isso…, vai mais, AHÁAAA… que delícia.

Lucas aí sim começou a gozar [aháaa….] , e continuou metendo com a mamãe agarrada no pescoço e beijando aquele beiço. Sentou na cama ainda dentro da mamãe, que não largava ele por nada, aí percebemos as tres safadinhas na porta, olhando a foda da mamãe, quando a mamãe saiu de dentro, viu a Patty toda peladinha com o piruzinho solto durinho apontando pra frente, mas aqueles peitos maravilhosos, não deu nem tempo do caralho dele baixar, já fez toim.

– Eu – Patty, vc gosta de chocolate? (fez sim com a cabeça), vc quer experimentar o Lucas.

Já se jogou nos braços do Lucas, deixamos eles se conhecerem, comecei então a pegar a monstrinha e a Say, a Lê e a mamãe sairam. Lucas falou depois que adora travestis, pauzudos, mas não gostava de dar, só chupar, e caiu de boca no pau da Patty, aquele macho forte, gostoso, de joelhos chupando a Patty, foi divino, vi que não iamos ter nunhum preconceito, era só felicidade, a Patty também chegou para nós já amaciada, mas mesmo assim sofreu na pica do Lucas.

– Lucas – Eu adoro um cusinho, Patty seu cuzinho é uma delícia, me puxa pra dentro, vc tá gostando?, posso colocar com força , meu Zeus que cu delicioso.

Colocou a mão no caralho da Patty e começou a punhetar, metia e punhetava, virou ela de frango assado, com a piroca dura, Lucas metendo, ela juntou as mãos nos seus peitos apertou, [aháaaa….] começou a espirrar pórra pra todo lado, seu caralho não parava de mexer espirrando pórra, Lucas meteu com força [aháaa…] despejou dentro, beijando a Patty, ela agarrada nele, quando se separaram a Say caiu de boca no pau do Lucas, começou a chupar deixando limpinho, enquanto a Patty, espalhava seu gozo pelo corpinho pelos peitos, em êxtase. Foi divino e tranquilizador, ter a certeza que pode dar certo nossa pequena comunidade orgásmica, só faltava o meu maninho.

Praia, dia maravilhoso, sol escaldante, a Patty conseguindo se controlar e prendendo seu pau para não aparecer, a Say não precisa, cada vez mais parecia diminuir, fomos todas mais o Lucas, que até esse momento, praticamente tinha se mudado lá pra casa, ele ficou todo exibido, mas fazendo marcação durinha no seu harém, por enquanto exclusivo, kkkk. Brincava com as meninas, fazia barras com elas agarradas nas pernas, só para se mostrar, foi uma farra, eu olhava as mulheres da praia olhando pro volume do Lucas, eu chegava pertinho dele beijava ele na boca, e apertava aquele caralhão, claro que o bixo tóimm, barraca armada Lucas na água, voltava aí foi vez da Lê, fez a mesma coisa e volta o Lucas pra água, depois de baixar o bixo, quando a mamãe levantou pra fazer a mesma coisa, antes de chegar perto, ele já saiu correndo pra água, todas nós fomos a tras, brincar dentro dágua, claro se esfregando nele, apertando todo ele, ele nos sarrava, só a Patty ficou na areia, estava adorando ser comida com os olhos, só não podia pensar em sexo, senão nem o adesivo ia segurar, foi maravilhoso, voltando pras toalhas, Lucas não resiste e dá um beijão de lingua na Patty, pronto pra que, o pau da Patty descolou, ela tentou segurar, mas ele fica muito duro, levantamos e fomos embora com o Lucas de pau duro no meio de nós todas, e a Patty com o pau apontado pra frente, andando pela areia e as pessoas apontando pra ela, ficou legal o pau duro da Patty esticando pra frente o biquine, que essa hora já não cobria mais nada, mas ela nem aí.

Chegando em casa, percebemos uma movimentação rápida para a cozinha e a tv ligada, num filme de ação, acho que era “hobbs e shaw”, nada demais, só que ele não podia.

– Eu – Mãe é só um filme, já ta bom né? [chama ele lá]. Jr. vem cá, a mamãe ta chamando.

– Katherine – Jr. vc pode sair do castigo, mas vai continuar trabalhando, pode ver televisão, pode voltar pro seu quarto.

– Jr – Obrigado, posso mesmo ver tv,

Sentou no sofá todo encolhido na pontinha, e continuou a ver o filme.

– Katherine – Si, pega as coisas do Jr. e leva lá pro quarto dele.

– Jr – Mãe, eu posso ficar lá no quartinho?

– Katherine – É isso que vc quer? (posso?) pode.

Acabou o filme e voltou para o quartinho dele, preparamos o almoço, as meninas não se aguentavam de saudades do irmão.

– Say – Mãe o Jr. pode almoçar com a gente? (pode)

Elas sairam correndo e foram buscar o Jr. para sentar a mesa, ele veio todo acanhado, sentou almoçou.

– Katherine – Olha Jr. vc pode ficar agora conosco, mas vai ter que recuperar o respeito e o afeto das suas irmãs, e o meu.

E assim fomos levando, cada dia avançava mais um pouquinho, mas ele sempre calado, teve um dia vendo televisão, tava sentado no sofá de um lugar, a Aninha e a Say se penduraram nos braços do sofá pra poder ficar perto dele.

– Eu – Jr. senta aqui, aí é muito apertado.

– Jr – Posso? perto de vc?

– Eu – Pode sim dá pra todo mundo aqui, vem senta aqui do lado.

Ele sentou com as meninas uma de cada lado, abraçados a ele, e começou a chorar de emoção, elas vendo começaram a dar beijinho de carinho nele, ele as abraçou e começou a chorar sem parar beijando suas buchechas, abrançando elas, até eu fiquei emocionada, muito lindo. Mas eu ainda tava muito puta com ele para dar e receber afeto. Quando as meninas se levantaram, o pau dele tava mole, não levantou, ali percebi que estava mudado. Agora era vez de recuperar o irmão afetuoso para voltar a nossa pequena comunidade orgásmica, kkk., mas tinha que ser devagar.

Percebi na madrugada a Say, indo pro seu quartinho de mansinho, mas logo voltou, achava que era ela que sentia mais a sua falta.

Lucas e a Lê que quase não saiam daqui, sempre nos comendo, nos amando e ficava tentando advinhar quem seria o macho alpha da tribo e todas as noites a Say ia lá no quartinho e logo voltava triste, a Aninha tentou e conseguiu dormir lá com ele, fui ver, estavam abraçadinhos, mas vestidos, sem sexo, só amor e carinho.

Teve um dia de domingo que as meninas foram pra piscina, ele já tinha terminado o serviço, fiquei esperando ele, peguei ele de surpresa, quando entrei no seu quartinho nua sem pelo nenhum.

– Eu – Oi maninho, dia de visita íntima, vamos aproveitar.

Ele começou a chorar, não entendi nada, chorava muito, percebi que seu pau nada, sentei do seu lado, passei a mão nos seus cabelos, me abraçou chorando, [desculpa].

– Eu – Já passou, foi difícil, mas eu te desculpo.

– Jr – Eu estraguei tudo, desculpa.

– Eu – Já te desculpei, vamos…, vamos recordar nosso amor.

– Jr – Não…, eu tenho medo…, eu não quero…, ele não quer.

– Eu – (pau dele mole) Tem certeza? vc realmente não quer? eu posso tentar? (pode) Vem comigo, vamos tomar um banho.

E fomos pro banheiro, ali consegui beijar meu irmão e senti uma pequena ameaça de ereção, nós estávamos nos redescobrindo como casal, não consegui tranzar com ele, mais fiz aquela limpeza, raspei tudo, deixei ele lisinho, cortei seu cabelo, fiz sua barba, isso tudo com muito carinho, muito beijo.

– Eu – Vc quer vir comigo para o quarto? (quero)

Ficamos muito tempo nos beijando e nada do seu pau dar sinal de vida, o que estava faltando?

– Eu – Jr. chupa meus peitinhos, eu adoro quando vc chupa eles.

Comecei então a ficar molhadinha, eu tenho muito, mas muito tesão neles, bem minha bocetinha começou a vazar e claro meu cheirinho, comecei a empurrar ele pra minha xerequinha, ele começou a lamber, eu não largava o pau dele e comecei a sentir ele crescer na mão, nossa como eu estava com saudades daquele pauzão, daquele macho gostoso, enquanto ele lambia e fungava, seu pau ficava mais duro.

– Jr – Posso colocar ele aqui?

– Eu – Pode meu macho, vai faz minha buceta gozar de felicidades, aaaiii…, tinha esquecido como ele é grosso, não, não tira não, coloca mais, eu quero, que saudades (também), eu sabia que ia acordar o “belo adormecido”, (foi seu cheirinho), é meu cheirinho “vem cá meu macho”, vai coloca sem pena, fica tranquilo, pode me comer, eu quero, eu deixo, aaaiiii…. que gostoso, isso mama também, isso que delícia, vai me arromba [dei um tapa na cara dele, fraco], me come caralho, [ele acordou], começou a me fuder, enfiou mais fundo, que delícia, isso… to gozando, aháaa…. que caralho é esse, que saudades dele, ai deita aqui, [subi nele], goza maninho, goza dentro da sua Si, [comecei a rebolar, ninguém resiste a minha rebolada, me puxou e cravou fundo] aaaaiiiii…… (áhhhhhaaaaaa……)

Desde a última vez com a mamãe, ele não gozava, que delícia foi, fiquei deitada em cima dele com seu pauzão dentro, adormecemos abraçados, fizemos as pazes.

Quando eu acordei, acordei furiosa, dei um tapão na cara dele.

– Eu – Jr. seu merda, vc quase estraga tudo, e tudo que te ensinei, vc jogou no ralo, que ódio, que raiva, (dei outro tapa), cada merda, cada burrada, que vc fazia, me jogava no limbo, temos uma coisa tão bonita aqui, vc joga fora por causa de buceta, temos tanta buceta aqui que te ama, pra que ir lá fora procurar buceta, cú de viadinho, (claro tranzei com ele de camisinha), mas sabe o que me deu mais raiva, não foi vc trair agente comendo essas putas por aí, foi vc não ter defendido sua irmã quando ela precisou, seu merda (mais um tapa na cara), seu escroto. (comecei a chorar e ele também).

– Jr – Desculpa, eu te amo, eu amo todas vcs, eu não sabia, eu não tinha entendido, me perdoa, juro que nunca mais vou te decepcionar, perdoa.

Eu já tinha perdoado, mas precisava por pra fora toda aquela raiva, toda frustação, isso tava me angustiando, foi muito bom colocar pra fora, me senti bem mais leve, ficamos ali na cama namorando, nos beijando.

As meninas subiram e nos viram na cama, pularam emcima da gente, começaram a beijar ele, foi uma farra sem sexo, só amor.

A noite chegou, e com ela a Lê e claro o Lucas, havia falado com ele que meu irmão havia sido perdoado por todas nós, quando Lucas e entrou, meu irmão apertou a mão do Lucas.

– Jr – Desculpa

– Lucas – Desculpa pelos socos.

– Jr – Eu merecia, obrigado pelos socos, posso te dar um abraço? (sim com a cabeça), bem vindo a família.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,60 de 10 votos)

Por # #

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Ebannus

    Parabéns…
    Espero que o Jr, volte realmente as boas, com vcs…
    Só tô vendo está deliciosa família crescer e eu ainda de fora dela. Kkkkkk.
    Aguardado os próximos capítulos.
    Xerossss Simone

  • Responder Max

    Manda uma mensagem pra mim 🙂
    E-mail: [email protected]

  • Responder Ribeiro

    Si, sua mae eh deliciosa demais. Lavou a alma de gerla que acompanha os contos. Alias ja nem leio mais nada, so entro pra ler o seu. Apaixonado por todas vcs. Fala pro Jr que ele tem sorte demais. Mas pra nao dar outra bobeira. Gostosas!!!