# #

Aquele menino anjo

2644 palavras | 9 |3.72

Sou um cara tranquilo sem muita frescura, um metro e noventa e dois, pele clara, oitenta e seis quilos, malhado, olhos verdes cabelo Militar, dezesset

Sou um cara tranquilo sem muita frescura, um metro e noventa e dois, pele clara, oitenta e seis quilos, malhado, olhos verdes cabelo Militar, dezessete anos. Adoro natação, tanto que prático cinco vezes por semana lá no clube.
Apenas estudava e fora a escola minha rotina era bicicleta de casa para a escola, escola para casa, casa para o clube, clube para casa. Nunca fui de me envolver em turmas, ou companhias.
Naquele mesmo de novembro de 2018, estava curtindo a piscina quando ao olhar o outro lado avistei um garotinho novato na área.
Eu nunca havia visto aquele garoto no clube. Ele chamava a atenção por seu porte físico, seu sorriso, nunca havia visto um menino tão bonito, ao que se dizer, perfeito ali no clube.
Daquele momento adiante eu não o perdia com meu olhar; percebi que ele estava ali sozinho.
Deu hora de ir para casa e assim o fiz.
No dia seguinte, novamente minha rotina, cheguei, fui logo para água fazer uma sequência de treinamento, afinal quero tentar uma medalha no Campeonato escolar.
Já estava terminando quando percebi a presença do garoto novamente, parece que também se tratava de um amante do esporte.
Sai da água e novamente não conseguia desviar meus olhos daquele corpinho miúdo, com seus um metro e trinta de altura todo molhadinho, perfeito em tudo.
No dia seguinte tudo se repete, a menos o fato de que ele chegou mais cedo e ficou próximo de minha esteira observando eu a nadar. Quando sai da água ali estava o lindo garoto. Não entendia, eu não conseguia tirar ele do meu foco. Foi quando no repente ele educadamente falou:
Boa tarde, como se chama?
Prontamente respondi:
Eu sou Eduardo, me chamam de Dado. E você quem é?
Sou José Valdir, me chamam de Junior, mudei a pouco para esta cidade. Você nada muito bem Dado, acrescentou ele, eu queria ter esse dom.
Durante aquela conversa, meus olhos não saiam dele, o ser vava cada detalhe daquele corpo lindo de Juninho coberto apenas pouco aquela sunga fina vermelha. Eu nunca havia ficado assim vacinado com alguém. Olhinhos verdes, bochechas rosadas, lábios vermelhinhos, pequeno maravilhoso.
Mas eu precisava ir embora pois era sexta feira e eu tinha o compromisso de tomar conta do sítio do meu tio todo fim de semana de sexta a segunda de manhã para ele poder viajar. Era chato, mas ele me pagava bem para eu dormir e cuidar de lá para a casa não ficar sozinha.
Nos despedimos e pronto.
Na segunda feira toda a rotina de volta, somando o fato de eu até ter sonhado com Junior.
Novamente depois de meu treino votamos a conversar, ele estava usando uma sunguinha preta, eu não conseguia deixar de olhar seu corpo. Sentamos perto da piscina e comecei a ver que ele notava meu olhar e parecia estar gostando de estar sendo devorado com meus olhos. Meu pau começou a endurecer e fazer volume, me levantei pedi licença e fu para o vestiário onde me sentei, ainda confuso,
Ali sentado bem à vontade fechei os olhos estava em um carinho sossegado, sentado escondido por armários, encostei bem pernas abertas e olhos fechados, bem relação; porém de repente aquela voz de anjo, surge,
Dado está passando bem? Saiu de repente, te chateei?
Logo abro os olhos e ali em pé entre minhas pernas abertas estava o Junior, fiquei em silêncio, ele me olhava, e eu contemplava aquele rostinho, ele ali em pé e seus mamilos lisinhos no rumo de minha boca eu fiquei doidinho e só invés de falar abracei ele e trouxe aqueles peitinhos para meus lábios. Comecei a chupamos a força, quando percebi que Junior não ofereceu resistência e seu pai logo estava cutucando minha barriga e ele gemendo baixinho. Vi que ele estava adorando a situação então fiz ele sentar abril suas perninhas e comecei a chupar aquele pintinho lindo, alisando aquela bundinha lambi barriga, chupei muito e lê logo começou a gemer e aquele menino de doze aninhos se soltou num gozo só na minha boca, gozou muito, bebi tudinho e logo parei de medo de chegar alguém.
Ele ficou me olhando. Eu pedi desculpa pelo que fiz, ele disse:
Preocupa não gostei muito, só mão imaginava, foi minha primeira vez, quando quiser pode repetir. Adorei.
Sai e fui embora morrendo de vergonha. Naquela semana não tive coragem de voltar no clube, imagine que ele teria contado para alguém, mil coisas passavam em minha cabeça, não conseguia tirar da minha cabeça aquele menino de doze anos com seu pintinho de quatorze centímetros dentro de minha boca, logo eu que só saia com mulheres. Só de lembrar do Junior, seu corpinho eu ficava digo de tesão e acabava minha masturbando.
Na semana seguinte criei coragem e fui ao clube, nadei um pouco e nada do Junior, fui para o vestiário me trocar e fui embora, o que não percebi que alguém me seguia de bicicleta, era Junior, cheguei em casa, jantei, mãe e pai foram trabalhar, na segunda e quarta davam aula a noite.
Era dezoito e trinta quando o interfone tocou, atendi e nem acreditei era o Junior, estava de pé na porta usando um conjunto malha de ciclismo azul que o deixava lindíssimo.
Me dirigi a porta para saber o que ele procurava. Convidei a entrar, mandei encostar a bicicleta na garagem.
Logo estávamos ali em pé na garagem. Ele então me pediu um pouco de água e perguntou se poderíamos conversar, entramos na sala, e fui buscar a água. Logo que voltei com a água ele começou a falar.
Me desculpe, resolvo te seguir, se quiser vou embora, mas, fiquei preocupado, não entendi nada você sumiu depois do que aconteceu. Ficou com raiva.
Enquanto ele falava eu novamente achava o contorno de seu corpo e comecei a ficar com um tesão louco. Ele bebeu a água me devolveu o copo. Me sentei no sofá em frete a ele e novamente perdi a cabeça. Puxei ele pela mão e comecei a sarrar aquele pequenino modelo de perfeição. Fui tirando aquele macaquinho de lançar chupando seus peitos e lê foi se entregando chupei muito até chegar naqueles Quatorze centímetros de felicidade. Engoli todinho e comecei a chupar com muita força. Ele gemia de prazer e eu não parava de chupar quando ele gemeu alto e começou a derramar seu leite na minha garganta. Bebi cada gotinha.
Quando parei de chupar e ia tirar a boca ele me olhou com um sorriso e pediu que não parasse. Disse:
Por favor não para, acaba comigo, chupa mais, arranca meu pau com a boca.
Então atendi seu pedido, ele sentou abriu as pernas e eu continuei chupando loucamente, ouvindo seus gemidos e pedidos, me engole, me morde, chupa, chupa, morde maltrata meu pau. Isso alimentava meu tesão. Ele soltou mais leite, gozou três vezes na minha boca. Chupei seu pau por uma hora e meia sem parar.
Quando parei ele afagou minha cabeça e pediu que eu continuar com a boca no seu pau, assim fiquei ali sentindo aqueles quatorze centímetros inteirinhos dentro de minha boca e comas mãos correndo aquele corpinho angelical e aquele pau delicioso pulsando com a cabecinha na minha garganta. Ele de repente pediu que eu tirasse a boca pois queria fazer xixi, eu estava com tanto tesao que não deixei que tirasse o pau, percebi que ele se segurou ao máximo, mas não deixei que triasse o pau da minha boca, ele bem que tentou quando disse que não iria aguentar, eu então continuei com a boca no pau dele e senti aquele gostinho salgado daquele menino deliciosos , começou a mijar e parece que não acabava mais, aquele aguinha salgada de menino correndo minha garganta, não perdi nenhuma gota e ele com o pau durinho somente gemendo de tesao e eu sentindo aquele jato quente na minha garganta. Fiquei ali ainda uns dez minutos com o pau dele na boca, quando olhei o relógio já eram quase vinte e duas horas, Ele se assustou com as horas e logo se apreçou a ir embora, saiu pegou a bicicleta e foi voando para casa.
No dia seguinte novamente como o costume fui ao clube, lá nos encontramos novamente, eu já nem me preocupei muito com a natação, não entendia o que acontecia comigo, mas estava completamente apaixonado e entregue aquele menino angelical.
– Bom dia Dado, passou bem de ontem
-Sim, mas não dormi nenhum minuto pensando no que aconteceu, só via a sua imagem diante de meus olhos, Junior.
– Verdade Dado, gostei muito do que fez comigo e gostaria que não sumisse como foi depois da primeira vez, estou até agora meio tremulo e só de te imaginar meu pinto fica duro.
A última vez que eu medi meu pinto semana passada ele estava com treze centímetros e meio, você pode até não acreditar ele cresceu quatro centímetros e meio depois que você me chupou, e ficou mais grosso também. Eu no meu pensamento ficava ali contemplando aquele corpo, aquele pinto lisinho começando a nascer alguns fiozinhos de cabelo. E ele falando.
– Gostei muito de conhecer você Dado, mudamos para esta cidade para esquecer um pouco a tristeza da morte de meu Pai, fica só eu e mãe em casa, fica chato as vezes só eu e ela, não tenho amigos. A você apareceu. Ela é professora no São Vicente agora, fica muito fora de casa, e muitas vezes aos fins de semana viaja para dar palestras, eu acabo ficando muito sozinho e principalmente fins de semana.
– Coincidência Junior, meus pais também trabalho no São Vicente também fico muito sozinho e nos fins de semana fico mais sozinho ainda, toda sexta vou tomar conta da casa do sitio de meu tio, ele viaja, volto só na segunda para a aula.
De repente Junior disse:
-Legal Dado, quem sabe eu poderia lhe fazer companhia aos fins de semana, eu iria para o sitio com você.
-Junior, vou telefonar no celular de meu tio e perguntar, se ele e sua mãe autorizar, eu adoraria sua companhia, e assim telefonei imediatamente para tio Décio, que não pôs nenhuma obstrução, autorizou e até gostou da ideia. Junior ligou para mãe conversou, explicou de quem eu era filho e ficou aguardando uma resposta.
Voltamos para piscina aguardando ansiosos um telefonema e nada. JÁ era quinta feira então ficaríamos sem nos ver até a próxima semana. Chegou a hora de irmos para casa, nos despedimos e chateados cada um foi para o seu caminho.
Novamente eu ali sozinho em casa, deitei no sofá e acabei por dormir, acordei com meus pais chegando as vinte duas e trinta horas, mãe havia trago um hambúrguer, nos sentamos para lanchar, enquanto comíamos ela disse:
– Dado hoje Maria Inez se apresentou a mim e a seu pai, ele é a mãe do seu amigo Júnior Que nós ainda não conhecemos; sentimos muita paz ao conversar com ele, que nos disse que Junior quer ir te fazer companhia na casa do tio Décio, ela nos aspirou muita confiança, então amanhã ele já vai vir da escola direto para nossa casa para ficar com você de companhia. Fico feliz em ver você fazendo novas amizade.
Naquela noite nem dormi de alegria pela noticia
Amanheceu como de costume a rotina começou, cheguei em casa para almoçar e logo a mãe de Junior o trouxe como combinado. As quatorze horas tio Décio nos buscou e fomos para o sitio que fica retirado uns 50 quilômetros da cidade. Chegando lá nos deixou, deu as orientações costumeiras e partiu em viagem.
Pronto lá estávamos nos dois em um sitio lindo todinho desocupado a nosso dispor.
A essa altura estávamos famintos, tomamos um banho e logo fazer algo para comer, já era 19 horas, estava escuro, então deitamos na sala de televisão e fomos ver filmes, conversando com o tempo todo.
Fazia calor e lodo quanto percebi estávamos só de shorts ali deitado conversado.
Junior vestia uma camiseta de telinha de lycra e um shortinho curto deixando a vista todo aquele menino lindo que é.
Já era umas vinte umas horas não me aquentei em apenas ficar olhando seu corpo, percebi o volume de seu pau que já estava duro e bem a mostra, me aproximei do sofá em que ele estava e comecei a tirar sua camiseta, ele apenas sorriu, comecei a alisar seu corpo e fui descendo seus shorts, depois aquela cueca boxe preta, deixei Júnior peladinho no sofá. Ele apenas se sentou bem à vontade comas pernas abertas e aquela pica que estava enorme e apontando para o céu. Fui me achegando entre suas perninhas e cai de boca em seus peitinhos que estavam durinhos já, chupei seus peitos umbigo, barriguinha e cai por fim lambendo aquele belo cacete. Ele contraia o corpo. Gemia, se contorcia de praxe e eu ali chupando aquele pau lindo como se fosse arranca-lo com a boca. Ele disse:
– A partir de hoje você tem todos os fins de semana para acabar comigo, e pedia pra eu chupar mais forte e eu o obedecia cegamente, já fazia uns quarenta minutos que eu estava ali agarrado no pinto dele quando pediu que eu parasse pois iria mijar, novamente desobedeci e não parei de chupar, quando senti que ele não se segurava mais engoli o pau até os ovos e senti aquele jato daquela aguinha salgada jorrando na minha garganta, mijou bastante, parei um pouco de chupar e deitei do lado dele fiquei acariciando aquele corpinho que a cada instante me apaixonava mais. Ele então me perguntou se eu queria chupar mais, respondi vou te chupar a noite inteirinha, estou apenas descansando um pouquinho meu macho.
Deu um sorriso safado reganhou as pernas exibindo bem aquele corpo encantador. Realmente seu pinto havia crescido muito, eu estava fascinado com tudo aquilo.
Junior então disse você quer que eu entre dentro de você. Não pensei duas vezes queria me transformar numa putinha para aquele menino. Continuo a contar no próximo conto como foi aquela primeira noite com meu Reizinho
mais forte e eu o obedecia cegamente, já fazia uns quarenta minutos que eu estava ali agarrado no pinto dele quando pediu que eu parasse pois iria mijar, novamente desobedeci e não parei de chupar, quando senti que ele não se segurava mais engoli o pau até os ovos e senti aquele jato daquela aguinha salgada jorrando na minha garganta, mijou bastante, parei um pouco de chupar e deitei do lado dele fiquei acariciando aquele corpinho que a cada instante me apaixonava mais. Ele então me perguntou se eu queria chupar mais, respondi vou te chupar a noite inteirinha, estou apenas descansando um pouquinho meu macho.
Deu um sorriso safado reganhou as pernas exibindo bem aquele corpo encantador. Realmente seu pinto havia crescido muito, eu estava fascinado com tudo aquilo.
Junior então disse você quer que eu entre dentro de você. Não pensei duas vezes queria me transformar numa putinha para aquele menino. Continuo a contar no próximo conto como foi aquela primeira noite com meu Reizinho

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,72 de 18 votos)

# #

9 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder André

    Conto maneiro. Me fez lembrar das minhas aventuras sabe… 86 9 81753906. Caso alguém queira uma boa amizade.

  • Responder Leh

    Alguém tem vídeo?

    • Chupeta 123

      Eu, me chama no telegram nc1324

  • Responder Cético

    Tô esperando um baixinho gordo careca com um pinto normal escrever um conto,o dia que isto acontecer eu acredito no que tá escrito!

  • Responder Sentinela

    Não liga pros comentários reclamando, isso é um conto erótico, você tem liberdade pra contar o que quiser, seja real ou irreal, continua logo

  • Responder Miguel

    Gostei do conto. Geralmente só vermos o inverso hj vi um garoto sendo ativo. Achei muito interessante.

  • Responder meh

    Irreal demais, uma pena

  • Responder Saulo Batista

    Adorei foi uns dos contos que mais amei, não demore para continuar
    Bjusss

  • Responder Camila

    Fantasioso demais da conta, e quando foge muito da realidade, não desperta nada.
    Não dá nem pra imaginar, aliás é impossível que o pênis de um garoto de doze anos, cresça 4,5cm em uma semana…