# #

As brincadeiras de Melissa 01

2041 palavras | 2 |4.32
Por

Sou de Mogi das Cruzes em SP, moro sozinho a alguns anos pois acabei meu casamento e nunca mais quis me envolver profundamente com alguém, bem, pelo menos é o que eu queria.

Moro em uma rua sem saída e lá a criançada costuma brincar livremente. Como minha casa tem um muro baixo, vira e meche alguém pula ele e se esconde nas brincadeiras infantis, foi uma dessas brincadeiras que causou meu tormento

Estava tomando minha cervejinha em paz, eram umas 11h em um sábado daqueles em que o Sol arranca o couro da gente, então resolvi assar uma carne abrir a piscina portátil no quintal dos fundos e curtir o dia.

Do nada ouço algo caindo no quintal da frente, sai da piscina molhando tudo pela casa e ao chegar me deparei com uma guria desmaiada no meu quintal. Ela deveria estar brincando com a molecada e ao tentar pular meu muro se desequilibrou e bateu a cabeça. Olhei para a rua em busca de ajuda, só então me toquei que estava de sunga, então se me vissem assim com a menina no chão iriam pensar besteiras.

Carreguei a guria para dentro e a deitei no sofá, fui buscar o kit de primeiros socorros para cuidar dela e ver se recobrava a consciência. Tratei do machucado na cabeça e a coloquei em posição confortável para que não doesse e então fui pegar o pano de chão para limpar a molhaceira que eu havia feito ao sair da piscina.

Enquanto eu limpava a sala a menina acorda, ela olha desconfiada sem entender nada do que acontecia, então me sentei ao seu lado e coloquei a mão em sua cabeça.

– Dói não é?

Ela se limitou a balançar a cabeça.

– Você se lembra do que aconteceu?

Ela novamente balançou a cabeça indicando negativamente.

– Pois é, você provavelmente brincava com a molecada da rua e resolveu se esconder no meu quintal, mas deve ter escorregado e batido a cabeça. Por sorte eu ouvi tudo e fui ver o que aconteceu e te trouxe para dentro.

A menina me olhava com ar confuso, parecia não se lembrar de nada e estar desorientada. Nessa hora me lembrei da carne na churrasqueira, então pedi licença e e corri para que não queimasse, enquanto movimentava a carne e colocava outras Junto ela apareceu meio cambaleante e ficou me observando.

– Está com fome princesa?

Ela balançou a cabeça afirmativamente.

– Está muito calor, quer se sentar na água enquanto corto a carne e faço algo para bebermos?

Eu ia falar para ela ir ao banheiro e colocar o biquíne que minha filha havia deixado lá , pois aquela folgada me fez instalar um armário no banheiro do quintal só para isso. Mas não deu tempo, ela tirou a roupa sem pudor algum, talvez tenha sido por causa da confusão mental, e ficou apenas de calcinha e sutiã.

Amigos, eu não havia reparado naquela menina, ela era bem magrinha, mas tinha curvas bonitas, peitos pequenos, daqueles que cabem na boca, não do tipo infantil, mas sim daqueles que se desenvolveram assim e são suculentos como são. Para meu tormento ela tinha aquela penugem loira pelo corpo, principalmente do naquela bundinha pequena e arrebitada que tinha como proteção apenas uma calcinha minúscula e amarela enfiada no rabo.

Por sorte eu havia colocado uma bermuda, pois mesmo a sunga sendo mega justa, ainda assim meu pau ficaria mais visível que letreiro de motel de madrugada. Tentei me recompor enquanto ela entrava na piscina e ficava curtindo a água conforme sugeri.

Preparei roda a comida e o suco para a gente e coloquei em uma mesinha ao lado da piscina para comermos, só então comecei a tentar conversar com ela.

– Qual seu nome gatinha e está na casa de quem? Pois nunca a vi com a pivetaiada daqui.

Ela não respondeu, apenas me olhou com aqueles olhinhos cor de mel que contratavam muito bem com sua pele branquissima e seus cabelos negros e curtinhos.

– Preciso saber mais de você minha linda, seus pais logo ficarão preocupados.

Ela novamente não respondeu, então decidi deixá-la ali e ir a rua ver se encontrava algum dos adolescentes para perguntar se a conheciam, mas incrivelmente não achei ninguém. Então voltei para casa e resolvi cuidar dela até que passasse a falar algo para ajuda-la.

Nessa brincadeira o dia passou e eu fui a conduzindo para que ficasse o mais confortável possível, saindo da piscina a levei ao banheiro e mandei que tomasse banho, nessa hora não aguentei e fiquei a observando pela janela tirar a calcinha e o sutiã. Confesso que botei o pau pra fora e me masturbei com gosto vendo aquela bucetinha maravilhosa e aqueles biquinhos risadinha dela, quando ela estava para sair eu guardei o pau rapidamente e fui surpreendido com ela abrindo a porta nua em pelo.

– Não gatinha – disse eu lutando com minha vontade de terminar a punheta dentro dela – você não pode sair assim, vamos colocar o biquíne da minha filha enquanto ponho suas roupas para secar.

Fiz questão de vestir nela a calcinha do biquíne e amarrar o sutiã, sempre tirando casquinhas, principalmente dos seios, pois para ajeitar a parte de cima eu peguei muito nós peitos dela.

Já pro tá eu a coloquei no sofá deitada, liguei a tv e deixei que ele escolhesse o que assistir enquanto me sentava na outra poltrona com minha latinha na mão. Estava difícil de segurar, mas eu não era nenhum maníaco, não iria forçar nada com ela, ainda mais que estava confusa e vulnerável.

Já eram umas 18h e ninguém havia aparecido para procurar por ela, eu estava preocupado e sugeri que fossemos dar uma volta no bairro e ver se encontrava nós alguém que a conhecesse ou se ela se lembrava de algo. Ela muito obediente veio comigo e rodamos por mais de 1h atrás de lembranças ou de alguém buscando por ela e quando já eram 19:30 resolvi voltar e abriga-la por aquela noite.

Chegamos e logo a coloquei em frente a tv e fui preparar algo para comermos, assim que comemos a fiz escovar os dentes com uma escova extra que eu tinha, dei uma das minhas camisetas para ela e a levei ao quarto da minha filha.

Aquela menina me tirava o juízo, mas eu não podia abusar ou daria merda. Assim que me deitei, já ia sacando da rola para bater uma para ela, então a porta do quarto se abriu e aquela mini deusa entrou no meu quarto. Meio chorosa ela veio e se deitou ao meu lado e não tive como dizer não.

Quando se acalmou ela dormiu e ficou com aquela coisa arrebitada apontando para mim, o rabo gostoso ela tinha. Perdi a consciência e comecei a passar minhas mãos de leve por ela, meus dedos percorreram suas costas até a bunda, onde fiz questão de apertar de leve, então fiz com que minha mão escorregasse até a parte da frente e passei a alisar sua bucetinha por de cima da roupa.

Eu estava cego pelo tesão, então me levantei e a virei de barriga para cima suavemente para não acordar, então fiquei agachado ao seu lado e com a mão esquerda suspendi sua blusa e o sutiã, com a direita fui invadindo sua calcinha e dedilhando levemente aquela coisinha gostosa e peladinha.

Em pouco tempo eu já estava com a boca em seus seios e o dedo vibrando fortemente em seu grelo, bastou pouco para que ela se arrepiasse e começasse a tremer. A menina então abriu os olhos e me viu a passar as mãos nela e nada fez ou falou, então retirei toda sua roupa e me enfiei entre suas pernas para chupar aquela bucetinha linda, essa foi a primeira vez que ouvi sua voz, pois ela gemia gostoso enquanto era sugada até que gritou melando minha língua.

Foi mágico, eu que a essa hora já estava nu, subi sobre seu copinho frágil e magro e a beijei no mesmo instante em que roçava meu pau na entrada da xana. Ela não sabia beijar mas se entregou completamente, aquela submissão e inocência me fez ficar ainda mais tarado, adoro mulheres obedientes, então fui invadi do sua buceta pouco a pouco e com muito carinho até que, em meio a resmungos ele entrou.

Meu medo em penetra-la é pq sou quase um cavalo. Meu pau é bem grosso e tem 20 cm, na escola as meninas chamavam de chouriço, pois sou negro mas meu pau é mais escuro ainda e sempre foi gigante. Mas ela aguentou quase todo e não deu trabalho, então já que entrou o negócio era foder.

Estávamos no papai e mamãe, não queria extrapolar por ser virgem e para a cabeça dela não doer, então foi gostoso naquela posição até que resolvi a colocar de ladinho, nessa posição o pau escorregou inteiro para dentro dela, foi uma delícia e ela gostou tanto que gozou no meu pau deixando ele todo melado com sua porra.

Nessa hora perdi a razão, a coloquei de quatro na cama e fodin como se não houvesse amanhã, soquei com gosto e quando vi ela olhando para trás com aqueles olhinhos castanhos marejados não resisti e soltei toda a porra acumulada a semanas dentro daquele útero maravilhoso, foi de mais.

Aí terminar notei a merda que havia feito, pois ela estava chorando, então a deitei em meu peito e fiz carinho, pois sua cabeça devia estar doendo de tanto que bombei forte nela de quatro. Assim ela dormiu e eu também, tendo aquela menina deliciosa embalando meus sonhos.

Pela manhã a campainha toca, prevendo o que viria a coloquei no quarto da minha filha, coloquei uma bermuda e uma regata e fui atender quem chamava. Na porta estava uma senhora com cara aflita, disse sua filha sumiu ontem e que queria saber se a havia visto, ela então descreveu a menina cuidadosamente e eu a fiz entrar e a levei até onde ela estava.

– Melissa minha filha,

o que aconteceu com você? Te procuro desesperadamente desde ontem.

Enquanto ela conversava com a filha, trouxe seus pertences e contei o ocorrido, inclusive que ela não havia falado uma só palavra desde que a encontrei. Como não havia descoberto nada a deixei no quarto da minha filha.

A menina ainda estava aérea mas parecia reconhecer algo na mãe que então a levou embora sob protestos de Melissa que queria ficar. Então beijei sua cabeça e a abracei dizendo em seu ouvido que não contasse para ninguém o que fizemos a noite. Beijei seu rosto e disse que ela não se esqueceria jamais de mim, nem eu dela. Sempre que quisesse poderia vir em casa.

Sua mãe – que era uma puta de uma cavala, diferente da filha tinha peitões e uma bunda gigantesca, aquela boca de chupeteira e uma cara de carente – me agradeceu e disse que faria algo para me recompensar. Eu disse que não precisava, havia sido um prazer ficar com a filha dela – e como foi, gozei pra caralho – e que se precisasse de ajuda me chamasse.

Ela me abraçou e deixou aquele perfume maravilhoso em mim, então trocamos número de telefone e foi embora. Nem preciso dizer que eu bati outra punheta gostosa quando elas saíram…o final de semana maravilhoso.

Depois conto como comi a mãe dela e o resultado daquela noite…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,32 de 22 votos)

Por # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Suzi

    Que brincadeira mais gostosa em Melissa?

    • Martelo

      Oi suzy vamos brincar , vc telegram