# #

O filho do pastor enfiou com muita força na minha bucetinha

1555 palavras | 8 |4.70

Isso aconteceu quando eu tinha uns 13 anos, aqui estou contando só a primeira vez,… mas esse cara se aproveitou de mim até uns 17… eu aprendi a fazer todo tipo de putaria na cama com ele… e depois de usar e abusar ele casou com outra…

Estava animada para o fim de semana, ia para o retiro da igreja e sempre era divertido. Viajávamos para uma chácara e passávamos o tempo lá com vários jovens. Adorei saber que Felipe ia, ele era o filho do pastor. Era muito lindo, fazia parte do louvor e tocava bateria. Era alto, magro, tinha o cabelo comprido e era a sensação das meninas. Ele era mais velho, ja fazia faculdade e as adolescentes como eu ficavam louquinhas por ele. Inclusive ele era meu amor platônico. Fazia até cartinhas para ele. Eu só tinha 13 anos, ele me via como uma garotinha bobinha… pelo menos era o que eu achava até essa viagem.

Fiquei super animada quando ele sentou perto de mim. E durante o caminho combinei que minha amiga pediria para trocar de lugar com ele. Não estava pensando em maldade nenhuma. Só queria ficar perto do meu amor platônico. Ele aceitou trocar de lugar e puxou assunto comigo.
Ele foi muito legal, falou de como era a faculdade, disse que também tocava nas festas de lá. E eu fiquei impressionada. Ele não era igual esses moleques da escola.
Aos poucos ele foi começando a demonstrar interesse em mim. Segurava minha mão quando ninguém olhava e além disso começou a alisar minha coxa. Fez o mesmo na minha barriga tudo muito discretamente. Mas quando todos dormiram que as coisas esquentaram.

Ele disse que tinha ido sentar ao meu lado só porque eu era gostosinha e que depois de falar comigo ficou louco pra me beijar. E claro que aceitei… mesmo ele sendo mais velho… ele disse até que queria ser meu namorado, facilmente deixei que me beijasse. E ele beijou muito diferente dos garotos da minha idade.
Levantamos o braço da poltrona e nos cobrimos com a coberta que eu tinha levado. Ele continuava carinhoso. Me deixando ainda mais apaixonadinha. Além disso ele também beijava meu pescoço, mordia minha orelha e eu ficava louquinha. O ônibus estava na escuridão total.

Em silêncio, pois a maioria já dormia e estando nos últimos bancos era tranquilo dar uns beijos. O problema é que ele foi querendo algo a mais. Eu era virgem, nunca tinha passado de uns beijos, mas sabia que pra ficar com garoto mais velho eu ia ter que parar de agir feito bobinha. Afinal estávamos com um monte de gente perto, ele não ia meter em mim ali… e nessa inocência, deixei ele pegar nos meus peitos. Ele se inclinou pro meu banco. E senti sua mão no meu corpo. Tocou primeiro meus peitinhos e me arrepiei completamente. Ele chupava minha língua e puxava os biquinhos de cada um. Aquilo era gostoso. Não reclamei, deixei ele pegar a vontade. Até que uma hora ele enfiou a cara embaixo da coberta e chupou meus peitos.

Um de cada vez. Tive que segurar meus gemidos pra não acordar ninguém, mas a boca dele não desgrudava de mim. Nunca vi os bicos dos meus peitos tão arrepiados, eles dobraram de tamanho e a língua dele contornou cada um. Achei que ia parar nisso, mas ele voltou a me beijar e enquanto me distraía sua mão passeava em meu corpo. Tocou minha barriguinha e enfiou a mão dentro da minha calça. Dessa vez tentei impedir e segurei seu pulso – Eu sou virgem, Lipe – Confessei baixinho – É só carinho, se quiser ser minha namorada vai ter que deixar eu passar a mãos porque vou querer tocar sempre na sua bucetinha – Falou cochichando e acabei deixando animada com a história de ter o primeiro namorado mesmo sabendo que ninguém aprovaria pela diferença de idade – Abaixa a calça até o joelho – Ele pediu sussurrando – E se alguém acordar? – Estava com muito medo do que ele ia fazer comigo – A gente fica coberto e finge que ta dormindo. Abaixa – Concordei e abaixei minha calça e a calcinha até os joelhos. Ele cuspiu na mão e pegou na minha grutinha virgem de novo, melou ainda mais ela com cuspe.

O carinho começou bem de levinho. Ele bolinava meu grelinho aos poucos e passava a língua no biquinho do meu peito. Aquilo era tão gostoso. Meu medo foi passando e o tesão aumentando. Ele falava que eu era uma ninfetinha deliciosa. Ainda não sabia exatamente o significado da palavra mas gostava. Fiquei tão melada que ele enfiou o dedo em mim. Ele ficou me cutucando com a pontinha do dedo e gostei muito disso – Pega no meu pau também – Levou minha mãozinha na rola dele e tava tão duro. Conforme eu apertava aquilo pulsava entre meus dedos. Eu tinha 13 anos e tava masturbando um cara de 24. Nem sabia se tava fazendo direito mas ele falava que tava gostando – Agora poe a boca – Me segurou pelo cabelo – Eu não sei fazer – Falei nervosa – Só encosta a boca nele e eu te ensino – Foi me pressionando e toquei os lábios na cabeça da rola dele. Ela bem quente e estava molhada – Lambe passa a língua – Ele pediu no meu ouvido. Fiz o que ele mandou e ele puxou meu cabelo – Isso que boquinha gostosa da uma chupada – Pediu cochichando.

O gosto não era ruim, o pau dele era macio. Enfiei mais um pouco dentro da boca e tentei chupar – Sem por o dente – Mandou e dei algumas chupadinhas – Agora minhas bolas – Tentei fazer tudo do jeito que ele queria. Gostei dessa brincadeira. Mas ele queria sexo, pra ele só isso não era suficiente. Ele me virou de lado e veio se encaixando em mim – Fica quietinha – Tapou minha boca e esfregou o pau na minha bucetinha. Eu não queria dar assim, tava com muito medo de alguém me flagrar, eu sabia que era errado transar antes do casamento, meu pai ia me matar se descobrisse. Mas ele ja estava engatado em mim. Não queria que ele me achasse uma medrosa. Queria aguentar um homem dentro de mim. Minha xaninha tava muito melada ele lubrificou com mais um pouco de cuspe e foi se encaixando. Minha grutinha era muito pequena pra ele – É melhor parar outro dia eu deixo você por – Pedi baixinho quando senti o tamanho daquilo – Eu quero agora você provocou agora vai ter que dar – A rola chegava a escorregar pra fora. Eu sabia que tinha que aguentar quietinha mas doeu muito na primeira enfiada. Ele mandou eu relaxar – Para de fechar as pernas relaxa essa buceta – Ficou tirando e colocando o que coube pra dentro de novo. Mas uma hora ele meteu com muita força e fez uma pressão la dentro que senti rasgar tudo dentro de mim. Meu quase grito foi abafado pela mão dele. Ele falava no meu ouvido que eu tava aguentando que eu era gostosa. Ele dizia que sempre quis comer uma novinha. Foi praticamente um estupro mas ele começou a falar tanta putaria no meu ouvido, que comecei a me sentir uma mulher de verdade. Ele mexia no meu grelo e fincava o pau dentro de mim sem parar.

Tinha acabado toda a ardência que senti quando rompeu meu cabaço e agora minha xota pegava fogo. Só então comecei a dar com vontade. Involuntariamente eu remexia o quadril. A dor já não incomodava só reclamava quando ele metia muito forte ainda não tava acostumada a sentir aquelas pancadas no utero. Meu corpinho balangava no banco. Sentia minha xana escorrendo e tinha medo de alguém ouvir o barulho que fazia em cada metida. Ele me segurava pela barriga e não cansava. Eu apoiava a mão no vidro e escondia o rosto no travesseiro pra aguentar. Não sei quantos minutos aquilo durou. Acho que foi rápido, eu estava descobrindo várias sensações, sentia a rola dele estufando minha barriguinha quando entrava tudo. Minhas perninhas tremiam e minha bucetinha queimava como nunca tinha acontecido antes. Fiquei toda suadinha e ele só parou quando gozou dentro de mim. Ficamos agarradinhos só que logo nos afastamos rapidamente quando alguém levantou para ir ao banheiro. Como era ao nosso lado, aproveitamos para arrumar as calças enquanto a pessoa usava o sanitário. Depois de um tempo ele acordou minha amiga e pediu para ela voltar ao lugar. Não tive coragem de contar o que aconteceu para ela. Quando chegamos fui ao banheiro e vi minha calcinha toda melecada de porra e sangue. Eu já não era mais aquela menininha… E nesse fim de semana ele fez tanta coisa escondida comigo que voltei pra casa com a xaninha esfolada.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,70 de 37 votos)

# #

8 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder pastor

    nada como uma putinha crente, são submissas uma cadelinhas deliciosas.

  • Responder Cel estrelado

    ai que delicia

  • Responder Eric

    Conta mais

  • Responder Negroeamor

    Delícia.
    Mulheres que queriam algo, casadas, solteiras ou pais que queiram dar suas filhas
    @negrotop

  • Responder Léo

    Você foi uma guerreira, parabéns, sou da igreja tbm , tenho 28, vamos conversar, @Leocrat

    • Tonny

      Ola deixa teu contacto, quero trocar uma experiência contigo

    • Te bem

      Oi

    • Quero

      Oi