# #

Minha priminha de segundo grau

1092 palavras | 2 |4.10
Por

A família estava reunida, como todos os anos, em nossa casa que fica na praia, sempre nos reuníamos em família para passar o ano novo, era um momento sagrado para todos da família, e sempre nos reuníamos na casa de nossa tia, que tinha construido essa casa já pensando em receber a família toda.
Tinham os quartos individuais, com uma cama de casal cada e tinham os coletivos, com beliches,para os solteiros e as crianças.
Nesse ano nossa prima Laura que mora em uma cidade distante, e que a anos não víamos resolveu aparecer, ela foi com o esposo e a sua filha, Manuela. Minha prima tinha os seus 36 anos, e era bem bonita, sempre tive uma quedinha por ela, mas ela nunca me deu bola; Ela se mudou para outro estado para fazer faculdade e casou e estabeleceu por la, casou e teve uma linda filha.
A filha da Laura já estava com seus 12 para 13 anos e tinha herdado a beleza da mãe, tinha as pernas bonitas, a cinturinha bem fininha, os cabelos lisos, negros e bem volumosos, batendo na sua cintura, os olhos bastantes expressivos, e, principalmente, a pele bem clarinha cheia de sardas. A Manuela era uma menina bem desenvolta para a idade, e logo conquistou todo mundo na casa com seu jeito descontraído e alegre, e, a afinidade foi tanta que parece que conheciamos ela desde sempre. Mesmo sendo primos, ela me chamava de tio, devido a nossa diferença de idade. Eu já estava beirando os 40.
Depois que eles chegaram e se acomodaram, demos um dos quartos individuais para eles e colocamos um colchao para que a Manuela pudesse dormir com eles, já que é o primeiro contato dela com o restante da familia.
Aquela tarde transcorreu de forma normal, as crianças foram para a praia, e os adultos terminavam de arrumar as coisas, e, como todos estavamos mortos, fomos dormir cedo.
No outro dia, pela manha as coisas começaram a mudar, acordei cedo, e a Manuela também, e só tinhamos nos dois acordados, como queria conhecer melhor a minha nova priminha, chamei ela par dar um passeio na praia É claro que ela amou, perguntou se podia por um biquine, porque, caso a praia tivesse boa, ela tomaria um banho de mar.
Quando ela saiu do quarto, meu coração acelerou, porque ver aquela meninnha com o corpo já formado, usando um biquine que mostrava os seios dela (já grandinhos) e a calcinha do biquini mostrando a bucetinha dela (que bucetinha linda, inchadinha, e marcando bem em cima da rachinha) fiquei exitado na hora…. e ela ainda da uma voltinha, inocente, perguntando se ta bom, e quando bati o olho em sua bundinha, ai meu pau ficou duro de vez. Não sei se inocentemente ou para me provocar, ela, de costas pra mim puxa a calcinha de dentro da sua bundinha, aquilo me deixou louco…
Fomos passear e, como já estava excitado, levei ela para uma parte da praia mais deserta e que tinha umas pedras, que dificultava a visão, já que a minha intenção era de experimentar aquele corpinho juvenil, se não hoje, até o final das ferias…
Fomos caminhando, primeiro em silencio, mas, depois quebrei o clima e comecei a puxar um papo com ela, fui perguntando sobre a escola, seus colegas, seus amigos, e ela foi se abrindo e me contando um pouco de sua vida em sua cidade. Durante o nosso papo, perguntei a ela se ela ja tinha namorado, beijado, ou coisa do tipo. Quando olho pra ela, vejo que ela corou com a minha pergunta, então, para nao assusta-la disse que não precisava responder se não quisesse… ela me olhou e disse que gostava de um garoto em sua escola, mas seu pai marca em cima e não deixa ela pensar nisso até completar, pelo menos os seus 16 anos, mas que ela tinha muita vontade de beijar, pois era BV. Não forcei muito no assunto pq não queria que ela se assustasse, mas nessa hora meu pau estava rasgando o short de tão duro, então chamei a Manu para tomar um banho de mar.
Entramos na agua e comecei a elogiar ela, dizendo q ela é muito bonita e que deviam ter varios garotos babando por ela, ela deu um sorriso e escondeu o rosto com o cabelo, dizendo que escutava, de vez em quando algumas cantadas dizendo que ele era gostosa, principalmente de velhos tarados, e que sentia os olhares deles quando ela andava. Disse pra ela que isso é normal, porque ela é realmente muito bonita e que os homens se sentem atraidos pela beleza dela.
Fui falando isso e colocando a mão na cintura dela e trazendo ela, devagarinho para meus bracos, e para a minha surpresa ela não criou resistência.
quando já estávamos bem próximos, envolvi os meus braços na cintura dela e colei a bundinha dela no meu pau, na hora o tesão tava tão grande que nem liguei dela sentir ele na sua bundinha. Ela ficou sem graça mas nao se afastou e ficamos ali, naquela tensão, eu abraçado a ela, e a bundinha dela enterrada em meu pau. Como ela não falou nada, fui descendo a mão da cintura e peguei na bundinha dela, de lado e puxava e soltava, esmagando o meu pau naquela bundinha linda e deliciosa, e, ao mesmo tempo fui falando em sua orelhinha o quanto ela era linda, quando apertei ela bem forte e beijei o seu pescoço, entramos em um transe e ela começou a rebolar devagarzinho em meu pau e a sua respiração ficou alterada, e ela segurou forte em meu braço, nesse momento percebi que ela já era minha, virei ela de frente e continuei apertando ela forte, agora com a bucetinha dela colada em meu pau, e eu passando a mao em sua bundinha, ficamos um bom tempo assim, até que a praia começou a ficar cheia e escutamos uma voz, de lonje, chamando o meu nome e o da manu, quando voltamos a casa estava acordada e todo mundo tomando café. Não falamos nada do que aconteceu mas quando ela me olhou, percebi que tinha uma cumplicidade ali e que essas ferias seriam inesquecíveis

Se curtiram o conto, continuo, é a minha primeira vez escrevendo, espero que vcs queiram uma continuação…..

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,10 de 30 votos)

Por # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder anónimo

    Continue logo

  • Responder Sherek

    Continue