# # #

Meus Meninos 7

7071 palavras | 94 |4.63
Por

BIP! BIP! BIP! BIP! TAPA! Eu bati no meu despertador o desligando. Era muito cedo para acordar, mas eu lentamente tentei despertar e me preparar para viagem, o transporte para o aeroporto deveria chegar em 45 minutos. Eu peguei meu roupão e fui até o quarto de Felipe para acordá-lo. Quando me aproximei da cama de Felipe, notei que ele estava nu, pois as cobertas estavam a meio caminho pelo corpo, expondo suas lindas nádegas. Afaguei sua pele lisa e nua que estava quente, fiquei hipnotizado pela linda bunda do meu garoto adormecido.
Lembrei-me de ir dormir ontem à noite e notei que a porta do porão ainda estava fechada. Eu não tinha ouvido um pio deles desde que eu assisti Jamal, Ravi e os meninos descerem as escadas para assistir a um filme, eu imagino que eles devem ter dormido tarde ontem à noite. Felipe parecia estar totalmente fora de sistema enquanto estava deitado dormindo profundamente em sua cama.
Meu pau, já endurecido pelo tesão matinal, pulsa quando deslizo meu dedo para cima e para baixo pelo rego dele. Então o empurrei para baixo em sua fenda quente, procurando por seu buraco de menino. Mas quando fiz isso, imediatamente senti uma umidade quando localizei suas pregas. Uau, os lábios externos de seu cuzinho estavam inchados. Felipe não se mexeu enquanto eu continuei esfregando seu esfíncter irritado. Algo claro e molhado estava vazando lentamente no meu dedo ao redor das bordas externas de seu buraco.
Meu pau duro saiu pela frente do meu roupão enquanto eu continuava a explorar a bunda do meu garoto. Meu coração disparou quando eu lentamente inseri meu dedo em sua entrada relaxada. Lipe não se mexeu quando enterrei meu dedo adulto, que entrou facilmente, no seu cólon de oito anos. Eu podia sentir os músculos do esfíncter de Felipe tentando prender meu dedo, mas estava muito alargado para manter meu dedo fora. O cheiro de esperma fresco encheu o ar quando mais líquido escapou enquanto continuei bombeando a bunda do Lipe com o meu dedo. O corpo do Lipe começou a reagir ao meu estímulo, ele começou a arquear as costas; fazendo suas bochechas se separarem ainda mais e seu cuzinho dar uma piscada forte, mordendo meu dedo. Como se ele estivesse me apresentando como um prêmio.
Eu não pude resistir em deslizar um segundo dedo quando sua bunda se abriu. Desta vez, eu soltei um gemido baixo, enquanto seu buraco bonito engolia facilmente outro dos meus dedos. Meu pau pulsava, trabalhando meus dois dedos profundamente no rabinho relaxado do meu garoto. O som molhado encheu o quarto quando meus dois dedos localizaram a pequena próstata do Felipe.
– Mmmmmmmm – Felipe gemeu levemente. Ele ainda estava dormindo, mas ele claramente estava gostando do meu toque.
Eu não aguentava mais. Tirei meus dedos do buraco fazendo Lipe grunhir. A tentação estava lá, como eu queria subir em cima do meu filho e foder ele loucamente. Mas minha razão me chamou para o fato de que transporte para o aeroporto estaria aqui em breve e eu precisava deixar Lipe limpo e pronto.
– Vamos, Lipe. Hora de acordar. – Eu disse enquanto me inclinava para perto de sua cabeça de Lipe e gentilmente esfregou seu cabelo para fazê-lo acordar. Felipe apenas gemeu e rolou da cama. Bem, isso seria divertido.
Eu precisava me preparar, então voltei para o meu quarto. Uma vez vestido, eu poderia me concentrar em deixar Lipe completamente pronto. Quando eu saí do quarto do Felipe encontrei com Jamal no corredor.
– Eu acho que você precisa de ajuda para preparar o Lipe, né? – Jamal disse sorrindo com um pouco de inclinação nos olhos.
– Sim, o carro estará aqui em cerca de 45 minutos. – Eu disse quando passei por Jamal. Ao olhar para o quarto dele, pude ver uma parte do quarto, na cama pude notar um par de bochechas nuas saindo dos lençóis. A primeira coisa que me ocorreu foi que Fernando passou a noite aqui com Jamal. Mas depois de tudo o que eu tinha visto nos últimos dias, nada realmente me impactaria mais. Jamal entrou no quarto de Felipe para levantá-lo e apronta-lo enquanto eu corria para o meu quarto para tomar um banho.
Depois de terminar de me arrumar, tomar banho e aparar a barba, estava pronto para a viagem. Enquanto eu colocava minha mala no corredor, Felipe saiu de seu quarto, vestido e parecendo surpreendentemente acordado com um sorriso no rosto. Jamal o seguiu com a mala de Felipe na mão. Então eu tive a maior surpresa quando Luiz saiu do quarto de Jamal vestindo nada mais do que aquela sunga branca. – Porra! – pensei.
– Bom dia Luiz. – Felipe disse em um tom alegre.
– Bom dia, Esguicho. – Luiz respondeu enquanto caminhava grogue de sono com Felipe para o andar de baixo. Eu notei o quão gostoso Luiz parecia naquela coisa apertada que ele estava vestindo, sua bunda parecia tão apetitosa. Jamal se aproximou e pegou minha mala; ele piscou para mim quando me viu olhando para a bunda de Luiz.
– Seu garoto estará em boas mãos enquanto você estiver fora. – Jamal disse, então se virou e seguiu os meninos lá para baixo. Minha mente flutuou sobre o que poderia ter ocorrido naquele porão ontem à noite. Quando passei pela porta aberta do quarto de Jamal eu ainda podia ver Fernando dormindo na cama dele. Não havia sinal de Ravi.
– Droga! Ele ficou com Fernando e o meu filho em sua cama ontem à noite? – Pensei comigo mesmo quando meu pau começou a se mexer novamente. A buzina do carro para o aeroporto me tirou do meu transe sexual acordado.
Desci as escadas me dirigindo ao meu escritório para pegar as passagens e meu laptop. Jamal levou a bagagem para o carro. Eu não me incomodei em acender as luzes, pois eu tinha organizado e sabia onde estavam as coisas. Então eu peguei de relance uma visão do meu escritório escuro dos meninos quando eles pararam no vestíbulo para se despedir. Felipe estava vestindo sua jaqueta favorita e uma camiseta, um par daqueles shorts de basquete sedosos e soltos que vão até os joelhos. Ele também usava um par de chinelos, seus pés bonitos de menino estavam em exibição, bem como a tornozeleira Puka que Jamal lhe deu, provavelmente para que ele não tivesse que tirar os sapatos ao passar pela segurança.
Luiz e Felipe estavam um diante do outro com sorrisos nos rostos. Então notei Felipe estender a mão e esfregar levemente a ponta do pênis de Luiz enquanto a barraca começava a se formar em sua sunga. Felipe então passou a mão contra o membro crescente do seu irmão mais velho, sua mão infantil e pequena suavemente apertando o pau.
– Que bom que eu consegui te ajudar a ganhar sua sunga ontem à noite. – Felipe disse olhando nos olhos de Luiz. Luiz pegou o dedo e pegou um pouco de porra que eu não tinha notado na bochecha de Felipe.
– Parece que você já tomou café da manhã, um dos shakes de proteína de Jamal? – Luiz disse baixinho dando risada.
– Aham, chamamos de cobertura. – Felipe sorriu enquanto lambia e depois chupava o dedo de Luiz por um momento. Então eu ouvi o som de um peido molhado ecoar pelo saguão.
– BRrrrrnnnttt! – os dois garotos riram com o som.
– Opa! – Luiz disse timidamente enquanto Felipe continuava rindo. Eu assisti atordoado do meu escritório quando a mão direita de Felipe alcançou e deslizou para dentro da parte traseira da sunga de Luiz. Assisti a protuberância da mãozinha de Lipe, de oito anos, quase desaparecer entre as bochechas da bunda do irmão. Luiz grunhiu e encostou-se ao irmão mais novo para se firmar. Eu jurei que vi Luiz abrir as pernas levemente.
– Você ainda está realmente arrombado. – Ouvi Felipe dizer sem fôlego enquanto permaneciam encostados um no outro, então perdi toda a visão do volume da mão de Felipe na parte de trás da sunga do Luiz. O quer que Felipe estava fazendo lá atrás fez seu irmão mais velho emitir um gemido abafado.
Então Felipe tirou a mão de Luiz, fazendo seu irmão expirar. A mão de Felipe parecia molhada e coberta de esperma que estavam na bunda do Luiz. Felipe levou a mão à boca e começou a lamber a mão coberta de porra como um pirulito. Ele então ofereceu a mão para Luiz, que começou a lamber a mão como se fosse algodão doce. Felipe abaixou a mão enquanto Luiz continuava a lamber, então os dois meninos estavam limpando a mão de Lipe enquanto olhavam nos olhos um do outro.
Enquanto Luiz e Felipe se encaravam, Lipe abaixou a mão deixando um rastro manchado por toda a boca e pelos rostos. Meus meninos foram devagar inclinando-se um para o outro, parando no momento em que seus lábios estavam prestes a se tocar, então avançaram começando a explorar lentamente a boca um do outro com amor. Eles se abraçaram, com meu filho mais velho movendo seu pau duro contra o seu irmão mais novo. Eu podia ouvi-los gemer quando seus beijos aumentaram a intensidade, suas bocas agora atracadas, enquanto suas línguas balançavam como se não houvesse amanhã. Isso estava muito longe do beijo que Felipe deu em Luiz para recebe-lo ontem.
O som da buzina do carro sobressaltou nós três, no momento em que Luiz e Felipe se abraçavam enquanto sorriam como irmãos e amantes.
– É melhor colocar sua bunda no carro. – Luiz disse a Felipe.
– Eu te amo mano. – Felipe disse calmamente enquanto se beijavam rapidamente uma última vez, então Lipe disparou para a porta da frente enquanto tentava reajustar seu pintinho duro no short. Luiz estava totalmente duro em sua sunga branca quando ele se virou e voltou para o andar de cima. A parte de trás estava mostrando um ponto úmido onde o gozo vazou de sua bunda após a brincadeira com Felipe.
Eu tive que reajustar meu pau duro enquanto saía do meu escritório para a porta da frente. Assim que saí do escritório, vi Luiz me observando do patamar do segundo andar. Ele estava sorrindo e levemente esfregando sua ereção.
– Tchau pai, boa viagem. – Ele disse sorrindo com o olhar mais cheio de luxúria que eu já tinha visto em seu rosto. Ele sabia que eu estava assistindo do meu escritório?
– Tchau filho, faça o que Jamal diz. Volto em alguns dias. – Eu disse rapidamente quando notei que a outra mão de Luiz estava agora atrás dele, parecia como se tivesse a mão enfiada na parte de trás da sunga.
– Mmmm, pode deixar pai. – Luiz disse quando um olhar vidrado o invadiu. Ele devia estar tocando seu buraco e sentindo o estrago feito.
Luiz podia ter um gênio forte como o da mãe as vezes, mas sempre foi muito respeitoso comigo. Eu o admirava por isso.
Fiquei ainda mais duro com o pensamento de que eles sabiam que eu estava assistindo. Eu corri para fora pela porta da frente para o carro que estava esperando. Jamal estava esperando perto do carro; Felipe já estava na parte de trás com o cinto de segurança e conectado em seu iPad.
– Cuide bem de Luiz enquanto eu estiver fora, tem uma lista com algumas informações sobre os treinos e atividades dele no meu escritório. – Eu disse a Jamal quando entrei no veículo.
– Ele será bem cuidado. – Jamal disse com um sorriso enquanto fechava a porta lateral. Então o carro seguiu para o aeroporto enquanto corríamos pela rodovia.
Eu olhei pela janela enquanto a paisagem passava por nós na estrada, pensando nos eventos passados e o que isso significaria para mim e meu relacionamento com meus filhos. Aposto que Jamal e os meninos estavam fazendo aprontando algo agora mesmo em casa. Eu tive que tentar tirar essas imagens da minha cabeça, meu pau não baixava desde Jamal começou a trabalhar para mim.
Olhei para Felipe, ele tinha tirado seus chinelos enquanto balançava as pernas para frente e para trás, ele se contorcia em seu assento. Ele tinha belas pernas e os pés mais bonitos que um garoto poderia ter. A tornozeleira com conchas puka brancas ornava bem com a pele macia e bronzeada. Eu ajustei meu pau duro enquanto observava meu lindo garoto sentado ao meu lado. Felipe continuou se remexer em seu assento, completamente absorvido pelo que ele estava assistindo no iPad dele. Eu só queria correr minhas mãos pelas pernas dele com os calções folgados que estavam chegando à virilha por estar com as pernas dobradas. Me imaginando sentindo seu pau de menino suave e bolas nas minhas mãos enquanto eu o acariciava até que estivesse duro e latejando na minha palma.
– Droga! Pare de querer perverter seu próprio filho! – Pensei comigo tentando focar minha atenção pela janela.
Finalmente chegamos ao aeroporto e chegamos à balcão para verificar nossa bagagem. Ao fazer o check-in, fui informado que nossos assentos haviam sido alterados e Felipe e eu não estaríamos sentados juntos. Fiquei chateado e fechei a cara, mas havia pouca coisa que eu pudesse fazer, pois o avião estava lotado.
– Eu vou ficar bem, pai. Eu posso fazer isso, sou grandinho. – Felipe me disse sem tirar os olhos do iPad. Fiquei chocado! Ele me chamou de pai espontaneamente! A primeira vez que ele me chamou assim desde que voltei da minha última viagem e todo esse absurdo com Jamal começou. A resposta dele anulou totalmente minha raiva, e fomos para o portão de segurança.
Esperar para passar pelo portão de segurança é sempre uma tarefa árdua. Malas a serem despachadas, sapatos para serem tirados e recolocados, tirando coisas e toda essa porcaria. Pode ser um processo chato, mas geralmente é possível superar rapidamente se instruções foram seguidas. Peguei uma das caixas de plástico e coloquei meus sapatos e todos os meus objetos de metal, seguidos pelo meu laptop que eu tive que abrir e ligar.
Felipe estava atrás de mim e ele pegou uma caixa e colocou seu iPad e seus
chinelos. Fui andando através do detector de metais e felizmente tudo certo. Felipe atravessou e o detector disparou. Felipe não pareceu afetado por isso e seguiu as instruções ao levantar suas mãos quando um bastão detector de metais foi passado sobre ele. Nada aconteceu até o bastão passar abaixo da cintura.
– Isso é estranho, esses shorts não têm bolsos. – Pensei quando comecei a calçar os sapatos e juntar minhas coisas.
O agente do aeroporto revistou Felipe, mas nada foi encontrado. O bastão foi passado por ele novamente e ainda disparou. Agora eu estava realmente preocupado com qual era o problema.
– Desculpe senhor, ele é seu filho? – O agente perguntou.
– Sim… sim. – Eu gaguejei, sem muita certeza do que iria acontecer.
– Precisamos fazer uma busca no seu filho, não vai demorar muito. – O agente disse enquanto escoltava a mim e a Felipe por um corredor para dentro de um cubículo. Eu segui os dois lá para dentro com a porta se fechando atrás de mim. Ainda estava segurando todas as nossas coisas quando me sentei na sala cinza lisa. A única coisa na sala além de algumas cadeiras era uma ampla mesa de metal. De onde eu estava sentado, eu tinha uma visão clara do agente e de Felipe. O agente era um grande senhor parrudo e branco, na casa dos 50, barba por fazer com alguns fios grisalhos, uma leve barriga sem estar necessariamente fora de forma, ele se elevava sobre Felipe enquanto meu garoto estava diante dele descalço.
– Vamos tirar sua camisa. – O agente ajudou Felipe a retirar sua jaqueta leve, deslizou as mãos por baixo da camisa e moveu as mãos para cima pelos lados de Felipe empurrando a camisa para cima revelando parte do corpo tenso do meu filho. Podia jurar que o agente demorou alguns segundos a mais nesse movimento, como se ele estivesse gostando da sensação da pele macia do meu menino enquanto suas mãos permaneciam no Lipe enquanto levantava a camisa. Meu garoto levantou os braços como o agente finalmente tirou a camisa de Lipe. Seus mamilos logo enrijeceram com o ar frio da sala. Mas depois que ele fez isso, ele passou a mão pelo peito e pelo estômago da criança, sua grande mão apalpando meu menino como uma bela escultura. Notei Felipe fechar os olhos e relaxar com uma breve sugestão de um sorriso em seu rosto.
– Você tem um ótimo garoto aqui, senhor. – Pensei que o agente passou a língua pelos lábios ao dizer isso, mas seu tom permaneceu neutro. – Parece que não há nada escondido debaixo da camisa dele. – Continuou o agente.
– Eu vou remover seu short. – Ele disse para Felipe, narrando cada ação antes de realiza-la. A reação do meu filho foi interessante, ele não estava nervoso com isso, quase antecipando algo. Eu, por outro lado, estava nervoso com para onde tudo isso estava indo.
O agente enfiou os dedos nos shorts do meu filho e os abaixou, então Felipe ajudou o agente enquanto ele levantava cada perna para que a peça pudesse sair. O agente colocou as roupas do Felipe na grande mesa atrás dele. Felipe estava agora de pé apenas com sua cueca do Superman e sua tornozeleira Puka, ele e eu estávamos esperando por mais instruções. O grande ‘S’ na frente da sua cueca parecia um pouco distorcido, esse garoto estava ficando duro?
O agente pegou o bastão e varreu o corpo de Felipe, o aparelho disparou quando passou por cima de sua cueca. Especificamente quando passou perto de sua bunda, me pegando de sobressalto.
– Tudo bem, filho. Nós vamos ter que tirar sua cueca também. – O agente disse roucamente. – Isso é realmente necessário? – Eu perguntei preocupado.
– É um procedimento de segurança senhor, ficaria impressionado com o que as pessoas tentam embarcar. – O agente permaneceu sério.
Felipe apenas assentiu em silêncio enquanto o agente deslizava suas mãos nas laterais da cueca de Felipe e começou a deslizá-las pelas coxas de menino. Mas ele fez isso devagar, quase como uma provocação, a cueca ficou pendurada brevemente e, finalmente, cedeu quando o pintinho do Felipe saltou para fora e ficou duro e ereto na frente dele.
– Essas crianças… – Dei um sorriso sem graça.
O agente finalmente baixou as roupas íntimas de Felipe, mas não depois de sentir as pernas do meu menino enquanto ele fazia isso. Ele jogou a cueca em cima da pilha de roupas em cima da mesa. Felipe estava agora completamente nu, exceto pela tornozeleira. O agente fez uma inspeção visual no meu filho de oito anos, que estava pelado, e então ele fez Lipe dar a volta lentamente. O agente trouxe o bastão, novamente fez outra varredura sobre o corpo nu de Felipe e este disparou novamente perto de sua bunda fofa. Eu estava realmente confuso e preocupado com o que poderia estar ativando o detector de metais.
– Parece que vou ter que examiná-lo mais profundamente, já que externamente está tudo normal. – Sorriu o agente. O Felipe sorriu de volta?
– Vá até a mesa, incline-se por favor e vamos dar uma olhada. – O agente disse ao meu filho nu. Felipe foi até a mesa e se inclinou, deitando sua parte superior do corpo em cima da mesa e exibindo sua bunda perfeita para mim e o agente vermos. Eu pensei que o agente usaria luvas, mas ele ajoelhou-se na frente da bunda de Felipe e separou as bochechas, expondo o buraco do menino, que havia sido usado recentemente.
– Parece que sua bunda está um pouco irritada, filho. – O agente declarou. – Existe algo aí dentro que eu deveria saber? – Ele disse me encarando com um olhar fixo e logo depois voltou para sua inspeção visual.
– Não senhor. – Ouvi Felipe dizer com uma voz trêmula. Meu pau estava duro agora, todas as coisas no meu colo esconderam minha emoção enquanto eu observava o agente inspecionar meu garoto. Era um misto de medo, apreensão e desejo.
O agente pegou o detector de metal e acenou próximo ao cuzinho do Lipe, e agora sem surpresas, ele disparou.
– Bem, algo está aí dentro. – Ele agarrou uma bochecha com uma mão e enfiou o dedo indicador da outra mão na boca e o molhou. Ele então começou a esfregar o dedo molhado no buraco de Felipe, que grunhiu quando ele sentiu o dedo grosso esfregar contra seu rego. Eu assisti atordoado, em silêncio, enquanto o agente aplicava lentamente pressão e seu dedo afundava completamente no buraco de Felipe. Eu queria falar algo, mas a situação era tão surreal que fiquei paralisado.
– MMMmmmmmmaaaaaaagh. – Ouvi Lipe gemer em uma voz baixinha e rouca quando sua bunda cedeu espaço para o grande dedo. O agente avançou com seu dedo profundamente em Lipe enquanto ele procurava por dentro.
– Hmmm, sinto algo lá, mas não consigo verificar direito, vou ter que dilatar um pouco, tudo bem senhor? – O agente disse enquanto girava o dedo. – Ahn, sim, eu acho. – Disse devagar. O agente então acrescentou o segundo dedo, esticando a bunda do meu garoto. O corpo de Felipe estava tremendo e se contorcendo enquanto ele segurava a mesa, os músculos de suas pernas ficaram tensos quando o homem empurrou os dedos mais profundamente. Lipe estava claramente gostando disso.
– Uugh, com licença, senhor? Isso deveria ocorrer assim? – Eu disse cautelosamente enquanto o agente continuava tocar meu garoto.
– Não se preocupe senhor, este é um procedimento padrão. – O agente disse sem desviar o foco, ele puxou os dedos deixando Felipe com o buraco aberto. Uma mistura de sucos de esperma começou a vazar para fora de seu rabo de menino afrouxado.
– Parece que seu garoto esteve ocupado, senhor. – O agente disse enquanto segurava em seus dedos, olhando para o esperma por um momento, antes que ele lambesse os dedos, deixando-os limpos.
– E pensar que pulei o café da manhã hoje cedo. – O agente abriu um sorriso.
Eu surtei. – OK! Isso aqui já passou dos limites, quem você acha que é para agir assim? Vamos Felipe se vista e vamos sair daqui! – Eu disse isso ao me levantar da cadeira de uma vez.
– SENTA ESSE SEU RABO AI AGORA! – O agente elevou a voz. – Ou você senta aí e fica na sua ou terei o maior prazer em chamar alguns amigos, agentes da polícia federal para conferir o estado da bunda do seu filho, acho que eles ficariam interessados nessa história.
Eu fiquei atônito, uma coisa era isso acontecer sob o meu teto e permanecer lá. O medo de ser denunciado e acabar preso, ou pior, perder meus filhos, me fez retornar para a cadeira e me sentar. Também não era como se Felipe nunca tivesse feito algo assim.
– E então vou retornar para o meu exame. – Ele abriu as bochechas de Felipe com as duas mãos e empurrou o rosto de encontro ao vazamento, meu filho ficou boquiaberto.
– UUUnnngh! – Felipe gemeu ao sentir a língua do agente entrar, foi tão difícil assistir Felipe gemendo como uma cadela no cio enquanto o agente dava ao meu filho uma chicotada de língua tão completa. Notei o agente desabotoando suas calças e enquanto minha mente dizia para pará-lo, minha ereção não parecia diminuir. Era como se eu estivesse assistindo um filme, assistindo o homem prestes a foder meu filho, eu era apenas espectador. Então eu vi o pau do agente, e que pedaço de carne era. Devia ter uns 18 cm e ainda estava crescendo. A cabeça parecia um prumo gigante e era muito grosso.
Meu garoto de oito anos, debruçado sobre uma mesa, com esse oficial de segurança devorando meu garoto enquanto acariciava seu pênis ereto. A visão era tão obscena. Isso estava ficando fora de controle, era um funcionário do governo lambendo a bunda do meu filho em um grande aeroporto internacional se preparando para foder ele.
Enquanto o agente continuava a falar com meu garoto, ele acrescentou seus dois dedos no menino e continuou a esticar o buraco de Felipe ainda mais enquanto o esperma continuava vazar. O agente então se afastou com os dois dedos ainda dentro do buraco do garoto.
– OK garoto, agora que está mais relaxado, faça força como se estivesse no banheiro. – Ele disse para Felipe.
Eu podia ouvir Felipe grunhir um pouco quando sua bunda se contraiu, eu pude ver quando algo brilhante e metálico começou a aparecer na entrada do seu buraco.
– Que diabo é isso? – Eu pensei comigo enquanto me inclinava para assistir melhor e então vi um objeto que parecia um ovo grande objeto começar a emergir do buraco de Felipe. Comecei a ouvir o zumbido do ovo conforme a forma esticava o cuzinho de Felipe por um momento, então com um grunhido final do meu menino, ele saiu com um peido molhado e caiu na mão do agente.
– Bem, foi isso que acionou o detector. – O agente colocou o vibrador molhado em forma de ovo em cima da mesa. O ovo encharcado de esperma continuou a estremecer e vibrar ao ser colocado ao lado do corpo de Felipe. O agente levantou o bastão e acenou sobre a bunda de Felipe e não apitou dessa vez.
– OK, só para garantir que não haja mais nada lá em cima que não seja de metal, eu vou ter que fazer uma verificação final. – O agente disse enquanto se levantava com seu pau grosso saindo de suas calças. Ele deixou Felipe e caminhou até mim e ficou na minha frente com seu pau apontando diretamente para o meu rosto.
– Molha. – O agente disse em um tom de comando. Eu olhei para Felipe, deitado na mesa, olhando diretamente para mim com um sorriso no rosto.
– Será mais fácil para o seu garoto se você deixar bem babadinho primeiro, senhor. – Ele disse enquanto sorria para mim, com seu pau na minha cara. Era um pau bonito e depois de tudo o que tinha acontecido nos últimos dias uma pressa tomou conta de mim, tudo o que eu vinha vivendo foi trabalhando em minha mente diluindo o medo, então eu iria me permitir! Eu me inclinei e coloquei a cabeça grande na minha boca.
Eu deslizava minha boca pelo membro do homem, o preparando para entrar no meu filho, sentia a pica pulsando em minha língua. Felipe observava tudo sem piscar, acho que ele não esperava que eu fosse aceitar fazer isso.
– Está vendo, o papai aqui conhece o lugar dele. Prepare esse pau para o seu garoto. – O agente murmurou me incentivando. Seu pênis era tão grande que eu tinha problemas apenas colocando-o na minha boca, sem falar nem tentar engolir nada. Como Felipe vai encaixar essa coisa na bunda dele? Jamal era grande, mas esse cara parecia muito mais grosso. Depois de alguns minutos, o agente recuou e caminhou até Felipe.
– Agora vamos ver se há mais alguma coisa aí dentro. – Ele deu um tapa com seu pau cheio de veias contra a bunda melada do meu filho. Ele colocou o cabeça de tamanho grande na entrada de Felipe e empurrou. Nada aconteceu por um ou dois minutos, enquanto o agente aplicava pressão constante no buraco de Lipe.
– Empurre de volta para mim menino, empurre como se estivesse no banheiro novamente. – O agente disse em um tom tranquilizador. Felipe grunhiu e soltou um grito agudo, seus olhos se arregalaram e agarrou-se a mesa quando a cabeça passou pela borda, entrando no buraco. Felipe começou a respirar pesado enquanto tentava se acostumar com o tamanho que o agente meteu em seu corpinho franzino. Meu garoto foi levado ao seu limite com o pau grosso lentamente afundando em seu cólon.
– Sim, é isso garoto… abra para mim. Ou melhor… Papai por que você não vem aqui ajudar seu garotinho? – O agente murmurou. Eu me levantei, dessa vez sem me preocupar em esconder minha ereção, e me dirigi até eles. – Ajuda ele a ficar com esse rabinho bem aberto, por favor. – Ele disse em um falso tom de gentileza. Me posicionei de modo que pudesse colocar minhas mãos em cada banda da bunda do Lipe e abri-la bem, dando uma boa visão do pau buscando passagem pelo seu cuzinho.
– Relaxa meu filho, fica calmo. – Eu disse para ele enquanto segurava sua bunda, Felipe ofegava. O pau grosso afundando lentamente cada vez mais no meu menino com Felipe relaxando os músculos da bunda. Eu assisti o rosto de Felipe passar por uma série de emoções, dor, luxúria e determinação em vários momentos.
– Mmmmm… você gosta do meu pau, não é, garoto? – O agente começou a fazer movimentos gentis no meu garoto. Então Felipe soltou a respiração e choramingou quando o pênis do agente afundou de repente quase todo no caminho do Felipe. Gozo começou a pingar constantemente ao redor do pênis do agente, seu pau estava preenchendo todo o espaço, forçando o esperma que estava lá dentro a sair do meu menino.
– Oh, porra, sim. Isso mesmo garoto. Relaxe esses músculos da bunda para mim. – O agente disse ofegante enquanto segurava os quadris de Felipe para se firmar. Eu agora podia ver apenas uma polegada do pênis do agente, o resto estava confortavelmente alojado no reto do meu filho. A boca de Felipe estava escancarada enquanto ele ofegava, seus olhos estavam fechados, esperando seu corpo se acalmar. Acho que ele nunca sentiu nada tão longo, grosso e duro nele antes.
– Oh, porra moleque, você tem um buraco tão gostoso. Só um pouquinho mais, preciso garantir que não tenha mais nada em você. – O agente gemeu quando ele fez uma pausa para Felipe se acostumar com ele. Então lentamente, seus quadris fecharam a distância quando seu pau deslizou no meu garoto e desapareceu de minha visão. Seus quadris estavam agora contra a bunda de Felipe em minhas mãos, homem e menino gemendo de satisfação. Os olhos de Felipe estavam agora fechados com uma expressão de dor e luxúria se espalhando por seu rosto. Eu só podia imaginar as sensações que ele estava sentindo.
O agente se inclinou em cima do meu filho e começou a sussurrar na orelha do meu garoto. Eu não conseguia ouvir o que ele estava dizendo, estava concentrado demais em seus movimentos, mas notei que os quadris do homem começaram a fazer pequenos movimentos bombando de uma vez em Felipe. Eu podia ouvir Felipe choramingar e contorcer-se sob o homem uniformizado, seu pau estava sondado profundamente meu garoto. Uma poça estava começando a se formar sob onde o grande homem estava montado meu filho, minhas mãos também estavam meladas. A mesa rangeu em protesto enquanto os movimentos começaram a aumentar.
Ele continuou a sussurrar no ouvido do meu garoto enquanto ele segurou a mesa aos lados de onde meu filho estava pendurado e começou a realmente martelar seus quadris em Lipe. Eu mal podia ver o rosto de Felipe agora. O agente se envolveu completamente no meu garoto. O som de suas chaves balançando se misturando com o som dos seus quadris batendo e os gemidos dos dois encheram a sala.
O agente se retirou de Felipe, segurou em seus quadris novamente e realmente começou a meter no meu menino enquanto eu observava seu pistão para dentro e fora da bela bunda do Lipe, que parecia tão macia em minhas mãos. Os sons de seu pênis enorme se movendo em um orifício tão apertado misturado com o aumento de gemidos preenchiam meus pensamentos.
– MMMMMPHHHH! OH! UHHH …. MMMMPHHH! OH, DEUS! – Felipe estava sendo completamente fodido agora.
– Beleza papai, acho que o garotão aqui já consegue dar conta sozinho. – O agente disse dando uma piscadinha para mim. Larguei as nadegas do meu filho e voltei para a cadeira, com meu pau quase furando minha calça.
– Isso mesmo garoto, grite. – O agente disse retornando o ritmo intenso. – Esta sala é à prova de som, para que você possa fazer todo o barulho que você quiser. – Ele continuou enquanto olhava para mim e sorria. – Ninguém vai nos incomodar. – Sem se perder no fluxo das socadas profundas.
Meu garoto tinha um olhar determinado de luxúria e necessidade quando se empurrava para trás contra os impulsos do agente, acho que ele já havia superado a dor de ter aquele membro dentro de si. Em seguida, o agente empurrou para frente e empalou Felipe totalmente em seu pau, provocando um gemido alto do menino. Ele então se inclinou e caiu sobre meu garoto dizendo em seu ouvido.
– Vamos checar um pouco mais … – Disse sorrindo enquanto puxou seu pênis duro de 18 cm para fora do orifício dilatado. Ele virou Felipe de costas sobre a mesa, fazendo um estrondo alto quando meu garoto pousou na mesa de inspeção. O agente corpulento e levemente peludo empurrou as pernas de Felipe contra seu peito enquanto ele expunha o esfíncter aberto do meu jovem menino de oito anos para eu ver o trabalho dele. Ele segurou as pernas de Felipe enquanto começava a deslizar suavemente seu pau grosso e da cabeça brilhante para dentro do garoto novamente.
– MMMMAAAAAAAHHH GAAAWD! Felipe gritou em sua voz infantil enquanto ele sentia a grande cabeça do agente forçava a entrada de novo, empurrando profundamente até que o os quadris do agente ficaram colados contra sua bunda. O agente inclinou-se sobre Felipe, que se mexeu um pouco para se acostumar à nova posição. Então o agente começou a foder, pequenos movimentos a princípio, mas aumentando conforme ele era provocado pelos pequenos sons de miado que o Lipe emitia enquanto o agente bombeava o garoto com seu pau monstro.
– Só para ter certeza de que você não está escondendo mais nenhum dispositivo… – O agente disse sem fôlego quando ele se inclinou sobre o meu menino e seus quadris pegavam velocidade. O agente estava realmente trabalhando seu pau profundamente dentro da criança.
– Quero ter certeza… oh, caralho! – Ele ofegava a cada longa investida em que dava. – Uh… que o resto dos passageiros estarão a salvo de garotos sensuais como você.
Percebi que Felipe e o agente se entreolharam, eles se conectaram de alguma maneira enquanto fodiam. Então o agente inclinou-se e os dois começaram a se beijar. O cheiro do sexo era forte, os sons de homem e menino se compartilhando. Quanto mais entretidos eles pareciam nisso, mal eu podia ver meu garoto com o homem envolvido nele. Em um ponto, tudo o que eu podia ver de Felipe era onde seus dois pés se erguiam enquanto balançavam para frente e para trás a cada impulso.
Os grunhidos e gemidos aumentaram quando o sexo se tornou mais intenso.
Notei os braços de Felipe envolvendo os ombros do agente. Os pés dele desesperadamente tentando puxar o corpo do agente para mais perto. O agente liberou as pernas do Lipe, o que permitiu ao menino envolver rapidamente as pernas ao redor da cintura do agente. Então o agente pegou o garoto e agora estava de pé enquanto ele fodia meu garoto em seu pau, suas grandes mãos agarraram a cintura de Felipe, como as pernas do meu garoto se agarravam ao corpo do homem parrudo.
Felipe e o agente estavam com o lábio travados um ao outro enquanto seus corpos se movimentavam juntos, seu grosso pau esfregando as paredes do cólon confortável de Felipe, eles se agarravam um ao outro no centro da sala. Os sons de grunhidos e a respiração pesada pelo nariz encheu a sala enquanto homem e menino ainda se beijavam. O agente recuou contra a parede, Felipe agora estava fodendo o agente tanto quanto o agente estava fodendo. Parecia quase que Felipe agora era quem guiava a intensidade.
O agente não tinha para onde ir enquanto meu garoto se apegava firmemente ao pescoço do homem, ele foi dominado pela bunda de Felipe que ordenhava sua pica. Felipe começou a se foder rapidamente na vara grossa, totalmente se empalando em cada impulso para baixo. O agente caiu de joelhos lentamente enquanto Felipe continuou a atacar seu pênis, eles ficaram entrelaçados um nos braços do outro.
Felipe agora estava quicando rapidamente com o apoio de seus pés no chão com o agente ajoelhado e recostado na parede. O agente se afastou do beijo quando Felipe começou a chupar seu pescoço. Os olhos do agente estavam fechados, um olhar de pura felicidade em seu rosto, sua boca aberta quando ele gemeu.
– Ooooohhh Caramba!!! Que garoto gostoso! – Gemeu enquanto segurava o garoto balançando.
– FILHO DA PUTA!!! – O agente gritou quando agarrou os quadris de Felipe e enfiou seu pau o mais forte que pôde enquanto eu observava suas bolas contraindo. Ele deve ter gozado em Felipe por mais de um minuto, pois ambos estremeciam com cada jato de esperma. Depois de toda a comoção dos últimos minutos em que a sala estava parada, os dois corpos cansados estavam amontoados contra a parede. Felipe e o agente ficaram parados por mais alguns momentos até que o agente recuperou a compostura.
– Oh menino, você foi maravilhoso. – Disse a Felipe enquanto ele escovou o cabelo coberto de suor do meu filho com os dedos. Eles sorriram um para o outro, eles retomaram o beijo, suas línguas se tocaram levemente. O agente levantou-se trêmulo, com Felipe ainda totalmente empalado em seu pau e foi até a mesa de inspeção colocando Felipe ao lado de sua pilha de roupas.
O vibrador em forma de ovo ainda estava zumbindo quando o agente o agarrou. – Quer ter as honras papai? – Virou para mim me oferecendo o objeto, me levantei e fui até eles. Ele rapidamente puxou o pau para fora e me entregou o ovo, coloquei o vibrador de volta, certificando-me de que o esperma do agente não vazaria. Felipe grunhiu alto pela inserção rápida. Então o agente se inclinou e lambeu a bunda de Felipe. Meu garoto gemeu e deu uma risadinha em resposta à atenção do agente em sua bunda.
– Você pode se vestir agora, garoto. A inspeção está terminada – Ele disse dando um tapinha na bunda de Felipe, em seguida, levantou-se e colocou seu pau agora meia bomba de volta em suas calças. Felipe começou a se vestir quando o agente retirou uma nota do bolso da camisa e me entregou.
– Desculpe, seu garoto tem que usar aquele dispositivo médico na bunda dele de acordo com o que está na nota deixada com a companhia aérea. – O agente me disse com um sorriso. – Ordens do médico.
Eu fiquei confuso e meu rosto transpareceu isso.
– Apenas mostre a nota da próxima vez e seu filho não terá que passar pela inspeção. – O agente me disse enquanto ajustava seu pênis na calça. – E pode ficar tranquilo que não irei te denunciar e nem nunca pretendi isso.
Felipe terminou de se vestir, parecendo um pouco desgrenhado, mas sorrindo. O agente se inclinou para dar um selinho em Felipe uma última vez.
– Obrigado, garotinho, você foi o melhor que eu já tive. – O agente disse apreciando meu filho, fazendo o rosto de Felipe brilhar com orgulho do trabalho que fez. Ao sairmos pela porta da sala de inspeção o agente fez um último comentário para nós enquanto a gente ia para o nosso portão.
– Jamal deseja que tenham uma viagem segura e sem imprevistos. – Enquanto nós dois ficamos lá parados por um momento. Felipe tinha um sorriso satisfeito no rosto e eu tinha um olhar de confusão enquanto observava a porta da sala de inspeção fechar. Jamal tinha planejado isso? Qual era o tamanho da influência desse homem? Eu me pergunto o que mais Jamal havia planejado para Felipe e para mim.
– Oh Merda! – Foi somente o que consegui pensar.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,63 de 89 votos)

Por # # #

94 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder D&D

    É Daquelas premissa, se Vai escrever Uma merda, nao escreva. Sabe game of Thrones, as primeira temporada perfeitas, a penultimate meh!, e a Ultima Uma bosta sem sentido que estragou tudo. Assim que me senti acompanhandoo isso. Ruim amigo, pare!

    • Dhamis

      Exatamente, se vai escrever uma merda não escreva e ainda sim você se deu ao trabalho de vir aqui escrever esse comentário…

    • Victoria Xtrada

      Concordo. Com ded. Que bosta de conto é melhor parar no terceito. Depois so bosta putaquepariu to a verhonha nessa cara dhamis. Parece que escreve bem depois da um derrame e so sai bosta kkkkk

    • aaa

      ola

  • Responder Ricardăo

    Ficou Uma bosta
    NĂO CONTINUA
    Para agora, que fica menos feio!!

    • Gui

      É só você parar de ler, simples assim

    • Dhamis

      Obrigado Gui!

    • Victoria Xtrada

      Pode defender gui Mas que ficou ruim ficou.

    • Gui

      Mais uma perdendo tempo para nao acrescentar em nada…..

  • Responder Ricardăo

    Nossa muito ruim nao continua essa merda por favor

    • Dhamis

      Ah com certeza vou parar sim só pq um completo desconhecido veio me pedir isso… Claro, pode deixar que vou parar de escrever sim só pra te agradar.

    • Ricardăo

      Nem todo Mundo tá Aqui pra te lamber e dizer o que você quer. Se você posta uma coisa publica, tem que aceitar as criticas boas e ruins. Se nao aceita um feedback que contradiz com seus ideais, ai Sim deve parar.
      Criticas amigo. Aceita e reflita se realmente faz sentido e se talvez nao pode dar uma avaliada e melhorada. Beijos de Luz pra vc!

    • Uma sujestão

      Ricardão, já que você é tão esclarecido sobre criticas, que tal você fazer uma critica de verdade, ao invés de vomitar ofensas baratas.

  • Responder Renan

    Tambem sou um dos que acha que voce exagera muito na fantasia tornando algo sem graça totalmente inrreal. Sou mais daqueles que talvez goste de ser enganado com aqueles contos que se diz ser conto veridico em um conto totalmente inventado mas bem próximo da realidade, tipo postura dos personagens com a idade apresentada no qual o medo, vergonha, curosidade, inocencia, desejo dominador, obediência, agressividade sejam empregados nos seus devidos tempos. Mas por outro lado é bom, pois voce consegue desenvolver um conto longo, eu se fizesse um conto ia ser do tipo agarrei, soquei tudo até as bolas, ele chorou, mandei aguentar, gosei e fim, kkkk.

    • Dhamis

      Oi Renan, existem vários perfis de leitores, addim como existem vários perfis de escritores. Tem gente que vai olhar o tamanho do meu conto e não vai se da ao trabalho de ler ou outros que esperam que eu descreva um cara com 30 cm destroçando os pequenos pq é isso que excita eles.
      Não da pra agradar todos. Esse é o meu perfil de contar uma história e talvez não seja pro seu gosto e tudo bem, não há problema algum.
      O legal desse site é exatamente cada um poder colocar e ler aquilo que te agrada.

  • Responder Matheus

    Esperando a continuação, podia aparecer alguém com um pau maior e mais grosso que o jamal só para arrebentar o resto das pregas.

    • Dhamis

      Oi Matheus! Kkkk Quer matratar do coitadinho… Vamos ver o que os próximos capítulos nos aguardam.
      Obrigado por acompanhar.

    • Matheus

      Sempre quis saber o nome da pedrinha branca que o Jamal enfia no Felipe.

    • Dhamis

      Matheus eu não especifiquei o nome pq não entendo muito sobre drogas kk Mas o que pensei ao escrever seria uma mistura dos efeitos do ecstasy e do poppers, não focado nos efeitos alucinógenos e psicoativos, mas sim no aumento da libido e do relaxamento fisico e muscular para aguentar a penetração.

    • [email protected]

      AFF não vamos fugir da realidade hein, o conto está tão gostoso.
      Já é quase fora do normal o menino de apenas 8 anos aguentar uma tora grossa de 20cm e olha que tem muito gay que não aguenta uma rola desse tamanho hein

  • Responder [email protected]

    Eu acompanho esse conto desde o primeiro episódio admito que os três primeiros contos estão impecáveis, mas isso nos dá o direito de se desfazer do trabalho do Rapaz então passemos a dá sujestão de melhoras ao invés de ficar fazendo críticas destrutivas pois não é fácil construir um conto na proporção em que este se encontra.
    Me apeguei a essa história, gozei muito lendo seus contos, espero que as críticas não te faça desistir de continuar escrevendo.

    Desejo Uma Ótima Semana Ah Todos

    • Dhamis

      Oi Valty! Muito obrigado pelo apoio, não vou deixar as críticas sem sentido me atrapalhar no desenvolvimento da história, me apego somente ao que me faz evoluir enquanto escritor.
      Valeupor sempre estar aqui.

  • Responder GabCapx

    Meu autor favorito rs … Sobre esses comentários de gente mal comida e repetitivos… Não se preocupe com eles (se realmente nao gostassem nao estariam lendo ate aqui rsrs) continue e nao mude o foco rsrs essa história com certeza mexe com todos … Só alguns nao admitem rsrs

    • Dhamis

      Oi Gab! Vou manter as coisas como já havia planejado, sempre tentando trazer o melhor que consigo pra vocês.
      Muito obrigado pelo apoio!

  • Responder Guy

    Manooo muito booom, sério, tu escreve muito bem e a história ta ficando cada vez melhor, tu ta de parabéns, real oficial!
    Tu ainda tem telegram veio? me add lá @GuyPerv pra gente bater um papo

    • Dhamis

      Oi Guy! Muito obrigado pelo comentário! Podemos conversar sim e chamo lá.

    • Guy

      Ih amigo, cancela, cel deu pau kkkkkk
      Igual, assim que eu fizer outro te passo e a gente bate uns papos 😉

    • Dhamis

      Kkkk sem problemas

  • Responder Torinho

    Okay, parece que tá enviando agora.

    Yey, eu adorei meu amor, perfeito como sempre. Eu adorei o painho dele participar, ficou tão ótimo. A agonia dele nunca estar fazendo mais que olhar era meio que a impressão de ser o leitor no lugar dele. Hahahaha, agora entendi bem pq eu ficava incomodado com isso. Quem não quer dar pra um Jamal ou brincar com um Felipe:D

    • Dhamis

      Oi Torinho! Eu disse que a coisa ia acontecer, mas tudo no seu tempo kk Vocês que são apressados kkkkk
      A angústia de vocês ao lerem ele só olhando e querendo participar era a mesma angústia dele se autosabotando em fazer o que queria!
      Muito obrigado por continuar acompanhando, sabe que adoro seus comentários!

  • Responder Torinho

    Site maldito não manda meus comentários.

    • Dhamis

      É um inferno esse sistema de comentários kkkkk

  • Responder Puto

    Preciso saber o que aconteceu com o Luiz durante a noite e como foi pra ele dar para o Jamal… Venha com a parte 8 logo

    • Dhamis

      Oi Puto! Obrigado por acompanhar.
      Então talvez você possa gostar do próximo capítulo kk

  • Responder Leitor Anonimo

    Ansioso pela continuação…

    • Dhamis

      Em breve deve sair mais um capítulo.

  • Responder Se forçar mais, sai esse

    Parando por aqui.

    • Dhamis

      Até mais.

  • Responder Apena mais um.

    Pronto só falta escrever que Jamal tem contatos na cidade onde eles vão e que planejou tudo como dessa vez. Realmente parando por aqui já encheu meu saco boa sorte nos contos.

    • Apena mais um.

      Vou nem comentar sobre Luiz e Felipe.

    • Dhamis

      Vai pela sombra! Obrigado por acompanhar até aqui

    • francisco

      cara nao demora com os contos

  • Responder Master

    Eu curti bastante esse conto. Quero ver mais do Luiz e do Fernando depois, eles me excitaram bastante.

    • Dhamis

      Oi Master! Ainda teremos muito do Luiz e do Fernando pela frente. Obrigado por acompanhar

  • Responder Jarrel

    Esse do aeroporto acabou com seu início glorioso.

  • Responder bacellar

    Como sempre, uma obra de arte! Vamos em frente porque essa saga me alucina! Parabéns! Gosto de contos que nos levem para o irreal! O nome já diz tudo: conto! Continue por favor!

    • Dhamis

      Oi Bacellar! Obrigado pelos seus comentários de sempre e por continuar acompanhado.

  • Responder [email protected]

    Uau que TOP 😍😍😍😍

    • Dhamis

      Obrigado Valty! Valeu por sempre acompanhar e comentar aqui me apoiando.

  • Responder GabCapx

    Como sempre digo… Não ligue para críticas… A sua história é sem duvidas a que chama mais atenção de todos !!! Faz a imaginação fluir! … Continue que ta incrivel ! E só de imaginar que tem ate o capítulo 14 ou mais nossa ! Rsrs fico muito animado ! E aaahh jogue na fuça de alguns aqui que vc cumpre a palavra hehehe e que nao abandona sua obra pela metade (como alguns aqui rsrs)

    • Dhamis

      Muito obrigado Gab! Kkk Eu não vou largar na metade não, pode acreditar.

  • Responder Jordel

    Esse capítulo foi com todo respeito horrível. Não tem como comprar a fantasia desse aeroporto, o exagero matou esse capítulo.

    • [email protected]

      Isso é só ficção tenta relaxar GIGANTE

    • Dhamis

      Quer realidade vai ler biografia.

    • Dhamis

      Olha Jordel desculpa, mas as vezes os comentários de vocês não tem cabimento, vocês se apegam a detalhes tão sem sentido para poder criticar. 99,9% dos contos aqui tem situações mais surreais que isso que a maioria compra numa boa. Deixem de ficar procurando defeito e acompanhem a história até que não os agrade mais.

    • Jarrel

      Concordo. Acompanho deste o primeiro e a narrativa se perdeu.

    • Jarrel

      Dhamis. Não é que seu conto é seja ruim, o problema está no andamento de como as coisas acontecem. Mesmo sendo um uma fantasia, todas situações que vc apresenta é um pouco exagerada do início ao fim. Eu acompanho vários contos em alguns sites com muita riqueza e detalhes durante o ato sexual, e no entanto, a condução dos seus contos extrapola a realidade. Oras, são pequeninos e não adultos. A passagem de uma situação para outra seria mais demoradas e muito bem aproveitadas. Vc pula o primeiro contato e já direto para ato onde vc tenta explorar situação inexistente. Quanto a pai perdeu a graça, geralmente abro o conto e já vou direto para final. Numa relação adulta primeiro ato deixa dores e dias de repouso, agora imagina a sua fantasia? Vc bate estacas em uma noite e pela manhã voltas as estas sem nenhum estrago?. Sou sincero com vc. No seu primeiro capítulo me empolguei e pensei que realmente a temporada de novos contos bem escritos e com todas as fases detalhas detalhas estava de volta. No entanto, até o terceiro foi possível vê e isso. Do 4 ao 7 desapareceu. Por isso estou garimpando pelo velhos contos bem mais detalhados e com bastante sutileza. Desculpe pelo comentário.

    • Dhamis

      Ok Jarrel, ninguém é obrigado a gostar do conto e eu não sou o melhor escritor do mundo… Mas a fixação em todo capitulo que posto virem sempre as mesmas pessoas criticarem que é o problema. Como já disse, se o conto não está agradando mais basta deixar de ler, com certeza há contos mais brm trabalhados que o meu, só focarem seu tempo neles.
      Eu não acho que seria excitante pra ninguém narrar como as crianças ficaram duas semanas doloridas após cada relação, ninguém vem procurar isso aqui.
      No fim é isso, agradeço que acompanharam até aqui, mas se não faz mais sentido a minha narrativa, há outras narrativas mais promissoras sendo postadas todos os dias.
      Obrigado

    • Apena mais um.

      Concordo com o Jarrel, tudo mundo curte algo irreal mas que tenha semelhança ao real para que pense que realmente pode acontecer mas cara tem horas que os escritores viajam e é impossível sentir tesão.