# # #

Meu filho foi estuprado por dois homens

2114 palavras | 5 |3.57
Por

Quem não gostar desse tipo de conto, não leia!

Hoje irei contar como meu filho foi estuprado na minha frente por 2 caras na nossa casa.
Olá, me chamo Carlos, tenho 43 anos, meio gordinho, calvo e 1,80 de altura, tenho um filho q minha ex esposa deixou quando ele tinha apenas 2 anos.

Meu filho fez 16 anos, ele se chama Gabriel, é magro, 1,62 e tem uma bunda bem carnuda; sempre foi muito introvertido, em vez de sair pra rua, preferia ficar em casa jogando vídeo game e mexendo no computador. Quando ele tinha 10 anos, percebi que ele era um pouco diferente dos outros meninos, ele começou a andar rebolando e a fazer gesto de meninas, ainda mais q ele tinha um voz aguda. Quando ele completou 15 anos se assumiu gay, mas eu já esperava por isso, então não briguei com ele e só tivemos uma longa conversa.

Um certo dia a luz da minha casa começou a ficar falhando, mas acabei não ligando, pensei q logo ia passar. Após uma semana, continuou com a luz piscando e eu decidir que teria q chamar alguém para concertar. Eu não sabia para qual eletricista ligar, então conversei com meu amigo que era nosso vizinho e ele me passou o contado de um sobrinho dele que mexia com isso. Eu liguei 3 vezes e ninguém atendeu, quando eu estava desistindo, alguém retornou a ligação. Eu falei com um cara chamada Lucas e ele disse que poderia vim na minha casa concertar no dia seguinte. Se passou dois dias ele não veio, no terceiro ele decidiu aparecer, eu já estava um pouco bravo, falei o monte para ele. Veio ele (Lucas: parecia ter 1,85 de altura, cara de maloqueiro, devia ter uns 27 anos, branco e 17cm de rola) e seu amigo que se chamava Fábio (Fábio: um pouco parrudo, devia ter 30 anos, 1,70 alt, negro e 19 cm de rola e grossa). Ele ficou irritado, ele fez um trabalho ruim que não demorou nem 3 horas e seu amigo parado lá, reparando em tudo. Gabriel decidiu sair do quarto porque estava sem nada para fazer pois estávamos sem luz; logo que ele saiu do quarto, Fábio reparou nele e mexeu no pau, olhando meu filho de cima para baixo. Passou as 3 horas e o Lucas falou que tinha terminado, não deixou nem eu falar, pegou o dinheiro e saiu. Só sei que eu religuei as luzes, depois de 5 horas a luz começou a falhar de novo. No outro dia liguei para outro eletricista e ele veio no mesmo dia, concertou tudo e até tomou um café conosco, enquanto tomávamos ele disse que o outro eletricista tinha só remendado com fita os fios e eu fiquei muito irritado com isso. Quando ele foi embora liguei pro Lucas e comecei a xingar ele falando que ia denunciar, ele me xingou também e eu desliguei o telefone na cara dele e fui até a casa do meu amigo e comecei a falar para ele sobre o sobrinho dele. Ele disse que ia da um esporro no sobrinho dele e eu fui para casa irritado, mas também feliz pois o outro eletricista tinha arrumado e estava com luz agora. Depois de 4 dias o filha da puta veio aqui em casa bater de frente comigo falando que o tio dele tinha quebrado o pau na casa dele por minha culpa e que eu iria pagar; eu simplesmente ignorei e mandei ele tomar no cu.

Depois de 2 meses eu comecei a reparar que o Lucas ficava aqui na calçada da casa do tio dele, e sempre que eu passava ele fechava a cara e soltava uma gracinha sobre meu filho

-Olha o viadinho passando…agora eu sei porque o filho gosta de rola. Ele falava com um tom de deboche e eu passava reto e nem ligava para o que ele dizia.

Passou mais 1 mês, Lucas e o Fábio começou a ajudar seu tio a reformar a casa, então toda vez que eu passava, estava ele e o Fábio olhando para mim com cara fechada e cochichando baixinho. Certo dia, eu estava no quintal de casa e vi o Fábio se aproximando, ele estava todo suado e sem camisa. Ele chegou perto e disse:

-Ae tio, me dá um pouco de água por favor, na casa do Wellington (nome do tio do Lucas) está sem água.

Ele dizia parado na minha frente, parecia cansado pois estava com uma respiração forte. Eu olhei para casa do meu vizinho e não vi o Lucas, eu estava mais bravo com o Lucas, então eu deixei só o Fábio entrar para tomar água.

-Tá entra ae, mas se começar de palhaçada, eu te mando embora. Falei com um tom grosseiro.

Ele entrou, peguei um copo de água para ele e dei na mão dele. Enquanto ele bebia, ele ficava me perguntando umas coisas estranha tipo se alguém estava em casa, se eu morava sozinho, se o Gabriel estava aqui. Eu estranhei e por isso nem respondi, só queria que ele bebesse e fosse embora, mas quando eu menos esperava sinto um pano no meu nariz e um cheiro muito, muito horrível, só sei que ouvi a voz do Lucas atrás de mim dizendo pro Fábio pegar as cordas, depois disso eu sentir que estava caindo e apaguei. Acordei amarrado no chão do meu quarto ouvindo os gritos do Gabriel me chamando, as vezes abafado pois parecia que estavam tampando a boca dele. Eu estava com uma meia na boca que n era nem minha, eu sentia uma dor de cabeça bem forte pelo cheiro do pano q ele colocou no meu nariz e pelos gritos do meu filho. Tentei gritar, mas a meia não deixava, até que eu cai com o corpo no chão e fez barulho. Lucas abre a porta com um sorriso no rosto.

-Hmm, ele acordou, trás o viadinho para cá Fábio! Ele falou com um tom de deboche.

Ouço meu filho gritar abafado e o Fábio mandando ele calar a boca trazendo ele até aqui. Vejo meu filho na porta do meu quarto sendo puxado pelo cabelo, pelado e com cara de choro. Eu olho para ele com cara de assustado e o Lucas tira a meia da minha boca.

-Seu filha da puta, o que você fez com meu filho, eu vou te matar!

-Ele só apanhou um pouco na bunda e na cara, mas eu ainda n fiz nada com ele.

Eu comecei a xingar ele e a me mexer e ele colocou a meia na minha boca de novo e jogou meu filho na minha frente. Ele começa a tirar a roupa na minha frente e manda o Fábio tirar também. Os dois ficam pelados e o Lucas começa a puxar o cabelo do meu filho que estava chorando no chão olhando para mim. Meu filho começa a gritar abafado com uma meia na boca também. Lucas deixa ele de joelho e tira a meia na boca dele, começa a esfrega o pau na cara dele que naquela situação já estava duro. De repente ele começa a meter na boca do Gabriel e eu só estava olhando aquilo me mexendo um pouco, gritando xingando ele e pedindo para parar. Quanto mais eu xingava ele, mas ele metia na boca do meu filho.

-Olha como você tem uma puta gulosa em casa. Ele dizia rindo.

Enquanto isso Fábio batia forte na bunda e chupava seu cu. Meu filho chorava, engasgava com a rola do Lucas e gemia com a linguada do Fábio. Eles ficaram fazendo isso por 5 minutos, até que o Lucas falou que ia foder o cu do Gabriel e que era para eu ver o meu filho sendo vadia. Quando ele falou isso eu fiquei com tesão mas também desesperado e comecei a xingar ele e cair no chão de novo tentando me mexer. Ele deu um tapa na minha cara e me colocou de volta na posição para eu ver meu filho sendo comido.

– Não se mexe filha da puta, você vai perder o show, não quer ver seu filhinho levando rola no cu ?
Enquanto isso Gabriel estava assustado também tentando sair.

– Não faz isso comigo tio, por favor. Meu filho disse pro Lucas

Lucas deu um tapão na bunda dele e disse que hoje ele se tornaria puta e que iria gostar. Meu filho estava com cara de choro gemendo com o tapa e eu olhando aquela situação podendo não fazer nada pois estava amarrado e com uma meia na minha boca. Ele pediu pro Fábio parar de lamber e meter aquela rola grossa e grande na boca do meu filho. Fábio começa a meter e eu vendo meu filho engolindo aquela rola preta pela metade. Lucas posicionou o pau dele no cu do meu filho que estava amarrado de 4 com a boca na pica do negão. Lucas começa a enfiar no Gabriel e ele começa a gemer com a rola na garganta. Enquanto o Lucas enfiava centímetro por centímetro no meu filho, ele olhava para mim e dizia:

-Tá vendo que seu filho é uma puta gulosa, ele está engolindo minha rola com o cu.

Ele continua enfiando no meu filho até a rola dele está toda dentro. Meu filho gemia muito, Lucas não aguentou e começou a meter nele indo cada vez mais rápido. Ele mandou o Fábio tirar a rola da boca do meu filho para o Gabriel dizer para mim que era uma puta, e ele fez sem resistência:

– P-pai, e-eu s… É interrompido por um tapa na bunda do Lucas dizendo para ele falar mais alto.

-P-PAI, EU SOU UMA P-PUTA! Gabriel disse bem alto olhando para mim e gemendo.

Eu fiquei muito duro ouvindo aquilo e vendo ele sendo fodido por dois homens. Fábio perguntou pro Lucas se podia foder o Gabriel, agora eu ia ver meu filho aguentando 19 cm de rola bem grossa. Fábio posicionou a rola no cu dele e começou a forçar. Gabriel resistiu no começo, mas depois relaxou o cu e eu vi a rola do Fábio sumir dentro do meu filho; Fábio começou a foder ele. Depois de 10 minutos arrombando Gabriel, Lucas goza dentro da boca e faz ele tomar tudinho, e Fábio goza no fundo do cu. Quando o Fábio tirou a rola do cu do meu filho, estava bem aberto, meu filho não conseguia nem piscar. Eu estava com tanta água na boca e com a rola bem dura, que eles me desamarraram e deixou eu foder meu filho e como um bom pai, eu enfiei no cuzinho dele todo aberto melecado de porra e gozei muito lá dentro também.Depois de gozar eu cair cansado em cima do meu filho com a rola ainda dentro dele, mas enquanto isso Lucas e Fábio vazaram com medo de eu fazer alguma coisa depois q a tesão passasse.

Após isso desamarrei meu filho e ajudei a levar ele até o banheiro pois ele estava com as pernas bambas. Nós tomamos banhos juntos e durante o banho eu abrir o cuzinho dele e disse para ele botar todo a porra para fora, saia tanta porra daquele cuzinho que ele parecia um depósito de porra. Saímos do banho e depois conversamos sobre o acontecido e ele disse que ficou com medo no começo mas depois tinha gostado de ser abusado,enquanto falávamos eu fiquei duro e perguntei se ele queria me chupar, eu não precisei nem falar duas vezes, ele abaixou minha bermuda e começou a mamar meu pau até eu dá leitinho na boca dele e ele engolir tudo.

Eu comecei a comer ele todo dia e ele dá bem gostoso para mim e me chupa muito bem, as vezes ele usa até umas calcinhas fio dental para eu tirar com os dentes, acho que tenho uma nova mulher.
FIM!

Espero que vocês tenham gostado. Esse conto é fake e ninguém foi estuprado de verdade, eu só estou criando um conto fictício para dá tesão para os leitores. Se vocês gostarem, me conte nos comentários, e se tiverem alguma preferência de fetiche também deixem nos comentários. OBRIGADO A TODOS.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,57 de 42 votos)

Por # # #

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder titio safado

    delícia

  • Responder Januza

    Esse pode ser fake, mas na década de 80, aconteceu algo parecido lá nos cafundós da zona leste de SP. O guri tinha 13a, o pai e a mãe já sabiam que ele era gay, mas o guri nunca tinha feito nada com ninguém. Um dia qdo voltava da escola, ele passou em frente uma borracharia, e um dos caras puxou ele pra dentro, a ele sofreu toda a sorte de abusos. Qdo chegou em casa, mesmo sendo ameaçado pelo borracheiro, ele contou. Dois meses depois, os vizinhos estranharam a borracharia fechada. A única coisa que sobrou dos dois, foram as alianças. Os dois foram pendurados de cabeça pra baixo. Foram empalados com toras de madeira, e foram capados no outro dia, e largados onde estavam pra morrer, e o que sobrou dos dois, fizeram uma fogueira e queimaram tudo. Quem me contou essa história, foi o porteiro de uma empresa lá no Brás, perto de onde eu trabalhava, nos anos 90.

  • Responder Bacellar

    Gostei! Muito interessante!

    • Carioca 21

      Bom conto!
      Telegram @cadeado69 troco experiências, e se alguém puder me inciar com vídeo aceito!

  • Responder PedsForLife

    Tudo que uma putinha precisa é de um incentivo. Gozei muito