# #

Festinha de 15a Com O Sogro

4460 palavras | 8 |4.50
Por

Minha irmã ficou mais velha e mais puta no dia do aniversário dela.

Voltei pra contar mais uma das transas da minha irmã que como da outra vez, presenciei sem querem. Quem não me conhece me chamo Roni tenho 17a hj e minha irmã tem 22a. Pra quem não sabe do que eu estou falando sugiro que leiam o conto anterior. A primeira vez que vi minha irmã transando eu tinha 9a e ela 14a. Hoje vou contar o que aconteceu no dia do aniversário de 15a dela. Tudo começou na escola onde estudamos. Muitos garotos da escola chegavam pra mim e ficavam falando coisas da minha irmã. Chamavam ela de putinha, vadia, vagabunda, mas eu sempre ignorei. Nao dava atenção pras coisas que falavam dela e nem falava pra ela das coisas que chamavam ela. Provável que ela já sabia, mas preferia ignorar. Sempre quando tinha um bolinho e eu ouvia alguém falando da Tamires eu já sai de perto. Sabendo do que minha irmã fazia com meu pai e meu tio e talvez com outros garotos já pudia esperar qualquer coisa dela, mas eu não a julgava. Até que ela resolveu namorar um garoto da escola. Talles era o mauricinho do colégio. Filhinho de papai rico, vivia se achando e minha irmã acabou se interessando nele e os dois acabaram namorando. Isso ela ainda tinha 14a. Meu pai e minha mãe não impediram e até apoiaram o namoro dela. Ele morava numa cidade vizinha a nossa. Eu acabei gostando dele, era gente fina, me tratava bem e como sabia que eu gostava de games acabou me dando um Xbox de aniversário. Nossa, eu adorei é claro e a partir daí comecei a frequentar a casa dele pois ele tinha um irmão mais novo, Tiago que tbm gostava de jogos. Nossas famílias ficaram amigas e minha irmã parecia que tinha tomado jeito e eu não vi nem ouvi mais nada dela e do pai. Eu fiz 10a, dia 2 de dez. daquele ano que eu presenciei os acontecimentos dela com meu pai e meu tio. Ela fazia 15a dia 3 de março do outro ano. Do dia do meu aniversário até o dia do aniversário dela eu esqueci de tudo que havia acontecido e só pensava nos games e não pensava em mais nada. Quando estava chegando perto do aniversário de 15a dela, estávamos todos eufóricos. Meu pai ia fazer uma grande festa pra ela e os pais do Talles resolveram ajudar nas despesas. Seu Otávio e a dona Marta era super gente boa. Meu pai aceitou a ajuda é claro e as coisas se encaminharam tranquilamente. No sábado, dia da festa minha irmã tava linda naquele vestido de 15a. A festa perfeita com umas 120 pessoas. A festa, o lugar, a música, às pessoas tudo estava perfeitamente perfeito. Eu e o Tiago se divertindo com outros garotos da nossa idade, os adultos bebendo e comendo, dançando e tudo mais. Até que a festa chegou ao fim. O pessoal foi se despedindo e esvaziando o salão. Já eram quase 3hs da manhã. Meu pai e minha mãe, seu Otávio e a dona Marta, eu, minha irmã, Talles e o Tiago ficamos no salão pra dar uma organizada nas coisas. Aah e ficou tbm o tio e a tia do Talles tbm, que foram convidados pra festa. Tinha algumas pessoas tbm que faziam parte do buffet e das decorações. Todo mundo tinha bebido bastante, os adultos, então o Talles queria ir embora. Chamou minha irmã, mas o pai dele não deixou ele dirigir por estar bêbado. O tio dele se ofereceu pra levar ele e a minha irmã pra casa. Meu pai disse pro seu Otávio que eles poderiam ir tbm e que meu pai e minha mãe arrumariam as coisas ali. Se despediram e foram e o Tiago me convidou pra ir junto pra nós ficarmos jogando vídeo game na casa dele. Meu pai permitiu então fomos. Eu, Tiago, seu Otávio e a dona Marta num carro, minha irmã, Talles, o tio e a tia dele em outro. Chegamos no casarão de pisos deles, com piscina e uma quadra de futebol. Era enorme a casa deles. Chegamos, entramos e dona Marta e a outra tia do Talles foram direto pra cama pois estavam bêbadas e cansadas. Na sala ficaram eu, Tiago, minha irmã, Talles o pai dele e o tio. Minha irmã tava usando um vestidinho curto azul bem justinho no corpo. Talles estava bem bêbado, já enrolando a língua. Seu Otávio mandou ele subir e tomar banho pra tirar a ressaca e depois descer ali pra ficar com a gente. Tiago então me chama pra irmos pro quarto jogar vídeo game. Saímos correndo escada acima. Talles já tinha subido então minha irmã ficou sozinha com o seu Otávio e o irmão dele, no caso o tio do Talles. Já no quarto do Tiago, uns 10min depois eu disse pra ele que tinha esquecido de falar uma coisa pra minha irmã e ia descer pra falar com ela. Ele disse que ia ficar jogando até eu voltar. Sai do quarto e ao passar pelo quarto do Talles, vi a porta aberta e ele deitado na cama dormindo. Devia estar bêbado. Fechei a porta e sai. Chegando nas escadas vejo que as luzes da casa estavam apagadas apenas uma luminária pequena no canto da sala estava ligada. Vi minha irmã conversando com o seu Otávio e o seu Paulo. Desci e fui falar com ela pra perguntar se ela tava com o meu celular. Ela disse que tinha entregado pro pai. Deixei quieto e subi, mas fiquei escutando a conversa deles enquanto subia. Eles falando que ela era muito bonita e que o filho dele tinha sorte. Eles estavam sentados no sofá e ela no meio deles. Ela disse que gostava muito do Talles, mas era muito nova pra ter um compromisso mais sério. Resolvi ficar escondido no canto do corredor escutando a conversa. Seu Paulo então falou…
– teu negócio então é aproveitar…tu tem uma carinha de quem gosta de aprontar muito… Minha irmã com um sorrisinho meio envergonhada disse que aprontava um pouco. Eles riram e seu Otávio perguntou se ela e o Talles já tinham transado. Ela disse que sim, algumas vezes, mas ele era meio devagar. Seu Paulo perguntou devagar como?… e ela respondeu que ele tinha aquela pegada e ele era muito carinhoso e que na maioria das vezes, eles só faziam papai e mamãe. Seu Otávio então diz…
– tu gosta de ser tratada como uma safada então. Essa tua carinha nunca me enganou. Eles riram e seu Paulo colocou a mão na perna dela pediu pra ela levantar e dar uma voltinha. Tamires levantou e o vestido dela tbm. Seu Otávio pegou na mão dela e fez ela rodar. Seu Paulo elogiou o corpo dela naquele vestido e ela agradeceu.
– olha essa bundinha Otávio…ele disse que ela ficaria melhor se levantasse mais um pouco o vestido. Achei que ela não ia fazer, mas fez. Minha irmã subiu pra cima do sofá e ficou d4 levantando o vestido.
– assim tá bom ou quer que eu erga mais?
– A putinha tá só com fio dental. Seu Paulo que tava sentado no sofá meteu a mão na bunda dela e ficou alisando e dizendo assim tá bom sua safada. Seu Otávio que estava em pé se ajoelhou atrás dela e começou a beijar a bunda da minha irmã.
– olha Paulo ela já tá toda melada, que safada. Eu não estava acreditando no que eu estava vendo. Fiquei quietinho só assistindo e me veio na cabeça meu pai e meu tio. Seu Paulo já com o pau dele pra fora e ela masturbando ele. O pau dele era maior que do meu pai e ela elogiou.
– nossa que pauzão tio Paulo.
– esse vai ser teu presente de 15a sua cadelinha. Vi seu Otávio tirando o fio dental dela e falado…
– vamos ver o que você sabe fazer agora novinha.
Ela riu e seu Otávio começou a chupar o cú e a buceta dela. Vendo minha irmã naquela posição foi demais pra mim, pela primeira vez senti meu pinto crescer olhando pra ela. Seu Paulo levantou e foi pra trás do sofá e meteu o pau na boca dela. Enquanto seu Otávio chupava, minha irmã chupava seu Paulo. O pau dele mau cabia na boca dela, pois era grande e grosso e Tamires se babava toda chupando. Seu Otávio pergunta se ela já traiu o filho dele e ela responde que sim.
– então tu vai trair ele com a gente tbm vagabunda. Vou colocar chifre no meu filho por tua causa. Eles riram e seu Otávio tirou o pau pra fora, deu uma cupisda nele e ficou esfregando na buceta dela. Melecou bem e foi colocando pra dentro da minha irmã fazendo ela gemer. O pau dele era grande tbm, mas do seu Paulo era maior.
– nossa que buceta molhada e quente tu tem menina…
– isso novinha vagabunda, geme bastante que hoje tu vai ser tratada como tu gosta. Ela nem tinha tirado o vestido, apenas levantou ele. A escada onde eu tava era bem escuro, então eles não podiam me ver. Seu Otávio metia nela e ela se tremia toda. Ele tirou o pau da buceta dela e deu pra ela chupar os dois.
– essa tua norinha é muito vagabunda Otávio. Novinha e vadia.
– essa piranha safada vai virar o nosso lanchinho. Eles nem estavam se importando se fosse aparecer alguém. Começaram a dar tapas na bunda e na cara dela. Metia os dedos na boca dela e fazia ela chupar. Seu Paulo mudou de lado e foi meter. Vi que ele estava tendo um pouco de dificuldade pra botar devido a grossura do pau dele, mas conseguiu e minha irmã deu um gemido e se tremeu toda.
– isso novinha vadia goza no meu pau cadela, goza… Seu Paulo falava assim e seu Otávio batia com o pau na cara dela. Enfiava no fundo da garganta e tirava fazendo minha irmã se engasgar. Seu Paulo puxou ela e sentou com ela no sofá. Ela ficou de joelhos em cima do sofá pulando no pau dele.
Seu Otávio puxava ela pelos cabelos e metia o pau na boca dela. Tamires parecia estar sem ar e tava com a maquiagem toda borrada. Seu Paulo soltou ela e seu Otávio pegou. Deitou com ela no sofá e meteu na buceta apertando os peitos. Meu pinto tava durinho olhando aquilo tudo. Eu levantei devagar e fui até o quarto pra ver se o Tiago estava jogando, mas ele acabou dormindo e o Talles ainda tava desmaiado na cama. Voltei lá pra sala e eles ainda comiam a minha irmã. Ela tava deitada com as pernas levantadas no braço do sofá e seu Otávio metendo na buceta dela. Seu Paulo olhava se masturbando. Ela gemia muito e dizia…
– fodi minha buceta fodi. Eles pediam pra ela repetir.
– fala o que tu é…
– sou puta…o que mais…uma cadela safada…o que mais…uma vagabunda… Seu Otávio soltou ela e seu Paulo pegou de novo. Colocou ela tipo frango assado e meteu forte. A cada metida ela dava um gemido. Depois de meter muito eles sentaram no sofá e ficaram conversando um pouco. Seu Paulo logo deitou ela no sofá e ergueu as pernas e foi chupar a buceta dela. Seu Otávio subiu pra cima dela e deu o pau pra ela chupar enfiando até a garganta. Ouvi quando ela disse…
– mete esse dedo gostoso no meu cú, mete… E eu vi seu Paulo com dois dedos metendo e tirando do cú da Tamires.
– quero ver aguentar meu pau agora. Seu Paulo sentou e ela veio pra cima dele de frente. Vi ela pegando o pau dele e direcionando no cuzinho dela. Tamires foi descendo e engolindo o pau dele com o cú, seu Otávio metia o pau na boca e dava tapas na cara dela.
– engoli essa rola piranha safada, putinha de 15 anos. Ele dizia isso é fazia ela engasgar com o pau dele.
– fodi meu cú pauzudo…aí…ai…ai meti. Chupa meus peitos. Tamires tava bem puta. Seu Paulo chupava e apertava os peitos dela enquanto metia o pau no cú da minha irmã. Eles se deitaram no sofá e ficaram dividindo o cuzinho dela. Seu Paulo metia no cuzinho e tirava e seu Otávio metia depois. Ficaram assim uns 3min. Seu Otávio começou a meter de novo no cú e na buceta dela. Puxava muito os cabelos da Tamires. Ela ainda estava em cima do seu Paulo, mas só o seu Otávio fudia ela nesse momento. Colocaram ela d4 no chão e iam se revezando comendo ela. Tavam tratando minha irmã como uma verdadeira vagabunda, como ela queria. Davam tapas na bunda dela, puxavam os cabelos com as duas mãos que o pescoço dela ia bem pra trás. Metiam os dedos na boca dela e puxavam pro lado, tava se sentindo uma prostituta. Tamires disse que queria sentir os dois dentro dela. Seu Otávio sentou meio que deitou no sofá e minha irmã sentou de costas pra ele e colocou o pau dele no cú. Seu Paulo veio de frente e meteu na buceta dela e os dois ficaram metendo nela. O dia já estava clareando, então tive que mudar de lugar para eles não me verem. Fiquei atrás de uma parede no corredor pra terminar de olhar. Eles saíram daquela posição e seu Otávio disse que queria gozar dentro da buceta da minha irmã. Dizia que queria que ela transasse com o Talles e deixasse a buceta cheia de porra pro filho dele chupar a buceta dela e tomar a porra do pai. Eles riram e minha irmã já ficou d4 no sofá.
– vem sogrinho mete na bucetinha da tua nora putinha mete. Enche ela de porra. Tamires abria a bunda, arreganhando a buceta e dizia pra ele meter. Eu tava de tico duro ainda olhando tudo aquilo. Seu Otávio puxava os cabelos da minha irmã e dava tapas na bunda e na cara dela e metia nela. Ele tirava e metia forte dando umas estocadas fundas. Minha irmã tava bem empinada d4, seu Paulo olhava o seu Otávio comendo ela e batia punheta. Disse e queria gozar na cara dela. Seu Otávio anunciou que ia gozar. Segurou minha irmã pela cintura e começou a gozar dentro da buceta dela. Ele foi tirando o pau de dentro e deu mais uns jatos e porra no cú e na buceta dela. Ele gozou bastante. Ele pegava a porra com os dedos e esfregava na boca e na cara da minha irmã. Seu Paulo pediu pra ela deitar e colocará cabeça pra baixo no sofá. Ele apontou o pau pra cara dela e gozou muita porra tbm que escorria pela cara, boca e pescoço o dela.
– que putinha essa garota Otávio. Nessa idade já é vagabunda desse jeito.
– ela vai se divertir muito com a gente. Eles riram e minha irmã disse que tinha que subir pra tomar um banho antes que o Talles acordasse. Sai rápido e fui pro quarto do Tiago que ainda dormia com a TV ligada. Entrei e deitei no colchão que estava no chão pra mim. Acordei 10hs da manhã e tava sozinho no quarto. Me vesti e desci. Cheguei na sala tava todo mundo, inclusive o Talles e minha irmã. Eles num canto namorando e se beijando. Cumprimentei todos e chamaram pra tomar café. Disseram que só estavam me esperando. Seu Paulo e seu Otávio estavam na rua conversando, mas logo entraram pra tomar café tbm. Minha irmã estava usando um shortinho da mãe no Talles que era um pouco grande e ficava folgado nas pernas. Os 3 ficavam trocando olhares, mas eu disfarçava pra eles não verem que eu tava cuidando. Depois do café foi cada um prum canto. Eu fui jogar vídeo game com Tiago, minha irmã ficou de agarros com o Talles, às mulheres foram pra cozinha e o seu Otávio e o seu Paulo foram pros fundos mexendo em alguma coisa. O Tiago tinha colocado o vídeo game na sala e ali ficamos jogando. Almoçamos e de tarde seu Otávio e seu Paulo foram arrumar alguma coisa no vestiário da quadra de futebol e Talles e minha irmã foram atrás. Eu e Tiago voltamos ajogar vídeo game. Pouco depois Talles entra em casa e vejo que ele estava sozinho. Perguntei onde a minha irmã estava e ele disse que tava lá no campo com o pai e o tio dele. Aquilo já me deixou com o coração acelerado e Talles disse que ia numa loja de ferramentas comprar uns fios que o pai dele tinha pedido. Depois que ele saiu e disse pro Tiago que ia lá falar com a minha irmã. Levantei, sai e fui até la onde eles estavam. Cheguei lá eles tavam conversando e rindo, mas não estavam fazendo nada. Minha irmã com aquele shortinho largo sentada numa cadeira com as pernas abertas dava pra ver a buceta dela pela parte das pernas e vi que tava sem calcinha. Perguntaram o que eu queria ali e eu disse que queria saber que hr nos íamos embora. Minha irmã falou que só de noite e mandaram eu voltar lá pra sala jogar vídeo game. Dei a volta pelo outro lado do banheiro e me escondi atrás dele e fui até uma parede onde tinha uns tijolos furados e fiquei ali pra ver o que eles iam fazer e escutando a conversa deles. Eles riam e falavam do que tinham acontecido. Perguntaram pra Tamires como tava o cuzinho e a buceta dela. Entre risadas e mais risadas ela disse que tava saindo porra da buceta aínda. Ela enfiava os dedos na buceta e mostrava pra eles.
– olha só como tá melecada de porra quentinha ainda.
Seu Paulo…
– para com isso menina que pode chegar alguém.
– olhem como deixaram minha buceta arregaçada.
Seu Otávio…
– o Talles não ti comeu?
– tava muito bêbedo pra isso é ainda tá. Eu ofereci pra ele, mas ele disse que não ia conseguir.
Seu Otávio…
– o pau dele nem vai fazer força pra entrar. Tá arregaçada e melada, vai entrar fácil. Ouvi quando ela disse…
– querem botar mais porra dentro da minha buceta hein? Quando o Talles voltar vou dizer que quero dar pra ele e ele vai me comer com a porra de vocês. Tamires foi prum canto e abaixou um pouco shortinho. Eles cuidavam em direção à casa pra ver se não vinha alguém. Seu Paulo ficou cuidando primeiro e seu Otávio tirou o pau pra forajá duro. Ele chegou e deu um tapa na cara dela e pegou ela pelos cabelos. Chamou ela de filha da puta, sem vergonha e ela nem reagia. Cuspiu na cara dela e colocou o pau na buceta. Minha irmã gemia e dizia.
– isso, meti me enchi de porra a tua novinha safada. Seu Otávio deu umas metidas e logo gozou. Disse pra ela segura a porra dentro da buceta. Beijou ela e saiu. Foi a vezes do seu Paulo que com mais jeito pegou e virou ela contra a parede, deu umas lambidas na bunda dela e foi metendo. Tamires reclamou por que seu Paulo meteu no cuzinho dela.
– no meu cú safado pauzudo, assim o Talles vai ver que eu tô arregaçada. Ela gemia baixinho e pedia pra ele gozar no cú dela por que ela tava quase gozando. Tamires tava com as mãos na parede toda empinadinha sendo fudida. Ela mandava ele fuder o cú dela com força e seu Paulo não conseguia gozar. Nisso ouviram o carro do Talles chegando.
– anda rápido tio Paulo goza que o Talles tá chegando. Seu Otávio diz…
– ele tá vindo…e seu Paulo meteu rápido e forte nela e disse que ia gozar e gozou. Só deu tempo deles se vestirem e Talles apareceu. Ficaram todos em silêncio. Talles entregou os fios pro pai dele e foi até a Tamires. Ele perguntou por que o rosto dela tava vermelho. Era do tapa que o pai dele deu nela, mas ela disse que era do calor. Seu Paulo chamou Talles pra ajudar e vi quando minha irmã meteu a mão dentro do shortinho e depois levou até a boca. Tava comendo a porra que saia. Sai dali e voltei pra casa. Eles passaram a tarde toda lá no vestiário da quadra. Tamires e Talles tavam no quarto e já estava escurecendo quando meu pai ligou pra ela e disse que era pra nós irmos pra casa. Tamires me chamou e disse que tínhamos que ir embora. Talles disse que levaria nós dois, mas a mãe dele pediu pra ele ficar em casa por que queria ajuda dele pra fazer algo, então seu Paulo e seu Otávio se ofereceram pra levar eu e Tamires embora. Eles disseram que iam aproveitar pra passar no mercado na volta. Claro que a puta da minha irmã ficou feliz, mas eu sabia que comigo ali eles não fariam nada. Nos despedimos do pessoal e entramos no carro. Seu Otávio ia dirigir, então quando fui entrar na porta de trás com minha irmã ele mandou eu sentar no banco da frente com ele e seu Paulo sentou atrás com ela. Durante o caminho todos conversando e eu ouvia risadinhas no banco de trás e alguns barulhos. Tentava olhar pelos vidros, mas não conseguia. As vezes quando eu ia virar pra trás, seu Otávio mandava eu ficar olhando pra frente. Em alguns reflexos que dava nos vidros e via a cabeça na minha irmã abaixada. Tava chupando o pau do seu Paulo pois dava pra ouvir uns estalos de algo molhado. Tamires pega e deita de lado no banco de trás encolhendo as pernas que fica virada pro lado do seu Paulo. Seu Otávio olhava toda hr pelo retrovisor e dava risada. Eles então resolvem passar na ida no supermercado. Entramos no estacionamento que era subterrâneo e o mercado ficava na parte de cima. Eles escolheram um lugar bem escuro e meio afastado da entrada. Eu até tentei retrucar perguntando pq tão longe. Eles riram e disseram que ali era mais calmo. Quando desci do carro olhei pro banco de trás e vi Tamires com o vestido levantado sentada no colo do seu Paulo. Seu Otávio me chama…
– vem garoto, vamos no mercado.
– e eles não vem junto?
– vão ficar pra cuidar do carro. Eles riram então sai com seu Otávio. Enquanto estávamos lá dentro não vi nada do que acontecia no carro. Seu Otávio comprava umas coisas então eu disse pra ele que ia no banheiro e sai. Fui correndo pro estacionamento, mas fui me escondendo atrás dos carros até chegar lá perto. Fiquei atrás do carro que estava na frente do nosso e fiquei vendo minha irmã transando com seu Paulo. Ela tava sentada de costas no colo dele com as pernas pra cima dos bancos da frente. Onde nosso carro tava era um lugar escuro, mas tinha alguns carros estacionados lá. Rastejei e cheguei mais perto do carro e o carro balançando. Os vidros estavam meio abertos e escutava eles falando.
– isso come o cú dessa novinha come, pauzudo. Seu Paulo tava comendo o cú da minha irmã. Sai dali e fui pro outro lado do outro carro. Olhei por entre os vidros e vi seu Otávio voltando.
– eles tão vindo. Disse minha irmã. Então pararam e seu Otávio chegou.
– comeu essa cadela Paulo rsrsrs.
– tava comendo o cuzinho da tua norinha rsrs
– teu irmão sumiu. Disse que ia ir no banheiro e não achei mais ele. Deve ter ficado lá dentro. Vai lá Paulo e vê se acha ele, agora é a minha vez.
Eu ali escondido escutando eles e vendo minha irmã pedir rola. Seu Paulo saiu e seu Otávio entrou com minha irmã e já fez ela chupar ele.
– vem putinha chupa essa rola. Seu Paulo se afastou e eu voltei a espiar. Minha irmã d4 no banco com a boca no pau do seu Otávio. Eles meios desajeitados se viraram seu Otávio começou a meter nela de lado. Eu tinha que sair dali e encontrar o seu Paulo que tinha ido atrás de mim então fui para o mercado. Ao encontrar seu Paulo ele disse que tinha esquecido de comprar algo e pediu pra eu ir buscar. Disse pra ele que ia e ele disse que ia me esperar no carro. Entrei pra comprar e sai rápido voltando pro carro. Seu Otávio estava fora do carro e me viu voltando. Parece que avisou minha irmã e seu Paulo e minha irmã levantou a cabeça. Cheguei perto do carro e vi ela comendo algo. Perguntei o que ela estava comendo e disse que era um creme que seu Otávio tinha comprado, mas era porra né. Vi ela abaixando o vestido e os três com aquelas caras de quem tavam aprontando. Chegamos em casa nos despedimos deles e seu Otávio chamou minha irmã. Ouvi Quando elê disse…
– pega a tua calcinha e eles riram. Depois desse dia minha irmã não saia da casa do Talles e até meu pai era convidado pra ir lá de vez em quando. Acho que meu pai e seu Otávio tava comendo a Tamires juntos. Se eu souber da mais alguma coisa volto a contar.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 12 votos)

Por # #

8 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder NerdVouyer

    Vou postar uma continuação, mas essa ser a mais curta.

  • Responder NerdVouyer

    Obrigado pela dica.

  • Responder NerdVouyer

    Leiam o primeiro conto Nerd, sempre Nerd.

    • Sabrina

      Sim eu entendi que esse se passa em uma epoca e outro em outra ja li, Inclusive você devia pensar em dividir em mais capitulos, sei que na hora da criatividade o melhor é não parar prq contar palavras, mas depois antes de publicar dá, desses dois capitulos dava pra ser dividos em quadro ou seja dois de cada, isso pois a leitura fica cansativa, mais de 4 mil palavras, 2000 e poucas em cada ta bom rsrs, aguardando o teceiro, tchau.

  • Responder victoria

    As meninas também adoram sexo, talvez ★ Adoramos sexo ainda mais do que você … algumas têm vergonha de mostrá-lo .. ★ Suas preferências sexuais .. compartilhe conosco .., acesso gratuito .. (copie o link) ➤ abre.ai/splatform

  • Responder Sabrina Sadkka

    E ai tem continuação?

    • Fernando

      Sim

  • Responder Goiabada

    Ahr que conto bom da porra, gosto é assim, bem que eles podiam ter levado tua irmã num motel e tu ter ficado esperando na porta tambem ne kkkkkk