# #

As Putinhas da Favela

3219 palavras | 7 |4.62
Por

Polícia, muitos tiros e muita confusão e eu no meu barraco me divertindo.

Olá meu chamo T.Ventura tenho 19 anos e vou lhes contar o que aconteceu comigo. Moro em uma comunidade pobre e como todas as comunidades do Brasil tem seus altos e baixos. Bandidagem, tráfico, violência e tudo mais. Era uma sábado à tarde, estava eu no meu barraco dando um trato na minha moto pro rolê da noite. O som ligado curtindo uns funks quando a polícia resolve fazer uma operação naquele dia na comunidade. Então começou aquela correria e gritaria entre as vielas e becos, sons de alguns tiros e rojões e eu como não devia nada pra polícia fiquei de boa. Abri a porta do barraco vi alguns moradores correndo e outros se escondendo quando, do nada, aparece 3 meninas correndo assustadas. Deveriam ter entre 10 e 11a por aí, não mais do que isso, pois não perguntei devido a toda aquela confusão. Ela estavam bem assustadas com toda aquela correria e todo aquele barulho.
– tio, tio deixa a gente entra, deixa a gente entra. A polícia tá vindo pra cá. Eu fiquei meio sem saber o que fazer, mas deixei elas entrarem com medo de que houvesse tiroteio e algumas delas fossem atingidas.
– entrem logo, entrem. Foi só elas entrarem, já apareceram mais ou menos uns 6 policiais apontando as armas pra mim. Levantei as mãos perguntaram se tinha mais alguém ali comigo, então na hora só me veio na cabeça dizer que tava eu e minhas primas. Eles olharam em volta e falaram.
– fecha as portas e não saem. De imediato fechei e fui até as meninas. Perguntei se estavam bem, mas dava pra ver que estavam bem assustadas e com medo. Dei um copo de água pra cada uma e fiquei ali conversando com elas. As meninas eram muito gatinhas tinha um branquinha de cabelo castanho claro chamada Vanessinha, uma negrinha de olhos verdes lindos, chamada Tainá e outra moreninha muito linda, chamada Érica. Duas delas usavam shortinhos jeans bem curtinhos e a outra um shortinho que mais parecia uma calcinha de tão curto. Ficamos conversando e pela maneira delas falarem já dava pra ver que eram bem vileirinhas mesmo, meninas que moram em vilas. Falavam palavrões e expressões vulgares. Quando parecia que tinha dado uma aclamada na situação eu disse que elas já pudiam sair e ir pra casa. Elas disseram que não iam sair pq tavam com medo ainda e pediram pra ficar mais um pouco ali. Concordei e disse que ia terminar de arrumar a moto. Elas então ficaram ali escutando funk enquanto eu mexia na moto. Elas começaram a dançar as músicas e fiquei olhando pra elas. Elas rebolavam, ficavam d4 no chão, se esfregavam uma na outra usam um linguajar bem vulgar pra idade delas. Eram bem atiradinhas. Eu fui até lá pra ver elas dançarem e perguntaram pra mim se dançavam bem. Disse que sim e mi chamaram pra dançar com elas. Começamos a dançar juntos e elas rebolando e esfregando a bunda no meu pau. Eu segurava elas pela cintura e rebolando com elas. Aquilo foi me deixando excitado de pau duro. Uma chamava a outra de putinha safada, de vadiazinha, de cachorra até que a menina que tava com o shortinho mais curto, a Érica veio rebolar no meu pau. Eu fazia um passinho como se estivesse metendo nela e ela sentiu meu pau duro e sendo uma putinha de favela falou bem alto.
Érica…que tio tarado, ele tá de pau duro meninas.
– deixa eu ver, deixa eu ver, as outras gritaram. Começou aquela gritaria e eu fiquei todo envergonhado e com medo eu tampei a parte da frente da bermuda com as mãos. Vanessinha e Érica pegaram meus braços e puxaram pra trás como se eu estivesse preso e Tainá começou a abrir o zíper e o botão da minha bermuda. Eu não fazia esforço pra me soltar apenas me mexia. Tainá baixa minha bermuda e cueca junto e meu pau pula pra fora ficando a poucos centímetros da carinha dela. Ela pega nele fica mexendo e admirando e usando aquela linguagem vulgar de faveladas.
Tainá…nossa tio que rola dura.
Vanessinha…que pica grande e grossa.
Érica…olha que cabeção. As 3 pegam no meu pau e começam a punhetar ele. Meu pau é bem grande mesmo e nas mãozinhas daquelas meninas gostosinha e putas ficava ainda maior. Tenho 19cm de pica cabeçuda e bem grossa mesmo. Tainá puxava a pelezinha pra baixo e depois subia apertando meu pau fazendo aquele caldinho subir pela uretra.
Tainá…olhem tá saindo aguinha da rola do tio. Elas soltam meus braços e se ajoelham na minha frente. Elas começam a passar o dedo na cabeçona do meu pau espalhando aquele caldinho nele.
Vanessinha fala pra Tainá…vai sua vagabunda coloca a boca no pau do tio, a gente sabe que tu gosta.
Tainá…tio eu vou chupar o teu pau tá. Vou colocar lá na garganta.
Eu…vai putinha gostosa, coloca a boca, engoli ele. Tainá foi dando beijinhos na cabeça e lambidinhas e começou a colocar a boca na cabeça. Meu pau mal cabia naquela boquinha dela e ela abria bem a boca e não conseguia passar da cabeça. Érica pegou no meu pau e colocou a boquinha tbm. Enquanto Tainá chupava a cabeça, Érica chupava e lambia a parte de baixo do meu pau. Vendo aquelas duas menininhas me chupando eu tinha que me segurar pra não gozar. Érica segurava meu pau, lambia e chupava minhas bolas como uma profissional. Elas sabiam como chupar um pau, mesmo naquela idade. Provavelmente começaram cedo a fazer isso. Morando onde moramos não era pra menos, meninas novinhas começam cedo na prostituição e no sexo. Vanessinha sentada num sofá velho assistia a cena das amiguinhas me chupando. Elas riam, falavam putarias uma pra outra e dividiam meu pau. Chupavam a cabeça, passavam a língua de baixo pra cima, as línguas se encontravam e se lambiam. Chamei a Vanessinha pra participar e ela veio.
Eu…vem gatinha ajudar as amiguinhas, vem. Agora as 3 dividiam minha rola e sempre falando de maneira vulgar. Eu pegava a cabeça delas e forçada no meu pau fazendo elas engasgarem e elas pediam mais…faz em mim tio, faz em mim. Tirei as blusinhas delas e deixei elas só de shortinhos. As três meninas já tinham peitinhos bem gostosos, mas Tainá era a que mais tinha peitos. Acho que era a mais velha delas. Eu sentei naquele sofá velho e elas viera pra cima. Érica e Vanessinha ficaram em cima do sofá uma de cada lado me chupando e Tainá ficou no chão d4. Eu massageava os peitinhos e passava a mão na bunda delas por cima dos shortinhos. Érica que usava aquele shortinho bem curtinho ficou em pé no sofá e deu os peitinhos pra eu chupar.
Érica…isso tio, chupa meus peitinhos, esfrega minha bucetinha, quero gozar. Comecei a passar a mão na bucetinha dela enquanto mamava seus peitinhos. Érica goza feito loca, puxando meus cabelos e apertando meu rosto. Vanessinha fez o mesmo, deu os peitinhos pra eu chupar tbm. Uma ria da outra e Tainá não largava meu pau, continuava mamando.
Eu…essa amiga de vocês gosta de uma rola né.
Vanessinha…essa cachorra adora se engasgar com paus.
Tainá…Ainda mais com uma pica grossa dessa que mal entra na minha boquinha. Eu passando a mão na bucetinha da Érica, peço pra ela tirar o shortinho. Me deitei pra trás no sofá e ela ficou em pé com as pernas abertas na minha frente e foi rebolando e abaixando o shortinho. Vanessinha desceu e foi chupar o meu pau junto com Tainá. Eu vendo aquela bucetinha toda lisinha e melada na minha cara não aguentei e puxei Érica pra cima de mim. Meti a cara na bunda e na buceta dela. Ela colocou as pernas na cabeceira do sofá ficando apoiada só com as mãos e com a buceta na minha cara. Eu lambia, chupava, mordia aquela bucetinha e não aguentei e gozei sem avisar na boca da Vanessinha que se assustou com tanta porra.
Vanessinha…seu filho da puta nem pra avisar que ia gozar.
Eu…cala a boca vadiazinha e toma essa porra logo. Minha porra não espirra ela escorre pelo meu pau.
Tainá…tio quanto leite tá saindo, vem Vanessinha vamo come tudo. Tainá e ela continuaram chupando meu pau gozado, lambendo minhas bolas e lambendo uma a outra engolindo a porra. Eu metia a língua dentro cuzinho da Érica e abria a bucetinha dela e via que não era mais virgem. Comecei a meter a língua na bucetinha dela tbm é fiz ela gozar de novo, agora na minha boca. Tainá pergunta se eu queria ver a xaninha dela tbm. Meu pau tava meia bomba quase duro de novo. Disse que ia adora, então ela pede pra Vanessinha tirar o shortinho dela. As duas dançavam e se esfregavam fazendo striptease. Tainá ficou peladinha abrindo a buceta pra mim ver. Era bem greludinha e peludinha só que com os pelinhos bem ralinhos.
Tainá…vem tio chupa aqui. Pedi pra ela subir no sofá e coloca a buceta na minha cara. Ela esfregava e sentava na minha cara não me deixando respirar. Érica vai e chupa meu pau deixando ele duro de novo. Vanessinha tira o shortinho e as 3 ficam peladinhas. Mandei elas ficarem d4 no sofá e comecei a chupar o cuzinho e a bucetinha de cada uma. Elas como sempre só falando palavrões e baixarias, bem tipinho de vila. Eu me lambuzava naquelas bucetinhas meladas, pegava elas pela cintura sentia o corpinho delas e meu pau estourando de tão duro que tava.
As 3 se beijavam, se alisavam rebolavam e eu ali chupando as putinhas. Vanessinha desce do sofá e pedi pra eu fuder a xoxota dela.
Vanessinha…tio quero essa pica na minha xoxota, vem mete aqui, vem que eu aguento. Me fodi como um cachorro fodi uma cadela. As outras duas incentivavam e mandavam eu meter na amiga.
Vai filho da puta come essa cadela, vai mete esse pirocão no rabo dessa prostituta. Não aguentando mais, cheguei atrás da Vanessinha, pincelei meu pau na xotinha dela e fiz ela gozar antes mesmo de meter pra dentro.
Tainá…vagabunda tá gozando cachorra. Piranha novinha. Segurei ela pela cintura e fui empurrando pra dentro. Meu pauzão ia arregaçando aquela bucetinha e ela começou a gritar então tive que tampar o boca dela. Com meu pau todo dentro daquela menina fiquei parado por alguns minutos até ela se acostumar.
Érica…vai tio fodi ela, fodi com força. Deixa essa puta arrombada. Comecei com movimentos leves e fui aumentando, depois de algumas bombadas fiz ela gozar de novo no meu pau.
Tainá…agora é minha vez tio só eu que não gozei ainda, quero que coma meu cú e tem que deixar ele todo arregaçado.
Eu…e tu vai aguentar no cuzinho Tainá?
Érica…pode meter tio essa vadia aguenta sim ela gosta de dar o cú. Peguei Tainá e fiz ela sentar no meu pau. Me deitei no chão e ela veio por cima encaixando meu pau bem na entrada do cú e foi descendo. Ela parecia que tava possuída cavalgando e rebolando no meu pau. Fazia uns barulhos como se fosse um animal raivoso.
Tainá…assim, meti seu puto, meti nessa vadia arrombada. Come meu cú safado. Vai filho da puta. Meu pau era facilmente engolido por aquele cuzinho novinho. Eu tava quase gozando então empurrei ela no chão e fui pra cima, abri bunda dela e meti de novo. Tainá só gemia. Olhei pro lado e vi Érica e Vanessinha se masturbando uma a outra. Fiquei metendo e olhando aquelas duas putinhas e eu tava loco pra fuder a Érica. Botei Tainá d4 e sem tirar o pau continuei metendo. Eu disse.
Eu…Vanessinha pq não chupa a bucetinha da Érica. Tô loco pra ver isso.
Vanessinha…que pauzudo safado, quer ver as novinhas se pegando.
Eu…vai chupa eu sei que vcs fazem isso. Érica então deitou no sofá abriu as pernas e Vanessinha foi pra cima dela. Ficaram se beijando um pouco e depois desceu até a bucetinha dela. Vanessinha chupava aquela buceta toda gozada fazendo Érica gemer forte. Elas mudaram de posição e fizeram um 69. Tirei o pau do cú da Tainá e fui meter em Vanessinha que estava por cima da Érica. Eu tirava o pau da bucetinha da Vanessinha e colocava na boca da Érica.
Tainá…vai pauzudo gostoso fodi essa menininha.
Eu…vai me dar o cuzinho tbm Vanessa?
Érica…que tio safado agora quer comer o cú da gente.
Vanessinha…quer meu cuzinho tbm tio, mas eu não vou aguentar esse pauzão no meu cú. Érica saiu de baixo da Vanessinha e ficou d4 no sofá. Eu tava metendo na Vanessinha d4 e ela chupando a Érica. Tirei o pau de Vanessinha e meti na Érica. Ficava metendo nela e chupando a bucetinha da Vanessinha que ficou d4. Abria a bunda dela e metia a cara. Tainá só assistia. Eu me lambuzava na buceta da Vanessinha. Érica era a mais gostosinha das três. Segurei ela forte pela cintura dando umas estocadas bem fundo e acabei gozando dentro do bucetinha dela.
Érica…desgraçado filho da puta, encheu minha xotinha de porra, puto safado.
Eu…desculpa princesa não resisti a essa bucetinha. Tirei o pau de dentro e a porra espirrou pra fora. Veio a Tainá e começou a chupar a buceta dela toda gozada. Com meu pau ainda duro e gozado meti no cuzinho da Tainá de novo. Socava forte, puxava os cabelos dela e ela urrava de tesão. Fiquei socando no cuzinho da Tainá por uns 10min e Érica me ofereceu o dela, Vanessinha tbm. As três ficaram d4 em cima do sofá empinando e rebolando as bundinhas pra mim.
Tainá…vem tio, fodi nossos cuzinhos. Arromba eles com esse pirocão. Chupei e lambia as bundinhas delas pra deixar bem molhadinha. Comecei na Vanessinha, segurei meu pau bem na entradinha e fui empurrando. Aquele cuzinho engoliu o cabeção e ela parecia se concentrar pra não doer, pois fechava os olhos e mordia os lábios. Perguntei se era pra tirar e ela disse não.
Vanessinha…meti mais tio meti.
Eu dei mais uma forçadinha e metade do meu pau tava dentro do cuzinho dela. Tirei e coloquei de novo varias vezes pra ir acostumando e quando tirei a última vez tinha deixado um buraco aberto. Coloquei o pau na entrada de novo e meti com força. Vanessinha se grudou nos braços o sofá urrando de dor e prazer e gritava continua continua. Fodi ela por uns 3 a 5min pois ela gemia muito alto e eu tava com medo que alguém a rua ouvisse. Tirei o pau e meti na Tainá. Aquele cuzinho ali já tava acostumando a levar ferro, então não tive dificuldade pra meter. Tainá falava palavrões, me xingava e gemia ao mesmo tempo. Deixei o cuzinho dela bem arrombado. Agora era a vez da minha gatinha preferida. Érica linda e muito gostosinha. Chupei o cuzinho e a bucetinha dela e ela puxava meus cabelos contra ela pedindo mais e mais. Ela pediu pra cuspir no meu pau e deixar ele bem lubrificado. Dei meu pau pra ela e ela engoliu. Chupou, cuspiu babou nele e disse pra eu meter. Pincelei no cuzinho dela e meti a cabeça alargando a entradinha. Tainá e Vanessinha chamavam ela de prostituta novinha, vadia safada, fudedeira do caralho e ela riam e gemia. Meu pau tinha entrado todo no cuzinho dela então comecei a bombar. Me apoiava no quadril dela e socava pra dentro. Já tinha passado uma meia hr desde que comecei a comer o cuzinho das três e disse que ia gozar. Peguei elas pelos cabelos e fiz ajoelhar na minha frente. Soquei uma punheta a cara delas e gozei um pouco na boquinha de cada uma. Depois dei pra elas chuparem. As três com as caras toda gozada lambendo meu pau e se lambendo. Cai exausto no sofá pois tinha gozado 3x. Elas riam e falava besteiras. Eu ali todo suado e com o pau deitado lado todo melecado. Elas sentaram do meu lado e ficamos conversando. Eu não perguntei a idade delas e nem onde elas moravam. Elas só disseram que tavam andando pela comunidade quando aconteceu toda aquela correria e não conseguiram voltar. Foi onde entraram na minha casa e acabaram sendo fudidas. Mandei elas irei se lavar e fui até o beco pra ver como estava a situação. Já era de tardinha e aparentemente estava calmo. Voltei pra casa e fui ver o que elas faziam. Como o banheiro é fechado apenas com uma cortina, vi elas se beijando, se chupando, uma metendo o dedo na buceta da outra. Tava a maior putaria no banheiro. Meu pau começou a dar sinal de vida de novo. Abri a cortina e elas me viram de pau duro.
Érica…o tio quer fuder nós três de novo quer. Por incrível que pareça eu disse não, pois já tava tarde pra elas sairem sozinhas dali. Entrei no banho com elas e a Érica já foi me chupando. Mandei ela parar, mas foi em vão. Agora as três tavam de joelhos me chupando. Eu disse que ia só gozar na boca delas e não ia meter.
Tainá…tá bom tio então goza na nossa carinha goza de novo. Dá leitinho pras novinhas.
Gozei bastante porra na carinha e na boquinha delas de novo.
Vanessinha…o tio tem bastante leite. Nunca vi sai tanto leite assim antes. Sinal que essas putinhas já faziam festas antes com outros machos. Saí do banho e fui dar outra olhada pelo beco. Quando vi que estava tudo calmo, mandei elas sairem. Nos despedimos e elas foram embora. Nem sai naquela noite. Deitei com o pau todo dolorido. Ja se passaram alguns meses desde daquele dia e eu nunca mais encontrei com ela.
-voltando aos acontecimentos, enquanto eu ali com a meninas a polícia continua na comunidade e a gritaria corre solta. Escutamos vários tiros e fogos de artifícios. Esses barulhos abafavam os gemidos, palavrões e toda aquela putaria do meu barraco. Eu claro com algum receio de estar ali pois a polícia poderia chutar a porta do meu barraco e invadir qualquer momento e pegar eu naquela situação com aquelas vadiazinhas. Eu ia apanhar mais que cachorro e ainda ia me levar preso pra ser a mulherzinha da cadeia. Até a próxima.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,62 de 26 votos)

Por # #

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Leiteiro

    Essa putinhas da favela são as prostitutas mais gostosas de fuder é cada uma que só dá gosto quando pega com força

  • Responder Rafaella

    Bom conto.. parabéns

  • Responder Clayton

    Alguma mãe com filhas, mande msg no e-mail [email protected]…..moro em Belém-Pa

    • Floriano, Grande Família.

      Tinha um bom tempo que, eu não ” viajava ” em um conto desse site. 5 estrelas merecido.

  • Responder velho negro

    gostei do conto gosei tres vezes caraa

  • Responder jasina

    Vamos nos conhecer melhor .. ★ .Na plataforma, muitas garotas online. usuários reais – garotas com relacionamento livre .. abra a comunicação .. ..Siga e avalie (grátis … Sem pagamento) .. (copie o link) = >> abre.ai/splatform

  • Responder Alex

    Mulheres meninas mães que queiram bater um bom papo sobre o assunto desabafar suas histórias podem me procurar no telegrama
    @Pixany