# # #

A vida da pequena Radja em Bangladesh

538 palavras | 6 |3.42
Por

No país asiático Bangladesh é legal o casamento com crianças, a prostituição e muitas coisinhas interessantes.

Talula morreu logo após dar a luz a filha, Radja. Que foi criada pela tia, num vilarejo pobre, muito perto a Nakaprda.
Aos 8 anos a tia arranjou um casamento para Radja em troca de um dote razoável.
O casamento aconteceu de acordo com as leis e cultura do país.
O marido de Radja tinha 39 anos. Ela teve sorte, disse a tia que havia se casado com um homem quase 50 anos mais velho.
Pra infelicidade da menina, o marido era impaciente, grosso, e um membro que na prova pequena buceta dela, seria um estrago.
Tirando o fato que tinha só 8 anos. Casou-se com um homem típico de Bangladesh.
Na noite de núpcias, se assim pode se chamar, Radja fez como orientou o marido: esperou no colchão no quarto, visto que lá, dificilmente se encontram camas.
Ali, pequena, maquiada tal qual uma prostituta, com medo e submissa. Ao que ele entra no quarto, despiu a esposinha e deu alguns beijos na boquinha que não sabia devolver.
A deitou e sem nenhum preparo, se colocou nos meios das pernas dela e foi forçando o membro contra a buceta virgem. Cuspiu e voltou a forçar.
Se podia ouvia o choro de Radja e o marido tapa a boca dela, dizendo que se acostumasse, que era o papel dela satisfazer.
O sangue veio, a pureza foi arrancada com força, e o coito durou por quase uma hora.
Gozou fartamente no útero infantil e deixou ela de lado.
No dia seguinte, a tortura se repetiu, com o acréscimo de tapas, socos, para que ela não chorasse enquanto satisfazia marido.
Com uma semana. Radja criou coragem e fugiu. Aproveitou que o marido havia ido ao trabalho.
Ela conseguiu chegar a casa da tia para pedir abrigo.
Recebeu o abrigo, mas na mesma noite o marido estava lá para levar a esposa de volta.
A tia a entregou sem questionar nada. Afinal, era marido dela.
Em casa, Radja apanhou. Nesse dia teve o seu ânus arrombado pelo marido, como castigo, por ter agido daquela forma.
Um ano se passou, agora com 9, ainda tão pequena como quando se casou, não amava o marido, planejou fugir de novo e foi achada por um homem nas ruas.
Ele a vendeu para Nakaprda. O segundo maior prostibulo de Bangladesh. Tão grande que era como uma cidadezinha.
Com vendas, quartos e pessoas circulando. Com excepção das prostitutas que nao podem sair dos muros da Nakaprda.
Lá os programas em reais saem por volta de 35 a 70 reais. Mas a prostituta recebe entre 10 e 15 só, e 15 quando sai com mais de um cliente por vez .
No primeiro dia, Radja era novidade, transou com quase 20 homens. Só parou pois ficou um tempão desacordada.
Lá circulam mulheres de todas as idades e as tendas sempre em movimento, alguns clientes usavam camisinha outros não.
Com 13 ela engravidou de um cliente. Continua lá até hoje.
Teve filha mulher e quando atingir uns 9 anos vai começar a se prostituir. Porque a lei quer assim.
Radja se arrependeu de ter deixado o marido. Era melhor ser violentada por um único homem do que por 30 homens diferentes.
Mas a vida é assim.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,42 de 12 votos)

Por # # #

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Hot Shot

    Chocante mas excitante

  • Responder Escorpião

    isso ae e muito triste! Já li um artigo sobre o casamento de criança e exploração infantil nesses países asiáticos,acho isso algo monstruoso!

    • Marcelo o tesudo

      E babaca

  • Responder Rath

    Diferenciado, não lembro de ler nenhum parecido

  • Responder Anon

    Escritor Notícias Populares.

    • Ze

      Pior que este é verdade!