# # #

Um lugar chamado Paraíso, 8

4287 palavras | 2 |4.20
Por

A cada dia novas descobertas, novos envolvimentos, novos e velhos desejos. Se antes era os irmãos, primas e tias, agora as meninas…

🌹 8 — O flagra e a curiosidade de Jéssica

📑 Essa vida é estranha e saborosa. Desde que me lembro como gente sempre vivi cercado de mulheres, a pouca convivência com garotos foram na escola que, a bem da verdade, nunca foram colegas e amigos de verdade, eram apenas companheiros de estudo. O mais estranho é que em minha vida foram sempre as mulheres as sempre presentes e, com o nascimento de Jéssica e depois Aline e Bruna minhas primas colocaram, no mundo, mulheres, sempre mulheres.
E, pelo meu envolvimento com algumas delas, é que aconteceram fatos inusitados…

💘💘💘💘💘💘💘💘💘💘💘💘💘💘💘

📅 11 de julho de 1989, domingo ▪ Fazenda Paraíso (Galpão das esperanças perdidas)
📌 (Não era costume trancar portas com chave, mas naquela manhã deveriam ter tido cuidado no galpão sem portas…)

— Conversei com Silvia e ela topou – Roberta abraçou o irmão pelas costas – Tua moleca está curiosa…
— Jéssica conversou com Silvia… – continuou arrumando os sacos, o galpão estava quase pronto – Essas meninas vão dar trabalho…
Era um domingo ensolarado, Roberto vivia entre a cruz e a espada ora desejando que elas soubessem logo de tudo e ora morrendo de medo do que poderia acontecer se as meninas descobrissem tudo.
— Vê se apaga logo o fogo dessas pirralhas… – sorriu imaginando como poderia ser – Ela está quase no ponto…
— Para com isso mana, é sobre tua filha…
— Nossa, não esquece… – meteu a mão na bermuda do irmão e massageou o cacete – Mamãe não pode ir…
— Estou preocupado com Dona Claudia… – parou e virou – Ela anda meio cansada esses dias…
— A velha é dura na queda… – empurrou o irmão que sentou no monte de sacos de juta – Não entendo como ela nunca engravidou…
— Ela ligou quando nascemos… – acariciou o rosto da irmã – Já pensou?
— Pelo menos poderia vir um homenzinho… Tu só faz rachadas?… – riu e sentou escanchada no colo – Tu és o único homem na família…
— Faço o que gosto… – beijou a boca da irmã – Mas é estranho mesmo, tia Vera teve duas filhas, tu uma, A Su uma e eu duas…
— Tu sabes como fazer… – riu e tirou a camiseta sentindo o frescor do dia lhe acariciar os mamilos – Tuas mulheres não estão deixando tempo pra mim…
— Tu sabes que tens todo o tempo que queres… – lambeu o bico do peito intumescido e ela suspirou – Mas aqui é perigoso…
— Tô afim de uma trepada como naquele tempo… – levantou o corpo e tirou o pau do irmão, afastou a calcinha e sentou – Tua rola é muito gostosa mano… Hun! Ai… Adoro te sentir dentro…
Roberto não se mexeu, mas beijou a boca da irmã que esfregava a pelves sentindo o cacete roçar dentro da vagina escorregando nas paredes.
— Tu sempre foi doidinha, minha sapeca… – tentou chupar o peito, mas ela começou cavalgar pulando ensandecida sentindo os gozos varrendo seu corpo.
— Ui! Dinho… Hun! Hun! Ui, ui, ui… – parecia ter enlouquecido – Hun! Hun! Hun! Hun! Hun! Hun! Merdinha gostoso… Ui! Mano… Hun! Vou gozar, vou gozar…
Um gemido mais alto aguçou a curiosidade de Jéssica que entrou no galpão e viu a mãe gozar no pau do tio.
— Mãe?! – um grito de quase dor.
Roberto gelou, Roberta sentiu o pau murchar dentro dela e virou, a filha parada olhando para eles.
— Filha?
— Agora fodeu tudo… – o irmão murmurou olhando para a sobrinha/filha parada como se um raio a tivesse transformado em estátua.
— Filha… – levantou sentindo a gosma escorrer da xoxota – Vem cá filha…

📝 A garota não parecia ouvir ou sentir nada, apenas estava parada no meio do galpão preparado para a festinha de seu aniversário. Não sentia as pernas e o corpo tremia e ficou olhando para o tio.

⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️
(Lembranças, voltando no tempo)

📅 12 de julho de 1997, sábado – Fazenda Paraíso
📌 (Sentia dor no peito em não ter, ainda, como falar a verdade para a filha. Naquele dia de alegria falou…)

— Posso te perguntar uma coisa mãe? – Jéssica sentou no colo de Roberta.
— Claro que pode filha… – acariciou o braço da loirinha levada da breca.
Era domingo, o galpão já estava preparado para a festinha de aniversário desde a noite anterior. Roberta tinha ido tomar banho e se preparar para receber o pessoal e olhou para a filha mocinha, para os pequenos seios já lhe dando formas de mulher, Jéssica tinha curiosidade de perguntar, de saber mesmo que a mãe pudesse não responder.
— Quem é meu pai?
Roberta sentiu como se um baque lhe tivesse estremecido, já tinham conversado muitas outras vezes e sempre conseguia sair pela tangente com a mentira que a mãe havia criado, mas estava ficando mais difícil continuar escondendo a verdade.
— Já conversamos sobre isso… – acariciou o rosto bonito e beijou a testa suada.
— Queria que fosse o Dinho…
— O Dinho é seu tio… – um doer estranho nas entranhas.
— E o que é que tem?
— Seu pai foi um homem bonito por quem me apaixonei…
— Sei… E que não quis saber de mim… – repetiu automaticamente o que vinham lhe contando desde sempre – Porque ele não quis saber de mim?
Roberta suspirou e alguma coisa lhe fez olhar por sobre o ombro da filha, o irmão estava parado, tinha ouvido a pergunta da garota e ficou escutando.
— Teu pai é o homem mais bonito desse mundo – falou encarando o irmão – Sempre foi meu grande amor e, tenho certeza, ele te ama muito…
— Então porque ele não vem me conhecer?
— É complicado filha… – suspirou, Roberto estava sério e ela sabia que ele queria que a garota soubesse da verdade, mas Claudia preferia que Jéssica continuasse sem saber de toda a verdade – Ele é casado, tem família e… E duas filhas lindas como você…
— O Dinho é casado e tem duas filhas, porque ele não pode ser meu pai?
— Já pensou se ele fosse… – segurou o rosto da filha com as duas mãos e olhou dentro dos olhos – Se Roberto fosse teu pai, o que você diria a ele?
— Já disse milhões de vezes… Que eu amo ele, que ele me faz feliz, que eu gosto de estar com ele e que ele, mesmo sem ser de verdade, sempre vai ser meu pai…
— Então diga pra ele… – olhou para o irmão – Diga pra ele o quanto você o ama, o quanto ele é importante para você… – sorriu, o irmão mostrou o presente escondido nas costas – Diga filha…
Jéssica olhou para traz e sorriu.
— Ele sabe, não sabe tio? – levantou do colo da mãe e correu para ele.
— Claro que sei… – teve que se equilibrar para não cair, a garota se jogou em seus braços e no sorriso estampado nos olhos era a certeza de que era verdade, o embrulho do presente ficou jogado no chão.
— Tu é o homem da minha vida, meu tio padrinho e meu pai…
Para a garota não havia nada mais importante e urgente que estar ali nos braços dele e nem era preciso que o tio tivesse comprado um presente e Roberta não se espantou com o beijo na boca, não um beijo que uma menina daria em seu tio, um beijo e uma garota apaixonada.
— E é assim que beija um pai? – Roberta acariciou a costa da filha.
— Né não… É… Eu… É… – gaguejou sem encontrar as palavras certas.
— Sei disso cabritinha… – abraçou os dois – Ele é tão seu quanto meu…
Roberto aproximou o rosto e também beijou a boca da irmã, Jéssica sentiu um gostar imenso e sensações gostosas em estar ali no meio do quarto escanchada no corpo do tio vestida na minúscula calcinha de menina moça nos braços de seu tio que beijava sua mãe.
— É assim que uma irmã beija seu irmão? – devolveu a pergunta.
— Não…, mas é assim que uma mulher beija o seu homem… – beijou o rosto da filha.
— Porque tu não é meu pai tio?
— Eu sou… Eu sou seu pai… – olhou dentro dos olhos da irmã.

📝 A garota suspirou e abraçou a cabeça dos dois sonhando que era verdade, uma verdade que ela não sabia ser a única, mas que não pensava ser.

🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯

📅 3 de dezembro de 1999, sexta-feira – Praia da Pedra
📌 (O pequeno chalé era uma bagunça só, os dois quartos pareciam pequeno demais para caber aquela horda louca por diversão e nem mesmo Sueli, sempre preocupada com arrumação, conseguia por ordem e roupas jogadas ao léu, pratos descartáveis ainda com restos de comida fazia do ambiente um quase campo de guerra…)

— Assim não dá Silvia! – Sueli sentou em dos banquinhos na pequena copa cozinha – Quem ver isso vai pensar que somos um bando de doidas.
— Deixa disso menina… – abraçou a amiga – Tu já devia ter acostumado…
— Tu me conheces e sabe que não suporto sujeiras e bagunça… – levantou e juntou duas calcinhas – Olha, olha! Essas pequenas são umas capetinhas…
— Para com isso Su… – tomou as calcinhas e juntou outras peças de roupas espalhadas – Tu sabe com é tua prima, vai se divertir que dou um jeito nessa bagunça…
Na praia as meninas jogavam vôlei no campo improvisado por Roberto que namorava com a irmã dentro da água quase gelada.
— Olha?! – Roberta baixou o corpinho do biquíni mostrando o peito intumescido – Tá frio pera caramba!
— Sua doida, as meninas podem ver… – bolinou no biquinho do peito – Precisamos dar uma escapulida…
— Tu não fica satisfeito nunca rapaz? – abraçou o irmão e uma onda quebrou em cima deles – Coitada da Silvia… – meteu a mão no calção e apertou o pau duro – Não sei o que mamãe te deu para mamar, essa rola não amolece nunca!
— O mesmo que deu pra ti… – afastou o biquíni e passou o dedo nos lábios da vagina – Esse xiri também não fica seco nunca, minha gostosa!
— Puxa! Há quanto tempo não ouço falar em xiri… – outra onda jogou os dois bolando na areia – Vamos sair, estou cheia de água salgada…
Com a noite o mar pareceu acalmar, não no chalé onde Sueli parecia atacada.
— Bia! Você não é mais uma criancinha pra ficar zanzando nua… Bertinha, olha tua filha… Parem com isso meninas, deixa teu pai terminar o lanche!
— Deixa de ser fresca mãe… O que é que tem eu sair assim? – Beatriz encarou a mãe – Tem ninguém aqui, só a gente!
— Vá vestir uma calcinha, não gosto de ver você assim…
— Deixa a menina Su! – Roberto saiu da cozinha com a terrina de caldo de carne fumegante que colocou na mesinha da sala – Como se tu não vivesse nua na fazenda…
— Para com isso Dinho, a gente era criança… – jogou as calcinas dos biquínis em sua direção – Tu gosta de ver mulher pelada, seu sacana!
— Cê chata Sueli, vai ajudar Roberta… – Silvia interviu – Pode ficar pelada Bia, tua mãe está se tornando uma velha chata!
Nem o momento do jantar acalmou Sueli. A meninada terminou o lanche da noite e deram no pé para a praia, ninguém estava aguentando a chatice dela.
— Dá um tempo Su… – Roberto abraçou a prima e ela respirou e se deixou abraçar – O que está acontecendo, tu não és assim…
— Ah! Dinho… A barra tá começando a ficar difícil demais… – segurou a mão do primo e apertou – Pablo está cada vez mais agressivo e distante…
— Esse venezuelano está merecendo umas porradas… – acariciou a barriga sentindo a respiração da prima acelerar – Te falei que ele…
— Não é venezuelano… – riu sentindo aquele frio riscar a espinha – É chileno seu doido… Um dia ainda deixo tu dar uns socos nele…
— Não fica assim, tu não é desse jeito… – desceu a mão e tocou na vagina por cima da bermuda – Esse teu casamento…
— Tu sabes que tinha de aceitar Dinho… – suspirou e abriu as pernas – Eu estava gravida e tu não ia poder assumir…
— Roberta não casou com o primeiro que se ofereceu…
— Era diferente… A prima sempre foi mais corajosa que eu e… E mamãe…
— Tu sabes que isso não é desculpa, lembra que foi com Tia Vera que… – sentou na cama e puxou ela – E a gente já tinha conversado…
— Se fosse hoje seria diferente Dinho… – suspirou e virou para ele – Mas quando Madalena…
— Madalena foi outro caso Su… Tu não tinha nada que entrar nesse rolo… – segurou a perna e puxou, ela sentou escanchada – Para ele foi uma dádiva… Ia ser expulso e tu, de otária, casou…
— Eu estava grávida, Dinho… Ele assumiu…
— Claro! Com uma filha acabaram os problemas… – ajeitou as pernas e tirou o pau, ela não falou nada – E tu ainda fez aquela cena… – meteu a mão debaixo da saia e afastou a calcinha, ela suspirou – No final eu fui o errado…
— Hun! Hun! Tu não tinha… Hun! Ai! Dinho?! – sentou rebolando, o cacete estava dentro dela – Esquece isso Dinho, esquece e me ama… Hun! Hun! Ai! Coisa gostosa… Tua filha… Nossa filha… Dinho… Hun! Ai!… Hun! Ela é… Ela é… Apaixonada por ti… Ui! Bem, ui… Mam… Mamãe est… Mamãe está… Hun! Hun! Dinho… Meu Deus… Hun! Ui! Dinho… – e gozou quase sem mexer o corpo, apenas a vagina fez tudo – Deus do céu… Já deveria ter aprendido isso há tempos… Meu gostoso, meu primo gostoso…
— Porra Su… Tu estais craque nisso… – sorriu e beijou a boca sedenta – Silvia não consegue fazer tudo isso…
— Minha prima é uma sacana Dinho… Mas esse negócio de pompoarismo é maravilhoso, sente… – e ele sentiu como se a vagina expulsasse e sugasse o pênis – Porra garota?! Silvia precisa saber como é bom…
— E quem disse que não sei? – Silvia estava parada na porta – Andei treinando garota safada, e não gostei de ver isso, viu seu Roberto…
— Meu Deus!!! – Sueli levantou apressada – Silvia?
— Tadinho do teu primo… – sorriu – Ainda bem que estava relaxada senão tinha torado o bichinho do nosso homem…
Sueli não era como Roberta, nunca se acostumara com aquele jogo de sedução e devassidão aceito por Silvia desde que se conheceram. Silvia sorriu e fechou a porta.
— Lembrem-se que não estamos em São Godofredo… E que temos filhas… – abraçou a amiga e beijou seu rosto – Tu sempre foi mesmo bobinha, vai te lavar e troca essa calcinha melada de gala… Vocês poderiam deixar pra depois que as meninas dormissem, seus depravados…
— Ô! Silvia, me perdoa… – olhou para o primo que sorria – Foi tu seu merdinha… Não tinha nada que me atentar… – tentou sorrir para Silvia.
— E que negócio é esse que não consigo, seu Dinho? – sentou no colo do marido e puxou Sueli – Tu nunca reclamou, seu sacana…
— Claro que tu consegues, mas… – abraçou as duas – Essa minha priminha quase arranca meu cacete…
— Para Dinho! – já estava mais calma – Não é assim não Silvia.
— O chileno deve adorar… – Roberto atiçou.
— Nunca fiz com ele… – levantou e tirou a calcinha ensopada com o produto da foda – Pra dizer a verdade essa foi a primeira vez que fiz com um homem…
— E treinou como? – Silvia também levantou – Deve ter engolido muito ovo e banana, né sua putinha enrustida?
— Ah! E tu também não treinou com ovo e banana? – sorriu, suspirou e olhou séria para o primo – Mas tu tens um cacete pra praticar… O Pablo já não me come há meses…
— E porque tu não separa logo, garota? – Silvia sabia do problema – A casa continua lá e teu quarto ainda está vazio…
— Não é fácil Silvia… Tem a Bia…
— Ana Beatriz não gosta dele Sueli e tu sempre soube disso – Silvia continuou – Além do que ela não é filha do chileno… A não ser que?… E esse negócio da Bia ser apaixonada pelo Dinho, é sério?
— É coisa de dona Vera amorzinho… – Roberto saiu do quarto.
— Começou com aquelas brincadeirinhas da mamãe, só que Bia levou a sério – Sueli olhou para Silvia – Eu tenho medo que aconteça alguma coisa entre eles…
— Deixa de ser boba menina, o Dinho sabe muito bem como lidar com essa situação – viu que o marido estava de volta – Ou tu pensas que é só ela?
— Para com isso Silvia…
Silvia olhou para o marido que saiu do chalé, Roberta estava sentada no meio das meninas que riam das coisas malucas que ela falava.
— Vem cá mano, tuas filhas querem te perguntar umas coisas…
— Ai meu saquinho, tu já começou? – sorriu e sentou do lado da irmã – Não acreditem sequer um por cento das coisas dessa minha irmã maluca!
— Eu não minto, juro que não! – riu e se jogou em cima do irmão – Deixa dessa mania besta de falar que vivo mentindo… Eu só falo a verdade, “É mentira, Terta?“ – riu e puxou Bruna – Tai, pergunta!
— Pai, a tia disse que o senhor conheceu mamãe numa boate?
— Não filha, sua mãe era minha colega de sala… – olhou para a irmã sem entender – A gente ia em boates, mas…
— Espera Bruninha, a pergunta não foi essa…
— É… Quando… Como foi que tu começou namorar com mamãe?
— Ah! Sim… Foi numa boate… Na Pássaros…
— E tu… – olhou com olhar sapeca para a irmã que riu – E tu… Ela…
— Fala logo Bruna! – Aline empurrou o pé na irmã.
— Poxa Line, pergunta tu?!
— Hi! Já vi que vem merda… – Roberto fuzilou a irmã com um olhar de desaprovação.
— E tu comeu ela na boate?
— Tua tia é uma gaiata… Não filha, a gente dançou, namorou, bebeu e…

📝 Parecia ter sido ontem, as imagens espocavam na cabeça…

⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️
(Lembranças, voltando no tempo)

📅 20 de novembro de 1987, sexta-feira – São Godofredo (Boate Passaro’s)
📌 (O jogo de luz e o som ensurdecedor, um monte de gente saracoteando no pequeno espaço de dança dava ares ensandecido ao interior da boate.)

— Aproveita e pega logo Dinho… – Roberta gritou no ouvido do irmão – Ela tá doidinha…
— Depois… – beijou a irmã – Antes quero curtir um pouco minha loiraça antes que algum gavião me roube…
— Nenhum gavião consegue, seu bobo! – riu abraçada a ele – O único gavião que me interessa é esse de pau duro…
Não escondiam de ninguém serem apaixonados, pareciam não serem irmãos quando iam ao Pássaros curtir a noite.
— Aproveita que o Fernando tá de olho nela…
— Que mania besta essa tua mana, tu adora jogar tuas amigas no meu colo… – a irmã riu alto e rodopiou, a saia levantou mostrando a calcinha branca enfiada na bunda – Não te vejo com ninguém?!
— Não quero ninguém, já tenho meu homem! – gritou enlouquecida – Mas não sou egoísta… Vai lá Dinho!
Saiu empurrando o irmão de volta para a mesinha alta onde um litro de uísque já quase vazio e latas de soda se equilibravam milagrosamente.
— Cadê a Su? – Roberta serviu outra dose, Silvia já parecia meio encharcada.
— Foi mijar! – gritou – Tu me empresta ele um pouquinho?
— É todo teu – empurrou o irmão – Dá uns esfrega nele…
Ficaram pouco tempo metidos naquela loucura do salão e Roberta não estranhou ao ver a amiga correr para o banheiro segurando a boca cheia de vômito.
— Vai lá Dinho, ajuda e aproveita… – empurrou o irmão.
Roberto abraçou a loura pelas costas que suava às bicas implorando que a fila do banheiro feminino andasse.
— Vamos lá fora que aqui vai demorar… – saíram quase correndo – Ali…
Levou a amiga para debaixo de uma mangueira e Silvia vomitou, ele continuava segurando sua cintura amparando para que ela não desequilibrasse.
— Desculpa Roberto… – limpou a boca com o dorso da mão – Não estou acostumada com uísque…
— Tem nada que se desculpar Silvia… – encaminhou a garota para o lavabo e esperou – Está melhor?
— Estou péssima… – deu um sorriso e aceitou o bombom de hortelã – Quase vomito no salão, desculpa…
Não se afastou quando ele lhe abraçou, mas não queria que ele lhe beijasse.
— Não Berto, vomitei…
Ele não se importou e ela se deixou beijar, não foi o primeiro beijo que deram, mas aquele foi especial como se fosse um selo que trancou de vez o futuro.
— Te amo Berto, te amo… – sussurrou em seu ouvido antes de novamente colar a boca na dele – Quero dormir contigo…
— Silvia… Eu… Roberta e eu…
— Eu sei Roberto, eu sei… – suspirou e olhou dentro de seus olhos – Ela conversou comigo e… Não me importo, só quero ser tua, eu não me importo…
Havia poucos casais no pátio externo, alguns apenas conversavam e outros, não muitos, já tinham passado de conversas para ação. Silvia empurrou Roberto para o banco escondido por folhagens e ele sentou. Não tinha planejado, não ali em público. Sonhara que sua primeira vez seria em uma cama com um príncipe de olhos verdes e cabelos encaracolados, mas não ali.
— Silvia… – Roberto olhou para ela – Aqui não…
Ela não deu importância e tirou a calcinha mostrando, no rosto um sorriso quase não perceptível e na mente a vontade de ser dele.
— Silvia… – olhou para ela e para os lados, ninguém a vista – Espera Silvia…
Ela não esperou, acocorou entre suas pernas, abriu a braguilha e tirou o cacete já duro sentindo o aroma invadir suas narinas.
— Olha… Silvia, aqui não… – ela não escutou e beijou a glande e ele parou de não querer.
A boca morna, a língua saliente bolinando na cabeça, entrando no buraquinho do ureter e ele fechou os olhos e ela lambeu e chupou como se não fosse sua primeira vez, ela não pensava em nada, apenas chupava e chupava até sentir a mão apertar seu braço.
— Para… Para senão eu gozo…
Ela ainda deu algumas sugadas antes de levantar e olhar para ele talvez querendo saber se tinha feito direito, mas ele não falou nada, apenas acariciou seu braço e esperou e ela sorriu e sentou em seu colo.
— Te amo Bertinho, te amo… beijou a boca e levantou um pouco, pegou o pau e pincelou na vagina melada – Desde que te conheci… Desde que tu entrou na sala… Eu te amei…
— Não queria que fosse assim… – acariciou o rosto – Vamos deixar pra depois…
— Não, quero agora…
E ele respirou fundo e ela sentou, o pau resvalou, não era uma boa posição, ela riu e novamente ajeitou.
— Segura… – olhou para ele – Eu quero Roberto, eu quero…
Não havia mais volta, ele segurou o pau e passou entre os grandes lábios, ela gemeu e sentou e sentiu a estreita caverna do desejo crescer, era grande e sentiu arder e gemeu, ele se assustou e olhou para ela e ela sorria e sentou novamente, o pau escorregou pelos líquidos viscosos e entrou, ela gemeu, sentiu dor.
— Elas meu, teu pau é muito grosso – sorriu, mas no rosto uma máscara de dor – Ai… Hun! Não… Deixa… Hun! Hun! Hun! Viu… Entrou… Entrou… – suspirou, sentiu a boceta cheia, não sentiu dores insuportáveis, mas sentiu dor – Pronto Berto, pronto…
Roberto sentia o calor pegajoso e soube que era sangue, tinha sido o mesmo com a irmã e com Sueli, mas nada importava para ela. Queria estar ali, em qualquer lugar do mundo, desde que fosse com ele.
— Não fica parado Berto, fode, me fode… – rebolou e sentiu tocar no fundo de seu corpo – Vai merda, me fode porra, me fode…
— Não dá… – gemeu – Tu tem que fazer…

📝 E ela fez, rebolou e começou a levantar e descer, o pau saia e entrava escorregando nas paredes e ela sentia arder. Foram os cinco minutos mais longos de sua vida, não sentiu prazer que lhe falavam, era uma sensação boa e estranha, o pau batia dentro cada vez que ela sentava, mas era o que queria e ele gozou.

⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️⏱️
(Tempo atual, conversa com Aline)

— E quando foi? – Aline olhou para o pai.
— Foi depois, mas isso não interessa vocês, suas malucas… – levantou, não se sentia a vontade com aquela conversa – Pergunta pra tua mãe…
As quatro riram em ver, pela primeira vez, que ele parecia encabulado.
— Esse meu paizinho é um bobo… – Aline abraçou o pai.

🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯🎯

NO PRÓXIMO EPISÓDIO
📑 Aline reclama do pai e fala que ele estava muito distante, o pai fala que ela estava muito atirada e a filha abre as pernas e ele vê as beiradinhas da vagina. No chalé Silvia lhe recorda das brincadeiras maldosas da mãe e nas pedras conversa com a filha e a sobrinha sobre estar indo com muita sede ao pote… no pastoreio e pergunta sobre coisas do passado, Bia toca novamente na primeira vez da tia… Roberto relembra outra noite que fodeu a mãe… Sueli fode com Roberto e Beatriz lhes flagra…

⭕ Não esqueça o detalhe das datas, o autor não segue uma linha de tempo ascendente. Não há uma cronologia lógica e, em alguns episódios, poderá haver a narrativa de mais que uma data. Ler esse autor é embarcar em uma viagem caleidoscópica insana, hora nos leva adiante, ora nos faz retroceder no tempo

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,20 de 5 votos)

Por # # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Shysergio

    Meus parabéns. Um série singular e muito excitante. Nota 10

  • Responder Shysergio

    Muito excitante. Você nem imagina o talento que tem. Continue inspirado para a alegria dos leitores.