#

Sweet dreams

605 palavras | 0 |4.00
Por

Para quem ama e tem vontade com disposição, um quarto pode se transformar no ambiente mais luxurioso, devasso e profano, com requinte apimentado

Após um longo jejum de transas, essa situação do COVID, estava deixando nosso namoro restrito apenas a filme e alguns beijos mais quentes no sofá. Tanto eu como ela não moramos sozinhos, o que prejudica a nossa intimidade. Certa vez quase fomos surpreendidos pelo filho adolescente dela. Começamos a tomar mais cautela e prudência, mas ela com tesão que tem, ainda assim me chupava rapidamente no sofá, ou após beber uma long Neck, enfiava o gargalo na buceta. Muitas vezes após o banho ela vinha de pijaminha, sem calcinha e eu algumas vezes também estava de calça sem cueca. Algumas vezes a escada de sua casa foi o palco de nossa luxúria, onde de costas, meio inclinada tinha a buceta preenchida pelo cacete e após alguns minutos muita porra dentro.
Esse final de semana, foi bem especial para coroar a última sexta feira da maldade. Ela veio dormir em casa com uma mala recheada de más intenções. Então em meu quarto, deixei o palco conforme me pediu. Uma cadeira e abajour com meia luz. Detalhes da roupa seriam desnudados posteriormente. Foi ao toallete se produzir e um estalo de lábios vermelhos ecoaram como um beijo. Era a senha para apertar o play e abrir os olhos. Começou desfilando pelo quarto, uma camisa branca aberta quase que a totalidade se não fossem os teimosos botões, o blazer preto dava ainda mais a sensualidade da linda mulher que amo de paixão e sabe como ninguém segurar seu macho. Deslizou graciosamente por todo piso do quarto enquanto eu inerte apenas admirando de boca aberta aquela dançarina gostosa. Seu chapéu em minutos foi ao chão e seu cabelo volumoso coreografava com ela. Uma meia calça preta bem justa ocultava a sua linda e diminuta lingerie. Foi despindo-se ao som da música de fundo bem sensual e excitante. A maneira sutíl que seu corpo lindo e charmosa mulher exibia-se, encantava meus olhos fazendo meu caralho pulsar. Uma a uma as peças de sua vestimenta foram forrar o piso do ninho de amor. Surge então ela em minha cama, me açoitando com um colar de pérolas. Envolveu o pau e fez uma massagem alternando com uma chupeta maravilhosa. Se desfez do soutian e me pós para mamar e chupar aqueles bicos deliciosos de seus seios. Esfregava em mim, tirou sua lingerie e com a gravata fez um sensual ensaio para deixar qualquer homem louco. Veio como uma loba faminta desejando e implorando um cacete para comer-lhe a buceta com gosto, força e prazer. Chupei a buceta toda molhada até me posicionar a meter sem dó todo o caralho duro. Metemos um pouco tempo e logo encharquei sua buceta de porra. Se levantou e expeliu minha porra quente sobre meu peito. Depois gozou em pé sobre mim, para sentir seu jato de porra a sair de sua buceta arrombada.
Segundo roud, comigo tocando fundo ela, sentido seu osso da pélvis até ela própria gozar aos borbotões. Nossas bocas grudadas em beijos, só descolavam para proferir as mais sacanas putarias. Mais uma gozada gostosa.
De manhã cedo, ela levantou sobre mim e ainda jogou a porra que escorria de sua buceta. Então demos mais uma bela trepada até os dois gozarem. Café da manhã merecido, um belo almoço para repor as energias. Hoje ainda é terça feira, e quero mito amar cada vez mais essa mulher na espera de mais um capítulo afrodisíaco.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 4 votos)

Por #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos