# #

O Toque parte 03

2985 palavras | 0 |0.00
Por

Rapaz usa controle mental para fuder com mulheres. Hipnose e controle mental.

Toque – Capítulo 3
De Dannybuddy retirado de sexstories.com

O resto do dia na faculdade não passava de mim me questionando e de todas essas novas situações. Mas isso é tudo que eu tinha, perguntas. Eu não tinha ideia de como obter respostas, todos com quem eu estava envolvido eram muito estranhos para se aproximar, muito menos conversar. O último sino do dia tocou e eu fui direto para casa sem esperar meus amigos desta vez, eu queria ficar sozinha.

Entrei em minha casa e fui para o meu quarto imediatamente, o único lugar que eu esperava poder ficar sozinho com meus pensamentos. Só então veio a batida na porta da frente, eu a ignorei completamente, mas depois ouvi de novo e de novo. Quem estava batendo claramente queria a atenção de alguém, suspirei pesadamente enquanto descia as escadas.

No instante em que meus pés chegaram ao último degrau, as batidas cessaram e um envelope caiu pela fenda. Aproximei-me devagar, senti quase como se a carta estivesse batendo para mim. Peguei e li as letras em negrito impressas ‘John Blake’. Quem postou sabia onde eu morava e obviamente sabia meu nome.

Eu podia sentir que havia algo lá dentro, um pouco mais pesado que papel. Eu lentamente a abri como se fosse uma surpresa desagradável, o suspense aumentou a cada segundo que passava naquela carta misteriosa. Eu não descobri naquele momento.

A porta da frente se abriu lentamente, eu rapidamente reagi e escondi a carta nas minhas costas, sem saber por que eu achava que era um segredo para começar. Entrando Jessica em toda a sua beleza, eu ainda tinha dificuldade em olhá-la depois da noite passada, proibida a sessão de beijos. Ela ainda conseguiu me dar um pequeno sorriso quando sua amiga a seguiu.

“Hey John” veio a voz cheia de alegria da melhor amiga de Jessica, Elizabeth ou Izzy, como ela preferia. Agora eu sempre tive uma queda por ela, a beleza de 18 anos ficou abaixo de 5 pés com o corpo de um anjo pequeno. Seu corpo levemente bronzeado e fino ostentava um par imperdível de seios da xícara B que pareciam tão firmes que nunca precisariam de um sutiã. Izzy também tinha a aparência, seus olhos azuis e longos cabelos loiros complementavam suas feições tão bem que ela era linda.

Eu dei-lhe um aceno rápido e sorri em reconhecimento enquanto tentava não vê-la descaradamente. Sua blusa apertada e calças jeans ainda mais apertadas não ajudaram, porém, acho que as duas garotas me pegaram olhando. Izzy parecia mais jovem do que ela, então eu sempre me senti um pouco culpada por minha atração por ela.

“Então, nós estamos indo para a praia, se você quiser ir junto?” Izzy perguntou com um grande sorriso. Honestamente, eu queria ir, mas a ligação da carta misteriosa que eu segurava era muito difícil de resistir.

“Talvez da próxima vez, garotas”, respondi, “tenho coisas a fazer”. Com isso dito, eu me virei e corri de volta pelas escadas para o meu quarto. Fechei a porta e encostei minhas costas nela, minhas mãos trouxeram o envelope de volta à vista.

Peguei o conteúdo que era uma carta com o que parecia um cartão de identificação preso a ele, preso por um pequeno pedaço de fita adesiva.

O cartão vermelho estava em branco na parte de trás, mas na frente havia grandes letras brancas ‘Touch’, seguidas em letras menores estava o meu nome e o número de identificação. Número 5.

Minha cabeça inclinou-se para a carta agora, novamente estava escrita naquele texto branco brilhante que ricocheteou no papel vermelho. Tudo o que dizia era: ‘Nós sabemos o que você pode fazer, com o tempo você também, não entre em contato, iremos abordar você’. Era isso, sem assinatura, sem endereço de retorno no envelope, nada.

Eu não tinha ideia do que estava acontecendo, de alguma forma essas pessoas sabiam sobre mim, me deram um cartão impresso e tudo. Isso me deixou com mais perguntas, eles sabiam o que eu poderia fazer? Eu nem sabia disso, isso tinha algo a ver com se tornar algum tipo de ímã de mulher nos últimos dias? Os estranhos encontros emocionais? Tudo o que me foi dado foram mais perguntas que me foram entregues pessoalmente.

Coloquei os itens de lado e entrei na minha varanda, sentei na espreguiçadeira que ficava lá durante o verão e olhava para a praia. Tentei juntar algumas respostas, mas não tive sorte, meus olhos vagaram até que se voltaram para duas meninas em particular.

Jessica e Izzy estavam tomando banho de sol quase diretamente abaixo da minha varanda, então eu tinha uma excelente vista deles. O corpo minúsculo de Izzy preencheu seu biquíni rosa quente ainda mais fino com perfeição, enquanto o branco da minha irmã exibia suas curvas pendentes.

Eu olhei para os dois, imaginando como Izzy ficaria nua, lembrando como minha irmã parecia. Meu pau mexeu no meu short, eu estava tentando bloquear o encontro das minhas irmãs comigo, mas agora é tudo que eu conseguia pensar. Cada parte dela me excitou.

Eu devo ter cochilado depois de um tempo, porque a próxima coisa que eu sabia que estava sendo acordada por Izzy.

“Hey John, sua mãe me enviou para levá-lo para jantar” sua voz suave cantou para mim, me trazendo de volta ao mundo.

Meus olhos imediatamente começaram a olhá-la quando eles se abriram do sono. Era óbvio para ela quando eu praticamente olhei para o peito dela, balancei minha cabeça para tentar acordar, bem isso e para me impedir de olhá-la.

Ela me deu um tapa brincalhão na cabeça e pulou em direção à porta, meus olhos automaticamente seguiram sua bunda, que estava mais uma vez coberta por aquelas calças jeans. Ela estalou os dedos para quebrar o feitiço e me deu um olhar muito conhecedor.

“Meu rosto está aqui, seu pervertido”, ela riu enquanto saía pela porta. Preso.

Desci as escadas e todos comemos juntos, meus olhos não podiam deixar de passear por Izzy, mesmo que ela tivesse me pegado olhando para ela. Seu pé me deu um pequeno chute na perna debaixo da mesa quando fiquei um pouco distraído com ela.

Nós terminamos e Izzy se despediu e seguiu para casa, que ficava apenas a alguns quarteirões, quando voltei para o meu quarto e dormi a noite toda, bem depois de mais uma olhada no cartão Touch.

Acordei naquela sexta de manhã me sentindo renovada, como se hoje fosse melhor de alguma forma. Fui para o chuveiro e deixei a água fria lavar meus problemas por um momento. Depois de me vestir, fui para a cozinha tomar o café da manhã e me preparei para sair. Eu não pude deixar de sentir que estava faltando alguma coisa, então voltei para o meu quarto.

Eu sabia o que queria pegar, o cartão Touch. Por alguma razão, parecia que isso me ajudaria a passar o dia, como saber que alguém tinha respostas me faria sentir mais à vontade. Peguei-o e olhei por um momento, como se estivesse atraído por ele. A pequena fenda no lado esquerdo permitiu que ela fosse presa a um desses clipes e usada em volta do pescoço, como um passe nos bastidores.

Felizmente, eu tinha alguns desses, então prendi e coloquei em volta do meu pescoço, assim não poderia perdê-lo nas multidões do estado de Daytona. Com isso feito, eu me virei para sair apenas para encontrar Jessica na minha porta com uma expressão triste em seu rosto lindo.

“John, podemos conversar sobre o que aconteceu entre nós?” sua voz era tão suave e gentil que eu mal podia ouvi-la.

“Eu não sei o que aconteceu”, eu disse tão suavemente quando me aproximei dela e a beijei levemente na bochecha.

“Eu vou descobrir em breve”, sussurrei enquanto passava por ela e saía pela porta. Eu precisava de resposta antes que pudesse explicar a Jess, ela precisava da verdade.

Fui para o local de encontro habitual para ver meus amigos, mas, ao me aproximar, pude ver que eles não estavam lá, havia no entanto outras três pessoas que eu conhecia.

Os três pareciam estar conversando antes de se virarem para olhar para mim; esses três eram criadores de problemas, os maiores delinqüentes no comportamento da faculdade, mas sempre obtendo as notas perfeitas, não faziam sentido para mim. Mas aqui estavam eles, parados onde deveriam estar meus amigos.

“Lá está ele, nosso mais novo amigo”, falou o ‘líder’ do grupo, Jackie. Agora, Jackie era um daqueles caras com quem você simplesmente não queria mexer, eu não sabia de todos os detalhes, mas havia rumores de que ele estava envolvido em coisas bem profundas. Ele era da minha altura, mas com um pouco mais de volume, seus cabelos castanhos estavam crescendo apenas o suficiente para alcançar o topo dos seus óculos de sol, que ele nunca parecia tirar. Esse cara era praticamente um psicopata de acordo com sua reputação.

“Mandamos seus amigos à frente, John, você não vai se juntar a eles hoje”, comentou a mulher do grupo, Robin. Apesar de sua escolha de amigos, Robin era muito gostosa, ela era um pouco mais baixa do que eu com uma figura perfeita de ampulheta. A bunda redonda e firme, com os seios que eram facilmente um copo D, fez dela uma das garotas mais desejáveis ​​do mundo, embora eu nunca tenha visto um namorado com ela. Seus longos cabelos negros cercavam seus óculos, que pareciam ampliar seus olhos escuros e penetrantes.

Seus comentários foram recebidos com um aceno de cabeça do último membro do grupo, Marco. Marco era um homem grande, pelo menos meio metro mais alto que eu, com músculos e pele grandes que mostravam sua herança italiana. Seu cabelo preto curto caía da cabeça, enquanto seus olhos azuis eram um completo contraste com seus outros traços.

“Você vem conosco hoje John, então não há faculdade para você.” A voz de Jackie tinha aquele tom como se ele estivesse pedindo gentilmente, mas eu não pude deixar de sentir que isso não dependia de mim.

“Olha gente, eu não quero nenhum problema”, comecei antes de Jackie balançar a cabeça. “Oh, não irmão”, ele respondeu enquanto os três alcançavam o interior de suas blusas e pegavam algo muito familiar, “você não está com problemas” .

Todos os três estavam usando cartões de toque em volta do pescoço, assim como eu. Instintivamente puxei o meu também, só para vê-lo.

“Esse é o irmão” Jackie riu, “agora vamos lá, não queremos nos atrasar”. Eles começaram a andar, mas não em direção à faculdade, meus pés começaram a segui-los antes de eu. até decidi se era uma boa ideia ou não. Eles devem ter respostas, de que outra forma eles saberiam vir me buscar?

Caminhamos uns bons 20 minutos em silêncio antes de chegar a um grande prédio de escritórios que sempre achei abandonado, mas com o vidro reflexivo do lado de fora não sabia o que acontecia ali. Atravessamos as portas e até um elevador, olhei em volta, parecia não haver mais ninguém por perto ou qualquer outra maneira de chegar aos andares mais altos, sem escadas, nada.

“Aqui estamos, mano, basta passar o cartão”, disse Jackie, apontando que não havia botões para ligar para o elevador, apenas um leitor de cartões.

Todos os três pares de olhos estavam em mim, esperando que eu desse um passo à frente. Minhas mãos formigavam e eu podia sentir o suor na minha testa, isso estava me preocupando agora, mas eu me levantei de qualquer maneira e passei o cartão com as mãos trêmulas. O leitor falou ‘Usuário 5: John Blake identificou’ os outros passaram os cartões em sucessão.
‘Usuário 4: Marco Garcia identificado’. ‘Usuário 3: Robin White identificado’. ‘Usuário 2: Jackie Reed identificado’. Com isso as portas se abriram e uma mão bateu nas minhas costas, o que me fez pular um pouco e entrar.

“Acalme-se mano, você é um de nós agora” O tom de Jackie não me acalmou apesar de seus melhores esforços, “preparei-nos uma recepção calorosa”. Eu olhei para o rosto sorridente dele, o que ele havia planejado? Ele estendeu a mão para os botões de cada andar, de 5 a 1, o que parecia um pouco estranho, pois o elevador não podia descer, os andares eram apenas nomeados para que 1 fosse o topo. Eu também era o único onde o botão não estava aceso, acho que a única maneira de chegar a esse andar seria usando o cartão primeiro.

Jackie apertou o botão para 2, que eu presumi que seria o andar dele, devido aos números de usuário que o leitor de cartões leu. As portas se abriram e eu ofeguei, diante de mim havia um mundo de fantasia como se o sonho de Jackie estivesse contido neste andar do escritório.

Tudo o que eu supus que ele iria querer estava neste andar, era como o conteúdo de uma casa inteira lá dentro. Meus olhos ainda estavam processando as informações que estavam recebendo quando Jackie falou comigo novamente.

“Gosta do que vê, mano?” ele perguntou: “Há um para você também quando você nos diz o que quer”. Um para mim? A sério?

“Quem paga por tudo isso?” Eu só tinha que perguntar.

“O número 1 paga por tudo”, Robin entrou na conversa, “o prédio, os móveis, a comida, a água, a eletricidade, tudo”.

“Mas por que?” Eu não entendi, quase parecia que estávamos sendo patrocinados.

Jackie soltou uma risada levemente sinistra do meu último comentário antes de me responder. “Por causa do que somos capazes, mano, acho que você deve ter percebido que não é exatamente normal”. Seu rosto se contorceu de volta em um sorriso. “Eu vou te mostrar”, acrescentou.

Robin revirou os olhos e ela e Marco voltaram para o elevador. “Nós sabemos o que você quer dizer, Jackie, vejo você mais tarde, novata”, disse ela com uma piscadela antes das portas se fecharem e elas desaparecerem.

Jackie foi até a cama king-size que, à segunda vista, claramente tinha alguém nela. Eu o segui enquanto ele puxava as cobertas para revelar uma visão que caiu no meu queixo.

Havia duas garotas asiáticas nuas, cada uma dormindo nos outros. “Acorde meninas” Jackie sorriu enquanto colocava a mão em cada uma delas. Os dois se mexeram e sorriram de volta para ele. “Vamos trabalhar então”, disse Jackie enquanto se deitava na cama.

As meninas, que após uma inspeção ainda mais detalhada, eram gêmeas idênticas, ambas com longos cabelos negros, bundas redondas e firmes e seios ainda mais firmes na xícara B, o atacaram imediatamente. Eles quase arrancaram suas roupas enquanto o beijavam.

“Eu não sei se você notou recentemente, mas pessoas como nós podem fazer o que quisermos, temos poder” Jackie falou enquanto as garotas o deixavam completamente nu e esfregavam as mãos em todo o peito antes de começarem a acariciar. seu pau endurecido.

“Qualquer um que tocarmos fará o que quisermos”, continuou ele, “e claramente quero dizer qualquer coisa”. Os gêmeos deslizaram para baixo e começaram a lamber para cima e para baixo em ambos os lados de seu membro, levando um tempo para enlaçar a boca um do outro com a cabeça de seu pau entre eles.

Uma das garotas começou a chupá-lo enquanto a outra choramingava como se tivesse acabado de roubar seu brinquedo favorito, mas seus olhos foram atraídos para a boca habilidosa de suas irmãs, pois habilmente despertou Jackie. Pude ver as duas garotas esfregando suas xoxotas apertadas com as mãos livres e pude ouvir como estavam molhadas.

Eu me perdi na devassidão que se desenrolou diante dos meus olhos enquanto as meninas continuavam seu ataque oral, enfiando o pau de Jackie na boca um após o outro. Jackie era praticamente do mesmo tamanho que eu, mas um pouco mais grossa, as irmãs asiáticas não tinham problemas com isso, apesar de seus corpos pequenos, obviamente, Jackie as tinha aqui por um bom tempo.

“Eles sabem exatamente o que eu quero, mano”, continuou ele, “eu passei um tempo treinando essas garotas em minhas putas pessoais”.

“Somos vagabundas de Jackie”, as duas garotas disseram em uníssono antes de continuar sua tentativa de chupar a porra dele. Enquanto um chupava o outro lambia ou chupava suas bolas, cobrindo sua virilha na saliva. Sua respiração estava pesada e ficando mais pesada a cada segundo, o fato de ele

Ele grunhiu alto o suficiente para ouvir o eco do outro lado da sala quando as meninas o acariciaram rapidamente e apontaram seu pênis na direção de seus rostos. Ele veio duro, pulverizando sua carga em suas bochechas e lábios. Eles começaram a se beijar apaixonadamente, trocando seu prêmio cremoso entre eles.

“Isso é o que você pode ter todos os dias a partir de agora” Jackie disse exausto, “eu vou te ensinar como”.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(0 Votos)

Por # #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos