# #

O Toque parte 02

2743 palavras | 0 |0.00
Por

Rapaz usa controle mental para fuder com mulher. Hipnose e controle mental

Toque – Capítulo 2
De Dannybudy retirado de sexstories.com

As coisas ficaram estranhas rapidamente, Kelly e eu tínhamos acabado de fazer sexo quente sem sabermos realmente por que fizemos isso. Foi porque eu vim para ela e ela não queria me parar? Mas então ela estava participando da mesma forma … Eu não conseguia montar.

Tentamos conversar um com o outro logo depois, mas nós dois estávamos nos sentindo esquisitos um com o outro, é por isso que eu nunca bati nela antes, eu sabia que isso arruinaria nossa amizade.

Tentei sair de lá o mais rápido que pude, sem parecer um idiota completo. Eu não era o tipo de cara que fazia essas coisas e certamente não queria começar com ela.

Fui para casa em transe e rapidamente fui para o meu quarto e desabei na minha cama me sentindo péssima com a coisa toda,

Houve uma batida leve na minha porta, eu a ignorei, mas ela se abriu lentamente de qualquer maneira. Era Jessica, minha irmã gêmea.

“Hey John, você está bem?” ela perguntou em sua voz suave.

“Estou bem, apenas me deixe em paz”, eu respondi sem rodeios. Eu não estava com disposição para conversar ou algo assim, só queria me arrastar para um buraco por um tempo.

Ela veio e sentou-se ao meu lado de qualquer maneira, ela nunca foi de fazer o que eu disse.

“Vamos lá, o que houve? Não pode ser tão ruim”, ela disse com um grande sorriso na tentativa de me animar, geralmente aquele sorriso fofo me derreteu como um cubo de gelo ao sol, mas não hoje.

“Apenas deixe para lá, ok, eu não quero falar sobre isso”, eu respondi novamente no mesmo tom brusco, eu me odiava tanto agora.

Eu sabia que ela não desistiria, ela colocou a mão no meu braço e me sentei para olhá-la. Comecei a tentar explicar, mas minha cabeça virou para o lado em um instante e senti uma picada quente na minha bochecha, o que diabos aconteceu?

Eu olhei de volta para Jess e ela tinha uma expressão claramente visível de raiva, ela tinha me dado um tapa no rosto.

“Eu te odeio”, ela gritou quando saiu correndo da sala, batendo a porta atrás dela. Fiquei completamente atordoada, minha mente não conseguia nem processar os pensamentos que a atravessavam. Havia algo de errado comigo?

Fiquei em silêncio até que mamãe me chamou para jantar, que era pizza, pois era nosso aniversário hoje, quando éramos mais jovens, sempre pedíamos no nosso aniversário e isso meio que se tornou uma tradição antes que percebêssemos.

Minha mente ainda estava tentando processar o dia enquanto eu descia as escadas silenciosamente, quase com medo de provocar a ira de minha irmã novamente. Sempre estivemos perto, é claro que houve algumas brigas aqui e ali como todas as famílias. Uma coisa que nossa mãe nos ensinou foi que nunca devemos bater um no outro e muito raramente tivemos. Eu caminhei de volta para a cozinha para jantar e me sentei para comer na grande mesa perto da janela que deixava o sol se pôr. A

conversa era leve e desinteressante enquanto comíamos, Jess continuou olhando para mim e sorrindo, mas eu continuei. se afastando. Ela estava arrependida por ter me atingido? Ou apenas brincando comigo? Eu não sabia

Recuei para o meu quarto o mais rápido que pude depois de terminar de comer sem pedir desculpas. Eu caí de volta na minha cama e devo ter adormecido, a próxima coisa que eu sabia era que estava me acordando. Minha lâmpada de cabeceira estava acesa e alguém estava sentado ao meu lado.

“John, nós temos que conversar” ela sussurrou, meus olhos finalmente focados em Jess. Sentei-me e olhei para ela com espanto, “o que é isso?” Eu murmurei em resposta.

Nesse momento, meus olhos deslizaram por seu corpo, sua forma suculenta estava sendo coberta apenas por uma camisola branca apertada. Instantaneamente, comecei a ter pensamentos impuros, ela era minha irmã, minha irmã gêmea, mas parecia tão bonita e sexy que era como se a maior artista do mundo tivesse pintado sua camisola em suas curvas. Eu percebi que ela estava falando comigo o tempo todo e eu não estava prestando nenhum tipo de atenção às suas palavras. A mão dela agarrou meu braço como uma maneira de fazer com que eu a notasse, isso me jogou para fora da minha luxúria alimentada pelo atordoamento quando seus olhos se encontraram.

No segundo seguinte, estávamos nos beijando, o tipo de beijo quente e pesado que os amantes compartilham. Meus braços envolveram seu corpo e a puxei para a cama enquanto subia em cima dela. Nossas línguas se encontraram e se cumprimentaram calorosamente, cada uma tentando superar a outra.

Suas mãos deslizaram ao meu redor, exatamente como haviam feito naquela manhã, e me puxaram com força. Enquanto isso, minhas próprias mãos deslizavam por seu corpo, sentindo cada pedaço de carne exposta, sentindo cada curva perfeita. Ela choramingou quando sentiu meu pau duro moer em sua boceta, mesmo através do meu short, eu tinha certeza que ela podia sentir todo o seu comprimento contra ela.

Eu quebrei nosso beijo e olhei para o decote dela, aqueles peitos flexíveis e firmes que me atormentavam todos os dias estavam me chamando com a música de sirenes. Minhas mãos as agarraram com força, apertando-as juntas, fazendo-as parecer ainda melhores do que antes, eu não pude resistir a elas. Eles se sentiam tão bem em minhas mãos, tão macios e bonitos que eu precisava deles.

Abaixei minha cabeça para eles e beijei cada parte de sua carne exposta antes de agarrar o tecido para liberá-los. Eu me levantei um pouco para ver toda a cena proibida, seu lindo rosto com os profundos olhos azuis implorando para que eu estivesse com ela, seus 34D nus com os mamilos rosados ​​e macios que esperavam ser sugados.

Que diabos eu estava fazendo ?!

Eu me arrastei para trás, me jogando no meio do quarto, o que eu tinha feito?

Nós nos encaramos pelo que parecia a própria eternidade até que ela se moveu muito lentamente, separando as pernas e me mostrando tudo, ela não tinha nada por baixo. Meu queixo caiu.

Aqui eu tinha tudo o que eu sempre quis, minha linda irmã gêmea na minha cama, seios à mostra, boceta molhada para mim. Eu não consegui.

Eu fugi da sala.

Na manhã seguinte, fiquei aterrorizada. Acabei retornando ao meu quarto vazio à noite para tentar dormir, mas não encontrei nenhum. Eu apenas continuei revisando os eventos do meu aniversário, eu fiz sexo com Kelly, uma das minhas melhores amigas naquela tarde, sem dizer uma palavra para o outro para começar. Então, naquela noite, o mesmo quase aconteceu com minha irmã gêmea Jessica, novamente sem nem pedir. O que estava acontecendo por aqui?

Mamãe me chamou para tomar café da manhã, como sempre fazia, como eu poderia viver minha vida normalmente mais uma vez? Como eu poderia enfrentá-los depois do que tinha feito? Depois do que eu quase fiz? Fui para a cozinha e fui instantaneamente para minha comida, sem ter tempo de olhar em volta. Eu mantive minha cabeça baixa e comi rapidamente, eu podia sentir Jess entrando na sala, eu não conseguia nem olhar para ela. Eu sabia que tudo o que veria quando a veria seria a imagem dela abrindo as pernas para mim na minha cama.

Eu me arrumei e saí pela porta sem me despedir, andei tão rápido que minhas pernas doíam, mas eu tinha que sair daquela casa. Eu mantive meu ritmo apressado até me lembrar exatamente para onde estava indo, direto para Kelly.

Eu olhei para cima pela primeira vez desde que comecei a andar, lá estavam eles, lá estava ela. Vê-la novamente trouxe instantaneamente de volta todas as lembranças de ontem, era tudo que eu podia imaginar enquanto olhava para ela. Eu me aproximei deles enquanto meu ritmo diminuía, eu continuava me perguntando pergunta após pergunta. Ela esperava mais agora? O que eu deveria dizer? Como eu deveria agir? Ian e Ash sabiam?

Eu fiquei sem tempo e andei um passo, a menos de alguns metros deles, eles sorriram e me cumprimentaram, meus olhos presos aos de Kelly, que me deram um olhar que eu não conseguia traduzir. Tanto quanto eu podia dizer, ela estava tão insegura quanto o que fazer como eu.

Nós caminhamos para a faculdade, assim como fizemos ontem, conversamos um com o outro, embora eu e Kelly mal disséssemos uma palavra um para o outro. Eu sabia que isso arruinaria nossa amizade, agora não sabemos o que fazer na companhia um do outro. Nós precisávamos conversar rápido e rápido, mas os nervos estavam tirando o melhor de mim, como eu começaria minha frase?

As aulas voaram enquanto eu mal prestava atenção, isso foi até Art, de longe a minha parte favorita do dia. Não só fui bom nisso e minha primeira escolha ao decidir vir aqui, mas a vista foi excelente. A visão é a mulher bonita que nos ensinou, a Sra. Abigail Wilson, que era legal o suficiente para nos deixar chamá-la de Abby.

Abby era a professora mais jovem da faculdade e tinha a aparência de provar isso, as feições faciais parecidas com modelos e sardentas, com os longos cabelos ruivos que caíam em torno dela, os olhos verdes que perfuravam seu coração toda vez que ela fazia contato visual. Seu corpo era o de uma deusa absolutamente livre de manchas e ela tinha tudo: a pele perfeita, a bunda perfeita, o punhado perfeito de seios. Qualquer homem na terra se curvaria diante dela se ela perguntasse com um sorriso.

Minha mente finalmente vagou de Kelly para Abby, ela era a única coisa que poderia ter feito isso. Eu ainda não estava ouvindo a lição, porém, tudo que eu pensava era em deixá-la nua e tendo o meu caminho com ela, eu estava ficando muito excitada quando ela me tirou do meu transe. Assim como eu estava pensando nas coisas sujas que eu podia ouvir daqueles grandes lábios vermelhos.

“E o que temos aqui, Sr. Blake?” sua voz soou através da classe quando ela colocou a mão no meu ombro e olhou por cima de mim para a página em branco. Eu podia sentir sua mão tremer um pouco enquanto ela falava novamente “fale comigo depois da aula, por favor”. Comecei a desenhar o mais rápido que pude.

A campainha tocou para o almoço e todos saíram às pressas; eu, porém, fui lentamente em direção à mesa na frente. Abby estava olhando nos meus olhos enquanto ficamos em silêncio por um momento. Eu não pude deixar de vê-la um pouco. Sua blusa não fazia nada para esconder a forma dos seios, nem a saia curta escondia aquelas longas pernas lisas.

“Então, John, parece que você está tendo problemas para se concentrar na minha lição hoje, é realmente uma pena que você seja um garoto brilhante e eu odiaria que você ficasse para trás.” sua voz era tão pura que toda sílaba parecia uma canção de anjos. “Você terá que ser punido”.

Ela se levantou da mesa e se dirigiu para a porta, eu podia ver suas mãos mexerem com a maçaneta e podia jurar que a ouvi trancar. Ela voltou para mim com os quadris balançando de um lado para o outro de uma maneira quase sedutora, o que ela estava fazendo?

“Abby, o que você é …” Eu tentei perguntar a ela, mas ela colocou um dedo nos meus lábios e sussurrou um ‘shhh’. “Vou puni-lo por não prestar atenção, desde que isso fique entre nós”, a voz dela agora tinha um tom sedutor de que eu ‘

“Agora, sente-se e tome-o como um homem, não quero ouvir uma palavra sua.” Ela disse com uma voz muito mais séria enquanto pressionava contra o meu peito até eu me sentar na beira da mesa.

Senti sua excitação crua quando um sorriso sexy cruzou seus lábios, suas mãos deslizaram pelo meu corpo, agarrando meus músculos. Suas mãos alcançaram meu cinto e desfizeram-no lentamente, provocando meu membro endurecido, levando seu tempo. Com a mosca desfeita, ela agarrou meu pau que endureceu instantaneamente, ela colocou a boca no meu ouvido enquanto movia a mão para cima e para baixo em um ritmo agonizante.

“Mmm garoto mau, ficando duro seu pau grande com o seu professor punindo você”, ela mal sussurrou em meu ouvido antes de lamber e morder meu lóbulo da orelha. Ele enviou um choque elétrico na minha cabeça que só me deixou mais quente, eu queria ouvi-la falar ainda mais desagradável para mim.

“Você gosta de ser punido, não gosta? Você ama isso, não é? Bem, agora é hora da coisa real, baby”, suas palavras mais uma vez sussurraram em meu ouvido quando ela caiu de joelhos na minha frente.

Suas mãos rapidamente puxaram meu pau através da mosca na minha cueca, suas mãos macias sentindo todas as sete polegadas. Eu pude ver seus olhos examinando-o por um momento, quase como se ela estivesse avaliando. Eu rapidamente descobri o porquê, ela engoliu a coisa toda em sua garganta. E eu pensei que as habilidades de garganta profunda de Kelly eram boas.

A boca e a garganta de Abby estavam completamente diferentes, absolutamente paradisíacas. Sua garganta parecia estar me agarrando e massageando meu pau todo, estava quente, molhado e ficando mais úmido. Ela levantou a cabeça, ofegando por ar que estava ali há tanto tempo. A saliva cobriu todo o meu eixo, que ela esfregou com as duas mãos enquanto olhava nos meus olhos com um olhar imundo no rosto.

Para ser justo, eu não sabia muito sobre ela em um nível pessoal, mas eu nunca poderia ter previsto que ela faria isso e tão ansiosamente também. Ela voltou a empalar a garganta no meu pau liso, sua saliva quente escorreu e começou a mergulhar na minha cueca. Cada músculo do meu corpo ficou tenso, a fim de me impedir de gozar enquanto eu gemia, talvez muito alto.

Sua paixão estava escrita em todo o seu rosto, isso me fez querer prendê-la sobre a mesa e fazer tudo para ela. Eu só pensei nisso quando ela se levantou e se deitou sobre a mesa enquanto puxava a saia e me mostrava sua calcinha de renda preta. Sua umidade era claramente visível.

Eu estava totalmente preparado para pular nela e devastar seu corpo, mas minha mente parecia ter que parar e perguntar. Por que Abby estava fazendo exatamente o que eu pensava? Ela não era o tipo de pessoa que fazia isso, eu tinha certeza disso.

Então por que?

Pensei em parar com isso antes de sermos pegos, ela perderia tudo se isso fosse exposto. Toquei levemente sua coxa lisa, o que causou um sobressalto no corpo dela, como se ela tivesse voltado ao mundo real.

Ela bateu minha mão rapidamente, enquanto ajeitava a saia, escondendo a calcinha mais uma vez.

“É melhor você ir, John, por favor não mencione isso para ninguém, para mim, ok?” ela implorou comigo com o rosto mais triste que eu já a vi puxar. Tudo que eu pude fazer foi acenar com a cabeça enquanto colocava meu pau ainda duro e molhado de volta na minha cueca. Fechei meus shorts e saí correndo do quarto, direto para o banheiro masculino apenas para encontrar um espelho para que eu pudesse me olhar.

Olhei para mim mesma pelo que pareceram horas e horas, Kelly … Abby … Jessica … eu tinha manipulado todas elas? E se sim, como?

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(0 Votos)

Por # #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos